Posts tagged best-seller

10 livros que todo empreendedor deve ler em 2017

0
10 livros que todo empreendedor deve ler em 2017  |  Fonte: Shutterstock

10 livros que todo empreendedor deve ler em 2017 | Fonte: Shutterstock

 

Confira a lista dos livros que todo empreendedor deve ler em 2017

Publicado no Universia Brasil

Como diz Bill Gates, não existe jeito melhor de aprender sobre um novo tópico do que lendo. O bilionário recentemente publicou os seus livros favoritos, e alguns deles constam nessa lista. Se você está começando um empreendimento agora, experimente ler esses 10 livros para ser um empreendedor melhor:

1. A MARCA DA VITÓRIA – PHIL KNIGHT

Um favorito de Bill Gates, “A Marca da Vitória” oferece um olhar interno para a jornada do empreendedor Phil Knight e como ele transformou a Nike na marca mundial que é hoje.

2. AS FERRAMENTAS DOS TITÃS – TIM FERRISS

No seu último livro o empreendedor e estrategista Tim Ferris compartilha os segredos de produtividade de mais de 200 das “pessoas com performances mais efetivas do mundo”, que ele entrevistou.

3. THE POWER OF BROKE – DAYMOND JOHN

A estrela do Shark Tank e fundador do Fubu, Daymond John explica que começar um negócio com recursos limitados é uma vantagem competitiva, não uma desvantagem.

4. OS SEGREDOS DA MENTE MILIONÁRIA – VISHEN LAKHIANI

E se tudo o que você pensa sobre o amor, o trabalho e a vida estivesse errado? Vishen Lakhiani, fundador da MindValley, desafia as suas mais arraigadas crenças num esforço para redefinir a sua definição de sucesso.

5. DISRUPTED – DAN LYONS

Esse é um relato bagunçado do que acontece quando um jornalista estabelecido de uma das maiores revistas de notícias toma um emprego numa startup que faz marketing de software. Ele conta sobre o seu tempo na Hubspot, onde encontrou “investidores anjos diabólicos, capitalistas de risco em decadência, empreendedores e aspiradores a empreendedores.”

6. ORIGINALS – ADAM GRANT

O autor e professor Adam Grant examina como pessoas podem rejeitar a conformidade e melhorar o status quo através de ideias criativas e originais.

7. HUSTLE – NEIL PATEL, PATRICK VLASKOVITS E JONAS KOFFLER

Esse best seller do New York Times guia leitores pelo processo de “escapar da escravidão” nas suas vidas e transformar o seu potencial em oportunidade.

8. GARRA – ANGELA DUCKWORTH

A psicóloga Angela Duckworth defende que o sucesso e resultado de paixão e persistência, não talento e sorte.

9. CONSTRUINDO A INTERNET DAS COISAS – MACIEJ KRANZ

Esse é um guia prático para empreendedores que são focados nas implicações para os negócios da Internet das Coisas.

10. RÁPIDO E DEVAGAR – DUAS FORMAS DE PENSAR – DANIEL KAHNEMAN

Mesmo que tenha sido publicado originalmente em 2011, esse livro continua sendo um best-seller em 2016. O renomado psicólogo Daniel Kahneman faz uma análise profunda sobre os dois sistemas cognitivos que moldam o julgamento e as decisões que fazemos no nosso dia-a-dia.

Livros de Donald Trump deverão ser lançados no Brasil em 2017

0

 

“Crippled America “(“América Debilitada”, em português), o novo livro de Trump || Créditos: Getty Images

“Crippled America “(“América Debilitada”, em português), o novo livro de Trump || Créditos: Getty Images

 

Publicado no Glamurama

Pelo menos quatro livros de Donald Trump serão lançados no Brasil em 2017 pela editora Citadel, a mesma que publicou no país o mais recente best-seller do bilionário, “América Debilitada”. As obras em questão são “The Art of the Deal” (1987), “Surviving at the Top” (1990), “Think Like a Billionaire” (2004) e “How to Get Rich” (2004).

De todos, o mais famoso é “The Art of the Deal”, que vendeu mais de um milhão de cópias somente nos Estados Unidos e é apontado como uma das melhores leituras para quem quer entender como pensa o futuro presidente dos Estados Unidos.

