Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged Animal Planet

Editora BestSeller lança “O Encantador de Gatos”, de Jackson Galaxy

0

Jackson Galaxy

O Encantador de Gatos é um imprescindível guia para tutores, amantes e estudiosos do comportamento felino; livro chega às melhores livrarias do Brasil

Luis Fernando Pereira, na Cabine Cultural

Jackson Galaxy. Este nome, que poderia ser muito facilmente confundido com o de um rock star, é na verdade a alcunha do mais famoso especialista em comportamento felino do planeta. Apresentador do maravilhoso programa do canal Animal Planet, “Meu Gato Endiabrado”, Jackson enfim vê o seu livro “O Encantador de Gatos”, da Editora BestSeller, ser lançado no Brasil.

E pelo conteúdo do livro, podemos afirmar tranquilamente que se trata de um verdadeiro guia para amantes, tutores e estudiosos desta raça tão complexa que são os gatos. Didático, explicativo ao extremo, o livro de Jackson deixa claro desde o início que gatos são diferentes de cães, mas ambos são amáveis e maravilhosos para se ter como filho, amigo, companheiro, parceiro.

Sem poder ser adestrado, como os cães, os gatos contudo podem ser condicionado a mudar o comportamento, melhorando ainda mais a relação existente entre o felino e o tutor. Disso Galaxy sabe como poucos, afinal de contas, em seu programa, em todas estas temporadas, o que ele mais viu foram gatos problemáticos que na verdade estava sendo mal compreendidos.

Cães x Gatos
Enquanto os cães carregam o título de melhores amigos do homem, sobram adjetivos não tão amistosos para os gatos. Traiçoeiros, ariscos e insensíveis são alguns deles. Mas quem tem felinos em casa sabe que não é bem assim. Eles podem, sim, ser muito carinhosos e companheiros. Este é o trabalho, talvez a missão de vida de Jackson Galaxy: fazer as pessoas perceberem que gatos são tão companheiros quanto cães. Inclusive podendo ser companheiros de cães, o que elimina uma ideia bastante enraizada na cabeça das pessoas, que é a de que cães e gatos não podem conviver em paz e harmonia num mesmo ambiente.

Temas abordados
Para o especialista, problemas como a rejeição à caixa de areia e a agressividade excessiva surgem quando os gatos não estão se sentindo confortáveis em seu espaço. Ele afirma que eles precisam estar em contato com seus instintos naturais, como caçar, comer, limpar e dormir em um ambiente que dominem.

“O Encantar de Gatos” apresenta também uma série de informações sobre como humanos e felinos se relacionaram no decorrer da história, mostra quais são os “códigos dos gatos” e aborda os problemas clássicos com que pais de gatos precisam lidar e como resolvê-los.

Quem gosta de gatos tem desde já um compromisso com as livrarias: “O Encantador de Gatos” é de fato um guia, destes imperdíveis e imprescindíveis para todo e qualquer amante de gatos. Jackson navega por todos os assuntos que interessa: todos os possíveis problemas que um tutor pode ter com seu felino, o livro vai apresentar alguma solução, ou ao menos um entendimento do problema.

Jackson Galaxy é “O Encantador de Gatos”

Meu Gato Endiabrado
Para quem é fã do seu programa no canal fechado Animal Planet, o livro acaba sendo tão somente uma extensão, já que muito do que lemos já foi, em algum momento, colocado em alguma edição do programa. Isto, contudo, não deixa o livro menos maravilhoso. O melhor de um guia como estes é que ele estará lá, para todo o sempre, pronto para tirar dúvidas ou esclarecer questões sobre o comportamento felino. Quem ler certamente sairá mais sábio no que tange o comportamento dos gatos.

Obrigatório.

Os autores
Jackson Galaxy é especialista em Comportamento felino. Há quase 25 anos trabalha para melhorar a vida dos gatos em seus lares e abrigos, além de ser apresentador e produtor executivo do programa Meu gato endiabrado, sucesso do canal Animal Planet. É coautor dos best-sellers do New York Times Catification: Designing a Happy and Stylish Home for Your Cat (and You!) e Catify to Satisfy, e autor da autobiografia Cat Daddy: What the World’s Most Incorrigible Cat Taught Me About Life, Love, and Coming Clean.

Mikel Delgado, ph.D., tem ajudado humanos a entender os gatos há mais de 15 anos. É consultora de comportamento no Feline Minds e pesquisadora da University of California, Davis School of Veterinary Medicine. Mikel é ph.D. em psicologia pela University of California, em Berkeley, onde estudou comportamento animal e as relações entre animais e seres humanos.

