Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged autores nacionais

“Leitores não faltam”, diz novo curador do Prêmio Jabuti sobre crise no setor

0

 

Reprodução
Pedro Almeida

Elisa Dinis, no IG

Pedro Almeida foi anunciado como o novo curador do Prêmio Jabuti . Com mais de 20 anos de experiência no mercado editorial, já trabalhou em diversas editoras no Brasil e foi responsável por alguns best-sellers como “Marley & Eu”.

Sonho de consumo de diversos autores, Pedro é um nome forte no mercado e juntou um time de peso para ajudá-lo em sua gestão. Além de editor, Pedro é também professor e sócio na Faro Editorial.

O Prêmio Jabuti é o mais tradicional do mercado literário. Criado em 1958 pela Câmera Brasileira do Livro (CBL) tem premiações para as diversas esferas que envolvem a produção de um livro, como adaptação, tradução e as tradicionais por gêneros literários.

Confira nosso bate-papo:

Quarta Capa: Primeiro parabéns pela indicação! O que essa nomeação representa na sua carreira?

Pedro Almeida : Apesar de participar da Premiação desde 2016, nas curadorias dos professores Marisa Lajolo e Armando Bagolin, o desafio é enorme, mas eu adoro desafios! E nesse tempo participando como membro do conselho pude confirmar uma crença: a de que uma premiação cultural tem o poder de incentivar a leitura, a Educação, de valorizar a cultura. Isso é o que me move e que me fez aceitar o convite.

Q.C.: A edição passada teve algumas polêmicas. Como você enxergou tudo o que aconteceu?

P.A.: Foram feitos muitos ajustes, oriundos de demandas de todas as partes, que eram adiadas frequentemente. Diante disso, alguns ajustes se fazem necessários à edição passada, e nas próximas também. As polêmicas foram supervalorizadas diante do que foi bem positivo. Quem viu o resultado do prêmio percebeu que muitas escolhas renovaram a premiação, deram mais destaque aos vencedores, e era tudo o que desejávamos na época.

Q.C: Você trabalha no mercado editorial há mais de 20 anos. Você o escolheu ou foi escolhido?

P.A.: Fui escolhido. Venho de uma família em que a Literatura não era um hábito comum. Foi um interesse particular, pessoal, despertado na juventude. E tive de me dedicar mais para lidar com o atraso, com o tempo perdido das leituras que não fiz antes. Aos 23 comecei a ler freneticamente, de tudo, em geral, os clássicos: Oscar Wilde, Genet, Machado, Alencar, Clarice, Cecília e tantos outros.

Q.C: Mas antes você estava trabalhando com o quê?

P.A.: Minha carreira teve início em área totalmente diferente. Aos 16 saí de casa para estudar na escola de Especialistas de Aeronáutica. Aos 18, já formado, e como sargento, trabalhava na área de controle de tráfego de aeroportos, por 5 anos no aeroporto de Congonhas. Mas a vida me conduziu ao ambiente das redações. Primeiro das revistas, depois dos livros, de onde nunca mais saí.

Q.C: Como sócio de uma Editora, como vê essa crise que o mercado está passando?

P.A.: Estamos diante de um cenário complexo. Não é da falta de leitores, mas do risco das maiores livrarias falirem. Já houve um baque enorme em 2018. Pode acontecer uma segunda fase desta crise e isto levar ao fim de muitas editoras. É importante que as empresas meçam seus riscos e não apostem todas suas fichar num único caminho. Se o vento parar de soprar, será preciso ligar o motor ou acionar os remos para continuarmos navegando. Leitores não faltam.

Vivemos algumas gerações de falta de incentivo à leitura, de desprestígio do livro, de uso da literatura apenas para fazer provas. Literatura é essencial para a formação de um povo, para a educação. Não consigo ser pessi mista porque penso que já atingimos o fundo do poço, e as novas gerações de leitores, editores, autores e professores vão mudar esse quadro.

Q.C: Agora recebemos a polêmica notícia sobre o teto de R$ 1 milhão para captação de recursos via Lei Rouanet…

P.A.: Essa notícia pegou muita gente de surpresa. Inúmeros festivais de literatura como Bienais, feiras do Livro e a Flip utilizam a Lei Rouanet para captar recursos. Não se pode colocar no mesmo patamar uma instituição de classe como a CBL ou o Snel, que fomentam eventos culturais e inserem centenas de pequenas empresas editoriais em evento cultural com a mesma restrição que se pode fazer a um artista ou banda. É algo que precisa ser revisto e creio que diante desse quadro, desconhecido por quem propôs a redução do teto, isto deverá acontecer.

