Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged Asas

Livros infantis bizarros

0

Alessandro Martins, no Livros e Afins

“Os livros não existem, somente as capas. São de Bob Staake, de uma série chamada Bad Children’n Books.”

Descobri que há diversas que não coloquei aqui.

Veja todas: Bad Children’s Books.

Baleias mortas não acenam de volta.

Baleias mortas não acenam de volta.

Papai espera ter corda suficiente no porta-malas.

Papai espera ter corda suficiente no porta-malas.

Se Tommy fosse judeu, ele provavelmente não seria tão ruim no violino.

Se Tommy fosse judeu, ele provavelmente não seria tão ruim no violino.

Não se preocupe, nõs não vamos matar você.

Não se preocupe, nõs não vamos matar você.

Se você desse um gatinho para uma cíclope.

Se você desse um gatinho para uma cíclope.

Policial O’Reilly está grávido de três meses.

Policial O’Reilly está grávido de três meses.

O Grande Livro das Maravilhas em Técnicas Para Remover Asas.

O Grande Livro das Maravilhas em Técnicas Para Remover Asas.

(mais…)

Livro infantil se inspira em Baudelaire; leia crítica de Luiz Felipe Pondé

0

Ilustração de ‘Charles na Escola de Dragões’

Luiz Felipe Pondé, na Folhinha

A literatura infantil sempre trabalhou a figura do patinho feio como o “diferente” que sofre na escola. Apesar de com frequência se falar das crianças como anjos, a verdade não é bem essa: a vida infantil, e a escola como seu palco central, é um drama intenso de insegurança, dor, alegria e medo, que exige da criança muita coragem e a sorte de encontrar amigos.

Charles na Escola de Dragões” não foge à regra de ser um livro sobre um patinho feio obrigado a descobrir “sua diferença” para sobreviver. Mas, ao contrário de um bicho bonitinho, o livro fala de dragões e, com isso, defende a diferença de forma clara: dragões também podem ser fofinhos e sofrer como patinhos.

Charles, o pequeno dragão, tem asas muito grandes e pés enormes e, por isso, quase desiste de ser um dragão “normal”.

Além do mais, é poeta e sofre com isso. O livro é inspirado em “Albatroz”, poema do francês Charles Baudelaire, considerado rebelde por chocar a sociedade do seu tempo (século 19) com textos que traziam sua melancolia e descrença no mundo moderno; vale lembrar que “Albatroz” faz parte da sua obra máxima, “Flores do Mal”… O nome já diz tudo…

Mas, diferentemente da ave de Baudelaire, que acaba por sobre o chão, imersa num mundo onde a poesia não vale nada, Charles terá final feliz. Baudelaire para crianças, claro, não pode ser Baudelaire até o fim.

Go to Top