Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged Cezar

Pesquisas apontam Machado de Assis como o autor brasileiro mais estudado

0

Marco Rodrigo Almeida, na Folha de S.Paulo

O Itaú Cultural divulgou no fim da tarde desta quarta (dia 3), na Flip (Festa Literária Internacional de Paraty), novas pesquisas sobre o estudo da literatura brasileira, aqui e no exterior.

A doutoranda da Universidade de Brasília (UnB) Laeticia Jensen Eble mapeou os escritores nacionais mais citados nos trabalhos de doutores em literatura brasileira no país. A pesquisa teve como base os currículos disponibilizados na plataforma Lattes, banco de dados mantido pelo CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico), de 2.176 pesquisadores.

Como a edição da “Ilustrada” desta quarta já havia antecipado, Machado de Assis lidera a lista com 122 citações.

Movimentação na tenda Flipinha em Paraty durante a Flip

Movimentação na tenda Flipinha em Paraty durante a Flip

Flip – 1º dia

Depois dele, nos primeiros cinco lugares, surgem Guimarães Rosa (100 citações), Clarice Lispector (63), Graciliano Ramos (54) e Mário de Andrade (44).

Entre os autores vivos, Milton Hatoum é o mais citado, com 22 menções, à frente de Rubem Fonseca (20), Manoel de Barros (18) e Chico Buarque (13).

A pesquisa identificou 477 autores diferentes. As mulheres são uma parte quase ínfima do grupo –apenas 21%. Depois de Clarice, Cecília Meireles (16º lugar, com 20 menções) é a segunda mulher mais lembrada.

NO EXTERIOR

O professor da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) João Cezar de Castro Rocha apresentou uma pesquisa semelhante, só que realizada com 224 pesquisadores que vivem no exterior.

Também neste grupo Machado lidera, com 135 menções. Depois estão Clarice (117), Rosa (102) e Jorge Amado (82).

Castro Rocha chamou a atenção para as diferentes posições ocupadas por Amado nas duas listas –ele é o quarto na dos pesquisadores que vivem no exterior e o 19º na dos brasileiros.

“Isso ocorre porque, nos anos 1940 e 1950, Jorge Amado foi fundamental para a difusão da literatura brasileira no mundo. Mesmo que aqui no Brasil não seja mais tão estudado hoje, permanece como um símbolo da literatura brasileira no exterior”, comentou o professor.

Castro Rocha também destacou que, proporcionalmente, pesquisadores estrangeiros citam mais autores contemporâneos do que os pesquisadores brasileiros ou residentes no Brasil.

“Para o pesquisador que se encontra fora do Brasil, a atualização é um valor em si. Já para os pesquisadores daqui, dedicar-se aos cânones é uma forma mais segura para conseguir fundos de pesquisas”, afirmou.

FEIRAS LITERÁRIAS

O jornalista Felipe Lindoso apresentou dados sobre a proliferação de feiras literárias no Brasil nos últimos anos.

O portal da Biblioteca Nacional, comentou, tem 261 feiras registradas país.

Lindoso apontou a mudança de perfil desses eventos. Até o final dos anos 1990, as feiras eram majoritariamente encontros comerciais, voltadas para a venda de livros.

Nos últimos anos, contudo, ganharam relevo os debates e a troca de ideia entre o público e os escritores.

“E de 2001 em diante, surgiram depois os festivais literários –Flip, Fliporto, Fórum das letras— nos quais a venda de livro é secundária”, afirmou.

Luiz Ruffato relacionou esse crescimento das feiras literárias à profissionalização da carreira de escritor.

“O ano da primeira Flip, 2003, é para mim um ano marcante da profissionalizaçãoda profissão de escritor. Foi quando eu larguei o jornalismo para me dedicar apenas à literatura”, explica.

“Há dez anos vivo como escritor profissional. Vivo de cachê de festival, júri de concursos literários. Vivemos um momento muito interessante. Antes eu era um dos poucos casos. Hoje sou só mais um dos casos.”

INTERNET

Fábio Malini, professor de jornalismo da Universidade Federal do Espírito Santo, apresentou uma pesquisa sobre a presença da literatura brasileira na internet, em especial no Facebook e no Twitter.

Nas redes sociais, Caio Fernando Abreu, Clarice e Carlos Drummond de Andrade são os campeões de popularidade.

Clarice, por exemplo, tem 743 mil “fãs” no Facebook. Caio tem 373 mil e Drummond, 108 mil.

A lista no Twitter é liderada por Paulo Leminski, autor que alcançou a lista de mais vendidos com “Toda Poesia”

O cruzamento dos dados indica que fãs de Clarice tendem a ser fãs de Caio também. Representam um grupo mais heterogêneo, com usuários de perfis diferentes “curtindo” os dois autores.

Já os que preferem Leminski e Machado formam um grupo mais homogêneo e especializado nesses dois escritores, com pouca relação com outros assuntos das redes sociais.