Q.C: As plataformas de auto publicação estão ganhando mais espaço. Como enxerga esse mercado sendo você um editor do chamado “publicação tradicional”?

P.A.: Acho todas essas plataformas são complementares, e isso é o que está trazendo novos leitores a cada ano. Mais pessoas escrevem e lançam e isso faz todo o ciclo se movimentar: mais autores, mais leitores, mais livros em diferentes meios e formatos. Muitos autores foram contratados por mim depois de terem lançados suas obras por essas plataformas. Elas são um bom caminho para quem não tinha oportunidade de mostrar o seu trabalho às editoras.

Q.C: Quais dicas você pode passar para os autores que desejam participar de concursos e prêmios literários?

P.A.: Cada concurso tem seu foco. A coisa mais importante é ver quais livros são premiados e participar daqueles que estão no mesmo segmento que o seu. Há uma infinidade de focos, mesmo quando falamos em prêmios de ficção, romance nacional. Há concursos que escolhem apenas os mais literários, outros que valorizam o aspecto temático em igual medida. Premiações ajudam sobretudo aos novos escritores a encontrar mais leitores e casas editoriais para suas obras.

Q.C: Agenciamento literário internacional é uma realidade há décadas. Aqui no Brasil estamos profissionalizando cada vez mais essa prática com os autores nacionais. Como você lida com os agentes para publicação de nacionais?

P.A.: Mais da metade dos meus autores nacionais são agenciados. Para mim é uma facilidade, pois muitas questões práticas são resolvidas mais facilmente com os agentes. Sei que há poucos agentes para tantos autores ainda, mas é uma questão de tempo. Nos últimos cinco anos o número de agentes praticamente triplicou em nosso mercado.

Q.C: Além de publisher, você também é professor de cursos na área editorial. Como tem avaliado a busca por profissionalização no nosso mercado?

P.A.: Na década de 1990, quando comecei, não havia cursos. Tudo o que aprendíamos era na prática ou em livros importados. Decidi dar aulas quando vi que o pouco que sabia era algo necessário para quem chegava ao mercado. E que não precisaria esperar 10, 15 anos como eu, para acumular sozinho.

Dar aulas, para mim, é uma forma de retribuir o que recebi de outros, e um caminho para lidarmos com o nosso atraso nesta formação. Não há muito espaço para o autor ou o editor idealista, sonhador, que se preocupava apenas com aspectos artísticos de uma obra, sem orientar-se por sua viabilidade. É isso o que esses cursos proporcionam, e podem evitar qu e empresas quebrem por excesso de idealismo ou falta de educação editorial profissional.

Q.C: Você tem vários sucessos em seu currículo, como Nicholas Sparks e Marley & Eu. O que podemos esperar para esse ano na Faro Editorial?

P.A.: Sinto-me feliz quando livros que eu público se comunicam com muitas pessoas. Não é fácil reproduzir grandes sucessos. A boa escolha é apenas uma parte do processo. A primeira, mas não é raro ver obras que tinham enorme potencial, alcançarem resultados medíocres. E obras regulares alcançarem resultados fantásticos. As estratégias, comercial e de marketing de uma obra, fazem muita diferença.

No próximo mês lançaremos o 4º livro de um autor americano de suspense que tenho o maior orgulho em publicar. Fomos o primeiro país a adquirir os direitos de sua obra. Sabia que não conseguiria torná-lo um sucesso no Brasil sendo que se tratava de livro de estreia, publicado nos EUA numa pequena casa, sem muito marketing. Mas acreditamos na escrita dele e, depois de mais de 150.000 exemplares vendidos aqui com três obras, estamos fazendo uma aposta com tiragem incial de 50.000 exemplares. Charlie Donlea, Uma mulher na escuridão.

Q.C: Gostaria de encerrar com algumas dicas para autores que desejam ingressar no mercado. O que pode dizer a eles?

P.A.: Escrever é como uma segunda língua. E cada gênero deve ser encarado como um idioma extra. Muita gente acha que escrever é uma consequência natural do domínio de um vocabulário e das regras de um idioma. Não é. Trata-se de uma atividade profissional que requer interesse, talento e muito esforço. Autocrítica para descobrir um gênero em que é melhor e investir nele.

Nos cursos editoriais que ministro com a agente Alessandra Ruiz explicamos que antes a pessoa publicava um livro e atraía leitores. Hoje uma pessoa precisa ter leitores para publicar um livro. Então, não há espaço para quem nunca publicou textos em sites, blogs, jornais, revistas e, de repente, surgir com um livro para publicar. Quer se tornar escritor? Exponha sua escrita. Se houver leitores interessados nela, aí você descobriu algo que vale a pena investir. E editoras aparecerão.

