Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged Castro

Em entrevista, Caio Castro diz que só lê “por obrigação”

0

Caio-CastroTítulo original: Entrevista de Caio Castro causa revolta na classe artística

Leo Dias, em O Dia

Repercutiu mal no meio artístico a entrevista que Caio Castro deu a Marília Gabriela no canal pago GNT. Na conversa, o ator disse que não gosta de ir ao teatro e lê por obrigação, para estar “antenado” quando alguém lhe fizer alguma pergunta. Ingrid Guimarães — atriz premiada no teatro — usou sua rede social para criticar a posição do colega de profissão (veja o post ao lado). Ingrid não cita Caio nominalmente, mas quem assistiu ao programa sabe de quem ela está falando:

caio1

“Me espanta ver como alguns jovens atores se distanciam cada vez mais da essência da profissão e fazem dela um grande negócio. São eles que vão influenciar os outros jovens falando sobre glúten e whey-protein nas redes sociais. São eles que vão provar que nesta profissão é melhor abrir casas noturnas e restaurantes do que perder um fim de semana de sol num teatro”, escreveu a atriz.

O post de Ingrid ganhou apoio de vários colegas de palco, entre eles Pedro Paulo Rangel e até do autor e diretor Miguel Falabella. “Esse tipo de gente não interessa e ponto. Você só erra quando o chama de ator, querida. Não é ator. É desinibido”, escreveu Falabella.

caio2

caio3

 

Nordeste é região com mais bolsas do governo federal

0

Ciência sem Fronteiras concedeu, até agosto, 547 bolsas para cada 100 mil universitários nordestinos, contra 509 no Sudeste. Especialistas acreditam que medida ajudará a internacionalização das universidades locais e incrementará o repertório

Victor Vieira, no Estadão

Historicamente menos prestigiado nas políticas de ensino superior, o Nordeste enviou o maior número de graduandos para o exterior pelo programa Ciência Sem Fronteiras, em relação ao número de estudantes da região. Até agosto, o governo concedeu 547 bolsas para cada 100 mil universitários nordestinos, contra 509 no Sudeste. As bolsas oferecidas pelo Brasil somam quase 37,8 mil – das 101 mil prometidas até 2015.

Especialistas apontam que ainda é cedo para determinar impactos no desenvolvimento científico-tecnológico das instituições nordestinas. A expectativa mais imediata é de que as bolsas favoreçam a internacionalização das universidades locais e incrementem o repertório dos estudantes.

“Não dá para quantificar os resultados. Mas é uma mudança que amplia os horizontes dos alunos, com um custo que não é alto”, avalia Cláudio de Moura Castro, especialista em Educação.

Para o professor de Economia da Universidade de Brasília, Jorge Nogueira, é razoável atender Estados que concentram menos recursos. “A tendência de redistribuição do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) começou há quase 40 anos. Se considerarmos somente o número de pesquisadores e publicações científicas, o eixo Rio-Minas-São Paulo leva a maioria dos incentivos.”

Outra aposta é que a vivência dos estudantes no exterior qualifique o mercado de trabalho regional. “Eles se formarão como profissionais mais competitivos”, prevê a diretora de relações internacionais da Universidade Federal de Pernambuco, Maria Leonor Maia.

Oportunidades. Aluna de Engenharia de Materiais na Universidade Federal do Sergipe (UFS), Silmara Caldas, de 23 anos, ficou seis meses nos EUA. “A UFS não oferecia muitas bolsas antes do Ciência Sem Fronteiras e viajar por conta própria seria complicado.” Ela gostou tanto do intercâmbio que pretende repetir a dose: se inscreveu em outro edital do programa para uma pós em Bioengenharia.

Recém-chegado da Holanda, Clécio Santos, de 22 anos, também elogia a experiência. “Comparando o que existe lá com nossa realidade, ficamos com vontade de fazer mais pelo País, de mexer na sociedade”, diz o estudante de Ciência da Computação da Universidade Federal da Bahia, que também cogita um mestrado no exterior.

Ressalvas. O físico Martin Makler, do Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas, afirma que a falta de critérios na seleção das universidades estrangeiras participantes pode reduzir os benefícios para a região. “É melhor enviar o aluno para a USP do que para uma instituição estrangeira medíocre”, defende.

Procurados, o CNPq e a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), órgãos responsáveis pelo programa, não informaram se há critérios que privilegiam a concessão de bolsas em alguns Estados.

Porta dos Fundos lança livro com base em seus roteiros

0

1

Thalles Libânio, no Vá ler um livro

O canal online, Porta dos Fundos, com temática humorística, já tem estimativa de ganho de, aproximadamente, R$ 3 milhões, só neste ano, através de participações em filmes, campanhas publicitárias e programas de TV.

Portas dos Fundos é um grupo que reúne tudo de mais criativo, por exemplo, eles produzem conteúdo audiovisual voltado para a web, com liberdade editorial de internet e qualidade de TV.

Tem como elenco: Antônio Pedro Tabet, Clarice Falcão, Fábio Porchat, Gabriel Totoro, Gregorio Duvivier, Gustavo Chagas, João Vicente de Castro, Julia Rabello, Leticia Lima, Luis Lobianco, Marcos Veras, Marcus Majella e Rafael Infante.

Entre suas conquistas, mesmo com menos de um ano de existência, a Porta dos Fundos venceu o prêmio de Melhor Programa de Humor para TV, da APCA (Associação Paulista de Críticos de Arte), e foi o primeiro canal brasileiro a atingir a marca de 1 milhão de inscritos em um curto período de tempo.

