Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged aulas online

6 aulas virtuais incríveis e gratuitas de literatura

0
(Foto: Pixabay/Domínio Público)

(Foto: Pixabay/Domínio Público)

 

Bruno Vaiano, na Galileu

Não tenha medo. A literatura não é o bicho de sete cabeças que o colégio te fez pensar que era. Ela está nos alicerces da nossa cultura e sua influência está por todos os cantos. Ela está tão impregnada na nossa formação, na verdade, que é bem provável que você já goste de literatura e só não saiba disso ainda. A GALILEU selecionou aulas, palestras e entrevistas com grandes professores e críticos literários do Brasil e do exterior que te farão ir correndo para a livraria.

O curso legendado de 26 aulas sobre introdução à teoria literária de Paul Fry, da Universidade de Yale, nos EUA

É bom começar pelo começo. Paul Fry é especialista em poesia romântica britânica, mas aqui ele dá os alicerces para qualquer um que queira se aprofundar no uso estético da palavra. Seu curso, ministrado em Yale, passa por questões básicas, como “O que é literatura?”, e dá um panorama da história, das tendências e das linhas de pensamento da teoria literária. Perfeito para quem não quer fazer feio na mesa do bar — ou para quem quer chegar afiado a aulas, palestras e entrevistas sobre autores específicos como as que vem abaixo.

Stephen Burt, da Universidade Harvard, falando sobre porque as pessoas precisam de poesia no TED

Depois das densas aulas de nível universitário de Fry, você pode respirar vendo uma palestra de um dos mestres da crítica literária contemporânea, o norte-americano Stephen Burt, no TED. Ele fala de sua relação com a poesia com tanto amor que é fácil se esquecer de que ele é um acadêmico. Mas sua palestra é uma resposta curta e concisa a todos os céticos que perguntam qual é a importância dos versos.

André Malta, da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP, falando sobre A Ilíada, de Homero

15.693 versos escritos há mais de 2 mil anos. É difícil imaginar um estudante que optaria espontaneamente pela Ilíada como leitura de final de semana. Mas o professor da Universidade de São Paulo (USP) André Malta não mede esforços em transformar o poema épico na coisa mais legal de que você ouviu falar hoje.

José Miguel Wisnik, professor aposentado da FFLCH da USP, músico e escritor, falando sobre o conto O Recado do Morro, de João Guimarães Rosa

O estilo de Guimarães Rosa é desafiador. Ele conhece a língua portuguesa tão bem que inclusive criou suas próprias palavras em incontáveis ocasiões (fizeram um dicionário só para ele). Suas obras são tão detalhadas e ricas em possibilidades de interpretação quanto seu uso do português, e elas podem ir de um pesadelo a uma experiência reveladora pelas mãos de José Miguel Wisnik, músico crítico literário e professor brasileiro. Wisnik te pega pela mão e vai revelando cada cantinho do conto central da obra Corpo de Baile. E você ficará impressionado com quanta coisa cabe em tão poucas páginas — ignore o cenário.

Munira Mutran, também da USP, falando sobre O Som e a Fúria, de Willian Faulkner

Quem tenta ler as primeiras páginas de O Som e a Fúria cai da cadeira. Um fluxo de pensamento interminável e impenetrável, com pontuação no mínimo ousada, introduz o leitor à mente de uma personagem autista. É por meio de seus olhos que começamos a assistir ao declínio de uma família aristocrática do sul dos EUA no início do século 20. A obra é incrível, e pode ficar melhor com uma ajudinha da professora Munira Mutran.

Ann Morgan, escritora e editora britânica, falando sobre como leu um livro de cada país do mundo

Nosso último vídeo não é sobre um livro específico. Mas sobre quantos livros ainda há para ler por aí. Ann Morgan, escritora e editora de livros britânica, resolveu ler uma obra literária de cada país do mundo para saber o que estava perdendo. E descobriu que era muita coisa. Um estímulo para você continuar atrás de cada vez mais aulas.