Literatura fantástica brasileira é redescoberta em dois livros

0

Cena do filme ‘Uma História de Amor e Fúria’ (2013), animação de Luiz Bolognesi Foto: Europa Filmes

Principais editoras do País voltam os olhos para fantasia, ficção científica e horror, enquanto editoras especializadas falam sobre crescimento do gênero

André Cáceres, no Estadão

Dentro da literatura brasileira existe uma outra literatura subterrânea, invisível. Nela, autoras e autores radicalmente inventivos na forma e no conteúdo destilam ideias vertiginosas. Por décadas desprezada pela crítica, ofuscada pelo mercado e ignorada pelo público, a ficção especulativa nacional vem sendo (re)descoberta. Dois lançamentos recentes contribuem para isso: a coletânea Fractais Tropicais (Sesi-SP) reúne 30 dos melhores contos de ficção científica no Brasil; e o estudo Fantástico Brasileiro (Arte e Letra) perpassa a história da literatura nacional pinçando elementos fantásticos na obra dos principais autores.

O intelectual israelense Yuval Noah Harari, autor de Sapiens e Homo Deus, acredita que hoje a ficção científica é o mais relevante gênero artístico existente, pois “molda a compreensão do público de coisas como inteligência artificial e biotecnologia, que provavelmente transformarão nossas vidas e a sociedade mais do que qualquer outra coisa nas próximas décadas”. Talvez isso explique por que Ana Maria Gonçalves se interessou pelo estilo. A autora de Um Defeito de Cor – lançado em 2006, foi considerado por Millôr Fernandes o mais importante livro da literatura brasileira no século 21 – ambienta seu próximo livro, Quem é Josenildo?, em uma São Paulo futurista cujos habitantes têm chips implantados em seus cérebros.

Ao se aventurar pelo estilo, Gonçalves entra em uma longa tradição que é apresentada didaticamente na coletânea Fractais Tropicais, organizada por Nelson de Oliveira em três “ondas” de autores. Essa divisão foi cunhada por Roberto de Sousa Causo, escritor e pesquisador do gênero, que também tem um conto na antologia. A primeira fase surgiu nos anos 1960 pelas mãos do editor Gumercindo Rocha Dorea, 94, pioneiro na publicação sistemática do gênero no Brasil. Nela se encaixam a acadêmica da ABL Dinah Silveira de Queiróz (1911-1982), autora de Eles Herdarão a Terra (1960), e André Carneiro (1922-2014), autor, entre outros de Piscina Livre (1980) e Amorquia (1991).

A segunda e terceira ondas despontaram à margem do mercado editorial. Uma com as fanzines dos anos 1980 e a outra, ainda em expansão, pela internet. Ambos os períodos se confundem, pois vários autores continuam produzindo intensamente, como Carlos Orsi, Gerson Lodi-Ribeiro e Braulio Tavares, todos contemplados na antologia. Enquanto alguns autores como Tavares, Causo e Jorge Luiz Calife se mantêm em um registro que prima pelo rigor científico, outros nomes como Fausto Fawcett, Ronaldo Bressane e Andréa Del Fuego transitaram durante a carreira pela literatura mainstream e injetam influências diversas no gênero.

A obra demonstra que a literatura especulativa brasileira, diferente da estrangeira, tem um pé no absurdo surrealista de Murilo Rubião, José J. Veiga e Campos de Carvalho, nas maquinações fantásticas de argentinos como Jorge Luis Borges (o conto Metanfetaedro, de Alliah, brinca com a geometria de uma forma inventiva que lembra as ficções de Borges) e Adolfo Bioy Casares, e no realismo mágico de Gabriel García Márquez. A mistura é singular, sem paralelos na literatura mundial.

Insólito literário

Fantástico Brasileiro não se limita à ficção científica, mas amplia seu escopo para a fantasia, o horror e outras categorias especulativas. Para empreender tal investigação, Bruno Anselmi Matangrano, doutorando em letras pela USP, e Eneias Tavares, professor de literatura na UFSM, utilizam o conceito de “insólito”. Essa ideia, proposta pelo professor da UFRJ Flavio García, é um guarda-chuva que abarca desde o inseto monstruoso de Franz Kafka, a cegueira coletiva de José Saramago e o defunto-autor de Machado de Assis até dragões, robôs, fantasmas e sociedades distópicas.

