Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged autores brasileiros

Travessa: uma das melhores livrarias do Brasil chegou a Lisboa

0

Fica no Príncipe Real e tem uma curadoria e programação cultural cuidada.

Ricardo Farinha, no NIT

Rui Campos tinha 19 anos quando se mudou para o Rio de Janeiro, no Brasil, vindo de Belo Horizonte. Era o ano de 1975 e a ditadura ainda era uma realidade naquele país, pelo que o trabalho de livreiro não era fácil.

Na loja tentavam comprar livros a editoras de vários países, incluindo Portugal, mas muitos autores e temas eram proibidos e os exemplares acabavam por ficar na alfândega. Essa primeira livraria onde trabalhou, a Muro, acabou por fechar. Em 1986 Rui Campos lançava o próprio negócio, na Travessa do Ouvidor, e foi assim que ficou batizada a Livraria da Travessa.

O resto, como se costuma dizer, é história. No Brasil existem oito espaços atualmente e a 18 de maio foi inaugurada a primeira fora do país — o local escolhido foi o Príncipe Real, em Lisboa. Está integrada no piso térreo da Casa-Pau Brasil, que já era conhecida por acolher várias marcas brasileiras de diferentes áreas.

São paredes e paredes com estantes com livros, num espaço de 300 metros quadrados que pretende receber apresentações e tertúlias com regularidade, entre outras iniciativas culturais.

As obras estão divididas em áreas como Literatura, Fotografia, Arquitetura, Artes, Ciências Humanas ou Biografias. Apesar de haver bastantes autores brasileiros — como Vinicius de Moraes, Machado de Assis, Chico Buarque, Caetano Veloso, Jorge Amado ou Milton Hatoum —, os portugueses também estão em destaque na Travessa.

Nas várias estantes podemos encontrar livros de nomes como Antônio Lobo Antunes, Mia Couto, Alexandra Lucas Coelho, Miguel Torga ou Eça de Queirós, entre outros.

Nas próximas semanas, vai ser instalada uma cafeteria no espaço, que será explorada pela Brigadeirando, que serve brigadeiros e vai ter sumos brasileiros naturais. A Travessa pode ser visitada todos os dias: de segunda-feira a sábado entre as 10 e as 22 horas, sendo que aos domingos abre mais tarde, pelas 11 horas, e fecha mais cedo, às 20 horas.

A tendência na capital portuguesa tem sido mais o encerramento das livrarias, mas o negócio da Travessa parece estar a correr bem. Depois desta, Rui Campos vai abrir a sua décima livraria em São Paulo.

Salvador vai sediar primeira Feira do Livro Infantil em outubro

0

Salvador vai sediar primeira Feira do Livro Infantil (FLIS) — Foto: Divulgação Editora Papa Livro/Ester Mendes

Programação permite o acesso do público em 27 espaços oficiais com selos editoriais de todos os gêneros, em mais de 30 horas de atividades relacionadas ao universo literário

Publicado no G1

Salvador vai sedia uma feira inédita inteiramente dedicada aos livros para crianças. A Feira do Livro infantil (FLIS) vai acontecer de 26 a 28 de outubro, no 3º piso do Shopping da Bahia, com entrada gratuita.

A FLIS é um projeto pensado para incentivar a leitura e divulgar autores brasileiros junto ao público infantil. A programação permite o acesso do público em 27 espaços oficiais com selos editoriais de todos os gêneros, em mais de 30 horas de atividades relacionadas ao universo literário.

Durante os três dias da Feira do Livro Infantil, os visitantes terão a oportunidade de interagir com grandes autores, em encontros e palestras exclusivas.

Bienal Internacional do Livro de São Paulo começa hoje

0

Best-sellers como Victoria Aveyard, Beth Reekles, David Levithan e Marissa Meyer vão participar do evento, que terá Mauricio de Sousa, Ziraldo, Fernanda Montenegro Lázaro Ramos.

