Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged Bolsas De Estudo

Rihanna lança programa de bolsas de até 50 mil dólares para universitários, inclusive do Brasil

0

rihanna

Publicado no Extra

Rihanna acaba de acrescentar um motivo para ser mais amada pelos fãs. A cantora pop lançou um programa de bolsas para universitários americanos e estrangeiros, inclusive do Brasil, que estudarem nos Estados Unidos. As inscrições já estão abertas e vão até o dia 10 de junho.

De acordo com o site USA Today, podem concorrer à ajuda de custo os estudantes que ingressarem em universidades americanas este ano ou em 2017 e que sejam moradores do Brasil, Cuba, Haiti, Guiana, Barbados, Jamaica ou mesmo dos Estados Unidos. Segundo a reportagem, ainda não há um número definido de bolsas, mas a meta é aceitar tantos estudantes quanto for possível. O site já adiantou, porém, que um comitê da Clara Lionel Foundation (CLF) — fundação mantida por Rihanna — vai selecionar 50 finalistas.

O apoio financeiro será de 5 mil a 50 mil dólares por ano — ou seja, de R$ 20 a R$ 200 mil, aproximadamente — e pode ser renovado por até três anos ou até o término da faculdade. O valor vai depender da necessidade do estudante.

A seleção dos bolsistas vai avaliar a performance do histórico do estudante, experiências profissionais e uma redação que terá que ser escrita pelo candidato. Para concorrer ao programa, basta acessar o site www.claralionelfoundation.org/

 

Dicas imperdíveis para conseguir uma bolsa de estudos

0
Fonte: Shutterstock

Fonte: Shutterstock

 

Garota que conseguiu meio milhão de dólares em bolsas ensina as técnicas para ser aprovado

Publicado no Universia Brasil

A norte-americana Kristina Ellis, autora do livro “Confessions of a Scholarship Winner”, que em português quer dizer “confissões de uma ganhadora de bolsas de estudo”, conseguiu acumular US$ 500 mil em bolsas e registrou em sua obra todas as dicas sobre o processo. A escritora recebeu bolsas de organizações e empresas importantes, como o Governo do Estados Unidos, a Coca-Cola, entre outras.

Durante o ensino médio, Kristina passou grande parte de seu tempo livre trabalhando em vagas temporárias para ajudar sua mãe com as despesas de casa e, sem a ajuda das bolsas escolares, jamais teria conseguido frequentar a universidade.

“Eu li todos os livros disponíveis sobre bolsas de estudo e conversei com todos que poderiam me dar alguma informação útil sobre o tema”, escreve a garota em seu livro. “Eu estudei a história de outros estudantes que tiveram sucesso em processos seletivos e continuei seguindo essa estratégia até que alcancei a fórmula do sucesso”, completa.

O resultado disso foi que Kristina conseguiu completar sua graduação na Vanderbilt University, bem como seu mestrado na Belmont University, utilizando apenas recursos oriundos de bolsas de estudos. A seguir, veja duas dicas preciosas de Kristina Elli para conseguir bolsas de estudos:

1 – O motivo da bolsa de estudos

Cada bolsa de estudo tem um motivo para estar oferecendo os benefícios ao aluno. Seja para auxiliar na formação de futuros líderes ou motivar o desenvolvimento científico. Por isso, antes de se candidatar, procure entender muito bem a motivação da organização ou empresa para estar oferecendo o dinheiro, para ter certeza de que seus objetivos se enquadram com esses fatores e que seu discurso estará coerente na hora de solicitar a ajuda para estudar.

2 – O perfil da bolsa de estudos

Kristina aconselha os candidatos a se atentarem a todos os tipos de palavras utilizadas para descrever o estudante ideal para aquela oportunidade e termos que se repitam ao longo do texto do edital. Eles podem dar dicas de qual é o perfil de estudante esperado pela organização.

Segundo a escritora, o candidato precisa se imaginar como um produto e deverá convencer os investidores a apostarem nessa mercadoria. Por isso, durante o processo seletivo, é preciso provar que se enquadra bem ao perfil desejado e que você vale, sim, um investimento alto para continuar seus estudos.

