Para Christian de Sena, o cubo mágico ajudou em sua capacidade de raciocínio (Foto: Luís Broleze/Oficina do Estudante)

Para Christian de Sena, o cubo mágico ajudou em sua capacidade de raciocínio (Foto: Luís Broleze/Oficina do Estudante)

Thiago Varella, no UOL

Nesse mês, 62 pessoas se reuniram em um colégio na cidade de Campinas (SP) para participar de um dos principais campeonatos de cubo mágico do país, o Open Cubo Mágico Oficina 2015. No total, foram disputadas 18 categorias diferentes. O campeão na principal delas, a 3x3x3, que consiste em determinar quem resolve um cubo mágico de três fileiras e três colunas no menor tempo, foi o catarinense Christian de Sena, de 18 anos.

Engana-se quem pensa que o rapaz faz o estilo nerd, de óculos de aro grosso e boletim repleto de notas dez. Sena não era da turma da frente no colégio. Muito pelo contrário, tinha uma dificuldade tremenda em acompanhar a turma. Tanto que no 2º ano, ficou de recuperação final em seis disciplinas.

Por coincidência, foi neste ano que o jovem começou a participar de competições de cubo mágico. Aos poucos, conforme ia se apaixonando pela atividade, Sena foi melhorando na escola. Se livrou de repetir de ano e ingressou no 3º e último ano. Ao final de 2014, o rapaz já era um dos melhores do país no cubo mágico e acabou ficando de exame em apenas uma matéria, segundo ele, “do professor mais rigoroso de todos”.

“Sem dúvida, o cubo mágico ajudou minha capacidade de raciocínio. Gradualmente, conforme fui ficando melhor no cubo, fui melhorando minha performance na escola”, contou. “Mas, não sou o típico participante de campeonatos de cubo mágico. Até que me dou bem em matemática, mas não gosto. Não é minha praia. Sou mais fã de biologia e sociologia”, completou.

Agora, Sena trabalha como assistente operacional em uma empresa têxtil de Blumenau (SC), onde vive. Ele sonha em estudar comércio exterior na universidade. Como, onde ele mora, o curso só está disponível em faculdades privadas, o rapaz ainda precisa juntar dinheiro para ser capaz de pagar todo o estudo. Enquanto isso, segue trabalhando e se dedicando ao cubo mágico.

Atualmente, Sena é o 2º melhor competidor sul-americano na categoria 4x4x4 (de cubos de quatro fileiras e quatro colunas) e está na 83ª posição do ranking mundial. Para melhorar sua posição, disputa campeonatos por todo o país. Em Campinas, para gastar o menos possível, contou com a ajuda de amigos.

“No total, desembolsei R$ 450. Mas fiquei na casa de um dos vários amigos que fiz neste universo do cubo mágico. O bom é que sempre uma pessoa ajuda a outra. Somos unidos”, contou.

Começo

O campeão começou a resolver cubo mágico por causa de um colega de escola. Um dia, o amigo levou o brinquedo para a escola e desafiou Sena. “Eu só sabia resolver uma face e achava impossível completar o cubo todo. Meu amigo resolveu em apenas cinco minutos e me ensinou o básico. Baseado nisso, fui atrás de tutoriais na internet”, explicou.

Em uma pesquisa na internet, Sena descobriu a WCA (World Cube Association), o órgão internacional que regulamenta os campeonatos de cubo mágico em todo o mundo. Finalmente, em outubro de 2013, o jovem tomou coragem, chamou o irmão e encarou uma viagem de carro para Novo Hamburgo (RS) para disputar seu primeiro campeonato. Ganhou duas medalhas e nunca mais parou.

“Desde então fui participar dos torneios mais importantes. Neste ano, vou disputar o mundial, em São Paulo e, em 2017, pretendo sair do país para disputar o outro mundial”, afirmou.

O Campeonato Mundial de Cubo Mágico, diferentemente da Copa do Mundo de futebol, é organizado de dois em dois anos. Em comum com o torneio mais popular do planeta é que o Brasil vai sediar o campeonato de 17 a 19 de julho, no Colégio Etapa, em São Paulo. Outra infeliz coincidência é que aqui os alemães também são excelentes. Assim como os asiáticos e norte-americanos. Mas o 7 a 1, ufa, deve passar longe desta vez.

Sucesso

Segundo Rafael Cinoto, um dos organizadores do torneio de Campinas, o Open Cubo Mágico Oficina 2015 foi um sucesso. O campeonato reuniu aficionados por cubo mágico de todo o país e até uma estrangeira, que veio da Colômbia participar.

“O torneio superou minhas expectativas, nunca teve tanta gente de longe participando, veio gente do Ceará, Goiás, Santa Catarina e gente do interior de São Paulo até bem distante, como São José do Rio Preto. A disputa na final foi muito boa, não só da categoria principal, mas em várias categorias, como por exemplo na categoria em que um competidor tentou e acertou a resolução de nove cubos de olhos vendados em apenas 50 minutos”, contou.

Os próximos campeonatos podem ser acompanhados no site da Associação Mundial de Cubo Mágico (https://www.worldcubeassociation.org). Antes do Mundial, ainda serão realizados um campeonato em Brasília (DF) (22 a 24 de maio), um em Santarém (PA) (20 de junho) e mais um em São Paulo (4 e 5 de julho).

“Este último terá a maior premiação em dinheiro da história dos campeonatos brasileiros, com mais de R$ 2.000 em prêmios para os campeões e recordistas”, afirmou Cinoto.