Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged Ambiente Escolar

A importância da participação dos pais na educação escolar

0

Duas pesquisas mostram que os pais fazem mais diferença na vida escolar dos filhos quando passam a mensagem de que a educação importa

PRESENÇA Daniela e Ricardo, com seus três filhos no colégio, em São Paulo. Eles acreditam que só uma escola de qualidade não garante o melhor ensino. Querem participar (Foto: Letícia Moreira/ÉPOCA)

PRESENÇA
Daniela e Ricardo, com seus três filhos no colégio, em São Paulo. Eles acreditam que só uma escola de qualidade não garante o melhor ensino. Querem participar (Foto: Letícia Moreira/ÉPOCA)

Camila Guimarães, na Época on-line

Mãe de três crianças que estudam no mesmo colégio, Daniela Khauaja se desdobra para acompanhar a vida escolar dos filhos. Professora e coordenadora de pós-graduação em São Paulo, há dez anos ela decidiu mudar de carreira (era executiva numa grande empresa) para ter mais flexibilidade de horário e estar mais perto da rotina de Luiza, de 13 anos, Carolina, de 7, e do pequeno Bernardo, de 6.

Seu marido, Ricardo, consultor, é seu companheiro nas idas e vindas entre trabalho, casa e escola. São quatro reuniões bimestrais por filho, por ano. Mais as reuniões individuais com cada professora, um total de 15. Daniela e o marido também frequentam um grupo de mães e pais que se encontram para assistir a palestras e discutir temas que envolvem a educação dos filhos. São mais duas ou três horas mensais.

O envolvimento do casal vai além da escola. Em casa, conferem a lição de casa e sabem o dia da próxima prova dos filhos mais velhos – para também olhar se a matéria foi estudada. “Apenas matriculá-los numa boa escola não garante um bom desempenho”, afirma Daniela. “Nos preocupamos em mostrar a importância da educação e o valor da escola para a vida deles.”

Daniela e Ricardo não estão sozinhos no esforço de ajudar a vida escolar dos filhos. A participação dos pais na educação formal está em alta. Há um consenso entre educadores, professores e estudiosos sobre os efeitos no desempenho dos alunos. Quanto mais ativos os pais, maior a chance de o filho tirar boas notas no boletim e terminar uma faculdade.

Nas últimas décadas, os pais passaram a ser estratégicos para políticas públicas de educação em diversos governos. Nos Estados Unidos, a participação das famílias virou assunto de uma secretaria exclusiva, que planeja como envolver os pais na escola para ajudar a diminuir as diferenças de aprendizado entre os mais ricos e os mais pobres.

Do lado das escolas, os esforços para engajar os pais não são menores. “A presença dos pais legitima a educação que oferecemos”, afirma Bartira Rebello, psicóloga do Colégio Miguel de Cervantes, de São Paulo, onde estudam os filhos de Daniela e Ricardo. “A parceria reforça o vínculo entre o aluno e o ambiente escolar”, afirma Patrícia Motta Guedes, da Fundação Itaú Social.

A concordância é generalizada, mas nunca houve tantos pais desorientados sobre como ajudar seu filho a ser um bom aluno. Muitos se atrapalham na hora de ajudar com a lição de casa, outros trabalham demais, e falta tempo para participar de todas as atividades, reuniões e apresentações escolares. Quem não conhece uma mãe que se afoga em culpa por perder uma apresentação do filho na escola? Quantas não se perguntam o que fizeram de errado para seus filhos odiarem tanto as aulas?

Não é fácil medir em que medida o envolvimento da família ajuda na nota. O desempenho escolar é afetado por muitos fatores. Passa pela qualidade do professor, do ambiente da sala de aula, do material didático, da vizinhança em que a escola está, das condições econômicas da família, e por aí vai.

