Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged Bienal do Livro

Bienal do Livro do RJ confirma presença de nove autores internacionais

0

Última edição da Bienal Internacional do Livro do Rio de Janeiro bateu recorde de público com mais de 640 mil visitantes | © Leandro Martins / Divulgação

Publicado na IstoÉ

Já são nove os autores internacionais com presença confirmada na 19ª Bienal Internacional do Livro do Rio de Janeiro, que acontecerá entre 30 de agosto e 8 de setembro, no Riocentro. O cardápio é variado e promete agradar a todos.

Os convidados estrangeiros abordarão temas que vão desde a ciência política até a leitura de mentes, caso do primeiro escritor internacional confirmado, o sueco Henrik Fexeus, considerado o maior mentalista do mundo na atualidade. Especialista em linguagem não verbal e leitura de mente, o autor já vendeu, apenas no Brasil, mais de 100 mil exemplares do livro A Arte de Ler Mentes, pela Editora Record. A obra foi traduzida para 26 línguas e tem mais de um milhão de cópias vendidas. Fexeus diz que é possível identificar os pensamentos e sentimentos de uma pessoa a partir do tom de voz, postura corporal, respiração, entre outros fatores.

Os outros escritores internacionais que participarão da Bienal do Rio 2019 são:

– Josh Malerman, autor do ‘best-seller’ Caixa de Pássaros, adaptado pela Netflix em filme estrelado por Sandra Bullock e John Malkovich;
– Steven Levitsky, professor de ciência política na Universidade de Harvard e autor de Como as Democracias Morrem, com mais de 35 mil exemplares vendidos no Brasil, pela Editora Zahar;
– C.J. Tudor, autora do sucesso O Homem de Giz, seu romance de estreia, publicado no Brasil pela Intrínseca;
– Mark Manson, autor do sucesso A Sutil Arte de Ligar o F*da-se, sobre a pressão negativa que a perseguição do sucesso e da felicidade exercem sobre os seres humanos;
– Rachael Lippincott, jovem autora de A Cinco Passos de Você, que virou filme que faturou mais de US$ 70 milhões em todo o mundo;
– Marc Levy, o autor francês mais lido do mundo atualmente, que escreveu 14 romances, entre eles A Próxima Vez e E se Fosse Verdade. É o autor francês mais lido do mundo hoje;
– Lisa Genova, autora de Para Sempre Alice, lançado em 2009 e que já vendeu mais de 150 mil exemplares no Brasil e acaba de ganhar uma nova edição pela HarperCollins; e
– Haemin Sunim que, além de escritor, é um dos mestres de zen budismo mais influentes da Coreia do Sul, seu país de origem.
Novidades

O maior evento literário do país é organizado pela GHL Events Exhibitions e pelo Sindicato Nacional dos Editores de Livros (SNEL). Na edição deste ano, a Bienal do Rio terá mudanças, que poderão ser observadas já na entrada no local. Atendendo a pedidos nas edições passadas, o Pavilhão de Atividade Infantil, com editoras especializados em livros infantojuvenis, estará localizado logo na entrada.

Depois, vem o Pavilhão Azul, onde acontecerá o Fórum de Educação, cuja programação é voltada para educadores e professores. Nesse espaço, os educadores conhecerão as novas tecnologias da Microsoft destinadas às salas de aula. Uma palestra para os professores já está confirmada: a do monge budista sul-coreano Haemin Sunim, que tem dois livros publicados pela Editora Sextante – As Coisas Que Você Só Vê Quando Desacelera e O Amor pelas Coisas Imperfeitas.

Em seguida, estará localizado o Café Literário, que já é uma tradição da Bienal do Rio. O espaço segue com a missão de expandir ideias ao levar para o público o debate de livros com seus autores preferidos, em temas que passeiam pela política, gastronomia, turismo, autoajuda, filosofia, entre outros.

Por último, o público passará para o pavilhão que abriga a Arena Jovem, espaço bem-sucedido da Bienal, que vai continuar tratando de temas atuais, contemporâneos.

No auditório, ocorrem encontros com autores celebridades, durante os quais os fãs terão a oportunidade de conseguir um autógrafo ou tirar uma foto.