O conto que inaugurou o elemento insólito na literatura brasileira é Um Sonho (1838), do político, jornalista e escritor Justiniano José da Rocha (1812-1863). Nele, a protagonista Teodora recebe a visita fantasmagórica de sua mãe morta, Tereza, que antevê sua morte em três dias. A aparição é tida como onírica pela mulher, mas três dias depois ela de fato morre. Já o luso-brasileiro Augusto Emílio Zaluar (1825-1882) foi autor da primeira ficção científica do País, intitulada Dr. Benignus (1875), que retrata “um cientista buscando a transcendência espiritual através do conhecimento científico”, contam os estudiosos. “Em outras palavras, o insólito brasileiro nasce praticamente ao mesmo tempo que a noção de literatura nacional.”

Mas o aspecto especulativo ou fantasioso não se limita aos autores identificados especificamente com esses gêneros. O mérito de Matangrano e Tavares é mostrar como esse elemento permeia toda a literatura nacional, como no modernismo de Mário de Andrade (Macunaíma) e Menotti Del Picchia (A Filha do Inca, ficção científica também conhecida como República 3000) ou no regionalismo insólito de Graciliano Ramos (A Terra dos Meninos Pelados) e Ariano Suassuna (O Auto da Compadecida). O conto Congresso Pamplanetário, de Lima Barreto, por exemplo, mostra uma reunião entre representantes de diversos planetas para discutir o papel de Júpiter na política espacial. Já Um Moço Muito Branco, de Guimarães Rosa, sugere a visita de um alienígena ao sertão nordestino.

É claro que Fantástico Brasileiro reserva a maior parte de suas páginas à catalogação de autores dedicados exclusivamente à literatura especulativa, principalmente contemporâneos como Felipe Castilho (A Ordem Vermelha) e Aline Valek (As Águas Vivas Não Sabem de Si). No entanto, outros nomes de contemporâneos pouco associados a ela também estão contemplados no livro, como Joca Reiners Terron (Noite Dentro da Noite), Ignácio de Loyola Brandão (Não Verás País Nenhum) e Chico Buarque (Fazenda Modelo), o que torna o livro interessante também para quem não conhece os gêneros em questão. Detalhando a produção nacional em uma divisão temática, a obra torna-se referência incontornável para quem quiser se aprofundar no tema.

Mercado editorial

Nos últimos anos, a ficção especulativa ganhou espaço também no mercado editorial. Grandes editoras criaram ou reformaram selos para publicar esse tipo de literatura, como a Fantástica Rocco, a Suma de Letras (da Companhia das Letras) e a Minotauro (da Planeta). “Do ponto de vista editorial, a FC brasileira vive nesta segunda década do século o seu melhor momento, com o surgimento ou a consolidação de editoras, principalmente em São Paulo, como Devir, Aleph, Draco, Tarja, Terracota, Giz”, escreve Braulio Tavares em Páginas do Futuro, coletânea que organizou para a Casa da Palavra.

A editora Bárbara Prince, da Aleph, especializada em traduções dos clássicos estrangeiros de FC, afirma que o público do gênero, embora restrito, vem crescendo especialmente entre os mais jovens. “Pode ser meio bobo, mas acho que um dos fatores para esse aumento é a normalização do nerd. O interesse por ficção científica acompanha isso. Ainda existe preconceito por parte do leitor mais velho, mas tenho visto os jovens se aproximando.” Ela acredita que o recente sucesso de obras audiovisuais como A Chegada e Black Mirror ajuda a desmistificar o estilo, mas lamenta: “Ainda existe a ideia de que esse tipo de história é infantil e exclusivamente masculina.”

Erick Sama, editor da Draco, uma das principais casas de autores nacionais, acredita que o onipresente complexo de vira-lata brasileiro vem sendo vencido aos poucos. “No começo, tínhamos uma preocupação sobre como o público reagiria, se as pessoas só se interessam pelo que tem grife estrangeira, mas foram barreiras que quebramos. Sinto que o público se importa cada vez menos se é estrangeiro ou daqui, desde que seja bom.” Em 2018, a coletânea de contos Solarpunk, organizada por Gerson Lodi-Ribeiro para a Draco, chegou a ser publicada pela World Weaver Press nos Estados Unidos, o que apenas reforça a qualidade pouco explorada dos autores brasileiros. “O retorno que recebemos é a surpresa de ‘Isso é tão bom, é nacional mesmo?’”, brinca Erick.

Victor Gomes vem consolidando a editora Morro Branco com autoras estrangeiras premiadas, como Margaret Atwood, Octavia Butler e N.K. Jemisin, mas espera que esses títulos ajudem a fomentar interesse para a literatura nacional. “Precisamos mudar a percepção do público. Temos essa pendência como um povo, não só na literatura, de pensar que o estrangeiro é melhor”, lamenta ele. “Nesse momento, estamos trazendo obras principalmente internacionais, mas nossa ideia é, por meio delas, melhorar o mercado de ficção científica aqui no Brasil e em um futuro bem próximo trazer obras nacionais desse gênero.”