Saber a parcela exata da ajuda dos pais e o tipo de atitude que funciona é um desafio antigo dos pesquisadores da área. Por isso, nas pesquisas atuais, tenta-se entender como o comportamento dos pais pode influenciar não só o desempenho acadêmico, relacionado ao boletim, mas o desempenho escolar como um todo, que envolve o comportamento do aluno na escola.

“O bom aluno tem algumas posturas em relação a sua educação, como capacidade de concentração, disciplina e perseverança. Elas ajudam a estudar e aprender melhor”, afirma Priscila Cruz, diretora do Todos Pela Educação, movimento da sociedade civil que atua para a melhoria do ensino público básico.

O Todos Pela Educação fez um estudo inédito no Brasil, com famílias de estudantes de escolas públicas. Conseguiu identificar as atitudes comuns às famílias de crianças e jovens que se destacam na escola (leia no quadro abaixo). São atitudes simples – como colocar a escola nas conversas do dia a dia e valorizar o conhecimento. Elas não se traduzem necessariamente em ajudar o filho a resolver uma equação matemática. Para famílias de baixa renda, essas atitudes podem fazer diferença no potencial acadêmico dos alunos.

Tatiane da Silva, de 34 anos, é mãe de Thaís, de 7, e de Gustavo, de 13. Ambos estudam em escolas públicas de Jacarepaguá, no Rio de Janeiro. Tatiane estudou até o ensino médio. Seu marido, que trabalha como segurança, fez apenas as séries iniciais do fundamental. Ela acredita que a educação é o único caminho para que seus filhos vivam melhor. Além de ir a todas as reuniões  e conferir os cadernos, Tatiane conversa com frequência com o mais velho sobre o que ele escolherá como profissão, que faculdade fará.

Com a mais nova, treina a leitura, leva a bibliotecas e livrarias (mesmo se não pode comprar o livro) e lê em voz alta as historinhas que tem em casa. Thaís ainda não é alfabetizada e fica ansiosa quando não consegue decifrar as letrinhas. A atitude da mãe a ajuda a superar a insegurança. “Sinto que ela se acalma quando digo que é capaz de aprender, que ela conseguirá”, diz Tatiane. (mais…)

Escolas, alunos e professores ‘não falam mesma língua’

0

escola-no-rio-grande-do-sul-foto-veio-com-materia-da-bbc-1408978612389_615x300

Ricardo Senra e Renata Mendonça, no UOL

Quando o assunto é a violência dentro das salas de aula, não parece haver consenso sobre suas principais causas.

Professores, diretores de escolas, alunos e especialistas em educação ouvidos pela reportagem da BBC Brasil apontam para direções diversas, sugerindo que agressões contra educadores seriam fruto do histórico familiar dos alunos, da falta de políticas públicas e policiamento e também de professores mal preparados – e até mesmo agressivos.

A violência em sala de aula contra professores foi um dos temas destacados por internautas em posts de Facebook e no Twitter como um dos que deveria receber mais atenção por parte dos candidatos presidenciais, em uma consulta promovida pelo #salasocial, o projeto da BBC Brasil que usa as redes sociais como fonte de histórias originais.

Enquanto ninguém fala a mesma língua, o MEC (Ministério da Educação) diz não ter dados unificados sobre a violência escolar. Confrontado pela reportagem, porém, o Inep, órgão ligado ao ministério, reconheceu que o tema faz parte da Prova Brasil – avaliação nacional com respostas voluntárias de professores, alunos e diretores. Os últimos dados, de 2011, foram tabulados a pedido da BBC Brasil.

Os resultados apontam que um terço dos professores que responderam ao teste disse ter sido agredido verbalmente por alunos. Um em cada dez afirmou ter sofrido ameaças. Aproximadamente um a cada 50 apanhou de estudantes.

“É simplista culpar crianças e adolescentes por tudo o que acontece”, alerta a socióloga Miriam Abramovay, pesquisadora do tema com passagens pela Unesco, Banco Mundial e Unicef.

