Anthony Steffen, ator brasileiro, cuja biografia foi solicitada pelo preso à editora. Wikimedia Commons

Anthony Steffen, ator brasileiro, cuja biografia foi solicitada pelo preso à editora. Wikimedia Commons

 

Cristina Luckner, no Quem Inova

Uma boa história de bangue-bangue é capaz de nos fazer viajar para os cenários do velho oeste com seus duelos entre pistoleiros, saloons e a imagem dos rolos de feno dançando com o vento sobre o chão de terra. Era nesse cenário que um detento da penitenciária de Araraquara entrava quando abria o exemplar do livro “Anthony Steffen, a saga do brasileiro que se tornou astro do bangue-bangue à italiana”. O livro é a biografia do brasileiro Antonio Luiz de Teffé, ator de filmes westerns spaghetti, sucesso no Brasil e no mundo.

O detento, porém, não sabe como termina a história de seu ídolo. O exemplar havia sido emprestado por um companheiro de cela que foi transferido de presídio e levou a obra na bagagem, sem que ele pudesse terminar a leitura. Foi então que o rapaz, condenado a sete anos de prisão por tráfico de drogas (e que fazia isso por conta do vício, como ele narra), resolveu enviar uma carta à Matrix Editora com a solicitação de doação de um exemplar do livro. Na carta, o detento pede também “Bem-vindo ao inferno”, porque ficou sabendo do livro, e muitos presos se interessam em conhecer mais detalhes da luta de Vana Lopes – essa “mulher de fibra” nas palavras do remetente – para prender Roger Abdelmassih.

“Estou enviando a doação. O rapaz ainda tem dois anos de pena a cumprir. Já livre do vício, como ele conta, e com muita leitura, sei que será uma pessoa a mais para construir uma sociedade melhor”, diz Paulo Tadeu, editor da Matrix. Obrigada, Paulo. A gente também concorda que, com muita leitura, ele poderá contribuir para essa sociedade melhor, que todos desejamos.

Arquivo pessoal/Paulo Tadeu

Arquivo pessoal/Paulo Tadeu

 

Arquivo pessoal/Paulo Tadeu

Arquivo pessoal/Paulo Tadeu