Posts tagged Antiga

Flip confirma John Banville

0

Publicado no brpress

John Banville: Man Booker Prize por O Mar. Foto: Barry McCall/wbur.org

John Banville: Man Booker Prize por O Mar. Foto: Barry McCall/wbur.org

Vencedor do Booker Prize, e nome cotado ao Prêmio Nobel de Literatura, o romancista irlandês John Banville confirma presença na 11ª edição da Flip – Festa Literária Internacional de Paraty, que acontece entre os dias 3 e 7 de julho. Antes, em 22 de fevereiro, Banville recebe o Prêmio PEN irlandês, em uma cerimônia em Dún Laoghaire.

Seu título mais recente, Luz Antiga (Ancient Light), será lançado no Brasil pela Globo Livros (Biblioteca Azul) durante sua visita à Festa. O romance, o 16º publicado pelo autor, acompanha a história de um ator cuja carreira parece seguir para o fim – assim como sua própria vida.

Diante do processo, Alexander Cleave passa a viver de suas recordações, memórias de seu primeiro amor (um relacionamento delicado com uma mulher bem mais velha e mãe de seu melhor amigo) e de sua falecida filha.

Beckett e Joyce

Banville é autor de uma obra em que se combinam uma dicção exuberante, marcada pelo lirismo e pelos jogos de linguagem, e enredos complexos. Dizendo-se influenciado acima de tudo pelo realismo sofisticado do americano Henry James, Banville é comparado pela crítica a mestres da literatura moderna como os irlandeses Samuel Beckett e James Joyce, e o russo Vladimir Nabokov.

Colecionador de prêmios ao longo de sua trajetória, Banville foi agraciado, em 2001, com o Prêmio Franz Kafka. Seu maior sucesso, O Mar (2005), recebeu o Man Booker Prize, mais importante distinção da literatura em língua inglesa.

Escrevendo sob o pseudônimo de Benjamin Black, Banville publicou ainda sete romances policiais, entre eles O Cisne de Prata e O Pecado de Christine (Ed. Rocco). Ambientados na Irlanda dos anos 50, os romances compõem uma intrincada teia de romances e adultérios envolvendo o protagonista Garret Quirke.

O autor

Nascido em 8 de dezembro de 1945, em Wexford (Irlanda), Banville, o mais velho dos três filhos do casal Doran Née e Banville Martin, declarou, após o período escolar, que a faculdade teria pouco benefício para ele.

Dono de um espírito aventureiro, o escritor começou a trabalhar cedo, como balconista, na companhia aérea Aer Lingus, que lhe permitiu viajar a preços muito baixos. Na época, aproveitou para explorar países como Itália e Grécia e, mais tarde, se mudou para os Estados Unidos, onde viveu entre 1968 e 1969. Em seu retorno à Irlanda, trabalhou como jornalista e editor.

“Me fascina o passado parecer mais intenso que o presente”, diz John Banville

0

Raquel Cozer, na A Biblioteca de Raquel

O irlandês John Banville, autor do lindíssimo “O Mar” (Nova Fronteira), vencedor do Man Booker Prize 2005, vem neste ano para Flip, o que levou a Globo a programar seu romance mais recente, “Luz Antiga”, para junho. Minha entrevista com ele para o texto da Ilustrada foi motivada por outro lançamento, de “O Cisne de Prata” (Rocco), dentro da série de policiais que assina com o pseudônimo Benjamin Black. Falo um pouco do livro no link acima.

Desde 2006, quando começou a lançar policiais como Benjamin Black, inspirado pelos romances do belga Georges Simenon (1903-1989), Banville quase não escreve como Banville. Além de “Luz Antiga”, lançou só “Os Infinitos” (Nova Fronteira), que nem faz jus ao escritor que ele é. No mesmo período, foram sete livros como Black, com mais um previsto para este ano.

