Primeiro dia da 2ª fase da Fuvest 2015 foi exigente, segundo professores

Tema da redação foi considerado bom e contemporâneo

Carolina Vellei, no Guia do Estudante

Neste domingo (4), os candidatos selecionados para a segunda fase do vestibular da Fuvest 2015 fizeram provas de português e redação. Para os professores, a Fuvest manteve o nível exigente de outras edições e mostrou que candidato deveria ter profundo conhecimento das obras literárias da lista de leituras obrigatórias para responder bem às questões.

“Só quem leu os livros conseguiria responder de fato as questões da prova, não bastava apenas ter lido resumos ou assistido a videoaulas”, explica Luís Ricardo Arruda, coordenador do Anglo Vestibulares. Para ele, além de exigir uma leitura interpretativa das obras aos estudantes, a prova também pedia uma base de conhecimentos sobre o contexto histórico das livros. Por exemplo, na questão número 8 os estudantes precisaram relacionar correntes filosóficas e científicas da época em que Memórias Póstumas de Brás Cubas foi escrito com o conceito de Humanitismo, “sistema de filosofia” presente no livro. Para o professor Célio Tasinafo, diretor pedagógico do cursinho Oficina do Estudante, essa pergunta, assim como outras da prova, exigiam uma boa preparação do aluno: “A prova não foi difícil, mas foi bem feita e exigente”.

Sobre a redação, os professores elogiaram o tema “Camarotização: a segregação da sociedade”. “A redação teve um tema bem específico, mas com base em uma questão que é bem discutida no Brasil”, diz Tasinafo. O professor de redação do Anglo Vestibulares, Aníbal Telles, concorda sobre a abordagem de uma proposta contemporânea. “Não foi um tema óbvio, foi um tema interessante e do universo cultural do candidato. Embora o tema seja atemporal, os exemplos que poderiam ser usados na argumentação poderiam ter sido recentes, dados a partir do cotidiano do estudante”, entende Telles. Como exemplo, o professor cita alguns pontos que poderiam ter feito parte da abordagem do estudante: “Poderiam ter falado dos ‘rolezinhos’ que ficaram famosos no começo de 2014, quando jovens de classes menos privilegiadas começaram a ocupar locais que antes eram frequentados apenas por pessoas mais abastadas como símbolo de contestação e até mesmo ter falado da resistência recente de moradores de Higienópolis em aceitar uma estação de metrô e ciclovias no local com medo de uma ‘invasão’ de pessoas mais pobres”.

O maior risco, na prova de redação, é a fuga do tema, segundo os professores. “É o maior problema a pessoa fugir do tema e não ler os textos de apoio apresentados e colocar o que está na cabeça”, argumenta o coordenador Arruda. “Era preciso seguir a diretriz da coletânea e do tema proposto, sem fugir para outras questões, como por exemplo abordar apenas a distribuição de renda como assunto central da redação”, comenta Tasinafo.

Segunda fase continua nesta segunda-feira (5)

Para o segundo dia, que terá 16 questões sobre as disciplinas do núcleo comum obrigatório do Ensino Médio (História, Geografia, Matemática, Física, Química, Biologia, Inglês e questões interdisciplinares), Tasinafo espera uma prova mais trabalhosa do que hoje. “É o dia com maior número de questões, mas com o mesmo tempo dos outros dias. O ideal é que o aluno saiba controlar bem o tempo”, aconselha o professor.

A segunda fase da Fuvest 2015 termina na terça-feira (6), com 12 questões de duas ou três disciplinas incluindo questões interdisciplinares, de acordo com a carreira escolhida.

Provas de habilidades específicas

Para os candidatos de Música (Ribeirão Preto), Artes Cênicas, Curso Superior do Audiovisual, Arquitetura e Design, o vestibular continuará com as provas de habilidades específicas entre os dias 7 e 9 de janeiro de 2015.

Resultado

A primeira lista de aprovados no vestibular 2014 da Fuvest poderá ser consultada em 31 de janeiro.