Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged Antunes

No Brasil, apenas 26% são alfabetizados plenos

2

Nery Porto Fabres no Jornal Agora

No Brasil, apenas 26% são alfabetizados plenosOs movimentos dos últimos dias serviram para várias interpretações. Há aqueles que observaram os aspectos psicológicos, outros os aspectos históricos, sociais, políticos e por aí vai. Mas, eu prefiro como o Professor José Castilho Marques Neto, secretário executivo do Plano Nacional do Livro e Leitura (PNLL) observar as interpretações, de leitura, que nós brasileiros fomos capazes de discernir sobre tudo o que foi falado nas manifestações populares.

Esta capacidade de compreender o que alguém diz, de forma escrita, depende de uma habilidade que se adquire com muita leitura. Quem não tem o hábito da leitura não consegue decifrar os significados que as palavras carregam e, por mais simples que as palavras pareçam, elas escondem um valoroso código em sua estrutura. E mesmo que venhamos a escrever nos utilizando de vocábulos corriqueiros, para atender a uma enorme quantidade de leitores, sempre esbarraremos em dificuldades para nos fazer entender.

Quem assistiu as manifestações percebeu que, em grande parte de cartazes, havia erros gramaticais, por mais que vários linguistas digam que pode haver variações linguísticas e, sendo assim, não há erro e, sim, possibilidades. E, argumentam com citações de grandes estudiosos da língua como: Ferdinand de Saussure, Noam Chomsky e os brasileiros Fiorin, Marcos Bagno, Irandé Antunes, dentre outros que o uso da nossa língua permite estas distorções.

Porém, eu não discuto aqui o fato de usar a linguística, ou a gramática. Mas que a língua deve ser funcional. Assim defendo a ideia de que para entender o que as palavras representam devemos reconhecê-las e isso somente é feito após muita leitura. Portanto reitero que o exercício da leitura faz com que o leitor perceba que o emprego das palavras não são por acaso. Há um significado maior que sobrepõe a própria palavra. Sob este prisma, só é considerado alfabetizado pleno aquele que consegue interpretar todo texto escrito. Hoje, no Brasil apenas 26% são alfabetizados plenos (fonte: INAF). E estes brasileiros que carregavam a maioria dos cartazes eram estudantes universitários, se eles não sabem construir frases simples, então o que está acontecendo com a educação no Brasil? Esperamos que os royalties do Petróleo migrem logo para a educação e não fique apenas dentro dos discursos de campanha, como mais uma balela política.

MEC afirma que matrícula a partir de 4 anos será obrigatória só em 2016

0
Imagem: Google

Imagem: Google

Publicado por UOL

O MEC (Ministério da Educação) afirmou que a matrícula de crianças na pré-escola a partir dos 4 anos será obrigatória somente em 2016. Segundo nota publicada pelo órgão na noite desta sexta-feira (5), “para atender a essa obrigatoriedade de pais e responsáveis, as redes municipais e estaduais deverão se adequar, dentro do mesmo prazo, para acolher alunos de 4 a 17 anos”.

No entanto, advogados ouvidos pelo UOL dizem que a Lei nº 12.796, de 4 de abril de 2013, estabelece que os pais ou responsáveis devem matricular as crianças de 4 anos a partir da sua publicação, o que aconteceu hoje.

Art. 6º
“É dever dos pais ou responsáveis efetuar a matrícula das crianças na educação básica a partir dos 4 anos de idade”
Fonte: Lei nº 12.796, de 4 de abril de 2013 – página 1 e página 2

“A lei dispõe que ela entra em vigor na data da sua publicação, [e por isso] os pais já têm o dever de procurar vagas para seus filhos a partir dos 4 anos na educação básica [a partir desta sexta]”, explica o advogado Ariel de Castro Alves, da Comissão da Criança e do Adolescente da OAB.

De acordo com Alves, os pais podem ser multados se não respeitarem a nova legislação — os valores podem ir de três a vinte salários mínimos segundo o artigo 249 do ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente).

Segundo o MEC, “a obrigatoriedade da educação básica dos 4 aos 17 anos decorre da Emenda Constitucional nº 59, de 11 de novembro de 2009. A mesma EC garante que a medida deverá ser implementada progressivamente, até 2016”. E, completa: “Evidentemente, não há como dissociar a obrigação dos pais da existência de vagas, que deverá ser garantida até o prazo previsto na EC.”