Publicado no G1

A 25ª Bienal Internacioal do Livro de São Paulo começa nesta sexta-feira (3) e traz grandes best-sellers internacionais e também autores brasileiros que arrastam multidões.

Com o tema “Venha fazer esse download de conhecimento”, o evento, que acontece no Pavilhão Anhembi (veja o serviço abaixo), deve oferecer 1,5 mil horas de atividades ao longo de dez dias, até 12 de agosto.

Além das tradicionais sessões de autógrafos e estandes de editoras, a Bienal tem na programação palestras com escritores, debates sobre atualidades, local para saraus e shows, espaço infantil e área dedicada à gastronomia.

“Tivemos o cuidado de trazer uma programação capaz de atingir todos os públicos – das crianças aos adultos – buscando temas atuais”, afirmou, em nota, Luís Antonio Torelli, presidente da Câmara Brasileira do Livro (CBL), que promove a Bienal.

Veja, abaixo, 5 destaques da Bienal do Livro de SP 2018:

1. Best-sellers internacionais

A partir da esquerda: os escritores best-sellers David Levithan, Marissa Meyer e Tessa Dare, anunciados para a Bienal Internacional do Livro de São Paulo (Foto: Divulgação)

A principal atração da Bienal são os best-sellers estrangeiros que levam os fãs a formar aquelas filas gigantes para pegar um autógrafo. São com astros do rock – só que da literatura.

Dentre os principais, estão:

Victoria Aveyard, americana autora da saga “A rainha vermelha”;
David Levithan, americano que assina “Todo dia”, obra cuja adaptação para o cinema acaba de estrear no cinema, e autor de obras de temática LGBTQ;
Marissa Meyer, americana que escreveu a série “As crônicas lunares”, com versões futuristas de Cinderela, Chapeuzinho Vermelho, Rapunzel e Branca de Neve;
Beth Reekles, autora de “A barraca do beijo”, que inspirou o filme de mesmo nome e faz bastante sucesso entre os jovens;
Tessa Dare, escritora best-sellers conhecida por seus romances de época e eróticos;
A.J. Finn, autor de “A mulher na janela, que vai ser adaptado para o cinema com Amy Adams na pele da protagonista;
Lauren Blakely, ameriana que escreveu a série “Big Rock”;
Yoav Blum, israelense que assina o best-seller “Os criadores de coincidências”;
Charlie Donlea, escritor americano autor de “A garota do lago” e “Deixada para trás”;
Soman Chainani, americano conhecido pela série “A escola do bem e do mal”.

A partir da esquerda: Victoria Aveyard, Soman Chainani, Yoav Blum e Lauren Blakely, os primeiros autores internacionais anunciados na 25ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo (Foto: Divulgação)

2. Autores brasileiros

Ziraldo (Foto: Gustavo Garcia/G1)

O time de escritores brasileiros da Bienal também é forte. Vão estar presentes, por exemplo:

Mauricio de Sousa, criador da “Turma da Mônica”;
Ziraldo, “pai” do Menino Maluquinho e de muitos outros personagens;
O escritor e cronista Antonio Prata;
O best-seller de livros policiais Raphael Montes;
Julián Fuks, um dos mais premiados jovens escritores do país, autor de “A resistência”;
Luiz Ruffato.

3. Convidados de fora da literatura

Fernanda Montenegro (Foto: Divulgação/Walter Craveiro)

Como costuma acontecer em outras edições, a Bienal do Livro de 2018 também abre espaço a convidados de outras áreas que não a literatura.

Desta vez, vai haver por exemplo um show do Moraes Moreira. É nesta sexta-feira (3), em um espaço reservado a cordelistas e repentistas que vai receber músicos do Nordeste durante todos os dias do evento.

Outros artistas escalados para passar pelo Anhembi são Fernanda Montenegro e a turma do “Casseta & Planeta”.

4. Espaço Infantil

O ator e escritor Lázaro Ramos (Foto: Divulgação)

O quarto destaque é o espaço infantil da Bienal, que é inspirado no “Livro das mil e uma noites”. Por lá, vão passar nomes como Lázaro Ramos e Ana Maria Machado.