“A escola tem culpa, porque se isola das comunidades e não se atualiza. E os professores têm péssima formação, simplesmente não conseguem, e muitas vezes nem tentam, conquistar os alunos”, diz. “No fim, todos são vítimas.”

Descompasso

Para pesquisadora, a desvalorização do ensino resumiria este descompasso. “A estrutura das escolas parou no século 19, os professores dão aulas como no século 20 e os alunos, sempre conectados, vivem no século 21”, diz. Ela afirma que as escolas vivem um “processo de abertura” há 50 anos.

“Se antes havia pouco espaço para as classes populares, hoje a escola se massificou. Todos entram – nem sempre continuam, mas entram. Mas a relação professor–aluno não mudou nada nesse meio tempo e os educadores não sabem lidar com esse novo interlocutor, que antes estava na rua, do lado de fora”, diz.

Abramovay diz que a violência não é consequência direta do entorno. “Há escolas em bairros tremendamente violentos que têm resultados satisfatórios. E colégios particulares, ricos, com problemas enormes”, observa.

A pesquisadora aponta o trabalho participativo, envolvendo pais e alunos na construção de regras e do currículo escolar, como caminho para reduzir a resistência e a agressividade. “Os muros das escolas não são simbólicos”, afirma. “Eles são reais, ninguém penetra ali. Assim, a escola não é nem protegida, nem protetora”, diz.

O educador Jorge Werthein, presidente da Unesco no Brasil entre 1996 e 2005, também diz que a escola “precisa ser acolhedora” e critica a formação dos colegas.

“Diferente do médico, que faz residência, a maioria dos professores que se forma não tem nenhuma experiência em sala. Só pisam lá no primeiro dia, encontram coisas que nunca viveram e não sabem lidar”, diz.

Para Wherthein, os educadores precisam se dar conta “da violência que eles próprios exercem sobre os alunos”. “Perseguição, homofobia e exageros nas repreensões” seriam exemplos. “Outra agressão simbólica é o abismo tecnológico que existe entre professores e alunos”, diz.

Celular

Com um olho no smartphone e outro no repórter, os alunos entrevistados parecem concordar com a avaliação. “Parece que eles vivem fora do tempo. O professor pede para a gente copiar a lição do quadro, mas eu podia tirar uma foto com o celular e prestar atenção no que ele diz”, reclamou uma estudante da 8º ano de uma escola em Diadema, ao sul de São Paulo.

A seu lado, espinhas no rosto e sorriso tímido, um adolescente do ensino médio completa. “Sei que celular pode atrapalhar. Não é para usar Facebook e Whatsapp na aula. Mas quando ajuda, por que não, né?”, questiona.

Eles reconhecem que as agressões são constantes. “Na semana passada a professora chamou a atenção de um aluno bagunceiro e ele perguntou se ela não tinha medo de morrer. Ela deu risada e continuou passando a lição”, contou uma estudante do 1º ano do ensino médio.

“Tem brigas combinadas também. Os alunos fingem estar dando porrada para o professor vir separar e apanhar também”, completou. Professores ouvidos pela reportagem disseram que a escola, hoje, seria “um espaço de conflito”.

“Os professores não são santos que caíram do céu e vêm educar com toda a candura. Sempre que passo pelo pátio me chamam de vagabunda. O educador tenta legitimar a sua autoridade, não consegue, e aí revida”, disse uma ex-professora da rede pública, que não quis se identificar.

Eleições

Para Wherthein, é uma tradição que a violência contra professores e alunos não faça parte da agenda dos principais candidatos a cargos políticos. “A agenda da educação é genérica. ‘A educação é importante’… ‘Vamos aumentar os investimentos e a carga horária’… ‘País bom é país educado’. Nunca nada é objetivo”, critica.

O pesquisador afirma que o cotidiano das escolas, ponto crucial na discussão, passa à margem do discurso político.