Em resumo, ele sofre mais para escrever como Banville, obcecado pela frase perfeita, e não vende tanto assim. Como Black, escreve com facilidade, sem nenhuma ambição de ser artista, e lidera listas de mais vendidos. É assim que funciona e, ele diz, é absolutamente natural.

Ele fala também sobre as especificidades de seus romances policiais, a “conversão” a Benjamin Black e a Wikipedia, entre outros temas, na entrevista abaixo, concedida por e-mail.

Foto de Beowulf Sheehan

Foto de Beowulf Sheehan

Em vez de centrar a história no ponto de vista de Quirke, o protagonista, “O Cisne de Prata” alterna capítulos na voz dele com as de outras personagens, incluindo a vítima. O resultado é que os leitores acabam sabendo muito mais do que o personagem que investiga a história. Por que optou por esse formato?
Acho romances policiais fascinantes do ponto de vista técnico. Nesse livro, foi interessante alargar a perspectiva e trazer, embora obliquamente, as vozes, ou ao menos as sensibilidades, de outros personagens. E com isso fazer Quirke desconhecer detalhes que outros personagens, e os leitores, sabem. Mas, enfim, Quirke geralmente progride por meio da ignorância dos fatos. O que admiro nele como protagonista é que ele não é um superdetetive. Se você quer o oposto de Sherlock Holmes ou Hercule Poirot, esse é Quirke. Ele é um pouco estúpido, como o resto de nós –humanos, em outras palavras. (mais…)

Gato com crise existencial faz sucesso na internet

0

Publicado na BBC BRASIL

Os vídeos de Henri nasceram de um trabalho universitário improvisado

Os vídeos de Henri nasceram de um trabalho universitário improvisado

Henri é uma estrela atribulada: gato, francês, existencialista e cheio de ódio, cujo passatempo preferido é “questionar o sentido da vida”. Além de dormir, é claro.

O resto do tempo Henri passa na frente da câmera de William Braden: o gato é o protagonista de uma série de vídeos no YouTube, que valeu fama global ao bichano e tem rendido uns bons trocados a Braden, que vive em Seattle, no noroeste dos Estados Unidos.

Fotógrafo de casamentos, Braden, de 32 anos, deixou sua antiga profissão para pensar, redigir e registrar as reflexões do filósofo felino.

Primeiro foram os vídeos na internet, que tiveram mais de 10 milhões de visitantes. Depois vieram uma coleção de camisetas, canecas e calendários. Agora Braden fechou contrato para um livro com frases célebres que Henri.

“Faço isso há seis anos e agora esta é minha principal fonte de renda, embora pareça absurdo pensar que é um gato depressivo quem me sustenta”, ri o fotógrafo, que estudou literatura e cinema em Seattle.

Henri coleciona outros exitos: com seu segundo vídeo, Paw de Deux, o bichano virou a estrela principal do primeiro festival de vídeos felinos, em Minneapolis, onde recebeu 10 mil votos e ganhou o “Kitty de Ouro”, de 2012.

O curioso é que o Henri sequer era o animal de estimação de Braden. Mas ninguém conhece a identidade da verdadeira dona, uma parente, que teme um eventual sequestro do animal.

De hobby a negócio

Braden deixou a vida de fotógrafo de casamento para se dedicar ao projeto, que agora vai virar livro

Braden deixou a vida de fotógrafo de casamento para se dedicar ao projeto, que agora vai virar livro

A estreia de Henri se deu em 2006. Braden, então estudante de cinema, deixou para última hora um trabalho da universidade para o qual deveria encontrar um personagem. Escolheu o bichano.

“Me pareceu uma boa ideia supor que um gato poderia ter uma crise existencial. Optei pelo existencialismo como papel de fundo, a imagem em preto e branco e o francês para darem o tom”, explica Branden, que faz a narração na língua de Jean-Paul Sartre e Simone de Beauvoir.