Contos, mitos e fábulas devem orientar as atividades do local, que certamente será uma das principais atrações de todo o evento, já que o público infantil é tradicionalmente um dos mais assíduos da Bienal.

5. Debates sobre temas atuais

Djamila Ribeiro (Foto: Walter Craveiro/Divulgação)

O quinto destaque da Bienal é o espaço chamado Salão de Ideias, dedicado a debates sobre temas da atualidade, como feminismo e racismo.

Por lá, vão passar nomes como a escritora e filósofa Djamila Ribeiro, a escritora Ana Maria Gonçalves, a escritora e jornalista Miriam Leitão, a atriz e escritora Maria Ribeiro e o poeta Fabrício Carpinejar.

Veja, abaixo, os principais espaços culturais da 25ª Bienal do Livro

Arena Cultural – receberá best-sellers nacionais e internacionais, como A. J. Finn, Victoria Aveyard, Soman Chainani, Yoav Blum, Tessa Dare, Lauren Blakely, Charlie Donlea, David Levithan, Marissa Meyer, Fernanda Montenegro, Mauricio de Sousa, Bela Gil, Marcos Piangers, Walcyr Carrasco, Adriana Falcão, Ziraldo, e turma do “Casseta & Planeta”

Arena de Autógrafos – receberá os autores que se apresentarão na Arena Cultural para sessões de autógrafos com fãs.
Salão de Ideias – discussões sobre temas atuais (como fakenews, lideranças negras, o protagonismo da mulher negra, abolição da escravatura e feminismo) e artes (literatura, música, cinema). Gêneros literários também vão ser discutidos, casos de crônicas (com Miriam Leitão e Antônio Prata), poesia (Ryane Leão e Alice Sant’ Anna) e romance policial (Raphael Montes e Vitor Bonini).

Espaço Infantil – chamado “Tenda das Mil Fábulas”, teve o nome escolhido em homenagem ao nosso convidado de honra da Bienal, Sharjah, nos Emirados Árabes. É uma referência a uma obra bastante representativa na cultura árabe: o “Livro das Mil Fábulas”, conhecido no ocidente como o “Livro das Mil e Uma Noites”. O espaço deve ter atividades em torno de fábulas, lendas, histórias, contos e mitos. Entre convidados, estão Ana Maria Machado, Lázaro Ramos, Ziraldo, Mauricio de Sousa, Daniel Munduruku, Cristino Wapixana e Yaguarê.

Auditório Edições Sesc São Paulo – espaço para encontros criados a partir dos livros das Edições Sesc e dos temas da programação. Estão previstos debates sobre cinema, música, filosofia, história, arquitetura, meio ambiente e antropologia, dentre outros assuntos.
Espaço Cordel e Repente – espaço com presença de cordelistas e repentistas de oito estados do Nordeste, além de poetas radicados em São Paulo, Rio e Brasília. Vai ter oficinas, debates e encontros com autores. Dentre os convidados, estão Moraes Moreira, Socorro Lira, Maciel Melo e Bráulio Tavares.

BiblioSesc (Praça da Palavra e Praça de Histórias) – duas praças, com caminhões biblioteca e atividades para o público, terão saraus, contação de histórias e slams, além de espetáculos de música e literatura. Elisa Lucinda, Eva Furnari, Xico Sá e Sergio Vaz estão entre os convidados.

Cozinhando com Palavras – espaço com debates, aula-show e bate-papos sobre a relação da gastronomia e cultura (incluindo literatura. Diversidade, questões sociais e patrimônio cultural devem estar na pauta. O chef colombiano Juan Manuel Barriento, do El Cielo, que trabalha com a capacitação de ex-guerrilheiros e refugiados, vai estar presente. Outros convidados são Morena Leite, Gabriela Kapim, Thiago Castanho, Tereza Paim, Ivan Achcar, Breno Lerner, Janaina Rueda, Olivier Anquier, Rodrigo Oliveira e o apresentador Zeca Carmago.

25ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo

Quando: de 3 a 12 de agosto
Onde: Pavilhão Anhembi (Pavilhão de Exposições do Anhembi, Av. Olavo Fontoura, 1.209, Santana)
Ingressos: R$ 20 (com meia-entrada) de segunda a quinta-feira; e R$ 25 (com meia-entrada) de sexta-feira a domingo.
Site oficial: www.bienaldolivrosp.com.br

Flip 2018: data, programação, ingressos e tudo sobre o evento

0

Fernanda Montenegro abre a programação da Flip 2018 com mesa acompanhada de Jocy de Oliveira. (foto: TV Globo/Reprodução)

Festa Literária Internacional de Paraty abre, no dia 16 de julho, a venda de ingressos para o evento que será realizado entre os dias 25 e 29

Publicado no UAI

A 16ª Festa Literária Internacional de Paraty abre, no dia 26, às 11 horas, a venda dos ingressos para o evento que será realizado de 25 a 29 de julho. As entradas custam R$ 55 e podem ser adquiridas no site da Tickets for Fun e nos pontos de venda indicados também no site da empresa.

Com curadoria, pelo segundo ano, da jornalista Josélia Aguiar, a Flip 2018 recebe 33 convidados brasileiros e estrangeiros – 17 mulheres e 16 homens. Entre os destaques estão o americano Colson Whitehead, vencedor do Prêmio Pulitzer de ficção com o romance The underground railroad – Os caminhos para a liberdade, lançado no Brasil em 2017, a francesa de origem marroquina Leïla Slimani, autora de Canção de ninar, e o franco-congolês Alain Mabanckou, que lançou aqui Memórias de um porco-espinho.

Entre os autores brasileiros convidados, destaque para Sérgio San’Anna, Djamila Ribeiro, Laura Erber e Juliano Garcia Pessanha. Fernanda Montenegro e de Jocy de Oliveira estarão juntas no palco, na abertura da festa.

Quarta, 25 de julho

20h – Mesa 1 – Sessão de abertura: Hilda, Fernanda e Jocy de Oliveira

Três artistas geniais da mesma geração celebram a arte mais transgressora: Hilda Hilst, homenageada da Flip 2018, Fernanda Montenegro, uma das maiores atrizes brasileiras, e Jocy de Oliveira, pioneira na música de vanguarda hoje dedicada à ópera multimídia.

Quinta, 26 de julho

10h – Mesa 2 – Performance sonora

Gabriela Greeb e Vasco Pimentel

A voz, a escuta e as divagações literárias e existenciais de Hilda Hilst registradas em fitas magnéticas na década de 1970 são apresentadas pela cineasta Gabriela Greeb e o sound designer português Vasco Pimentel.

12h – Mesa 3 – Barco com asas

Júlia de Carvalho Hansen, Laura Erber e Maria Teresa Horta (em vídeo)

Esse diálogo inusitado reúne, por vídeo, um grande nome da poesia de Portugal do último meio século e, em Paraty, duas poetas brasileiras influenciadas pela lírica portuguesa que têm pontos em comum com Hilda Hilst.

15h30 – Mesa 4 – Encontro com livros notáveis

Christopher de Hamel

A religião, a magia, a luxúria e a leitura na época medieval se apresentam nas páginas do Evangelho de Santo Agostinho, do Livro de Kells e de Carmina Burana, comentadas pelo maior especialista do mundo nesses manuscritos.

17h30 – Mesa 5 – Amada vida

Djamila Ribeiro e Selva Almada

Uma ficcionista argentina que escreveu sobre histórias reais de feminicídio e uma feminista negra à frente de uma coleção de livros conversam sobre como fazer da literatura um modo de resistir à violência.

Da perda

Performance de Bell Puã, slammer pernambucana, a partir de tema de Hilda Hilst.