Apesar do sucesso, o escritor americano Tony Schwartz, ghost-writer do best-seller, afirmou em julho que se arrepende da parceria com Trump e que se sente desconfortável a cada vez que recebe os royalties pelo trabalho, estimados em mais de US$ 100 mil (R$ 338,9 mil) por ano. (Por Anderson Antunes)

“Marley & Eu” faz dez anos: conversamos com o dono do “pior cão do mundo”

0

Renata Nogueira, no UOL

11.dez.2008 - John Grogan posa com o cachorro Clyde, que fez a maior parte das cenas de Marley no filme "Marley & Eu"

11.dez.2008 – John Grogan posa com o cachorro Clyde, que fez a maior parte das cenas de Marley no filme “Marley & Eu”

Há dez anos, o Brasil conhecia a história de Marley, um labrador travesso que mudou a vida de uma família americana. Depois de 1,1 milhão de livros vendidos por aqui, o país ganha uma edição comemorativa publicada pela HarperCollins e a atenção especial do autor de “Marley & Eu”, o jornalista John Grogan, que escreveu uma dedicatória exclusiva para seus leitores e fãs brasileiros.

Em uma conversa exclusiva com o UOL, direto de sua casa em uma cidadezinha no topo das montanhas da Pensilvânia, o escritor ressaltou a importância do nosso país no estrondoso sucesso internacional de seu primeiro e mais conhecido livro. A história do “pior cachorro do mundo” o permitiu colecionar amigos fora do país, muitos deles brasileiros, que compartilharam com o autor as histórias de seus cachorros desde a primeira edição do livro em português.

“Obrigado, Brasil, por abraçar a mim e ao meu cachorro maluco. Obrigado por tornar minha simples história em um sucesso internacional. Obrigado por me fazer sentir parte de suas famílias e um honrado cidadão do seu país”, escreve John Grogan em sua dedicatória. Apesar do carinho especial pelo público brasileiro, o americano ainda não teve a oportunidade de conhecer o país.

“Acompanhei a Olimpíada do Rio pela TV e fiquei ainda mais encantado com a beleza do seu país. Quero muito conhecer o Brasil, é a viagem dos sonhos para mim e para a minha mulher”, conta John. Ele se refere a também jornalista Jenny Grogan, coprotagonista da história que virou filme dois anos depois do lançamento do livro e chegou aos cinemas no dia de Natal, em 2008.

Marley ficou conhecido primeiro em 2003, quando John Grogan publicou uma coluna no jornal em que trabalhava contando sobre a dor de perder o companheiro que o acompanhou durante 13 anos. De 20 cartas que costumava receber após seus textos, o número saltou para cerca de 800.

Capa da edição comemorativa de dez anos de Brasil do livro "Marley & Eu"

Capa da edição comemorativa de dez anos de Brasil do livro “Marley & Eu”

Para externar a dor de perder o companheiro que havia chegado à casa dele e de Jenny antes mesmo de seus três filhos (que hoje têm 25, 23 e 19 anos), Grogan resolveu escrever sobre a trajetória difícil, mas inesquecível ao lado do bicho batizado em homenagem ao cantor Bob Marley.

O texto carregado de sentimentos foi um sucesso imediato de vendas logo após sua publicação nos Estados Unidos, há exatos 11 anos, em 18 de outubro de 2005. Um ano depois, em 2006, “Marley & Eu” ganhava sua edição brasileira.

Durante a entrevista, John Grogan fez questão de destacar a importância do Brasil no sucesso internacional de seu primeiro livro. Leia a seguir:

UOL – Dez anos se passaram desde a publicação de “Marley & Eu” aqui no Brasil. O que mudou na sua vida nesse período?
John Grogan – Muita coisa mudou desde a publicação do livro. O Marley foi um cachorro que agregou muito a nossa família. A história dele possibilitou que meus filhos frequentassem boas escolas e que eu fizesse muitos amigos pelo mundo. Hoje eu também não trabalho mais em redação graças ao sucesso dele.

Muitos brasileiros entraram em contato com você depois do sucesso de “Marley & Eu”. O que eles te contavam nas cartas e e-mails?
Foram muitos leitores internacionais, recebi milhares de cartas do mundo todo. Mas posso dizer que mais da metade dos e-mails que recebi de países estrangeiros vinham do Brasil. Foram muitas mensagens. Logo percebi que vocês também eram apaixonados por cachorros. As pessoas contavam histórias felizes e também compartilhavam a dor de ter perdido um animal. Elas faziam questão de mandar até fotos dos seus bichos de estimação e isso me alegrou muito. Com essa experiência pude ver que, apesar de tantas guerras e diferenças entre as nações, existe um sentimento sincero que nos une e nos faz igual.