Para o advogado Flavio Augusto Antunes, especialista em direito educacional, a lei “antecipa” o prazo de cumprimento da Emenda Constitucional 59. Ele faz ainda uma observação: “Os gestores públicos terão de cumprir essa lei desde já, sob pena de se considerar crime de responsabilidade, no caso de negligência com sua implementação, conforme já dizia o artigo 5º, § 4º, da Lei nº 9.394/96 (LDB)”.

Anteriormente, os pais eram obrigados a colocar as crianças na escola a partir dos 6 anos.

Veja quais são as 20 metas para a educação na década; PNE ainda não foi aprovado

Educação infantil
Há também orientação sobre a avaliação da educação infantil. Não haverá retenção ou reprovação das crianças nessa etapa de ensino. A avaliação será feita “mediante acompanhamento e registro do desenvolvimento das crianças”. Os ensinos fundamental e médio já possuem quesitos de avaliação consolidados por meio do Saeb, com a Prova Brasil e o Ideb que medem a qualidade da educação dessas etapas.

Segundo a lei publicada hoje, “a educação infantil, primeira etapa da educação básica, tem como finalidade o desenvolvimento integral da criança de até 5 anos, em seus aspectos físico, psicológico, intelectual e social, complementando a ação da família e da comunidade”.

Harvard admite número recorde de brasileiros para graduação

0

Foram aceitos este ano seis estudantes, sendo dois de colégios públicos.
Alunos precisam se matricular até o dia 1º de maio.

Vanessa Fajardo, no G1

Uma das instituições mais importantes do mundo, a Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, acaba de admitir um número recorde de brasileiros para os cursos de graduação no mesmo ano. Seis estudantes de diferentes partes do país, dois de escola pública, foram aceitos para as turmas que iniciam as aulas em agosto deste ano e terminam em 2017. Do grupo convidado, dois receberam o “sim” em dezembro, os outros quatro tiveram a resposta positiva neste mês de março.

1

Entre os que receberam a notícia da admissão recentemente estão: Larissa Maranhão, de 18 anos, de Maceió (AL); Taciana Pereira, 18, de Curitiba (PR); Renan Ferreirinha Carneiro, 19, de São Gonçalo (RJ) e Victória Jalowitzki de Quadros, de Porto Alegre (RS), os dois últimos alunos de colégios militares. Gabriel Guimarães, 19, de Vitória (ES), e Ivan Tadeu Ferreira Antunes Filho, 17, de Lins (SP) já tiveram a resposta positiva anunciada anteriormente. Os admitidos precisam se matricular até o dia 1º de maio.

Para garantir uma cadeira em Harvard é preciso muito mais do que ser bom aluno. Nos Estados Unidos não existe vestibular, o processo chamado application reúne além de provas, cartas de recomendação, entrevista, redações e avaliação das atividades extracurriculares. Neste último quesito não faltou aos brasileiros boas histórias para contar e agradar o comitê de admissão.

Neste ano a Universidade de Harvard admitiu 2.029 estudantes de todo o mundo, o equivalente a 5,8% dos candidatos, ou seja, 35.023. Mais de 27% pretendem seguir na área de ciências sociais, 23% nas ciências biológicas, quase 18% nas humanidades, 15% em engenharia e ciência da computação, 9% nas ciências físicas, 7% em matemática, e o restante está indeciso, segundo a instituição.

A admissão não significa que os alunos estarão isentos das mensalidades. Por ano, o custo chega a ser de US$ 60 mil, cerca de R$ 120 mil. Paralelo ao processo de disputa da vaga, os candidatos precisam solicitar bolsas de estudo que podem até ser de 100%, mas é concedida segundo a condição socieconômica da família, e não por mérito do aluno. Harvard estima que cerca de 60% dos novos estudantes necessitem de alguma ajuda financeira para manter os estudos.

Renan Ferreirinha foi eleito coronel-aluno do Colégio Militar do Rio de Janeiro (Foto: Arquivo pessoal)

Renan Ferreirinha foi eleito coronel-aluno do
Colégio Militar do Rio de Janeiro (Foto:
Arquivo pessoal)

Liderança no colégio

Renan Ferreirinha Carneiro nasceu em São Gonçalo e estudou por sete anos no Colégio Militar do Rio de Janeiro. Lá, quando concluiu o ensino médio no ano passado, assumiu o posto de coronel-aluno cuja missão era de comandar o batalhão escolar composto por 2.000 estudantes. O cargo foi resultado de um histórico escolar impecável, entre outros critérios.