Universidades de ponta abrem inscrições para bolsas de estudos. Saiba como concorrer

0

Mapa mostra mais de trinta opções cursos de pós-graduação em cinco áreas de estudo que oferecem bolsas integrais ou parciais para brasileiros. Aulas começam no segundo semestre de 2015

Universidade de Yale, nos Estados Unidos (Foto: Divulgação)

Universidade de Yale, nos Estados Unidos (Foto: Divulgação)

Bianca Bibiano e Luana Massuella, na Veja on-line

Nessa época do ano, as principais universidades da Europa e dos Estados Unidos abrem inscrições para os processos seletivos de bolsas de estudo para cursos de pós-graduação. Os programas podem cobrir desde uma parte das despesas universitárias até os gastos pessoais do estudante durante a estadia no exterior. “As bolsas de estudos têm sido um grande atrativo para os brasileiros, que são bem recebidos nas universidades devido às suas qualificações acadêmicas, facilidade de entrosamento, perfil de liderança, iniciativa e criatividade”, diz Anna Laura Schmidt, coordenadora de projetos da Fundação Lemann, instituição que financia bolsas de estudos em universidade de ponta, como Harvard, Stanford e Yale, nos EUA.

As vantagens para a carreira do profissional que estuda no exterior vão além da formação acadêmica. “O aprimoramento do idioma, a troca de experiência com estudantes de outras nacionalidades e a vivência em outro país resultam em amadurecimento pessoal e profissional”, diz Leonardo de Souza, diretor-executivo da empresa de recrutamento de executivos Michael Page.

Além do programa Ciência Sem Fronteiras, que oferece bolsas de estudos no exterior para estudantes e profissionais das áreas de engenharia, ciências e tecnologia, a maioria das universidades na Europa e nos Estados Unidos investe em programas de internacionalização e oferece bolsas de estudos para pessoas da América Latina, África, Ásia e Oriente Médio em diversas outras carreiras. Em alguns cursos, cerca de 25% dos estudantes não são nativos.
Participar desses programas, contudo, não é tão simples. Cada universidade tem seu próprio sistema de seleção, que inclui etapas que vão desde a análise dos documentos até entrevistas pessoais ou por webconferência e que começam cerca de seis meses antes do início do curso. Para ajudar estudantes na procura por uma bolsa, o site de VEJA fez uma seleção de 30 cursos de mestrado, doutorado e MBA que oferecem bolsas integrais ou parciais.

Como se inscrever — A inscrição para os programas de bolsa é feita em duas etapas paralelas: a admissão na universidade e a obtenção da bolsa. Isso porque as bolsas são ofertadas por fundações ou grupos de apoio que financiam estudos, como a Fundação Lemann e o Instituto Ling, ambos brasileiros. Além disso, também é possível concorrer pelo processo interno nas universidades, que oferecem bolsas parciais de acordo com o currículo do candidato.

Para ser selecionado na universidade, o primeiro passo é escolher um curso de interesse. No mapa elaborado por VEJA.com, é possível escolher programas de bolsas de estudo em cinco áreas: negócios, saúde, educação, direito e ciências humanas. Depois, é preciso saber qual curso se enquadra melhor no perfil do candidato. Para isso, basta clicar no nome da universidade no mapa. No site de cada universidade, o candidato encontra informações detalhadas sobre as áreas de estudo priorizadas em cada instituição de ensino e sobre os programas de pesquisas em andamento.

Os processos seletivos são feitos apenas pela internet. Para isso, serão necessários: cópias digitalizadas de diploma universitário; histórico do curso com as notas obtidas em cada disciplina; documentos pessoais; currículo e cartas de recomendação, em inglês, de profissionais ou professores universitários; e certificado de fluência em inglês, que pode ser TOEFL ou IELTS, dependendo da universidade.