O número de cartas e e-mails cresceu muito depois da adaptação de “Marley & Eu” para o cinema, em 2008?
Eu já recebia muitas mensagens depois de publicar o livro, que logo virou best-seller nos Estados Unidos e internacionalmente. Mas posso dizer que depois do lançamento do filme esse número saltou umas dez vezes.

Os cães Woodson (à esquerda) e Wallace no Natal de 2014: sucessores de Marley

Os cães Woodson (à esquerda) e Wallace no Natal de 2014: sucessores de Marley

Quantos cachorros sua família já teve depois do Marley? Já pensou em escrever sobre eles?
Tivemos uma cadela logo depois do Marley, a Gracie, mas ela tinha uma doença degenerativa e acabou morrendo quando tinha 6 anos. Depois chegaram outros dois cachorros, o Woodson e o Wallace. O Woodson era um dos 22 cachorros que fizeram o Marley no filme e foi um presente da produção logo após o final das filmagens. Ele está conosco até hoje, já faz oito anos. Apesar de todos os problemas de comportamento que enfrentamos com o Marley, sempre tivemos labradores. É definitivamente a nossa raça favorita. Não pensei em escrever sobre os nossos novos cachorros, pois definitivamente eles têm um comportamento bem diferente. São tranquilos, ótimos cachorros.

Você escreveu diversos livros infantis com o personagem do Marley depois de lançar “Marley & Eu”. Já teve proposta para outros filmes?
Não recebi outras propostas para fazer filmes e também não vejo como continuar a história do Marley. Mas foi muito prazeroso escrever estes livros para as crianças. Eu senti a necessidade de fazer isso, já que muitas crianças queriam ler “Marley & Eu” e, honestamente, o considero um livro adulto.

Você acha que um dia vai conseguir repetir o estrondoso sucesso de “Marley & Eu”?
É muito difícil repetir o que foi “Marley & Eu”, mas isso não significa que meus outros livros não sejam bons ou não tenham feito sucesso. Acontece que quando eu comecei a escrever esta história foi uma algo que escrevi do fundo do meu coração. Eu sinceramente não esperava que fosse fazer todo o sucesso que fez. Mas como escrevi com tanto sentimento, é um livro único, algo que só acontece uma vez na vida. Não tem como repetir.

Autor de best-seller infantil esnoba o politicamente correto

0
O escritor americano Mac Barnett, autor de “Dois terríveis — Ainda piores” - Divulgação

O escritor americano Mac Barnett, autor de “Dois terríveis — Ainda piores” – Divulgação

 

O americano Mac Barnett lança no Brasil ‘Os dois terríveis — Ainda piores’ e diz que crianças merecem ‘arte de verdade’

Alessandro Giannini, em O Globo

SÃO PAULO — De passagem pelo Brasil para lançar “Os dois terríveis — Ainda piores” (Intrínseca) e um dos astros da 24ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo, que termina hoje, o escritor de livros infantis americano Mac Barnett começou a se interessar pelo universo das crianças quando estava na faculdade e monitorava uma colônias de férias, na Califórnia.

Barnett era responsável pelos menores, de 4 anos, que se cansavam rápido das brincadeiras esportivas e iam se sentar ao seu lado na sombra das árvores. Era o momento em que, para passar o tempo — e dele e dos garotos —, Barnett inventava histórias. E dizia para as crianças que, nos fins de semana, era espião da rainha da Inglaterra. Logo, conta ele, virou uma celebridade entre os meninos e meninas que lhe perguntavam sobre suas aventuras como agente secreto.

A experiência de Barnett o levou a entender que as crianças aceitam a ficção como verdade, mas só até o limite do lúdico. Para o autor, esse é o grande tesouro da literatura. E, também por isso, não é fácil escrever para os pequenos:

— Falando muito sério. É fácil escrever um livro infantil, mas é muito difícil escrever um bom livro infantil. Crianças merecem arte de verdade, e arte de verdade é muito difícil de fazer! Elas não merecem “arte menor” ou “histórias menores”. O que faz boas histórias é honestidade, chegar ao centro da questão de como ser uma pessoa melhor. É difícil fazer isso. As vidas das crianças são diferentes das dos adultos, e acho que as experiências e verdades delas também são diferentes. Mas, claro, você quer chegar ao âmago dessa verdade, e isso é difícil.

