Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged Ann Morgan

A escritora que leu um livro de cada país: 197 num ano

0
Ann Morgan | DR

Ann Morgan
| DR

Percorreu o mundo sem sair de Inglaterra em 2012. Ann Morgan teve de reunir voluntários que traduzissem livros de sítios como São Tomé e Príncipe. Leu a um ritmo de 150 páginas diárias

Publicado no Diário de Notícias

Ann Morgan dormiu muito pouco durante um ano inteiro. A escritora e blogger inglesa terminava o projeto em que, durante um ano, fez um périplo de leitura por escritoras mulheres quando um leitor do seu blogue A Year Of Reading Women lhe fez um reparo: na sua lista, pouquíssimas eram as obras fora do mundo anglo-saxónico.

Estávamos às portas de 2012, ano em que Inglaterra recebeu o mundo que ali ia assistir aos Jogos Olímpicos ou jubileu da rainha Isabel II. Era, pois, a hora certa para o temerário projeto que a levou a, durante um ano, ler um livro de cada país. A “viagem” seria relatada no blogue A Year Of Reading The World, que hoje conta cerca de um milhão de visualizações. A contagem inicial era de 196 livros/países, mas Ann resolveu incluir o Curdistão, 197.º, em representação dos territórios não reconhecidos pelas Nações Unidas.

Chama-se “temerária” à tarefa pois, em primeiro lugar, apenas 4,5% dos livros que todos os anos são publicados no Reino Unido são traduções. Tal faz do ato de procurar um livro de São Tomé e Príncipe ou do Togo uma difícil façanha.

Em segundo lugar, se a tarefa devia ser realizada num ano, Ann ficava com “1,87 dias para ler cada livro”, recorda ao DN. Acresce o facto de, nesse ano, estar a trabalhar no jornal britânico The Guardian. Como tal, “tinha de ler cerca de 150 páginas por dia. Isto tomava-me três a quatro horas por dia, tinha de ler no caminho casa-emprego e muitas vezes na minha pausa de almoço e serões. Ainda tinha de pesquisar pelos livros e escrever no blogue, o que me levava o mesmo tempo da leitura. Não dormi muito nesse ano!”

Naquela viagem que fez sem sair de Inglaterra, entrou em Portugal pela porta de Eça de Queirós. Leu O Mandarim, numa edição que reúne outros contos, por sugestão de uma colega portuguesa do jornal em que trabalhava. De resto, quase se torna redundante fazer o elenco dos países por que passou Ann Morgan, pois a resposta é simples. Todos. Mas ela recorda algumas travessias, como a aventura que foi ler Olinda Beja, a autora santomense que elegeu. Não havia traduções.

“O meu marido, Steve, sugeriu que eu tentasse que as pessoas traduzissem algo para mim.” Pensou que ninguém ia usar o seu tempo para isso. Mas depois de publicar um tweet, os voluntários apareceram. E “incluíam a tradutora Margaret Jull Costa, que traduziu José Saramago e no ano passado recebeu da rainha a Ordem do Império Britânico”. Em seis semanas, tinha A Casa do Pastor nas mãos.

O blogue, feito cartografia da viagem, continua. Desde fevereiro existe também um livro, Reading the World: Confessions of a Literary Explorer (The World Between Two Covers: Reading the Globe nos EUA).

Em um ano, escritora lê um livro de cada país do mundo

0
Ann Morgan sentia que só conhecia autores que escrevem em inglês

Ann Morgan sentia que só conhecia autores que escrevem em inglês

Publicado na BBC Brasil
A escritora britânica Ann Morgan se impôs o desafio de, em um ano, ler um livro escrito em cada país do mundo. Ao todo foram 196 livros – de 195 países reconhecidos pela ONU e de Taiwan, que hoje é considerada província rebelde chinesa.

Em muitos casos, o desafio foi encontrar edições em inglês, língua da escritora-leitora. Em relação a outros países, a dificuldade foi encontrar algo publicado. Ela recorreu diretamente a alguns autores para ajudá-la.

No Brasil, Morgan optou por ler A Casa dos Budas Ditosos, de João Ubaldo Ribeiro, que ela considerou “um desempenho envolvente e persuasivo de um escritor de ponta na cena literária mundial.” A forma como o escritor retrata o pensamento feminino é “impressionante”, para ela.

As impressões foram transformadas em um livro a ser lançado em fevereiro de 2015: Reading the World: Confessions of a Literary Explorer (“Lendo o Mundo: Confissões de uma Exploradora Literária”, em tradução literal).

Mas para os curiosos, Ann Morgan divulga, em seu blog em inglês, a lista completa junto com cada avaliação. No artigo abaixo, escrito para a BBC, ela descreve como foi essa curiosa experiência de ler um livro de cada país do globo.