“Educação e segurança estão sempre no topo das preocupações do eleitorado. Mas os candidatos não entenderam que há cruzamento entre estes temas. Num país como o Brasil, com taxas de morte tão altas (somos um país sem guerra), os conflitos são resolvidos sempre de forma violenta. Dentro da escola inclusive. Então a violência na escola não é algo que vem só da vizinhança, das famílias, é algo que faz parte da nossa sociedade e aparece em todos os setores”, diz.

Wherthein diz que uma “nova cultura da solução não-violenta de conflitos” deve ser construída dentro das escolas.

“O caminho não é, portanto, aumentar os mecanismos de repressão, mas aumentar a prevenção por meio da educação e da disseminação de uma cultura pacífica. Escolas e universidades têm que discutir violência! Só assim se transforma as coisas – e essa responsabilidade está nas mãos dos candidatos”, afirma.

Tecnologia permite que alunos com doenças graves tenham aula fora da escola

0
 Alanna Anders foi diagnosticada com câncer, mas continuou a estudar usando a plataforma do colégio Porto Seguro (Foto: Arquivo pessoal)

Alanna Anders foi diagnosticada com câncer, mas continuou a estudar usando a plataforma do colégio Porto Seguro (Foto: Arquivo pessoal)

Mariana Queen Nwabasili, no R7

Quando estava no 6º ano do ensino fundamental, o estudante Ricardo (nome usado para preservar identidade da criança) foi diagnosticado com leucemia. O tratamento da doença exigia transplante de medula e, consequentemente, o afastamento do ambiente escolar por um período de, no mínimo, sete meses.

Meses depois, na mesma escola em que ele estudava outra aluna teve uma doença grave. Alanna Anders, que cursava o 1º ano do ensino fundamental, foi diagnosticada com um câncer raro que afeta os rins.

A escola resolveu então tomar uma providência: utilizar meios tecnológicos para garantir a participação dos alunos nas aulas, estando eles em casa ou no hospital.

Roberto, que usou a tecnologia primeiro, tinha um tablet e acessava o espaço virtual de estudos disponibilizado pela escola nos momentos em que estava se sentindo melhor, conta Renata Pastore, diretora-geral de tecnologia educacional do Colégio Porto Seguro.

— Pensamos em montar uma sala de aula online no Moodle [plataforma de compartilhamento de conteúdos online] da escola. A ideia era fazer uma ponte entre a escola e o aluno.

A plataforma traz exercícios de fixação que dão apoio ao conteúdo aprendido na sala de aula. A instituição montou um ambiente online de estudos só para os alunos que passavam por tratamento médico, mas, normalmente, cada classe da escola tem uma sala de aula online no ambiente virtual.

Utilizando um tablet emprestado pela escola, Alanna teve acesso a exercícios no Moodle direcionados à continuidade da alfabetização.Também eram transmitidas a ela as mesmas atividades que estavam sendo feitas em sala de aula pelos seus colegas de turma.

— A gente sabia que não ter acesso a nenhum tipo de conteúdo durante o tratamento iria dificultar a passagem dela para o segundo ano. Achávamos que a parte emocional também ficaria prejudicada, porque ela perderia todo o contato com os amigos, diz Renata.

Além de ter acesso ao Moodle, algumas vezes, por semana Alanna se correspondia com os seus amigos de classe por meio de videoconferências feitas durante as aulas.

— Usar a plataforma em casa foi muito legal, porque eu via meus amigos, podia estudar e brincar com eles novamente. As matérias que mais gostei foram matemática e ciência, com os jogos e atividades, mas o mais legal mesmo foi rever meus amigos, diz a aluna.

Segundo Juliana Ortiz, professora de Alanna, a experiência transformou todos os envolvidos.

“No início foi até engraçado, porque na rotina das crianças sempre pergunto ‘quem faltou’? E os alunos falavam ‘faltou a Alanna’. Com o passar dos dias, eles já não falavam mais isso, porque ela estaria presente [via videoconferência]. A turma se modificou muito ao longo desse período, foi um movimento muito cativante”, conta.