É importante atentar para o período de inscrição para envio de toda a documentação necessária. As entrevistas pessoais ou por telefone e outras solicitações serão feitas nos meses seguintes, após o fim do prazo. “Diferente da pós-graduação no Brasil, em que existe uma seleção quantitativa para seleções de bolsas de estudo, no exterior a seleção é mais qualitativa, baseada nos objetivos do profissional, no histórico acadêmico e na sua capacidade de mostrar liderança”, explica Anna Laura. As entrevistas são usadas para detalhar esses aspectos e para comprovar a fluência em inglês do candidato.

Feira divulga vagas na Europa — Entre os dias 29 e 30, os interessados em estudar na Europa podem entrar com em contato com representantes de  diversas universidades na feira Euro-Pós, que acontece no Centro de Eventos São Luiz, em São Paulo. Promovida pelas instituições de fomento ao ensino superior da França (Campus France), Alemanha (DAAD – Serviço Alemão de Intercâmbio Acadêmico) e Holanda (Nuffic – Organização Neerlandesa para a Cooperação Internacional no Ensino Superior), o evento contará com a participação de países como Bélgica, Dinamarca, Finlândia, França, Reino Unido, Irlanda, Hungria, Suíça, Holanda, Alemanha e Itália.

“Será uma oportunidade para que os estudantes interessados em cursos superiores na Europa conheçam mais sobre a instituição onde desejam estudar. Serão 85 expositores entre universidades europeias e instituições oficiais de informação”, afirma Silvia Bauer, coordenadora de marketing do Serviço Alemão de Intercâmbio Acadêmico. A feira tem entrada gratuita e fica aberta das das 14h às 19h. Para mais informações, acesse o site do evento.

Ex-jogadora de vôlei diz que teve pedido de bolsa de estudos recusado

Aluna de educação física da Unip, Ida publicou desabafo no Facebook.
Unip atende alunos carentes pelo Prouni e diz não ter bolsa para ex-atletas.

Paulo Guilherme, no G1

A ex-jogadora de vôlei Ida (Foto: TV Globo/ Reprodução)

A ex-jogadora de vôlei Ida (Foto: TV Globo/
Reprodução)

A ex-jogadora de vôlei Ana Margarida Álvares, a Ida, medalha de bronze nos Jogos Olímpicos de Atlanta, em 1996, publicou na sua página no Facebook um post relatando dificuldades e reclamando de não ter conseguido obter uma bolsa de estudos da faculdade Universidade Paulista (Unip), onde cursa o primeiro ano de educação física na unidade Cidade Universitária, Zona Oeste de São Paulo. A mensagem ganhou grande repercussão nas redes sociais e entre os esportistas.

“Agora que parei de jogar, fui atrás de aprimorar conhecimentos para ampliar minha área de atuação no mercado de trabalho e, mesmo tendo o Cref (certificado em educação física), não fui aceita como bolsista na Unip”, escreveu Ida. “Defendi como jogadora de vôlei, por pelo menos cinco anos, o Colégio Objetivo (da Unip). É triste ver que depois de toda essa dedicação para o esporte, não temos sequer apoio para começar um novo caminho.”

O diretor-geral da Unip, José Augusto Nasr, disse que a instituição oferece bolsas de estudos pelos programas oficiais do Ministério da Educação para alunos carentes, o Prouni (bolsas de estudo) e o Fies (financiamento estudantil), com mais de 50 mil estudantes atendidos. Tem também um programa de bolsas para alunos que são atletas em atividade e competem pela Unip. “Em relação à ex-jogadora Ida, caso ela queira comprovar a situação de carência, a universidade se dispõe a estudar sua situação”, disse o diretor.

Sem trabalho

Ida, de 48 anos, tem em seu currículo, além do bronze nas Olimpíadas de 1996, uma medalha de prata no Mundial de 1994 e no Pan-Americano de 1991. Ela defendeu a seleção brasileira feminina de vôlei por 12 anos.