Renan não é filho de militares, a mãe é professora de matemática da rede municipal de São Gonçalo e o pai contador, mas entrou na escola em 2006 após ser aprovado em um concurso que fez incentivado por um tio que é militar. Para o estudante, as atividades de liderança no colégio o ajudaram a conquistar a tão sonhada vaga em Harvard. Ele também foi aceito em outras sete universidades importantes, como Brown, Columbia, Princeton e Yale.

Estudei sete anos em uma escola de ponta, me sinto na obrigação de retribuir isso para outros jovens para que tenham oportunidades similares ou até melhores”
Renan Ferreirinha, de 19 anos

“Me tornar coronel-aluno foi de grande importância, sempre que tinha uma atividade oficial representava o colégio. Também fui vice-presidente do prêmio e monitor. O colégio militar te oferece muitas oportunidades de atividades extracurriculares, une diversos fatores como ensino forte, espaço físico enorme, entre outros.”

Outro ponto positivo da candidatura de Renan foi o trabalho voluntário no Complexo Lins, Zona Norte do Rio. Na comunidade, ainda não pacificada, ele, o primo e uma amiga canadense dão aulas gratuitas de inglês para as crianças todos os sábados. A atividade está ligada ao grupo Solidariedade em Marcha (Somar) onde atua há mais de dois anos.

No futuro, Renan quer trabalhar com gestão pública e educação no Brasil. Para isso pretende estudar economia e ciências políticas. “Estudei sete anos em uma escola de ponta, me sinto na obrigação de retribuir isso para outros jovens para que tenham oportunidades similares ou até melhores. Acredito muito na minha geração, gosto de uma frase que diz ‘nada deve parecer impossível de mudar’”.

Victória de Quadros representando o México durante evento do clube de relações internacionais (Foto: Arquivo pessoal)

Victória de Quadros representando o México
durante evento do clube de relações internacionais
(Foto: Arquivo pessoal)

‘Sempre estudei em escola pública’

Nascida em Soledade, no interior do Rio Grande do Sul, Victória Jalowitzki de Quadros, de 18 anos, sempre estudou em escolas públicas. Os primeiros anos do ensino fundamental foram em um colégio de Soledade, depois, do 4º ano até o 3º do ensino médio foi para o Colégio Militar de Porto Alegre. Conseguiu uma vaga após ser aprovada em um concurso muito acirrado (900 candidatos para 50 vagas). Também não é filha de militares, o pai é médico e a mãe contadora, mas procurou a escola pela qualidade do ensino.

Foi no Colégio Militar que exerceu seu espírito de liderança e a veia filantrópica e abusou das atividades extracurriculares tão bem vistas pelos americanos. “Aproveitei mais a parte extracurricular do que acadêmica. Participei do clube de astronomia, presidi o clube de relações internacionais que organizava palestras sobre política e eventos da ONU, participei da Legião de Honra, que é um grupo de estudantes que organiza atividades como campanha de alimentos, agasalhos, entre outras. Sempre fui boa aluna, mas acho que conta muito mais o que você faz fora da sala de aula.”

Eu não sou um caso clássico, sempre estudei em escola pública, as pessoas não esperam que você consiga algo assim, mas é possível”
Victória de Quadros, de 18 anos

A vontade de fazer faculdade fora do país veio quando Victória foi fazer um intercâmbio em Cambridge, na Inglaterra, durante o ensino médio. “Eu não sou um caso clássico, sempre estudei em escola pública, as pessoas não esperam que você consiga algo assim, mas é possível. É preciso ter sorte porque você disputa com o mundo todo. A universidade pode dar a vaga para você ou para alguém que tem o mesmo potencial ou até mais.”

Victória tem interesse em estudar economia e ciências políticas, pretende trabalhar nesta área. “Quero viajar para ver como os governos fazem para a população ter acesso à saúde e educação. Depois voltar para o Brasil para aplicar estes conhecimentos. É tão incrível acreditar que eu vou entrar na melhor universidade do mundo e saber que as oportunidades são infinitas.” Para ela, os brasileiros que são admitidos nestas instituições de ponta têm uma vontade genuína de retornar ao país depois dos estudos, apesar de isto não ocorrer em alguns casos. “A ideia é de fazer ter no Brasil o que a gente busca lá fora.” (mais…)

Go to Top