O primeiro vídeo teve 3 mil visitas. Com a disseminação das redes sociais, Brandem se tornou uma estrela em pouco tempo.

Com o segundo vídeo – e seus 6,5 milhões de visitantes -, Brandem viu que as reflexões felinas poderiam virar negócio.

“Começaram a me pedir camisetas”, conta. “Assim que pus à venda, o interesse pelos produtos cresceu”. Parte da renda vai para campanhas em defesa dos animais.

Papel

A última aposta de Brandem é transpor as reflexões de Henri para um livro, que será publicado em abril pela Random House, uma das maiores editoras do mundo.

Para Brandem, será um desafio e tanto: colocar em palavras os pensamentos de um terceiro, no caso, de um gato.

Já em relação à saga audiovisual, Brandem desenvolveu algumas técnicas. Com um grito convence Henri a correr. Para uma cara mal-humorada, basta soprar os bigodes do bichano. Se quer uma gracinha, suborna o gato com guloseimas.

“Muitas vezes escrevo o texto a partir das imagens do que o gato faz naturalmente”, explica, no entanto, Branden, que demora até duas semanas para produzir um episódio.

Braden diz que Henri é um gato como os outros – gosta de brincar e adora a comida especial que recebe ao final dos episódios.

“Sempre digo não quando me pedem para levá-lo à TV, ou para viajar de avião para algum show. Me parece egoísta, criar um estresse desnecessário. Ponho limites até onde posso tirar proveito. No resto, cuido de sua saúde e trato de satisfazer todos os seus caprichos”, diz.

Festa do Livro da USP tem início nesta quarta-feira

0

Publicado na Folha de S.Paulo

Leitores de São Paulo, e mesmo de outras cidades, estarão em polvorosa nos próximos dias.

Começa amanhã a 14ª edição da Festa do Livro da USP. O tradicional evento, que une livros de qualidade e preços mais baixos que os cobrados pelas livrarias, acontece até sexta, dia 14.

Cerca de 150 editoras levarão títulos de seus catálogos para a feira literária. Todos os livros devem ter, no mínimo, 50% de desconto.

No ano passado, mais de 200 mil exemplares foram vendidos. Os organizadores esperam superar esse número nesta edição.

“A ideia é que as editoras tragam uma amostra representativa de seu catálogo, inclusive os últimos lançamentos. Não é uma feira de queima de estoque”, explica Plínio Martins, diretor-presidente da Edusp, responsável pela organização da festa.

No site do evento é possível ver alguns livros que estarão disponíveis.

A editora Ouro sobre Azul, por exemplo, oferece diversos livros de Antonio Candido pela metade do preço. A nova edição da biografia “O Velho Graça”, sobre Graciliano Ramos, sai por R$ 26.

Livros do crítico teatral Sábato Magaldi e do poeta Octavio Paz custam R$ 6.

Pela segunda vez, a festa acontece em três prédio da Escola Politécnica da USP. Martins explica que o local oferece mais espaço para acomodar editores e público do que a antiga sede do evento, a faculdade de história.

Embora ocorra na USP e tenha os livros acadêmicos como um de seus pontos fortes, o evento costuma atrair muitas pessoas de fora do mundo da universidade.

“Temos percebido que várias cidades vizinhas organizam caravanas para participar da festa”, diz Martins.

“Trata-se de um oportunidade única”, completa, “de os leitores formarem um biblioteca de qualidade. Já as editoras podem ter um contato direto com seu público”.

FESTA DO LIVRO DA USP
QUANDO de amanhã até sexta, das 9h às 21h
ONDE Escola Politécnica da USP (av. Prof. Luciano Gualberto, 380)

Ao som de “Peixe Vivo”, Décio Pignatari é enterrado em São Paulo

0


O poeta Décio Pignatari

Publicado na Folha de S.Paulo

O corpo do poeta, ensaísta e tradutor Décio Pignatari foi enterrado ao meio-dia desta segunda-feira (3) no cemitério do Morumbi, em São Paulo, após velório que começou por volta das 8h.