Essa opinião é compartilhada por Thiago Tizzot, editor da Arte e Letra, de Curitiba, que publica autores nacionais como Fausto Fawcett e Ana Cristina Rodrigues. Ele vê no mundo virtual uma ferramenta poderosa para esse fomento. “A literatura especulativa cria universos que são propícios para o surgimento de grupos de discussão. A internet hoje permite encontrar pessoas que gostem das mesmas coisas que você. Isso faz com que esses grupos se fortaleçam e o interesse por esses livros aumente”, afirma o editor.

Thiago acredita que a recente entrada de grandes editoras nesse cenário e a evolução qualitativa das pequenas e médias torne as obras brasileiras ainda mais atraentes para o público. “Até pouco tempo atrás, o autor nacional se autopublicava ou tinha editoras que não faziam um trabalho tão profissional. A partir do momento que editoras mais consistentes deram espaço para esses autores, isso reflete na percepção do leitor.”

Enquanto essa onda de imaginação literária floresce, resta aguardar o que os autores da literatura nacional terão a dizer em um Brasil cujo cotidiano é cada vez mais surrealista.

Autores nacionais são destaques da Bienal Internacional do Livro 2018

0

Vitor Martins em seu espaço dentro do estande da Globo Alt

O fim do preconceito com os nacionais está obtendo resultados positivos

Victor Tadeu, no Desencaixados

Já faz alguns anos que os autores nacionais andam lutando para acabar com todo preconceito existente dentro da literatura. Apesar de não aparentar, existem inúmeros leitores que deixam de consumir uma história pelo simples fato de ter sido escrita por um brasileiro, pode aparentar uma situação inacreditável, mas, infelizmente é real e até hoje esse preconceito literário consegue ser fluente na decisão de leitura dentre algumas pessoas, só que, os índices demonstram que cada vez mais essa questão está sendo resolvida.

Muitas das vezes, os autores nacionais só tinham chance de publicar suas histórias dentro de uma casa editorial iniciante no mercado, ou, de modo independente — o caso de muitos —, aqueles que conseguiram publicar por uma grande editora foi devido à sua fluência no mercado editorial e/ou ao título bem interessante, capaz de quebrar o preconceito de qualquer leitor com teor preconceituoso com os nacionais.

Já saiu uma nota em eventos de editoras explicando a visão que elas têm diante dos autores nacionais. Como responsáveis literário, todos que trabalham em equipes editoriais sabem que os títulos mais vendidos são os estrangeiros, e muitas editoras estavam publicando autores internacionais para conseguirem cacife ao ponto de dar oportunidade aos nacionais com a mesma atenção e visibilidade de qualquer outra obra escrita por um best seller de outro país. Assim, eles teriam o simples mecanismo que balancear o catálogo literário e demonstrar para o público que uma história bem desenvolvida não é influenciada pela nacionalidade.

Fernanda Nia em bate-papo no sábado (04) antes da sua sessão de autógrafo e lançamento

Apesar de algumas pessoas insistirem em reclamar que as casas editoriais não estão dando oportunidades para autores nacionais, mesmo com um curriculum bem estendido ou não dentro da literatura, a 25a edição da Bienal Internacional do Livro que esse ano está sendo sediada em São Paulo, anda demonstrando todo o resultado de forma nua e crua, pois a quantidade de escritores nacionais que estão se destacando em 2018 está sendo incrível. O evento literário começou dia 03 e durará até o dia 12 de agosto, realizado no pavilhão de exposição da Anhembi, na Marginal Tietê.

Editora lança o seu primeiro título nacional durante a Bienal do Livro

A Plataforma21 é um selo da Editora V&R, ela é muito bem conhecida e deseja pelo público que gosta de fantasia, principalmente aqueles que estão sempre buscando inovação dentro do gênero. Desde a FLIPOP, um evento literário organizado pela Editora Seguinte, um selo editorial participante do Grupo Companhia das Letras, já estava sendo feito a divulgação do primeiro lançamento de um nacional do catálogo da casa editora.

A carioca Fernanda Nia foi a estreante brasileiro na Plataforma21, ela lançou durante a Bienal do Livro o seu título Mensageira da Sorte. O livro conta a história de Sam, uma garota que torna ser uma mensageira temporária no Departamento de Correção de Sorte — uma organização secreta para nivelar o azar das pessoas—, justamente durante o carnaval carioca durante um protesto conta AlCorp.