20h – Mesa 6 – Animal agonizante

Sergio Sant’Anna e Gustavo Pacheco

Um grande mestre da literatura brasileira que abordou o desejo, a solidão e a morte relembra sua trajetória ao lado de um leitor seu e autor estreante elogiado pela crítica portuguesa com histórias de humanos e outros primatas.

Sexta, 27 de julho

10h – Mesa 7 – Poeta na torre de capim

Ligia Fonseca Ferreira e Ricardo Domeneck

A falta de leitores e o silêncio da crítica, como reclamava Hilda Hilst: para esse debate, encontram-se a grande especialista no poeta negro Luiz Gama e um poeta e editor atento a nomes ainda fora do cânone, como Hilda Machado, que morreu inédita em livro

12h – Mesa 8 – Minha casa

Fabio Pusterla e Igiaba Scego

Fazer literatura tendo uma língua comum – o italiano – e diferentes aportes, fronteiras e paisagens geográficas e literárias: nesse diálogo, reúnem-se o poeta de um país poliglota, que é tradutor do português, e uma romancista filha de imigrantes da Somália, que escreveu sobre Caetano Veloso.

15h30 – Mesa 9 – Memórias de porco-espinho

Alain Mabanckou

O absurdo e o riso, Beckett, culturas africanas, escrita criativa e crítica da razão negra: a trajetória e o pensamento de um poeta e romancista franco-congolês premiado se revelam nessa conversa com dois entrevistadores.

17h30 – Mesa 10 – Interdito

Do desejo | performance do escritor e artista visual paulista Ricardo Domeneck a partir de tema de Hilda Hilst.

André Aciman e Leila Slimani

O exercício da liberdade de escrever e a escolha de temas tabu ou proibidos – a exemplo do homoerotismo, da sexualidade feminina e da religião -são as questões tratadas nesse diálogo entre dois romancistas, um judeu americano de origem egípcia e uma francesa de origem marroquina.

20h | Mesa 11 | A santa e a serpente

Eliane Robert Moraes e Iara Jamra

A obra de Hilda Hilst em poesia e prosa é vista tanto em sua dimensão corpórea quanto mística por uma ensaísta que atua na fronteira entre a literatura e a filosofia, enquanto são feitas leituras por uma atriz que encarnou a sua personagem mais famosa – Lori Lamby.

Sábado, 28 de julho

10h – Mesa 12 – Som e fúria

Jocy de Oliveira e Vasco Pimentel

A escuta e a criação de universos sonoros: para esse diálogo, encontram-se uma das pioneiras da música de vanguarda no país, hoje dedicada à ópera multimídia, e um sound designer português – os dois conhecidos pelo rigor e pelo preciosismo.

12h – Mesa 13 – O poder na alcova

Simon Sebag Montefiore

Historiador britânico best-seller que publicou biografias de Stálin, dos Romanov e, agora, de Catarina, a Grande, conta, nessa conversa com dois entrevistadores, como faz para retratar figuras centrais da política em seus pormenores mais íntimos.

15h30 – Mesa 14 – Obscena, de tão lúcida

Isabela Figueiredo e Juliano Garcia Pessanha

Uma romancista portuguesa nascida em Moçambique que tratou de temas como o racismo e a gordofobia se encontra com um narrador de gênero híbrido e filosófico para discutir a escrita de si, os diários e as memórias, o corpo e o desnudamento.

17h30 – Mesa 15 – Atravessar o sol

Colson Whitehead e Geovani Martins

O americano vencedor do Pulitzer com um romance histórico sobre escravizados que construíram sua rota de fuga se encontra com um estreante que, da favela do Vidigal, inventa com liberdade seu jeito de narrar e usar as palavras.

Cantares do sem nome

Performance do poeta e artista visual maranhense Reuben da Rocha a partir de tema de Hilda Hilst.

20h – Mesa 16 – No pomar do incomum

Liudmila Petruchévskaia

Um dos grandes nomes da literatura russa moderna, comparada a Gogol e Poe por seus contos de horror e fantasia que não dispensam o teor político, relembra sua trajetória proibida por décadas no regime stalinista, hoje aclamada de Moscou a Nova Iorque.