Eu sempre pensei que fosse uma pessoa razoavelmente cosmopolita, mas minha biblioteca pessoal conta uma história diferente. Com exceção de alguns romances da Índia e um ou outro livro da Austrália ou África do Sul, minha coleção literária só tem autores britânicos e americanos. Para piorar, eu quase nunca havia lido livros traduzidos. Meu universo está todo restrito a autores que escrevem em inglês. No Reino Unido, 62% dos britânicos conseguem ler apenas em inglês.

Eu queria descobrir o que estava perdendo. Então no começo de 2012, me propus o desafio de ler um livro de cada país do mundo – em um ano, foram 195 países reconhecidos pela ONU e Taiwan, que já não é mais reconhecido como tal.

Imaginei que não encontraria livros de quase 200 países na livraria perto da minha casa, então montei o blog A Year of Reading the World, pedindo recomendações de leitores de todas as partes do mundo.

A resposta foi incrível. Em pouco tempo, recebi uma avalanche de recomendações. Alguns leitores chegaram a me mandar livros de seus países pelo correio. Outros passaram horas pesquisando autores para mim.

Alguns escritores chegaram a me enviar manuscritos traduzidos para o inglês e que ainda não haviam sido publicados, como Ak Welsapar, do Turcomenistão, e Juan David Morgan, do Panamá.

Mas mesmo com toda essa “equipe de apoio”, a tarefa foi dura. De todos os livros publicados no Reino Unido, apenas 4,5% são traduções. Ou seja, conseguir obras estrangeiras em inglês ainda é um desafio.
Países lusófonos

A dificuldade maior foi conseguir obras de países africanos francófonos ou lusófonos. Há poucas obras em inglês de lugares como Comoros, Madagascar, Guiné Bissau e Moçambique. Em vários desses países, precisei recorrer a manuscritos que não foram publicados.

Em São Tomé e Príncipe, eu teria perdido minha batalha, não fosse pelo esforço de leitores europeus e americanos que traduziram contos de Olinda Beja – só para que eu tivesse algo para ler do país.

Há países onde sequer existe uma tradição escrita. Para conseguir uma boa história das Ilhas Marshall, por exemplo, é melhor pedir permissão ao “iroji” (um líder tribal local) para ouvir algum caso narrado por um dos contadores de histórias. A literatura local não tem a mesma riqueza.

No Níger, as melhores lendas são contadas pelos “griots”, poetas populares treinados desde os sete anos de idade para misturar música e ficção. Há poucos registros escritos de suas performances incríveis – e mesmo essa experiência é pobre comparada com a apresentação ao vivo.

Como se não bastassem esses obstáculos, há sempre a política para complicar tudo. A criação de um novo país, o Sudão do Sul, em 9 de julho de 2011, também colocou um desafio. O país possui vários problemas de infraestrutura, com deficiências em estradas, hospitais e escolas. Com tantas necessidades mais urgentes, quem teria escrito um livro em apenas seis meses?

Se não fosse por um contato local, que me apresentou à escritora Julia Duany, minha única solução seria tomar um avião até Juba para ouvir um contador de história. Mas Julia se dispôs a escrever uma história só para mim.

Pesquisar autores e livros me tomou tanto tempo quanto ler e escrever meu blog. O processo foi muito cansativo, pois tive de conciliá-lo com meu próprio trabalho de escritora. Passei muitas madrugadas em claro para manter de pé minha meta de ler um livro a cada 1,87 dias.
Dentro da cabeça

Mas o esforço valeu a pena. Muito mais do que só “viajar sem sair do lugar”, me senti como se estivesse habitando a cabeça de várias pessoas pelo mundo. Na “companhia” do escritor Kunzang Choden, do Butão, eu não apenas “visitei” os templos exóticos locais – fi-lo como fazem os budistas nativos.

O mesmo aconteceu com as montanhas de Altai, na Mongólia, que tive a chance de conhecer pela imaginação de Galsan Tschinag. Em Mianmar, um festival religioso me foi narrado por um médium transgênero – criação de Nu Nu Yi.

Essa experiência é mais poderosa que mil notícias de jornais e revistas, e me fez perceber melhor como vivem as pessoas longe de mim. Isso e o contato com leitores de todas as partes do mundo me fizeram sentir mais parte do nosso planeta.

O mundo cabe em 196 livros

1

A escritora britânica Ann Morgan decidiu que durante um ano leria uma obra de cada país do globo. Criou um site, escreveu sobre a experiência e prepara-se para publicar o resultado em livro. Diz que falta traduzir mais literatura lusófona.

Hélder Beja, no Ponto Final

ann2Ann Morgan fez a lista de países que queria visitar, ajustou planos de viagem para um ano, meteu o backpack às costas e partiu em direção à estante lá de casa. Sentou-se no sofá e pôs-se a ler.