A autora consegue fazer um grande questionamento social dentro da sua história, fora confirmado por ela mesmo em uma entrevista com a Veja, que a AlCorp está integrado no enredo do título para nos fazer questionar como uma falta de atenção — social, política ou de qualquer outro setor importante — pode trazer mudanças drásticas, já que a AlCorp é uma empresa capaz de controlar o preço das necessidades básicas do país, refletindo muito em nosso quadro histórico em 2013.

Fernanda Nia vendeu uma média de 400 exemplares em quatro dias de Bienal, isso é um número muito relevante e considerável para uma escritora iniciante no mercado literário. Ela diz que deseja vê em outros lançamentos de distopias que também refletem nos problemas políticos e sociais do Brasil fazendo sucesso como a sua obra, já que ela é passada durante o carnaval carioca. O seu lançamento foi realizado sábado (4) no estande da Plataforma21 (048), onde reuniu dezenas de leitores para ouvir suas palestras e ganhar um autógrafo.

Livro com temática LGBT chama a atenção no estande da Globo Alt

O escritor também carioca, da parte serrana do Rio de Janeiro, Vitor Martins publicou em 2017 a sua primeira obra pela Globo Alt. Titulada como Quinze Dias, o livro teve um grande índice de vendas e comentários positivos em seu ano de lançamento, porém o autor publicou também pela Globo Alt o seu segundo título chamado Um Milhão de Finais Feliz que felizmente está sendo extremamente bem recepcionado pelo público da Bienal.

Todas as duas obras do autor tratam da temática LGBT, especificadamente sobre as fases de reconhecimento da sua orientação sexual. Seu público foco são os adolescentes, já que os mesmos estão sempre buscando formas de serem retratados em meio de entretenimento, principalmente na literatura que anda quebrando e abordando vários tabus que envolvem orientação sexual, cultural, racional e várias outras que precisam ser tratadas com atenção.

Vitor Martins está recebendo um sucesso muito incrível desde a FLIPOP, porém na Bienal do Livro a busca pelo autor está sendo maior, assim, criando uma enorme fila para autógrafo em dias mais movimentados do evento. Ele está no estande da Globo Alt, que também contá com a presença de outros escritores incríveis, como a dupla do TCD com a obra Textos Cruéis Demais Para Serem Lidos Rapidamente.

Foi confirmado recentemente nas redes sociais da equipe literária da Globo, que Vitor Martins está com seus dois títulos no pódio de mais vendidos durante o evento, sendo que Um Milhão de Finais Felizes está em 2a lugar e Quinze Dias lidera a 4a posição. Por outro lado, os desenvolvedores da TCD lideram em primeiro lugar com Textos Cruéis Demais Para Serem Lidos Rapidamente.

Sessão de palestra e autógrafos de Ana Beatriz Brandão no espaço da BIC.

Em mais uma edição da Bienal do Livro os nacionais dominam em atrações

A 25a edição da Bienal do Livro de São Paulo está contando com 197 estandes e 14 arenas espalhadas pelo pavilhão, além disso, somente 22 escritores estrangeiros estarão participando de palestras e sessões de autógrafos, enquanto isso, 291 nacionais estarão presentes. Pode não parecer, mas esses números são incríveis, já que a diversidade de autores é muito fluente para a quebra do preconceito literário com os brasileiros.

Ana Beatriz Brandão mais uma vez conseguiu ser uma das autoras mais almejadas no evento, esse ano ela deu uma palestra no espaço da BIC no domingo (5), na qual, também comentou sobre os seus projetos literário. Como foco, ela divulgou seu lançamento Sob a Luz da Escuridão, onde uma aglomeração de fãs reuniram para pegar o autógrafo da menina e tirar uma foto.

Não só ela, mas também como muitos autores do Grupo Companhia das Letras também tiveram seus momentos incríveis na Bienal. Raphael Montes, mais uma vez foi bem recebido pelo público, porém Iris Figueiredo (Céu sem Estrelas), Djamila Ribeiro (Quem Tem Medo do Femismo Negro?) Roberta Spindler (Heróis de Novigrath) estão liderando o pódio de títulos com exemplares mais vendidos do grupo editorial, sem falar, que alguns outros nacionais e estrangeiros também estão presente, como A Parte Que Falta, de Shel Silverstein.

Outros autores de diversas editoras também estão sendo atrações bem desejadas dessa edição do evento, portanto, muitos deles já afirmaram retornar em no pavilhão de exposição para rever seus leitores. Esse é o caso de Ana Beatriz Brandão que já afirmou em suas redes sociais retornar para a Bienal ao sábado (11) com o intuito de reencontrar seus leitores.