O grupo divulga mais uma grande novidade. Os roteiros dos vídeos serão adaptados em livro, através da Editora Sextante. Os roteiros já confirmados são: Na Lata, Traveco da Firma, Término de Namoro e Entrevista de Emprego. A adaptação terá 240 páginas e com data de lançamento para quarta-feira, 07 de agosto, com noite de autógrafos, dos integrantes, na Livraria Cultura do Conjunto Nacional, São Paulo.

Escola tem biblioteca e laboratório de informática fechados para alunos

1

Estudantes reclamam que computadores foram trocados e novos livros chegam, mas entrada não é permitida por falta de profissional responsável em unidade em São Paulo

Cinthia Rodrigues, no IG

A escola estadual Aristides de Castro, no Itaim Bibi, bairro nobre de São Paulo, tem sala de leitura e laboratório de informática, mas alunos que estudam no local há quatro anos reclamam que nunca frequentam os ambientes. Apesar de bem equipadas, as salas estão proibidas aos estudantes porque não há um profissional responsável pelo local.

De acordo com os estudantes, novos computadores chegaram a unidade que, segundo dados informados pela Secretaria Estadual de Educação ao Censo Escolar em 2012, já contava com laboratório de informática com internet banda larga de 10 megas. “A gente voltou a perguntar e os professores dizem que a diretora já mandou mil pedidos para o governo e nenhum foi atendido em anos”, diz Suzane Melo, de 14 anos (de agasalho no vídeo ao lado da amiga Luana Costa, 13 anos).

Ela está no 9º ano (antiga 8ª série), estuda ali há 4 anos e acha que vai se formar no ensino fundamental e deixar a escola sem nunca ter usado os equipamentos. “A biblioteca é a mesma coisa. Todo ano chegam vários livros, fica tudo novinho lá parado”, lamenta. Segundo ela, os professores se mostram preocupados com o aprendizado e muitos trazem material próprio de casa. “É uma escola boa por eles, mas a própria professora diz que em 10 anos que está aqui nunca viu usarem o laboratório.”

O colega Rodrigo Ramos, 14 anos, mora em Paraisópolis, mas em vez das escolas do próprio bairro perde cerca de uma hora e meia de ônibus escolar diariamente para ir até a Aristides de Castro. “Minha mãe fez questão de procurar uma escola melhor. Pelo menos, os professores não faltam, mas tem muitos problemas. Mesmo coisas que estão lá, não estão disponíveis para usar”, reclama.

Todas as escolas com computador

Dados do Censo Escolar mostram que as escolas públicas já têm mais computadores do que a rede particular . Pesquisa do Comitê Gestor da Internet no Brasil de 2010 realizada em 497 instituições de ensino em regiões urbanas do Brasil já mostrava que 100% das unidades têm computador. A consulta informava que a falta de uso estaria ligada ao pouco conhecimento sobre tecnologia dos educadores. Para os alunos da Aristides, no entanto, é a burocracia que atrapalha. “Nossos professores chegam a recomendar e mesmo orientar o uso de computador para pesquisa fora da escola, mas eles dizem que o laboratório daqui precisa de um responsável”, lamenta Suzane.

Às 16h45, a Secretaria de Educação enviou a seguinte nota: “A Secretaria da Educação do Estado de São Paulo informa que encaminhará uma equipe de supervisores para averiguar a situação da Escola Estadual Aristides de Castro apontada pela reportagem para que sejam adotadas as providências cabíveis”

Os 6 livros que descomplicaram a história do Brasil em 2012

0

Desvendar a história do Brasil não precisa ser algo enfadonho nem acadêmico, como demonstram os livros a seguir, que deram ar de novo a velhos momentos da sociedade brasileira e podem ser a leitura das férias

Marco Prates na revista Exame

São Paulo – Já faz alguns anos os leitores brasileiros descobriram que História não se aprende apenas na escola ou com emburradas obras acadêmicas.

Já é moda por aqui – com razoável participação entre os livros mais vendidos – o lançamento de obras cuja função é desvendar um episódio ou um personagem de relevo para a história do Brasil, mas que não esquecem que uma das razões de um livro, não se pode negar, é ser também uma boa leitura.

É uma boa oportunidade de usar as férias para conhecer mais sobre o próprio país.

 Livro "Getúlio"

Getúlio

Não é que falte material sobre o “pai dos pobres” no Brasil. O que falta são páginas preenchidas sem a indeliberada paixão que seu nome ainda causa, quando se misturam a figura do estadista, do modernizador e do ditador. Com vasta pesquisa, o cearense Lira Neto, autor de várias outras biografias, mescla na obra o cenário político e o personagem, sempre com inúmeras fontes de informação. Este volume vai do nascimento de Getúlio até a chegada ao poder, em 1930. Mais dois volumes estão a caminho.

Getúlio – Dos anos de formação à conquista do poder
Autor:
 Lira Neto
Companhia das Letras

 

 Livro "A Carne e o Sangue"

A Carne e o Sangue

Não há melhor maneira de conhecer a história do primeiro reinado do Brasil do que inserindo nele um complicado triângulo amoroso. É exatamente isso que faz a historiadora Mary del Priore, hoje dedicada a fazer obras históricas mais palatáveis sobre diferentes momentos da história do país. “A carne e o sangue” narra a saga da relação entre o primeiro imperador brasileiro, Dom Pedro I, sua amante, Domitila de Castro Canto e Melo, conhecida como marquesa de Santos, e a Imperatriz Leopoldina. O livro mostra como a mais famosa das amantes da história do país balançou a monarquia brasileira.

A Carne e o Sangue – A imperatriz D. Leopoldina, D. Pedro I e Domitila, a Marquesa de Santos
Autora: 
Mary del Priore
Rocco

(mais…)

Go to Top