Cada um viaja como quer e, no lugar de andar por aí nas aventuras do mundo, esta escritora britânica decidiu chamar a si as histórias dos 195 países reconhecidos pelas Nações Unidas, e ainda de Taiwan. “Descobri que os meus hábitos de leitura eram muito anglocêntricos. A maioria dos livros que lia eram de escritores britânicos e americanos, nunca lia traduções”, conta a autora por email. “Decidi passar um ano a ler um livro de cada país do mundo.”

A tarefa, pode imaginar-se, não foi fácil. Aos naturais constrangimentos de tempo – era preciso ler cada livro em menos de dois dias para atingir o objectivo de cumprir tudo num ano – houve também dificuldade em conseguir encontrar títulos de vários países. As ajudas chegaram através das redes sociais e do site criado pela autora (ayearofreadingtheworld.com), com vários escritores, tradutores e leitores a facilitarem o processo.

As nações africanas de expressão portuguesa, particularmente São Tomé e Príncipe, foram um grande desafio, já que “os países africanos francófonos e lusófonos têm muito pouca literatura traduzida”. São Tomé acabou por ser uma das experiências mais interessantes de todo o processo. Confrontada com a ausência de qualquer livro de ficção traduzido para inglês, e depois de muitas dicas de cibernautas, Ann Morgan acabou por comprar uma série de exemplares de “A Casa do Pastor”, livro de contos de Olinda Beja publicado pela Chiado Editora, e por reenviá-los para vários voluntários na Europa e nos Estados Unidos da América que se ofereceram para fazer a tradução propositadamente para este projeto, dando origem ao novo “The Shepherd’s House”. “Foi uma das mais extraordinárias experiências colaborativas que alguma vez tive o privilégio de testemunhar”, diz Morgan.

De Moçambique veio uma das boas surpresas desta maratona de leitura. “Ualalapi”, romance de Ungulani Ba Ka Khosa, foi a escolha pouco óbvia de Ann Morgan, num país com outros nomes grandes e traduzidos, como Mia Couto e Paulina Chiziane. “Estava a preparar-me para ler ‘A Varanda do Frangipani’, de Mia Couto, quando recebi um comentário no site em que me diziam que devia ler ‘Niketche’, de Paulina Chiziane, porque é um cliché ler apenas Mia Couto e ela precisa de mais atenção”, conta a autora.

Influenciada pela sugestão, e com vontade de fugir aos lugares comuns, Morgan contactou a Alfama Books em busca da tradução inglesa do livro de Chiziane. Só que a tradução nunca chegara a ser terminada, apesar de existir até uma capa do pretenso livro – a editora faliu antes de publicá-lo.

Foi o editor da Alfama, Richard Barlett, quem acabou por colocar esta aventureira dos livros no caminho de Ungulani Ba Ka Khosa, dizendo-lhe que tinha uma tradução inédita de “Ualalapi”, livro que consta da lista de 100 melhores obras africanas do século XX publicada pelo Modern Library Board dos EUA. “Ter sido uma das poucas pessoas que algumas vez leu este poderoso clássico em inglês foi um enorme privilégio. Deixou-me triste pensar em tudo o que devemos estar a perder na nossa pequena bolha da língua inglesa e fiquei zangada por a literatura moçambicana, que existe numa língua tão comumente falada como o português, não ser mais traduzida e lida.”

Portugal clássico

Quando chegou a hora de ler um livro português, Ann Morgan esteve tentada a escolher um dos romances do único Nobel da Literatura das nossas letras, José Saramago, mas, mais uma vez, os conselhos dos leitores e amigos que foram acompanhando o seu projeto conduziram-na a outras paragens e a uma das obras mais curiosas de Eça de Queiroz: “O Mandarim”. “Este livro foi-me emprestado por uma mulher portuguesa que trabalhava no Guardian, onde eu também estava nessa altura. Ela soube do que eu estava a fazer e deu-me o livro. Foi um dos primeiros livros que alguém me deu para este projeto e fiquei muito sensibilizada com esse gesto de alguém que não conhecia. Foi por isso que decidi lê-lo.”

Ao conhecer as desventuras da personagem Teodoro, que viaja até à China, Morgan deu de caras com um autor do século XIX que, no entanto, “tem uma frescura na linguagem que a faz parecer muito mais recente”.

A obra lida pela escritora britânica foi na verdade “The Mandarin and Other Stories”, com outros contos de Eça a juntarem-se ao texto principal. “O Eça é divertido e experimental, e delicia ao meter-se com os leitores em certas ocasiões, desafiando-os do mesmo modo que desafia as suas personagens”, continua Ann Morgan, que espera pegar noutra obra do autor de “Os Maias”. “Provavelmente em 2020, quando der conta do acumular de todas as outras coisas maravilhosas em que fui tropeçando durante esta tentativa de ler o mundo”, brinca.