Plataforma para encontrar ótimos professores online já conta com mais de 1.000 aulas dadas para alunos brasileiros

0

preply-770x425Plataforma Preply chegou há pouco tempo e já conquistou o público brasileiro.

Publicado no TecheNet

Aprender um novo idioma nunca foi uma tarefa fácil, mas até pouco tempo atrás o grande problema para quem queria estudar idiomas era a acessibilidade. Com a chegada da internet essa barreira foi quebrada e, hoje, não existem fronteiras para quem quer atingir a fluência no inglês ou no espanhol, bem como dedicar-se a alguma matéria escolar ou aprender um novo instrumento musical. Através da plataforma Preply é possível ensinar e aprender com apenas alguns cliques. O que antes só era transmitido através das instituições de ensino e exigia tempo de deslocamento e esforço, hoje pode ser feito de sua própria casa. A Preply tornou o ensino de idiomas e matérias muito mais democrático e qualquer aluno tem a chance de estudar, de forma presencial ou on-line, através de aulas individuais.

Como funciona a plataforma?

Para começar a ter aulas você só precisa acessar o site da Preply e digitar o tema preferível, como por exemplo “matemática” ou “inglês”. Em seguida, o aluno deve escolher seu professor e enviar-lhe uma solicitação para agendar as aulas. Os valores podem variar de acordo com o professor, partindo de 5 dólares. Através dos filtros de busca você pode pesquisar por professores em sua região ou por matéria, especialização e preço por hora. Como temos milhares de professores não só do Brasil, mas de todo o mundo, o aluno tem uma grande variedade de opções à sua disposição e pode trocar de tutor a qualquer momento, caso não se sinta satisfeito com as aulas. Veja abaixo outras vantagens em apostar na Preply.

Aulas presenciais

As aulas presenciais também são destaque na Preply e o aluno, além de ter uma grande variedade de opções, pode ter a garantia de um bom investimento. O contato humano e a interação com o professor nas aulas torna o conteúdo mais dinâmico, o que ajuda a motivar o aluno e aumentar sua concentração. O método clássico de ensino também é vantajoso na Preply e o número de professores é grande. Seja qual for o seu perfil de aluno, a plataforma pode ajudá-lo a chegar lá.

E as aulas on-line?

As vantagens das aulas via Skype são inúmeras, desde a redução dos custos ou a economia de tempo e dinheiro com transporte até a possibilidade de estudar sem qualquer compromisso ou preocupação com horários e mensalidades. Com a Preply você terá praticidade e comodidade em seus estudos. Não importa se você mora no Brasil e quer ter aulas com um professor de inglês americano ou australiano, por exemplo. Você pode estudar em casa ou em cafeterias, no trabalho, durante suas viagens ou mesmo em hotéis. As aulas podem ser dadas com a ajuda de um smartphone, tablet ou computador que tenha conexão com a internet e Skype. O material deve ser acordado com o professor responsável.

Seis startups que podem mudar a educação no Brasil

0
startup

Empreendedores apoiados pelo Start-Ed apresentam suas ideias em São Paulo (Foto: Divulgação/Rodrigo M. Morales)

Quizzes no celular, Netflix de livros, programação de softwares em português… Iniciativas querem transformar a relação entre os alunos e o aprendizado

Edson Caldas, na Época Negócios

Dezenas de estudantes em uma sala de aula. Todos acompanham o mesmo conteúdo em seus livros, independentemente de quais sejam suas dificuldades individuais. O professor explica, eles ouvem. Essa descrição ainda é familiar à grande parte das escolas no Brasil. Mas tem como ser diferente. Empreendedores brasileiros já investem em formas de transformar o ensino tradicional — e tornar as aulas mais eficientes.

