A MORTE DE MARILYN MONROE VOLTA A SER DISCUTIDA EM NOVO LIVRO (Foto: Getty Images)

A MORTE DE MARILYN MONROE VOLTA A SER DISCUTIDA EM NOVO LIVRO (Foto: Getty Images)

De acordo com o livro, o senador teria ordenado que uma injeção letal fosse aplicada em Marilyn para impedi-la de revelar seus casos tórridos com JFK

Publicado na Marie Claire

Uma nova biografia promete causar novo burburinho sobre a (até hoje) comentada morte da atriz norte-americana Marilyn Monroe, encontrada sem vida em 4 de agosto de 1962. “O assassinato de Marilyn Monroe: Case Closed”, dos escritores Jay Margolis, um repórter investigativo e especialista na estrela de Hollywood, e Richard Buskin, um autor de best-seller, aponta, por meio de depoimentos de testemunhas e entrevistas, que o ex-senador norte-americano Bobby Kennedy ordenou o assassinato de Marilyn Monroe por injeção letal. O objetivo era impedi-la de revelar seus casos tórridos de amor com o próprio senador e também com seu irmão, o presidente John F. Kennedy.

De acordo com o livro, Marilyn estava prestes a revelar todos os segredos da família Kennedy, registrados em um diário. A descoberta do caderno teria levado Bobby a orquestrar o assassinato, com a ajuda de seu cunhado, Peter Lawford, e o Dr. Ralph Greenson, psiquiatra de Marylin. O médico teria sido o responsável por aplicar a injeção de pentobarbital no coração da paciente. “Bobby Kennedy estava determinado a calá-la, independentemente das consequências”, teria revelado Peter Lawford, após uma crise de culpa por ter ajudado no crime.”Foi a coisa mais louca que já fiz, e eu estava louco o suficiente para deixar que isso acontecesse”.

O LIVRO "THE MURDER OF MARILYN MONROE: CASE CLOSED" ACABA DE SER LANÇADO NOS ESTADOS UNIDOS (Foto: reprodução)

 

Bobby Kennedy se envolveu em um caso sexual confuso com Marilyn, no verão de 1962, quando foi enviado para Los Angeles por seu irmão Jack para convencer a estrela a parar de ligar para o presidente na Casa Branca. “Não era a intenção de Bobby, mas eles passaram a noite juntos em nosso quarto de hóspedes”, revelou Peter.

O livro “O assassinato de Marilyn Monroe: Case Closed” chegará às livrarias dos Estados Unidos em 3 de junho.