Sistema de ensino espanhol estreia em 150 escolas

0

 

Thinkstock

Uno Internacional, do grupo Santillana, chega à rede privada brasileira de olho no gigantesco mercado municipal de ensino

Publicado na Veja on-line

A partir do ano que vem, 150 escolas particulares do Brasil vão iniciar as aulas com um novo sistema de ensino, já presente em alguns países da América Latina. Apoiado no uso de tablet, bilinguismo, capacitação de professores e avaliações, o sistema Uno Internacional, do grupo espanhol Santillana, chega à rede privada brasileira de olho no gigantesco mercado de redes municipais de ensino.

O modelo foi desenvolvido no Brasil, mas adotado antes em outros países da região. Neste primeiro ano, estarão envolvidos 75.000 alunos da rede privada, mas três prefeituras já estão com a negociação avançada. “Temos um objetivo forte de chegar à rede pública. Para isso, o antecedente em escolas particulares é importante”, diz o diretor global da Uno Internacional, Pablo Doberti.

No México, o Uno Internacional atende 130.000 alunos de 420 escolas. A ideia é chegar a 1 milhão na América Latina em quatro anos. Para começar a operar no Brasil, o Santillana investiu 22 milhões reais. Como diferencial, o sistema oferece parcerias com Apple, Discovery, Animal Planet e Unesco.

Em um país com 5.565 municípios, a rede pública é vista com muito interesse pelas empresas de sistemas de ensino. Gigante no setor, a Pearson já trabalha com 150 cidades. “No Brasil, a área pública é um dos nossos vieses mais importantes. Além da competição, inovação e profissionalização serão as batalhas”, diz o superintendente de Educação Básica da Pearson, Mekler Nunes.

Pesquisa realizada pelo setor em 2011 mostrou que 44% das prefeituras paulistas adotavam algum sistema de ensino – os primeiros contratos de municípios com sistemas privados foram feitos em 1999 pelo Grupo COC, em cerca de 90 cidades. Cada município adota um sistema diferente. Alguns abandonam totalmente o uso dos livros didáticos distribuídos pelo governo federal. Outros usam as apostilas, mas mantêm os livros como complemento.

Além disso, compras e aquisições impulsionaram a disputa. Há dois anos, em uma batalha com a própria Santillana, a Abril Educação comprou o Grupo Anglo. Dias depois, a Pearson Education comprou parte do controle acionário do Sistema Educacional Brasileiro (SEB), controlador do COC, Pueri Domus, Dom Bosco e Name, em uma operação de 888 milhões de reais. Já a Kroton, dono da Rede Pitágoras, com 226.000 alunos no ensino básico, também teve 50% do controle acionário vendido para o Advent, fundo financeiro internacional.

O Uno Internacional é estruturado para o uso de projetores em vez de lousa digital, além dos tablets, com aplicativos, vídeos, jogos e textos. Segundo os coordenadores do sistema, cada escola decide quantos tablets vai comprar e se os utilizará em todas as aulas.

Nas salas de aula, a presença do equipamento e sua aplicabilidade parece conquistar os alunos. “Com o iPad é muito mais fácil. Acho que aprendo mais, é mais divertido”, explica o estudante mexicano Isaac Garrido Morales, de 10 anos. Isaac é um dos 400 alunos da escola Green Valley, em Puebla, a 130 quilômetros da Cidade do México.

Na escola Green Hills, no bairro San Jerónimo, na capital federal, o professor de espanhol Hector Avila propôs que os alunos escrevessem um poema baseado em uma música. Depois deveriam, no iPad, buscar imagens na internet que melhor representassem cada verso, musicar a composição e transformar tudo em um vídeo. O material seria encaminhado depois por e-mail para todos os colegas. “Todas as aulas mudaram, mas espanhol foi a que ficou melhor”, diz Tamara Junqueira, de 14 anos, já acostumada a usar seu tablet em casa.

O professor Avila afirma que o caminho da tecnologia na sala de aula é inevitável. “É um instrumento dessa geração. Nós, professores, temos de nos adaptar a ele.” O educador Paulo André Cia, diretor do Colégio Arbos, no ABC Paulista, que decidiu pela adoção do sistema, concorda. “Com a possibilidade de usar iPad, a escola consegue desenvolver uma sala com ambiente digitalizado que permite o uso de aplicativo”, diz.

(Com Estadão Conteúdo)

Foto: Thinkstock

Go to Top