Além do conteúdo 

As ações de inclusão com os alunos trouxeram resultados para além da compreensão do conteúdo. Sendo avaliados pelos professores por meio do Moddle, Ricardo e Alanna puderam passar de ano e retomar os estudos presenciais no colégio, ainda respeitando as necessidades dos tratamentos médicos.

Mas, acima de tudo, como comenta Telma Vinha, professora de psicologia educacional da Faculdade de Educação da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), os alunos foram amparados em um período de dificuldade e necessidade de recuperação.

— Para o estudante que está afastado, o mais importante não será adquirir conteúdo, mas sim continuar a se sentir pertencente a esse grupo de alunos, perceber que os amigos e os professores se importam, estão preocupados e interagindo com ele. O amigo é sempre um fator de proteção para as crianças.

Segundo Telma, quando a escola demonstra uma preocupação sobre como é possível incluir a distância, ela está ensinando para os seus alunos a ideia da generosidade e acessibilidade.

Considerando instituições que não possuem um Moodle, César Nunes, assessor de informática educativa na rede municipal de educação de São Paulo, fala sobre experiências em escolas públicas.

— Nas escolas municipais de São Paulo, utilizamos o Edmodo, um ambiente de colaboração, e também o EducaPX, que é um espaço para alunos e professores publicarem sites.

— A Secretaria Municipal de Educação adota esses e outros softwares para facilitar a inclusão dos alunos. Eles são distribuídos para as escolas e ajudam a suprir diferentes necessidades.

Ensino fundamental a distância 

Desde 1969 no Brasil, o decreto Lei nº 1.044 garante tratamento excepcional para os alunos que passam por doenças graves. O artigo 2º da lei possibilita a esses estudantes compensação da ausência às aulas e execução de exercícios em casa por meio do acompanhamento da escola. Os chamados exercícios domiciliares devem ser compatíveis com o estado de saúde do aluno e o local em que ele está se tratando.

Segundo Renata Pastore, as iniciativas desenvolvidas com Ricardo e Alanna no colégio Porto Seguro têm base nessa lei. A diretora  acredita que o uso da tecnologia pode ser feito em atividades educacionais nos anos iniciais do ensino fundamental. Porém, faz uma avaliação específica sobre a educação a distância nessa fase do ensino.

— É importantíssimo que o aluno frequente a escola, porque um dos principais objetivos da escola é trabalhar o convívio social da criança. Então, as crianças devem conviver com amigos e professores.

Nas redes de ensino eficazes, todos os alunos têm vez

0

Uma escola não consegue resultados elevados se não se preocupar com todos os seus estudantes
Bagunca-sala-de-aula-size-598

João Batista Araujo e Oliveira

Numa rede de escolas de alto desempenho, a grande maioria dos alunos atinge os níveis mínimos esperados. Mas mesmo dentro delas, há uma dispersão muito grande de notas: há alunos mais e menos inteligentes, mais e menos esforçados, mais e menos disciplinados, e assim por diante. Como as notas médias são elevadas, a dispersão dos resultados pode ser grande – quase sempre há uns poucos alunos que ficam nos níveis inferiores. Em síntese: escolas de alto desempenho atenuam, mas não eliminam as diferenças individuais nem as diferenças no desempenho escolar.

Segundo, vejamos as práticas. As boas escolas acompanham o desenvolvimento individual dos seus alunos e usam os dados de acompanhamento – inclusive de avaliação – para dar apoio aos alunos em dificuldade.