Japão

A edição deste ano da Bienal vai homenagear o Japão. Segundo o presidente do SNEL, Marcos da Veiga Pereira, a escolha do Japão como primeiro país asiático homenageado na Bienal é um resgate do caráter internacional do evento. Além disso, Pereira lembra que o país oriental tem uma ligação muito forte com o Brasil: “Aqui está a maior comunidade japonesa do mundo fora do Japão”.

Pipas

A Bienal Internacional do Livro do Rio mudou também sua identidade visual. Para a edição de 2019, a Agência Crama, responsável pela criação da primeira marca do evento, resolveu transformar os livros em pipas, convidando a população a “passear” e conhecer cada estande de livros do evento.

Time feminino

Nesta edição, um time feminino de mulheres vai comandar a curadoria cultural da Bienal: a premiada autora de livros e filmes Rosane Svartman vai responder pela Arena Jovem, enquanto a jornalista Mànya Millen cuidará do Café Literário, espaço tradicional do evento. Já o trio formado por Martha Ribas, Rona Ranning e Carolina Sanches, do coletivo Ler Conecta, se encarregará do Fórum Educação.

Para incentivar leitura, professora faz Instagram inspirado em escritora inglesa

0

Escritora inglesa virou tema para clube do livro e Instagram (Foto: Wendy Tonhati)

Com fotos fofas, Elisângela dá dicas de leitura em rede social

Wendy Tonhati, no Campo Grande News

Jane Austen é uma das principais escritoras inglesas e passados mais de dois séculos da sua morte, continua entre as mais lidas, com fãs que leem, discutem e colecionam as obras. A professora Elisângela Sanábria, de Campo Grande, é uma das fãs de Jane Austen. Inspirada na escritora, ela criou um Instagram literário, com fotos fofas e produzidas especialmente para as redes sociais como forma de incentivar e dar dicas de leitura no @sanabriabooks.

“Quando eu comecei o Instagram, foi para desmistifica isso das pessoas acharem que Jane Austen é só um romancezinho. Também para aumentar esse amor que as pessoas tem pela leitura. Às vezes, a gente tem isso de leitura em quantidade, de dizer que leu tantos livros, tantas páginas ou não lê nada. É para mostrar que, às vezes, a gente não consegue ler todo dia, mas que dá para ler nem que seja um pouquinho”, conta a leitora que até hoje guarda os livros que os pais liam para ela e alguns onde ela apreendeu a ler.

Instagram é feito com fotos produzidas das obras (Foto: reprodução)

A ideia surgiu após um uma viagem de Elisângela para a Bienal do Livro, em São Paulo, no ano passado. Para ela, estar na Bienal, em meio a tantos livros, escritores e editoras, foi a realização de um sonho. “Quando eu entrei, falei: eu estou realizando o sonho da minha vida, porque eu sou formada em Letras e sempre amei a literatura e os livros”.

O livro mais conhecido da escritora inglesa é Orgulho e Preconceito que já teve inúmeras adaptações para cinema e televisão. O último filme é de 2005 e conta a história do casal Darcy e Elizabeth, porém, o primeiro livro da escritora inglesa que Elisângela leu foi Persuasão, uma das obras menos conhecidas.

Ela diz que algumas pessoas têm a ideia de que Jane Austen é um romance leve. “Tem muito preconceito. Gente que acha que é só romance, leitura simples, uma novela. Mas, na verdade, não é. Ela faz uma crítica à sociedade, à posição da mulher, da sociedade patriarcal e coisas que eles gostavam, mas com um humor ácido”.

Hoje, ela é uma especialista no assunto. “Eu comprei a biografia que o sobrinho-neto dela fez e eu fui me apaixonando. Eu fui pesquisando sobre a vida dela e expandindo para romances históricos que são baseados na história da Jane Austen”

Primeiros livros lidos por Elisângela (Foto: Wendy Tonhati)

Antes de criar o Instagram para interagir com outros leitores e, principalmente, com os fãs de Jane Austen, Elisângela já participava de grupos de leitura e mantém até hoje o hábito. As reuniões são feitas pela internet e WhatsApp.

A literatura também acompanha Elisângela até no nome de um de seus cachorrinhos: Totó, em homenagem ao Mágico de Oz.

Hoje, além de ter lido toda a obra da escritora inglesa, ela passou a procurar por livros sobre a biografia da escritora e obras derivadas e até inusitadas como o livro de receitas da apresentadora americana MarthaStewart que une Orgulho e Preconceito e receitas. Na estante também há obras clássicas como Os Miseráveis e contemporâneas como o livro da Marie Kondo, expert da organização.