Uma plataforma que permite estudar para provas com quizzes no celular, um Netflix de livros, um projeto educacional que ensina programar softwares em português. Essas são algumas das ideias apoiadas neste ano pelo Start-Ed, da Fundação Lemann. O programa oferece auxílio financeiro, mentoria e interação com profissionais da área de educação. Em 2014, foram mais de 170 startups inscritas, filtradas por meio de um processo seletivo. Na última semana, as seis startups selecionadas nesta edição apresentaram suas iniciativas para representantes de empresas que investem no setor.
saiba mais

“O objetivo principal é ter uma educação que garanta o aprendizado dos alunos”, disse Denis Mizne, diretor-geral da Fundação Lemann, em entrevista à Época NEGÓCIOS. “São pouquíssimas as crianças que realmente aprendem. Acreditamos que, da mesma maneira que a tecnologia ajudou outros setores, ela pode ajudar também a educação.” Segundo Mizne, o uso novos recursos pode aumentar o engajamento dos estudantes, permitir personalização da aprendizagem e oferecer conteúdo gratuito.

Durante os seis meses de orientação, os empreendedores participaram de encontros mensais para aprimorar seus produtos e modelos de negócio. “A possibilidade de networking que o programa oferece, com pessoas do mundo da educação e também com empreendedores que já estão em outro nível, os mentores, é muito diferenciada”, afirma Anna Laura Schmidt, coordenadora de projetos da Fundação Lemann. Confira as propostas das seis startups selecionadas:

appprova

Aplicativo tem versões para Enem, OAB e concursos públicos (Foto: Reprodução)

AppProva
É uma plataforma de quizzes que gamifica atividades para engajar alunos. Ela permite que os professores, com base nos resultados dos estudantes, identifiquem as principais dificuldades deles e, se necessário, mudem suas estratégias de ensino. Segundo João Gallo, diretor executivo da startup, mais de 20 escolas já utilizam a ferramenta. “Ao jogar, o aluno recebe um feedback automático, que indica o que ele precisa fazer para acertar as questões que ele zerou.” O aplicativo tem versões para provas do Enem, da OAB e de concursos públicos. E é grátis para alunos — quem paga são as escolas, para ter acesso às informações.

Árvore de Livros
A startup tem como objetivo tornar a leitura mais acessível. Funciona como um Netflix de livros — os usuários têm diversos títulos à disposição e podem acessar o conteúdo de qualquer dispositivo. O serviço ainda oferece relatórios para professores. Eles podem sugerir obras para seus alunos e acompanhar o progresso deles. “Em São Joaquim da Barra, no interior de São Paulo, uma cidade com 46 mil habitantes, nossa média de leitura já supera em quatro vezes a nacional”, diz João Leal, cofundador da ferramenta. Quem paga para que os alunos usem a ferramenta são as escolas públicas e privadas.

me_salva

Me Salva – Explicações na plataforma são desenhadas (Foto: Reprodução/YouTube)

Me Salva
A plataforma oferece aulas online para estudantes do ensino médio e superior. Ela já conta com mais de 30 milhões de aulas assistidas. A ideia, segundo os criadores, é passar o conteúdo de forma mais prazerosa. As explicações são baseadas em desenhos. “Valorizamos muito a criatividade e autenticidade no nosso conteúdo”, afirma Miguel Andorffys, CEO da empresa. A startup oferece cursos gratuitos e pagos.

PortPy
O projeto quer criar parcerias com instituições de ensino para oferecer aulas de programação de softwares em português — hoje, quem quer aprender a programar tem de fazê-lo em inglês. A metodologia mistura aulas online e offline para ensinar o ‘pensamento computacional’. O PortPy dá treinamento aos professores, para que eles mesmos repassem a informação. “Nossa meta é chegar a um milhão de alunos em três anos”, diz Lona Szkurnik, cofundadora da ferramenta. A intenção é que o acesso seja livre, por isso a empresa busca patrocínio de fundações.