Um dos sistemas educativos mais avançados do mundo (a rede pública do estado americano de Massachusetts) adotou há alguns anos uma metodologia interessante denominada Data-Wise, desenvolvida por professores da Universidade Harvard liderados pelo pesquisador Richard Murnane. A metodologia ajuda os diretores e o pessoal da escola a interpretar dados e a elaborar testes que forneçam pistas importantes sobre o desempenho do aluno. Mas há um segredo. Na hora de avaliar as provas, os professores aprendem uma nova linguagem. Ao invés de dizerem “o aluno errou”, “o aluno não sabe” ou “o aluno não viu”, eles aprendem a falar “eu não ensinei isso dessa forma” ou “eu ensinei isso assim, mas não percebi que um aluno poderia não ter entendido ou poderia ter intepretado de forma diferente”. Em síntese: os problemas de aprendizagem são convertidos em problemas de ensino, em que os professores passam a assumir a responsabilidade pelo erro dos alunos e buscar soluções no ensino.

Um outro tipo de abordagem consiste em atacar os problemas emocionais e sociais que impedem muitos alunos, especialmente os jovens, de se dedicar aos estudos e levar a escola a sério. Algumas estratégias concentram-se em tutorias, com um pequeno grupo de alunos assistido por um professor ou mesmo um voluntário. Outras consistem numa mistura de tutoria com o desenvolvimento de habilidades prossociais.

O sucesso nessa área – que é difícil de ser alcançado — sempre é a combinação entre o diagnóstico correto e o remédio adequado administrado em doses certas. O fracasso das inúmeras tentativas de “reforço”, “recuperação”, Educação de Jovens e Adultos (EJA) e outras iniciativas mais ou menos associadas a plumas e paetês sugere a necessidade de um cuidadoso planejamento para essas intervenções.

O ponto mais importante é que nas redes de boas escolas, todos alunos têm vez.

Fonte: Veja

Carta de escola a alunos dizendo que nota ‘não é tudo’ faz sucesso na internet

0

A mensagem foi enviada aos estudantes da escola primária Barrowford, na Inglaterra

705pxsayj2_149p4zasa_file
Uma carta enviada aos alunos de uma escola da Inglaterra se tornou viral na internet ao dizer que as notas nem sempre representam aquilo que os fazem “especiais e únicos”.

O texto diz aos alunos que a escola está “orgulhosa” do “enorme empenho” que eles demonstraram e que deram “o melhor de si durante uma semana complicada”.

— Estes testes nem sempre avaliam tudo aquilo que faz cada um de vocês ser especial e único.

A mensagem foi enviada aos alunos da escola primária Barrowford, em Lancashire, no noroeste da Inglaterra, com os resultados de dois importantes testes.

Os organizadores das provas, diz a carta, “não conhecem cada um de vocês… da mesma maneira que seus professores os conhecem, eu espero, e certamente não da maneira como suas famílias”.

Eles não sabem “como você é confiável, gentil e alguém que tem consideração, e ainda que tenta, todos os dias, dar o melhor de você”.

A carta termina dizendo aos alunos “que comemorem os resultados” obrtidos, mas lembra que “há várias maneiras de ser inteligente”.

A diretora da escola, Rachel Tomlinson, disse estar “absolutamente surpresa” pela reação à carta, que foi reproduzida no Facebook e no Twitter e virou notícias em diversos jornais. Ela disse ter encontrado a mensagem em um blog americano na internet.

A diretora negou que a mensagem da carta era de que as notas dos testes não importam.

— Nós nunca daremos aos alunos a mensagem de que as conquistas acadêmicas não são mportantes – o que fazemos é ter certeza que aprovamos alunos confiantes, articulados e realmente independentes que assim seguirão rumo à próxima fase de suas carreiras escolares.

No Twitter, a escola Barrowford comemorou: “‘Uau’. Há mensagens em todo o mundo sobre esta carta!! Tudo o que fizemos foi lembrar nossos (alunos) o quão incríveis eles são!!!”.

A mensagem foi reproduzida mais de mil vezes e o nome da escola virou um das palavras mais comentados no Twitter.

Fonte: R7

Go to Top