“A Casa da Praia”: livro derivado de “A Barraca do Beijo” chega 1º ao Brasil

0

Renata Nogueira, no UOL

O Brasil será o primeiro país a publicar em versão física o livro “A Casa da Praia”, derivado de “A Barraca do Beijo”. A novidade foi contada pela própria autora, a britânica Beth Reekles, em seu Instagram.

A Astral Cultural, mesma editora que publicou “A Barraca do Beijo”, comprou os direitos da obra depois do grande sucesso do primeiro livro de Beth com o público brasileiro. Foram 40 mil cópias vendidas até agora. É o segundo livro mais vendido no ranking mensal da Publishnews. A autora esteve na Bienal do Livro de São Paulo, em agosto, e falou ao UOL sobre o sucesso da obra.

Assim como fez com seu primeiro best-seller, Beth Reekles publicou a história na plataforma Wattpad. “A Casa da Praia” se passa em um verão depois de toda a história contada em “A Barraca do Beijo”. Elle, Lee e Noah curtem as férias juntos na praia antes de um deles partir para o seu primeiro ano de faculdade.

A autora Beth Reekles na Bienal do Livro de SP Imagem: Iwi Onodera/UOL

Junto com a editora do Brasil, a primeira do mundo a apostar no livro, a autora Beth Reekles adaptou a história para a publicação em português. Dessa forma a obra não será apenas uma tradução da original publicada no Wattpad, e sim uma nova versão. Beth ainda destaca que “A Casa da Praia” não é uma continuação de “A Barraca do Beijo”, mas sim um derivado que segue explorando os três personagens.

Em “A Barraca do Beijo”, a trama gira em torno de Elle, uma adolescente que tem uma amizade com Lee desde a infância e acaba se apaixonando pelo irmão mais velho dele, Noah  Flynn. Em “A Casa da Praia” ela terá que se esforçar para manter a amizade com Lee inabalável e, ao mesmo tempo, aproveitar os possíveis últimos momentos ao lado do namorado Noah, além de conviver com a família deles.

Primeiro livro da carreira de Beth Reekles, “A Barraca do Beijo” chamou a atenção da Netflix, que comprou os direitos da obra depois que ela estourou na plataforma independente Wattpad, onde já soma mais de 19 milhões de acessos e 40 mil comentários. Depois de virar filme na plataforma de streaming, a obra ganhou atenção especial do público brasileiro, o que trouxe a autora Beth  Reekles para o Brasil, onde ela agora lança seu segundo livro.

Best-seller de Israel, Yoav Blum é destaque da Bienal do Livro

0

Yoav Blum, autor de ‘Os Criadores de Coincidência’ – Divulgação

 

Autor de ‘Os Criadores de Coincidência’ vai falar sobre sua obra hoje em São Paulo

Ivan Finotti, na Folha de S.Paulo

São Paulo – No universo do livro “Os Criadores de Coincidência” (Planeta, 320 págs., R$ 41,90), foram os agentes de uma organização secreta que criaram as coincidências necessárias para que o disco do Pink Floyd “The Dark Side of the Moon” (1973) toque em sincronia perfeita com o filme “O Mágico de Oz” (1939).

Eles também foram responsáveis pela união na adolescência de Lennon e McCartney, além de terem dado um empurrãozinho para que cientistas pudessem descobrir acidentalmente coisas tão díspares como a penicilina (1928) ou o teflon (1938).

Mas, agora, uma missão mais complexa coloca em risco a carreira de nosso criador de coincidências preferido. Esse é o argumento da obra do israelense Yoav Blum, sucesso instantâneo em sua terra natal em 2011, e que está estourando mundialmente desde o ano passado.

“Os Criadores de Coincidência” foi ou está sendo traduzido para 13 línguas, incluindo o italiano, no qual recebeu o bizarro título “a fórmula do coração e do destino”, na tradução para o português.

“Tento não ser rígido sobre isso”, ri Blum. “O livro foi traduzido em diversas línguas só este ano. Antes, só teve sucesso no mercado hebraico, que é meio pequeno. Em apenas alguns meses, houve uma explosão. Agora está sendo traduzido para o japonês e o chinês, e jamais saberei os títulos que vão dar nesses países.”