Sílabe
A plataforma quer se tornar o braço direito dos professores. É um ambiente virtual em que os profissionais podem disponibilizar conteúdo para seus alunos de forma prática e integrá-lo com material externo. “No Sílabe, o professor pega o conteúdo que ele já usa em sala de aula e envia pela plataforma”, afirma o cofundador Ricardo Sudário. Os alunos ainda têm acesso a áreas de discussão e fazem atividades dentro do serviço — mais tarde, elas geram gráficos para que os gestores possam acompanhar a evolução dos estudantes. A ferramenta é licenciada para escolas e custa de R$ 7,50 a R$ 30 por aluno.

Stoodi já tem mais de 3 milhões de aulas assistidas (Foto: Reprodução/YouTube)

Stoodi já tem mais de 3 milhões de aulas assistidas (Foto: Reprodução/YouTube)

Stoodi
A plataforma atua como um professor particular — ela realiza um diagnóstico do nível do estudante e customiza o curso de acordo com suas necessidades. As aulas são voltadas a alunos do ensino médio, que estão se preparando para o vestibular. A ferramenta foi lançada em janeiro e já conta com mais de 3 milhões de aulas assistidas. “Faltava uma plataforma em que fosse muito fácil o aluno encontrar a aula que ele precisa e que tivesse uma trilha [de aprendizagem] pronta”, diz o cofundador Daniel Liebert. Os alunos se cadastram gratuitamente, mas para ter acesso completo pagam uma assinatura mensal.

Unesp oferece curso online grátis sobre História da Arte

0

História da Arte online na Unesp

Publicado no Canal do Ensino

A Unesp está oferecendo através do site da Univesp TV, um curso gratuito online sobre História da Arte. Ele é voltado a graduandos e pós-graduandos interessados nas áreas de arte, história, pesquisa, cultura e assuntos correlatos. Também é aberto a todos com formação superior em qualquer área do saber.

Este curso de História da Arte é apresentado gratuitamente, em forma de videoaulas online, que você pode assistir a hora que quiser. Há ainda a possibilidade de fazer anotações sobre questionamentos, opiniões e dúvidas enquanto assiste o vídeo, e receberá tudo em seu e-mail.

A Univesp TV  é o canal de comunicação da Universidade Virtual do Estado de São Paulo, a quarta universidade pública paulista e visa ao incentivo à formação integral do cidadão.

O curso

São 09 aulas do curso regular de graduação, ministradas pelo docente José Leonardo do Nascimento do Instituto de Artes da Unesp (Universidade do Estado de São Paulo).

O objetivo do curso de História da Arte é apresentar movimentos artísticos locais dentro de uma perspectiva mais abrangente da história da arte. As aulas exploram a arte etrusca, o realismo da arte romana antiga e o diálogo com a Grécia, a arte cristã primitiva, a arte bizantina, as expressões artísticas medievais, como as Iluminuras, a arte Românica e o Gótico, até os primeiros momentos do Renascimento italiano. O professor José Leonardo do Nascimento também apresenta e analisa os principais monumentos artísticos de cada período histórico.

O curso não possui certificação. São apenas aulas online para complementação de estudos e pesquisas. É só acessar o site e começar a estudar.

Conteúdo programático

Escultura e pintura etruscas: vitalismo e arte tumular.
Roma antiga: realismo e diálogo com a Grécia.
Arte cristã primitiva: abstração e solenidade.
Iluminuras medievais: arte monástica.
Arte bizantina: espiritualidade e esplendor celestial.
Arte românica: arquitetura e relevo escultórico.
Arte gótica: verticalidade e luz.
Siena no século XIV: arte republicana e religião.
Florença no século XIV: da bidimensionalidade pictórica ao Renascimento.

O curso sobre História da Arte oferecido pela Unesp é mais uma dica gratuita que o Canal do Ensino traz para te ajudar a expandir a mente, pensar diferente e aumentar ainda mais seus conhecimentos.

Boas aulas!

Go to Top