Domingo, 29 de julho

10h – Mesa Zé Kleber – De malassombros

Franklin Carvalho e Thereza Maia

Um narrador do sertão baiano que abordou a mitologia da morte em seu premiado romance de estreia se encontra com uma folclorista que recolheu histórias orais de Paraty, em um diálogo sobre o território e seus encantados.

12h – Mesa 17 – Sessão de encerramento: O escritor e seus múltiplos

Eder Chiodetto, Iara Jamra e Zeca Baleiro

Uma atriz, um compositor e um fotógrafo que fizeram obras baseadas em Hilda Hilst relembram os encontros com a autora, o processo de criação e as marcas que a experiência deixou em suas trajetórias.

Ônibus-biblioteca começa a emprestar livros de graça pelos bairros do Rio

0

Publicado no Extra

O ônibus-biblioteca do projeto “Livros nas Praças” começa nesta terça-feira, dia 20, as visitas literárias, com empréstimos gratuitos de livros, na Praça Almirante Júlio de Noronha, no Leme. Estarão presentes o escritor Fábio Maciel e a ilustradora Patrícia Melo, que vão falar sobre o Haicobra, um livro que “espicha”. Impresso numa única folha de papel, recortada e dobrada, o livro se abre no formato de uma cobra e, a cada dobra, propõe um haicai, poema de apenas três versos de origem japonesa (veja programação completa abaixo).

A biblioteca sobre rodas oferece cerca de dois mil exemplares, sendo 70% de autores brasileiros, como Ana Maria Machado, Thalita Rebouças, Paulo Coelho e Monteiro Lobato. O acervo tem ainda 60 livros com ilustrações em braile para crianças, 30 livros em fonte ampliada para pessoas com problemas de visão, 20 audiobooks para deficientes visuais e 35 livros em braile para adultos.

O ônibus tem cadeira de transbordo, própria para cadeirantes e idosos com dificuldades de subir a escada de acesso, além de banheiro e água para os leitores que utilizarem o veículo como espaço de leitura. A iniciativa é um projeto de responsabilidade social das empresas Lojas Americanas e Americanas.com.

Os visitantes podem ler no ônibus ou levar até dois livros, gratuitamente, para casa. Para o empréstimo, é necessária apresentação de um documento de identidade e comprovante de residência. Os livros devem ser devolvidos ao ônibus-biblioteca em qualquer praça, durante a permanência do projeto. A biblioteca fica aberta ao público das 10h às 16h.

Programação

– Praça Almirante Júlio de Noronha (Leme)

20/03; 21/03; 04/04; 18/04; 02/05; 16/05; 30/06; 13/06

– Vila Olímpica Mané Garrincha (Caju)

03/04; 17/04; 01/05; 15/05; 29/05; 12/06

– Praça Mauá (Saúde)

22/03; 05/04; 19/04; 03/05; 17/05; 31/05; 14/06

– Largo do Estácio (Estácio)

23/03; 06/04; 20/04; 04/05; 18/05; 01/06; 15/06

– Parque de Madureira (Madureira)

24/03; 07/04; 21/04; 05/05; 19/05; 02/06; 16/06

– Vila Olímpica (Belford Roxo)

27/03; 10/04; 24/04; 08/05; 22/05; 05/06

– Vila Olímpica da Mangueira (Mangueira)

29/03; 12/04; 26/04; 10/05; 24/05; 07/06

– Nave do Conhecimento (Triagem)

30/03; 13/04; 27/04; 11/05; 25/05; 08/06

– Quinta da Boa Vista (São Cristóvão)

31/03; 14/04; 28/04; 12/05; 26/05; 09/06

– Praça João Luiz Nascimento (Praça Telemar – Mesquita)

28/03; 11/04; 25/04; 09/05; 23/05; 06/06

Go to Top