“No Brasil, foge-se como o diabo da cruz dos juízos de valor”, disse Pignatari
Análise: Pignatari esteve na proa das vanguardas em mais de 50 anos de publicações

Pignatari morreu na manhã deste domingo (2), aos 85 anos, em São Paulo. Internado no Hospital Universitário da USP desde a sexta (30), ele teve insuficiência respiratória e pneumonia aspirativa (infecção pulmonar).

Durante o enterro, Serena Pignatari, filha do poeta, contou aos mais de cem presentes que seu pai não queria “nenhum sacerdote, nenhum padre” na cerimônia.

“A única coisa que ele gostaria de escutar neste momento é uma música que ele gostava muito, ‘Peixe Vivo'”, afirmou Serena. Em seguida, começou a cantar e logo foi acompanhada pelos presentes.

“A memória recente dele estava completamente comprometida, mas da memória antiga ele lembrava tudo: de artistas, dos filmes, do Humphrey Bogart e de coisas importantes da literatura que não se apagaram”, disse à Folha Lilla Pignatari, 80, viúva do poeta. Além de Serena, Pignatari deixa outros dois filhos e dois netos.

Décio Pignatari foi um dos principais nomes da poesia concreta, ao lado dos irmãos Haroldo (1929-2003) e Augusto de Campos, 81 –com quem editou a revista “Noigandres”, no anos 1950. Também com os irmãos Campos publicou “Teoria da Poesia Concreta”, em 1965, “Mallarmagem”, em 1971, e “Ezra Pound – Poesia”, em 1983, entre outros.

O maestro Júlio Medaglia, que foi se despedir do amigo, afirmou que “era filho intelectual dele”. “Ele era brilhante porque tinha domínio de todo o tipo de assunto e conversava comigo sobre música com muita autoridade e conhecimento.”

Para o compositor Lívio Tratenberg, “é preciso tomar cuidado para não folclorizar essa coisa da personalidade forte do Décio”. “Por trás dessa personalidade havia muitas ideias. Ele possuía muita crença no que dizia, por isso era tão convicto e não fazia o jogo social de agradar. Quando não concordava com algo, ele era muito claro. Por isso, para mim, se tornou uma referencia ética.”

“O Décio foi, sobretudo, um descobridor de novos caminhos. Ele chegava com ideias que, de início, pareciam estranhas, mas depois comprovavam que ele estava na vanguarda”, avaliou o escritor, tradutor e ensaísta Boris Schnaiderman. “Ele antecipou muita coisa que depois foi vista como normal, mas que não era quando ele propôs.”

“[O livro] ‘Informação, Linguagem, Comunicação’ me abriu perspectivas novas, quando estudante, e desde então sempre acompanhei suas pontadas de lança de múltiplo alcance. Gosto muito de poemas como ‘O Jogral e a Prostituta Negra’ e ‘Femme'”, disse José Miguel Wisnik, escritor, compositor e professor de literatura brasileira da USP. “Conheci a sua generosa solidariedade em momentos pessoais difíceis, mesmo não sendo próximo dele. Tenho saudades de quando havia debate literário no Brasil”, completou.

O cantor e compositor Tom Zé conta que houve uma época em que se encontrava duas ou três vezes por semana com Décio Pignatari, Augusto e Haroldo de Campos para tomar um chope. “Nessa época, o Décio teve a ideia da capa do meu disco ‘Todos os Olhos’, que reverbera até hoje, com aquele c*, que é um olho…”, lembra. “Os próprios poetas concretistas se diziam influenciados pela poesia provençal, que eu também trato no meu disco recente, ‘Tropicália Lixo Lógico’. A influência deles é a mesma dos poetas populares de Irará [cidade natal de Tom Zé, na Bahia].”

Foto: Mastrangelo Reino/Folhapress

Go to Top