Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged Aranha

Aranha descoberta no Brasil ganha nome inspirado em GoT

0

 

Varys: personagem foi homenageado com nome de aranha descoberta no Brasil (Helen Sloan/HBO/Divulgação)

 

Personagens de outros títulos da cultura pop também são homenageados por pesquisadores

Lucas Baranyi, no Exame

Pesquisadores do Instituto Butantan também assistem – e gostam muito de – Game of Thrones. Duvida? Pois saiba que sete aranhas foram recentemente descobertas no Pará – e uma delas foi homenageada por um personagem da história criada por George R. R. Martin.

A escolha, é claro, não podia ser mais acertada: a Ochyrocera varys é uma clara homenagem ao personagem Lord Varys, também conhecido como “O Aranha”.

Conheça as outras seis espécies descobertas por Antonio Brescovit, Igor Cizauskas e Leandro Mota que também receberam homenagens de grandes obras da literatura.

Ochyrocera atlachnacha —Atlach-Nacha é uma aranha gigante com um rosto humanoide e que vive em cavernas subterrâneas a uma montanha, criadas por H. P. Lovecraft.

Ochyrocera laracna — Laracna é a famosa aranha que tenta devorar Frodo e Sam nas subidas de Mordor em O Senhor dos Anéis.

Ochyrocera ungoliant — Mostrando que são fãs hardcore de fantasia, os pesquisadores nomearam esta espécie em homenagem à mãe do personagem Shelob, do livro O Silmarillion, de J. R. R. Tolkien.

Ochyrocera aragogue — Lembram-se da aranha enfrentada por Harry Potter e Ron Weasley em Harry Potter e A Câmara Secreta? Agora ela ganhou uma xará paraense.

Ochyrocera misspider — Este é um exemplar fofo, lembrando a coleção de livros Miss Spider, criada por David Kirk.

Ochyrocera charlotte — Charlotte é a aranha do livro infantil A Menina e O Porquinho, escrito em 1952 por E. B. White.

Este texto foi publicado originalmente no site da Superinteressante.

Definido o elenco principal de A Garota na Teia da Aranha, nova adaptação da série Millennium

0

collageteia

Publicado no Literatura Policial

MILLENNIUM – O último protagonista do novo filme da série Millennium, A garota na teia de aranha, foi anunciado esta semana. O papel do jornalista Mikael Blomkvist foi para o ator sueco Sverrir Gudnason, de 39 anos, que viveu recentemente o tenista Bjorn Borg no filme Borg/McEnroe.

Os outros nomes já confirmados são os de Claire Foy (The Crown), escolhida para ser a heroína Lisbeth Salander, Claes Bang (The Square), que viverá um dos vilões da história, Cameron Britton (Mindhunter) e Sylvia Hoecks (Blade Runner), que será a irmã de Lisbeth, a charmosa Camilla. Mikael Blomkvist já foi interpretado em outras adaptações por Michael Nyqvist e Daniel Craig.

A garota na teia de aranha promete apostar na aventura e na tecnologia, já que Lisbeth Salander e Mikael Blomkvist se envolvem com a NSA (agência de segurança norte-americana) e passam boa parte do livro caçando e sendo caçados. Os três primeiros livros da série Millennium foram escritos por Stieg Larsson, jornalista sueco morto em 2004, após sofrer um infarto. Na continuação foram escritos mais dois livros, dessa vez pelo também jornalista sueco David Lagercrantz, autor de A garota na teia de aranha. Toda a série foi publicada no Brasil pela Companhia das Letras.

As gravações do filme começam em 2018, em Berlim e Estocolmo. O filme ganhou data de lançamento para 5 de outubro de 2018.

Parada do Livro

0


Helena Aranha e Helena Nabuco, no Catarse

O Parada do Livro é uma iniciativa de incentivo à leitura, que consistirá na instalação de 10 estantes de livros em pontos de ônibus, na cidade de São Paulo.

No Brasil, como um todo, a leitura é uma atividade pouco desenvolvida, principalmente quando comparada aos seus vizinhos sul-americanos, ou outros países estrangeiros. De fato, apenas 50% dos brasileiros podem ser considerados leitores (ou seja, leram pelo menos 1 livro nos últimos 3 meses, segundo a definição do Instituto Pró-Livro), enquanto que, no Chile, este percentual é de 80%, por exemplo. Além disso, o principal motivo apontado para afastar o brasileiro da leitura, é a falta de tempo e o desinteresse em ler. No país, esta atividade está fortemente associada aos estudos, o que faz com que as pessoas abandonem a leitura, juntamente dos livros da escola/faculdade.

Para ajudar a reverter este quadro, o Parada do Livro foi criado, procurando abordar esta problemática de maneira diferenciada e inovadora, entregando os livros diretamente nas mãos dos paulistanos, em um local que passam todos os dias: os pontos de ônibus. Como o paulistano médio gasta cerca de 2h30 por dia no trânsito, o acesso gratuito aos livros nos pontos de ônibus será uma maneira de despertar o interesse e a paixão que todos nós podemos ter pela leitura. Com isso, pretendemos não só melhorar o acesso à informação e ao conhecimento, quanto também cultivar valores de compartilhamento em espaços públicos, pois as estantes pertencerão à comunidade. De quebra, ainda queremos diminuir o tédio e o estresse do trânsito, com o entretenimento que a leitura pode fornecer.

A dinâmica das estantes de livros será: o indivíduo pode pegar o livro que estiver interessado gratuitamente, levar para casa e devolvê-lo quando terminar de ler. Será incentivada, também, a doação de livros, para que a estante tenha a rotatividade necessária de volumes a serem emprestados.

Pela sua natureza colaborativa, optamos pelo Catarse para arrecadarmos os fundos necessários para a realização do Parada do Livro: esta idéia surgiu quando descobrimos um concurso na nossa faculdade, chamado CATARSE NA ESPM. Este iria selecionar um projeto de um aluno, para ganhar uma assessoria completa para uma campanha de crowdfunding. Achamos que o concurso tinha tudo a ver com a nossa idéia, nos inscrevemos e ganhamos! E agora estamos aqui, para continuar essa história com vocês.

Com sua ajuda, poderemos tornar esta iniciativa uma realidade, até julho de 2013. A quantia necessária para fazer o Parada do Livro acontecer é de 5600 reais, que pretendemos arrecadar em 1 mês. Este valor é solicitado para cobrir gastos referentes apenas ao projeto: a construção das 10 estantes, seu transporte e manutenção, além dos gastos relacionados à divulgação do projeto – como cartazes, encartes e folhetos, que serão feitos pelas próprias curadoras da proposta. Porém, como em todos os projetos do Catarse, se o valor necessário não for atingido, o dinheiro doado será devolvido aos colaboradores e o Parada do Livro não acontecerá.

Sendo assim, convido você a colaborar com esta iniciativa!

Go to Top