“Os dois terríveis — Ainda piores”, escrito em parceria com John Rory e fartamente ilustrado por Kevin Cornell, dá prosseguimento à história dos amigos Miles Murphy e Niles Sparks, apresentados anteriormente em “Os dois terríveis”, os únicos integrantes do clube de pregação de peças do ficcional Vale do Bocejo. O primeiro livro teve os direitos comprados pela Universal para virar filme. A produção ainda não tem diretor escalado, mas Barnett acaba de escrever o roteiro.

Agora, no segundo livro, Miles e Niles pregam uma peça no diretor da escola, o senhor Bronca, que acaba sendo demitido, para ser substituído por, quem diria, o seu pai, também conhecido como senhor Bronca. A diferença entre ambos está no fato de que o veterano diretor não tolera nenhum tipo de alegria.

— Quando eu era criança, adorava pegadinhas, truques e jogos — conta o escritor, que no momento trabalha no terceiro livro da série, ainda sem título definido. — Eu acho que queria ser um pregador de peças, mas tinha medo de me envolver em problemas. Então, lia muito sobre isso. Para os adultos, há muitos filmes sobre trapaceiros ou grandes roubos a bancos, mas é diferente. Há uma dimensão política para uma pegadinha. É o último recurso dos oprimidos sobre quem tem poder. E as crianças, em geral, são as pessoas mais oprimidas da nossa sociedade.

Nesse caso, nem tudo são flores para Barnett. O autor também teve sua dose de críticas pelo teor politicamente incorreto do conteúdo dos dois livros, principalmente pelas ideias de pegadinhas aplicadas nos adultos. Mas ele ri de tudo isso:

— Quando vou às escolas, sempre há um professor no fundo da sala de aula balançando a cabeça em sinal de reprovação. Às vezes, um deles diz: “Você sabe o que acabou de fazer a essas crianças?”. E eu respondo: “Sim, claro, fiz com que eles lessem mais um livro!” Para mim, está tudo bem. As pessoas que menos gostam de brincadeiras assim são as principais vítimas.

Algoritmo revela como criar o best-seller perfeito

0
Foto: pixabay)

(Foto: pixabay)

 

Bruno Vaiano, na Galileu

Livros com grandes quantidades dos verbos “need” (precisar), “want” (querer) e “do” (fazer) têm até duas vezes mais chances de ser um sucesso de vendas. Se o termo “OK” aparecer com frequência, são três vezes mais, confirmando nossas suspeitas sobre o apelo da capa de A Culpa é das Estrelas, de John Green. Fique longe de unicórnios, duendes e outras criaturas mágicas: ao contrário do que a saga O Senhor dos Anéis parece indicar, o público leitor, na média, prefere gente como a gente nos papéis principais. E uma última dica: se seus personagens pensam, agarram, seguram e perguntam mais que a média, você pode estar na trilha do estrelato.

Essas são algumas das descobertas de Jodie Archer, que costumava ser responsável pelas seleções da editora Penguin, e Matthew Jockers, professor de inglês da Universidade de Nebraska-Lincoln, que mapearam 20 mil romances aleatórios das últimas três décadas para tentar descobrir a fórmula do livro perfeito. Eles não se limitaram, claro, a simples palavras. Aspectos muito mais sutis de cada obra, como a construção do enredo e das personagens e as curvas da narrativa, foram levados em consideração.

O resultado é um algoritmo apelidado de “bestseller-ometer”, algo como “sucesso de vendômetro”, que, segundo os autores do estudo, é capaz de identificar um futuro hit das livrarias com até 80% de precisão. Os detalhes do sonho de consumo de qualquer editor foram publicados, é claro, em um livro, chamado The Bestseller Code: Anatomy of the Blockbuster Novel (St. Martin’s Press, R$ 83,00), ainda sem edição em português. Arte não é estatística, mas se você ainda não chegou lá, talvez a ciência possa dar aquele empurrão que falta.

*Com a supervisão de Isabela Moreira

Go to Top