Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged Bic

Para aprender melhor, caneta no lugar de laptop

0

Tatiana Gerasimenko, no Ciência Diária
O mundo pode estar diferente, mas algumas coisas não mudam. De acordo com pesquisadores da Universidade da Califórnia em Los Angeles e de Princeton, nos EUA, a famosa canetinha Bic tem mais força que laptops e tablets, ao menos para nos fazer lembrar do que aprendemos. Em um artigo publicado no periódico especializado Psychological Science, […]

De acordo com pesquisadores da Universidade da Califórnia em Los Angeles e de Princeton, nos EUA, a famosa canetinha Bic tem mais força que laptops e tablets, ao menos para nos fazer lembrar do que aprendemos. Em um artigo publicado no periódico especializado Psychological Science, a equipe descreve como estudantes que escrevem – em vez de digitar – compreendem melhor o conteúdo apresentado em sala de aula.

Para chegar ao resultado, a equipe realizou uma série de experiências. Na primeira delas, 65 alunos assistiram a cinco palestras sobre assuntos incomuns, mas interessantes. Um grupo anotou o que viu e escutou em laptops e o outro fez anotações com a caneta. Depois, todos foram submetidos a três tipos de questão. Ambos os grupos tiveram desempenho semelhante nas perguntas do tipo ‘decoreba’. Contudo, quem se valeu do papel para guardar os dados mais importantes conseguiu se sair melhor nas questões conceituais (mesmo que o volume de anotações tenha sido menor).

A explicação, segundo os pesquisadores, é que há um empenho maior em processar a informação antes de anotar à mão, selecionando os dados. Isso torna a aprendizagem mais eficiente e o armazenamento do conteúdo mais duradouro. Depois de uma semana, o grupo que não usou computadores conseguiu novamente responder questões relacionadas às palestras com mais facilidade que os demais.

Progresso

0
Imagem: Google

Imagem: Google

O menino moderno, familiarizado com o computador, ficou curioso sobre como eram as coisas no trabalho do seu pai no tempo em que não havia computadores.

O pai, entusiasmado com a súbita curiosidade do filho, pôs-se a campo para encontrar sua velha Olivetti portátil, amante esquecida, abandonada – e ele nem sabia ao certo onde ela estava. Depois de muito procurar, encontrou-a dentro de uma mala velha cheia de tranqueiras. Tirou-a da sepultura, limpou-a, conferiu as teclas e alavancas, e também as fitas metade preta e metade vermelha, colocando-a então de novo no mesmíssimo lugar sobre a mesa onde vezes, sem conta eles estiveram juntos.

“Como é que funciona, pai?”, o menino perguntou.

“É assim que funciona…”, respondeu o pai. A seguir, colocou uma folha de papel sulfite no rolo, ajustou as margens e começou a “daquitilografar” (era assim que o meu pai falava) umas frases soltas.

Ao ver a máquina em ação, o menino fez um “oh” de espanto.

“Que máquina mais adiantada, diferente dos computadores. É só digitar as letras que o texto sai impresso…” O que me fez lembrar um texto divertidíssimo de Cortázar que se chama, se não me engano, A história das invenções. Só que tudo acontece nçoa de trás para frente, mas da frente para trás.

A história começa num voo de supersônico de Nova York a Paris. Três horas. Aí os homens inteligentes, pensaram que o prazer da viagem poderia ser aumentado se os aviões, em vez de voarem a uma velocidade acima da velocidade do som e a uma altura de quinze quilômetros, passassem a voar a uma velocidade de 400 quilômetros por hora a uma altura de três quilômetros. Assim, poderiam ficar muito mais tempo longe do trabalho e ver os rios, bosques e vilas…

E assim vai acontecendo a história das invenções, sempre ao contrário e sempre melhor… Até que, depois de muito progresso, da invenção dos navios a vela não poluentes e das bicicletas que fazem bem ao coração, os humanos inventam a mais fantástica de todas as invenções: eles inventam o “andar a pé”…

Texto de Rubem Alves, no livro: “Pimentas – Para provocar um incêndio não é preciso fogo”, págs. 96/97

Go to Top