Agatha Christie, Marcos DeBrito, Luiz Machanoscki, Raul Dias e Rafaela Villela na Bienal do Livro. (imagem do Lar da Aghata)

Alguns títulos acabaram sendo esgotados devido ao grande número de vendas

Um dos estandes mais desejados dessa edição do evento, está sendo aquelas que os livros estão sendo vendidos por R$ 10,00, porém algumas editoras também adotaram a ideia e estão conseguindo esgotar os exemplares devido a promoção. A Editora Selo Jovem teve alguns títulos esgotados devido o preço e a apresentação das obras, entre elas estão: Lázaro – A Maldição dos Mortos (A. Wood), o 1° volume de Angellore (Gabrielle Venâncio Ruas), os livros Sozinhos no Escuro e Condenados (série de Jessé Diniz), O Portal de Oriun (Aldemir Alves) e Enviadas, da série Eternos (Sérgio Pereira).

A Editora Coerência também obteve seus momentos de puro destaque, já que, a escritora Jadna Alana conseguiu esgotar todos os seus exemplares de A Princesa de Ônix durante o evento. Foi confirmado pela editora-chefe que uma nova tiragem provavelmente sairá somente com a continuação e conclusão da duologia. Por outro lado, a autora Daiane Galelo passou pela mesma situação, mas seus exemplares foram abastecidos no mesmo dia.

Já tratando de antologias, foi esgotado no mesmo dia de lançamento (4) os exemplares de Deamomum Sigillum – As Crônicas da Goécia, uma antologia classificada como terror organizada pelo autor Raul Dias, publicado pela Editorial Hope. Uma 2a edição já vai ser organizada, e no evento de lançamento eles tiveram a presença da youtuber drag queen Agatha Christie e o Jesus da DarkSide Books. Ainda navegando pelo lado obscuro da literatura, Robson Gundim também teve os exemplares esgotados.

Até o momento não sabe se todos os exemplares esgotados vão ter reposição no evento, já que, alguns títulos acabaram até na sede das editoras. Porém, todo esse sucesso colabora para enxergamos como o fim do preconceito literário está indo embora, assim, resultando em diversos escritores conseguindo ter espaço na literatura, seja ele com qual gênero literário for.

Veja alguns livros que serão lançados na Bienal de 2018

0

Imagem: Divulgação / Rocco

Andreza França, no Beco Literário

Que a Bienal do Livro é o evento literário mais importante e que mais atrai leitores no país todo mundo sabe. A Bienal, que vai de 03 a 12 de agosto no Pavilhão de Exposições do Anhembi em São Paulo, contará com uma vasta programação bastante diversificada e tem presença confirmada de muitos autores que estão sendo muito esperados. Alguns deles lançarão novas obras, vem ver!

Tessa Dare é aguardada com muita ansiedade pelos fãs. A romancista americana, autora da série “Castles Ever After”, virá ao Brasil para lançar o quinto e último volume da sua primeira série, “Spindle Cove”: “Como se livrar de um escândalo”. Tessa estará na Bienal no dia 04 de agosto e promete agitar o evento.

Marissa Meyer, autora de Crônicas Lunares, estará na Bienal no dia 12 de agosto lançando sua obra, “Sem Coração”. No livro descobriremos acontecimentos do passado da Rainha de Copas que fizeram com que ela se tornasse o pior pesadelo do País das Maravilhas. Quem está ansioso para ler?

Apesar de não ter sido aclamada no lançamento, a série “Escola do Bem e do Mal” fez bastante sucesso entre seus leitores. Com três livros já lançados no Brasil, Soman Chainani estará na Bienal no dia 10 de agosto e a expectativa é que traga consigo o quarto livro da série, que terá um total de cinco volumes. (Leia nossas resenhas clicando aqui).

No dia 08 de agosto, o autor Charlie Donlea estará na Bienal para lançar seu livro “Don’t believe it”. Charlie, muito conhecido pela literatura de terror e suspense, promete causar arrepios e calafrios nos leitores do início ao fim desse thriller emocionante.

Mas não só de literatura internacional viverá o visitante da Bienal. Teremos no dia 11 de agosto o lançamento da fotobiografia de Fernanda Montenegro, intitulado “Fernanda Montenegro: Itinerário fotobiográfico”. A obra conta toda a trajetória da carreira e vida pessoal da atriz através de imagens. Os fãs de televisão, cinema e teatro brasileiros já podem comemorar.

Após o sucesso do livro “Vamos pensar um pouco?” Maurício de Sousa e Mario Sergio Cortella estarão na Bienal também no dia 11 de agosto lançando seu novo livro “Vamos pensar + um um pouco?”. O livro, ilustrado com a Turma da Mônica, propõe momentos de reflexão e de observar as coisas de maneiras diferentes. E então, vamos pensar mais um pouco?

