Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged Andam

Crítica: Livro de historiador expõe contradições de Malcolm X

0

Eleonora de Lucena, na Folha de S.Paulo

Capitalismo e racismo andam juntos na história. Discriminações servem para dividir e oprimir grupos. Poucos personagens sorveram dessa realidade de forma tão radical quanto Malcolm X.

De pregador do ódio racial, ele se transformou em liderança pelos direitos humanos, afrontando o poder do governo norte-americano.

Era o período da Guerra Fria, e Malcolm passara a defender os países do Terceiro Mundo e a flertar com as ideias socialistas. Percorrera a África e o Oriente Médio, enterrando o sectarismo cego que o marcara até então. Já não satanizava os brancos nem advogava a criação de um Estado negro separado.

O ativista Malcolm X fala à imprensa em Washington, em 1963, dois anos antes de ser assassinado (Associated Press)

O ativista Malcolm X fala à imprensa em Washington, em 1963, dois anos antes de ser assassinado (Associated Press)

Os meandros dessa transformação são dissecados pelo historiador norte-americano Manning Marable em “Malcolm X, uma Vida de Reinvenções”, obra vencedora do prêmio Pulitzer de 2012.

Diferentemente de Martin Luther King, fruto da pequena burguesia instruída e endinheirada de Atlanta, Malcolm X veio do gueto urbano moderno: vivenciou a pobreza, a falta de emprego, a violência, a segregação.

Na juventude, meteu-se em arrombamentos, roubos, furtos, prostituição. Lavou pratos e vendeu maconha. Preso, virou muçulmano. “O crescimento econômico do pós-guerra tinha deixado muitos afrodescendentes para trás”, escreve Marable.

Malcolm incorporou a cadência do jazz ao seu estilo de oratória e levou multidões a aderir ao islã e a protestar contra a violência policial.

Leitor voraz a partir do tempo de cadeia, fazia discursos sobre o legado da escravidão, atacando o cristianismo e o governo dos EUA.

Seguindo a trajetória do líder, o historiador aponta também suas escorregadelas em entrevistas e seus erros estratégicos. Malcolm chegou a ter encontro com a Ku Klux Klan.

O autoritarismo do seu grupo islâmico e a seita de supremacia branca eram lados de uma mesma moeda: racismo e segregação. O pensamento de Malcolm deu um giro quando se aproximou dos embates de seus seguidores e conheceu outras experiências de luta pelo mundo.

Marable observa que o líder percebeu que só teria êxito “se se juntasse ao movimento de direitos civis e outros grupos religiosos para uma ação conjunta. Não se podia simplesmente deixar tudo por conta de Alá”.

MUDANÇA DE POSTURA

Arrependido de ter ridicularizado King em discursos no passado, Malcolm o cumprimentou. O aperto de mãos traduziu a mudança: o líder rebelde trocava a violência pela batalha do direito ao voto.

“União é a religião certa”, declarou. E se autodefiniu: “Não sou antibranco, sou antiexploração e antiopressão”. O historiador afirma que Malcolm tornou-se “uma ameaça ainda maior” para o governo dos EUA após o seu rompimento com a Nação –o grupo islâmico de características xiitas que abraçara na cadeia.

O historiado Manning Marable, autor de "Malcolm X" (Associated Press)

O historiado Manning Marable, autor de “Malcolm X” (Associated Press)

O livro, rico em análises, faz uma descrição minuciosa do até hoje não esclarecido assassinato de Malcolm, em 1965. Quatro horas após o crime, o palco onde ocorrera o delito estava lavado para um baile de aniversário.

Marable compara Malcolm a Che Guevara e cita as influências do líder no movimento Black Power e em músicos como John Coltrane. O autor conta que começou a trabalhar na biografia no final dos anos 1980. Desconstruindo a “Autobiografia” de Malcolm, percebeu exageros. Marable concluiu o livro pouco antes de morrer, em 2011.

Mr Grey pede um tempo

0

Cassia Carrenho, no PublishNews

‘Nada a perder’ de Edir Macedo emplacou o primeiro lugar

1Não foi milagre. Com mais um lançamento, dessa vez no Rio de Janeiro, o livro Nada a perder (Planeta) alcançou o incrível número de 124.413 exemplares vendidos na última semana. Em um único evento, vendeu mais de 120.000 livros! Com isso, desbancou a trilogia Cinquenta tons de cinza (Intrínseca), fazendo Mr Grey provar novas posições. Por sinal, os números de venda da trilogia caíram novamente, mostrando que as coisas andam meio mornas. Os três livros, mais o Box, venderam juntos “apenas” 20.629 exemplares. Resta saber se vão tentar reaquecer a relação ou, como se diz por ai, aceitar que a “fila anda”.

Em autoajuda, Eu não consigo emagrecer (Bestseller) levou a melhor, numa briga que já dura várias semanas com Casamento blindado (Thomas Nelson Brasil), que acabou em segundo. E, para completar, a Bestseller emplacou em 8º lugar o mesmo livro de Pierre Dukan, na versão ilustrada.

No ranking das editoras, a Sextante manteve seus 15 livros e o 1º lugar. A briga pelo 2º lugar teve uma trégua, dando uma pequena vantagem para a Ediouro, que levou 12 livros. Já a Intrínseca emplacou 9, seguido de Vergara & Riba, 7 e Clio e Santillana, 6 títulos cada um.

Go to Top