A ex-jogadora disse ao G1 que fez vestibular no início do ano e entrou em educação física na Unip. Pagou a primeira mensalidade, de R$ 450, e a partir daí passou a buscar contato para obter uma bolsa de estudos. Ela disse que frequentou todas as aulas e fez todas as provas e está com mensalidades em atraso.

A ex-jogadora de vôlei Ida postou um desabafo no Facebook (Foto: TV Globo/Reprodução)

A ex-jogadora de vôlei Ida postou um desabafo
no Facebook (Foto: TV Globo/Reprodução)

“Estou sem trabalho. Dou aulas de vôlei para quatro alunos no Clube Pinheiros. Isso não paga minhas contas. Não estou pedindo a bolsa porque sou a Ida do vôlei, mas porque eu preciso e porque acho que é justo”, disse. “Que universidade não gostaria de ter uma atleta olímpica na sala de aula?”

Ida explicou que depois que parou de jogar recebeu um registro provisório para poder dar somente aulas de vôlei, mas precisa se formar em educação física para ter uma atividade regulamentada em academias e clubes se fizer o bacharelado, ou como professora, caso faça o curso de licenciatura.

Ida alertou que muitos atletas olímpicos passam a ter dificuldades financeiras quando param de jogar. “Joguei até 37 anos. Jogar vôlei é muito fácil, a gente vive dentro de uma bolha com todo apoio possível. O problema é quando para de jogar. A maioria não tem faculdade. Então resolvi fazer educação física. E é justamente nessas horas que a gente mais precisa que as instituições viram as costas.”

A ex-jogadora explicou que o dinheiro que ganhou com o ensaio para a revista Playboy, em 1996, ela usou para comprar a casa própria. “O dinheiro que ganhei na vida inteira não dá para viver com as contas que tenho”, disse a ex-atleta.

Sobram bolsas para brasileiros em Harvard e no MIT

0

Instituições disponibilizam 1.400 bolsas de estudo para doutorado. Inscrições vão até setembro e é não preciso ter feito mestrado para se candidatar

Universidade Stanford, nos Estados Unidos, é uma das instituições que oferece bolsas de doutorado a brasileiros (Divulgação)

Universidade Stanford, nos Estados Unidos, é uma das instituições que oferece bolsas de doutorado a brasileiros (Divulgação)

Publicado por Veja

Universidades de ponta dos Estados Unidos – como Harvard, Stanford e Columbia -, e o Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) estão oferecendo a estudantes brasileiros 1.400 bolsas de estudo para doutorado completo. Os benefícios são financiados pelo governo federal, por meio do programa Ciência Sem Fronteiras (CsF), e a expectativa é que encontrem interessados até 2015.

Apesar do convênio do governo brasileiro com as universidades americanas ter sido firmado em abril de 2012, a falta de divulgação da oportunidade levou a Laspau, entidade vinculada à Harvard e responsável pela concessão das bolsas, a realizar uma visita ao país na quarta-feira.

“Trata-se de um acordo histórico, sem precedentes. Os estudantes brasileiros precisam saber que eles podem estudar nas melhores universidades norte-americanas”, afirmou Angélica Natera, diretora adjunta da Laspau, durante agenda de reuniões com parceiros institucionais em São Paulo.

Mesmo exigindo que os estudantes tenham apenas diploma de graduação nas áreas prioritárias do CsF – Engenharia, Tecnologias e Saúde -, e bom nível de inglês, somente pouco mais de cem candidatos foram pré-selecionados até o momento. A meta do programa é que outros 400 estudantes sejam aprovados neste ano.

Segundo Angélica, a baixa demanda pelas bolsas pode ser justificada pelo desconhecimento de muitos estudantes de que nos Estados Unidos é possível se candidatar diretamente para o curso de doutorado mesmo tendo apenas o diploma de conclusão do ensino superior. Ou seja, não é necessário cursar primeiro o mestrado. As inscrições dos interessados em concorrer bolsas de estudo para ingresso em 2014 vão até setembro e podem ser feitas pelo site da Laspau (www.laspau.harvard.edu).

Go to Top