Eles que agitaram muito nas telinhas durante anos lançam seu novo livro, “Brasil do Casseta – Nossa história como você nunca riu”, no dia 09 de agosto. A obra do Casseta & Planeta garantirá muita risada de fazer a barriga doer.

Teremos ainda na Bienal outros lançamentos de autores nacionais, desde romances até antalogias. No dia 03 de agosto, a autora Myrna Andreza lançará seu segundo romante, “Até o fim” no estande da 3DEA. No dia seguinte, no estande da Eu leio livros, a antalogia “Sereias: Encantos e perigos” será lançada pela editora Delirium. Muitos outros autores nacionais estarão publicando e lançando livros pela primeira vez na Bienal.

Agora que você sabe pelo o que esperar, já pode ir reservando economias e um espacinho na mala para voltar para casa recheado de livros novos e se você ainda não garantiu seus ingressos, corre que dá tempo. Que a Bienal seja um momento de muita diversão e aprendizado para todos.

Público jovem cresce e Bienal do Livro bate recorde

1
Saldões de livros atraíram jovens e potencializaram as vendas - Leo Martins

Saldões de livros atraíram jovens e potencializaram as vendas – Leo Martins

Projeção de 680 mil visitantes supera os números da última edição, mas faturamento de editoras cai

Bolívar Torres, em O Globo

RIO — Se a projeção dos organizadores se confirmar, 680 mil pessoas terão circulado pelo Riocentro nos 11 dias da 18ª Bienal do Livro do Rio — um novo recorde de público, superando os 677 mil da última edição, em 2015. Encerrado na noite deste domingo, o evento superou a expectativa do Sindicato Nacional dos Editores de Livro (Snel) e da Fagga, responsáveis por sua realização. Em tempos de crise econômica, os jovens puxaram os números para cima, com um aumento significativo do público entre 15 e 19 anos (33% contra 18% em 2015). Sinal de que a aposta do evento nesse segmento, que incluiu uma nova arena de 400 lugares (quatro vezes maior do que a da edição anterior) só com autores e atrações infantojuvenis, foi bem-sucedida.

— É uma aposta que estamos fazendo há 10 anos, acompanhando o mercado — diz Tatiana Zaccaro, diretora da Fagga, notando que 24% do público compareceu no evento pela primeira vez.

Uma pesquisa parcial com os visitantes mostrou que as vendas de livros foram similares às do ano passado (6,6 unidades por pessoa). O preço médio, porém, diminuiu de R$ 26,94 para R$ 25,18. O reflexo foi sentido por algumas editoras, como a Record, que viu o faturamento cair nessa edição. Diretor da Sextante, Marcos da Veiga Pereira diz que, em função do boom dos livros de colorir da edição passada que não se repetiu esse ano, houve uma queda de 15% do faturamento de sua editora. O resultado, porém, “já era previsto”, afirma Pereira, que também é presidente do Snel. Ele celebrou, no entanto, a maior presença de autores nacionais, que movimentaram público nos estandes e nas atividades.

— Apostamos que a Bienal deste ano conseguiria manter o público da edição anterior e tivemos a maior programação de autógrafos e participação de nossos autores de todos os tempos – informou o editor, em comunicado à imprensa.

Entre as editoras que finalizaram seu balanço até o fechamento desta edição, a Intrínseca manteve o mesmo desempenho de 2015 — ano no qual bateu recorde em volume de vendas. Já as editoras Leya, Astral Cultural, Globo Livros e a Valentina apresentaram um aumento em seu faturamento. A forte procura por promoções e saldões — lojas que vendem a preços populares livros adquiridos em pontas de estoque — levou editoras a ampliar as suas promoções ao longo do evento. Foi o caso da HarperCollins, que começou a Bienal oferecendo descontos de 20% e, depois, passou para uma estratégia mais agressiva, com descontos pontuais de até 50%.

— Essa foi a bienal da procura pelo preço baixo — define Daniela Kfuri, diretora de marketing e de vendas da editora. — O momento é de crise, muitas pessoas fotografando o código de barra dos livros para pesquisar o preço depois. Elegemos alguns produtos para promoção, que alavancaram o giro no estande e as vendas de outros produtos.

Em um ambiente de crise, o aumento pela busca de promoções é natural, acredita a vice-presidente do Snel, Mariana Zahar. Ela acredita que a Bienal se mostrou um termômetro da “retomada para as empresas”.

— O mais importante é que haja mais pessoas querendo ler — diz ela. — O objetivo principal da Bienal é a ampliação do público leitor.

Go to Top