Yoav Blum está no Brasil nesta terça-feira (7) para falar em dois eventos, um da Bienal Internacional do Livro e outro na Unibes Cultural, que foi organizado pela editora Planeta em parceria com o Consulado de Israel.

A Planeta, que lançou o livro aqui, informa que o adquiriu após concorrido leilão semanas antes da Feira de Frankfurt de 2016. Não revela quanto pagou pela obra, mas afirma que foi o maior investimento da empresa em ficção naquele ano.

“Acho que começou com um bom agente porque você precisa de alguém que acredite e se anime com o livro. E o meu agente estava muito interessado no livro. Mas acho que tem uma parcela de sorte e eu também estava no lugar certo na hora certa. Espero que também tenham tido boas traduções que amarraram as editorias e criou essa bola de neve.”

O livro já foi adquirido, em 2012, por um pequeno estúdio de cinema independente dos Estados Unidos para virar filme ou minissérie, mas esses trabalhos ainda não saíram do roteiro.

“É um livro muito difícil de se tornar um filme. Há muitos pensamentos que nem sempre são visuais. Mas espero que haja uma adaptação em filme ou em série de TV em breve”, diz o autor.

Após “Os Criadores de Coincidência”, Yoav Blum já lançou mais dois livros em Israel, ambos best-sellers instantâneos como o primeiro. Agora começa a escrever seu quarto título. “É sobre uma teoria que que fala de figuração. Eu li sobre isso e as pessoas tentam experimentar uma forma de lidar com o que é fake e com o que é verdadeiro. Estou nos primeiros passos ainda.”

25ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo

Bate-papo com Yoav Blum, ter. (7), das 13h30 às 14h30, na Arena Cultural, av. Olavo Fontoura, 1.209, São Paulo

Bate-papo com Yoav Blum

Ter. (7), às 19h, na Unibes Cultural, r. Oscar Freire, 2.500, São Paulo

Literatura de suspense e terror marca presença na 25ª Bienal do Livro

0

Os americanos A. J. Finn, autor de “Mulher na Janela”, e Charlie Donlea, de “A Garota do Lago”, participam pela primeira vez do da Bienal Internacional do Livro de São Paulo

Publicado no 24 Horas News

A literatura de suspense e terror tem ganhado cada vez mais fãs ao redor do mundo. No Brasil não é diferente e, para contemplar os leitores assíduos, dois grandes escritores do gênero estarão pela primeira vez no país e participarão da 25ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo, em agosto.

A. J. Finn, autor de “A Mulher na Janela”, que ganhará as telas de cinema com Amy Adams no papel principal, e Charlie Donlea, autor de “A Garota do Lago” e “Deixada para trás”, sobem ao Palco Cultural do evento para conversar com o público sobre a literatura de suspense e terror. A ideia é abordar o encantamento que suas histórias produzem nos leitores e a construção das narrativas.

No dia 5 de agosto, às 13h30, A. J. Finn, cuja obra faz sucesso mundo afora e foi vendida para mais de 30 países, se apresenta. Já no dia 8 de agosto, às 16h, é a vez de Charlie Donlea, que estreou há apenas dois anos na literatura e recebeu resenhas fervorosas de grandes nomes nos EUA, entre eles, Mary Kubica. Seus livros no Brasil já alcançam a marca de 150.000 exemplares vendidos. Ele vai contar sobre suas inspirações, falar dos dois primeiros livros e lançar seu novo Thriller, “Don’t Believe IT”.

Outra boa notícia para os fãs do gênero literário é que foi fundada, em janeiro deste ano, a Aberst (Associação Brasileira de Escritores de Romances Policial, Suspense e Terror), que logo criará uma premiação anual para autores do segmento, a exemplo do que acontece em outros países. Esta é uma forma de incentivar a produção da literatura de suspense e terror.

Realizada de 3 a 12 de agosto pela Câmara Brasileira do Livro (CBL), a 25ª edição marca os 50 anos da Bienal. Durante os 10 dias de evento, os visitantes poderão viver experiências culturais diversas e ter contato direto com autores, em bate-papos e palestras exclusivas.

Com a assinatura “Venha fazer esse download de conhecimento”, a campanha deste ano enfatiza a importância do diálogo, da abertura de perspectivas e busca de novos conceitos. Os debates na Arena Cultural irão abordar desde a literatura infantil, até a literatura de suspense e terror.

Fonte: IG Gente

Go to Top