Dos outros países lusófonos, o projecto Reading the World levou a autora britânica a títulos como “A Casa dos Budas Ditosos”, do brasileiro João Ubaldo Ribeiro; “O Testamento do Sr. Napumoceno da Silva Araújo”, do cabo-verdiano Germano Almeida; “Unidade e Luta”, do guineense Amílcar Cabra; “O Assobiador”, do angolano Ondjaki; e “Crónica de uma travessia – A época do ai-dik-funam”, do timorense Luís Cardoso.

Foi aqui, no livro de Cardoso, que Ann Morgan encontrou aquilo que descreve como um dos melhores cruzamentos entre realidade e ficção. “The Crossing”, título da obra em inglês publicada pela Granta, é uma espécie de auto-biografia em que o autor hoje a viver em Portugal recorda a sua infância e adolescência. Ao mesmo tempo que torna a narrativa o mais pessoal possível, Luís Cardoso vai também pintando um fresco do passado recente muitíssimo conturbado de Timor-Leste. “Este livro é tanto sobre esquecer como sobre recordar. Enquanto o pai de Cardoso, traumatizado e exilado, molda a narrativa, o próprio Cardoso tenta reconciliar-se com as versões parciais de acontecimentos que encontra através das próprias memórias fragmentárias que tem da sua terra natal”, explica Ann Morgan. Para a autora, “The Crossing” é um livro “tocante, lírico e às vezes divertido sobre a busca de identidade numa terra que pôde apenas fugazmente ser chamada sua”. Cardoso consegue criar “uma obra de arte convincente a partir de um caleidoscópio de mudanças e de alianças pessoais e políticas”.

A grande China

Pensar em encontrar um livro das ilhas Comoro ou de Madagáscar que seja interessante e esteja disponível em inglês não pode ser uma tarefa fácil. E a certa altura percebe-se que Ann Morgan deixou cair o primeiro critério, da qualidade, para simplesmente conseguir encontrar um título que lhe permitisse seguir em frente.

No caso de nações como o Brunei e o Bahrain, o caso foi diferente: Morgan confrontou-se com histórias de escritores que, não tendo o inglês como primeira língua, decidem escrever em inglês para chegarem a maiores audiências. As insuficiências gramaticais e vocabulares encontradas em títuilos como “QuixotiQ”, de Ali Al Saeed, fizeram Morgan “valorizar ainda mais o papel das traduções”, para que escritores não se sintam compelidos a usar uma língua que não lhes é natural.

Se houve casos de escassez, houve naturalmente vários outros de fartura de opções, como por exemplo a China. “O meu conhecimento sobre literatura chinesa era praticamente inexistente, e fiquei muito feliz quando a tradutora Nicky Harman se ofereceu para me guiar por algumas opções”, prossegue Morgan. Depois de muita conversa e sugestões, a leitora escolheu “Banished!”, de Han Dong, um romance sobre uma família, a família Tao, banida da cidade de Nanjing e obrigada a recolher-se na aldeia de Sanyu no final dos anos 1960.

A trama de “Banished!” acompanha todas as mudanças na vida de uma família enredada nas teias do maoismo e “o resultado é uma narrativa comovente sobre o poder dos seres humanos para assumirem as suas identidades”, mesmo nas circunstâncias mais sombrias. “Há países como a Índia e a China onde o desafio é selecionar apenas um livro quando há tantas histórias maravilhosas por onde escolher”, conclui Morgan.

A vez de escrever

Ann Morgan não consegue eleger um livro ou um autor entre os muitos que leu, da América Latina ao Sudeste Asiático, nem mesmo entre os títulos portugueses que selecionou: “É impossível responder a isso. Direi apenas que há histórias extraordinárias e excepcionais, que mudaram a minha forma de pensar em muitos aspectos”.

Depois de um ano em que o mais importante foram a disciplina e a capacidade de dormir poucas horas para continuar a ler, a autora está agora a trabalhar no livro que reunirá todos os textos que escreveu sobre esta experiência e que será publicado em 2015. “Será uma obra sobre a minha busca e sobre explorar a ideia de leitura e de cultura mundial, e no que isso pode ensinar-nos sobre a vida e as pessoas que nos rodeiam.”

O próximo projeto de Ann Morgan mantém o espírito de partilha de conhecimento e de apelo a outras pessoas para que participem daquilo que está a fazer – tudo porque “muitos cérebros são melhores que um”. Chama-se “If Women Ruled” e pretende ser um retrato de grupos de mulheres à volta do globo, que ocupem diferentes posições e tenham diferentes papéis nas sociedades em que estão inseridas. O site já existe (ifwomenruled.com) e o lema também: “What if History was Herstory?”.

Go to Top