Professores veem como protestos no país podem cair no vestibular

0

Manifestações podem ser ligadas a Revolta do Vintém, caras-pintadas e privamera árabe no Enem 2013 ou Uerj
Movimentos em épocas e países distintos têm elementos em comum com atual, mas é preciso observar diferenças também

Nas ruas. Manifestação contra o aumento da passagem de ônibus, em São Paulo Eliária Andrade

Nas ruas. Manifestação contra o aumento da passagem de ônibus, em São Paulo Eliária Andrade

Mariana Moreira, em O Globo

RIO — Um grupo de manifestantes se reúne em São Cristóvão para protestar contra o preço do transporte público e do alto custo de vida no Rio. A frase anterior poderia se referir aos protestos que começaram na semana passada. No entanto, é o resumo da “revolta do vintém”, de 1878, um dos assuntos que podem vir a ser abordados do 2º exame de Qualificação da Uerj e do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem 2013), como avalia Cezar Menezes, professor de História do Colégio e Curso GPI. Assim como a revolta, temas como a primavera árabe, a passeata dos cem mil, o impeachment de Fernando Collor, em 1993, e a participação dos jovens na política pela redes sociais podem ser abordados tanto em questões como em temas de redação, apontam professores.

Na revolta do vintém, um grupo de revoltosos se reuniu próximo ao Palácio de São Cristóvão para exigir a dimuição da taxa de vinte réis dos bondes.

— Embora a gente saiba que o movimento em si não esteja ligado ao aumento das passagens, é bem possível que relacionem um evento ao outro. Ambos são movimentos espontâneos das massas e os dois expõe uma repulsa à associação aos partidos políticos. No final do século XIX, o partido republicano tentou liderar o movimento – explicou o professor.

Márcio Branco, professor de História do Colégio e Curso Pensi, observou que o Enem não tem uma banca fixa, o que dificulta traçar um panorama sobre a possível abordagem da temática na prova de ciências humanas. Ao contrário da banca da Uerj, formada por cinco professores que moram no Rio de Janeiro, explica ele.
Branco aponta que há grandes chances de ter uma questão que trace um paralelo entre as manifestações que estão ocorrendo no país com a primavera árabe, iniciada em 2010 na Tunísia. Ele diz, no entanto, que as semelhanças não vão muito além do caráter de organização dos jovens por meio das redes sociais e da ausência de líderes políticos.

— Os movimentos somente porque surgiram nas redes sociais. No mundo árabe as manifestações tinham um alvo que eram um governos ditatorais. O movimento que vemos hoje nas ruas tem questões pontuais que afetam diretamente o cotidiano como a corrupção, as tarifas de impostos e o gasto com os grandes eventos – avaliou o professor ao comentar também que a participação dos jovens “caras pintadas” do impeachment contra o presidente do Collor também pode ser lembrado, mas aponta as diferenças — Aqui não há nenhuma reivindicação de destituição de poder. E na época, estudantes da União Nacional dos Estudantes estavam articulados com o Partidos dos Trabalhadores (PT), hoje não há articulação política.

Além das possíveis abordagens em questões, os professores também apontaram aspectos das manifestações que valem ser criticados e refletidos pelos estudantes porque podem ser tema de redação. Menezes avalia que o eixo central da discussão é a difusão das lideranças e a falta de partido político.

— Acho que o mais importante, embora ainda estejamos vivendo ainda o movimento, é prestarmos atenção ao comportamento dos jovens, que tem mostrado demandas reprimidas, cansados da apatia política. Gerações anteriores, bem ou mal, tiveram o apoio do PT. Essa perda de referência política e como governos de diversos países vem lidando com isso pode ser tema de redação.

Câmara dos Deputados vai debater correção de redações do Enem

0

Reunião foi motivada após uma série de reportagens do GLOBO mostrar erros graves de Português em provas com nota máxima e inserções indevidas como o aluno que escreveu uma receita de miojo
Com a presença do presidente do Inep, Luis Cláudio Costa, critérios de avaliação de redações serão questionados por deputados e professsores

Redação do Enem em que um candidato ensina como preparar miojo Reprodução

Redação do Enem em que um candidato ensina como preparar miojo Reprodução

Lauro Neto e Leonardo Vieira, em O Globo

RIO – Parlamentares, professores, linguistas e gestores da educação no Brasil vão se reunir nesta quinta-feira (09), às 10h, na Comissão de Educação da Câmara dos Deputados para debaterem os métodos de avaliação de redações do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

Intitulada “Os Critérios de Correção das Redações do ENEM 2012”, a audiência foi convocada pelo deputado federal Raul Henry (PMDB-PE) em março, após uma série de reportagens do GLOBO mostrar erros graves de Português em testes com nota máxima e inserções indevidas como um aluno que escreveu uma receita de miojo no texto e tirou nota acima da média. O evento será aberto ao público.

Um dos convidados para o evento é o presidente do Inep, Luis Cláudio Costa, que já confirmou presença. Em artigo publicado no GLOBO no mês passado, Costa considerou a polêmica de “bom debate”, e problematizou a questão do rigor da avaliação quanto à norma culta:

“(…) boas redações, nas quais, em cerca de 30 linhas, o estudante demonstra domínio da língua escrita, revelando que as exigências da norma padrão foram incorporadas a seus hábitos linguísticos, devem ser punidas por desvios que não se repetem ao longo do texto?”

Outro convidado que comparecerá à audiência é o professor Cláudio Cezar Henriques, da Uerj. O docente adiantou que vai defender a norma culta e combater o conceito de variantes linguísticas no ensino médio, onde o uso de expressões regionais e coloquiais seria aceitável no momento da correção de redações.

– Vou abordar exatamente a necessidade de se valorizar a língua escrita padrão, ou seja, aquela que é prestigiada pela sociedade letrada. Essa língua padrão pode ser exemplificada nos textos científicos que os estudantes terão de ler e escrever na vida acadêmica – e depois na vida profissional -, mas também na vida comum de pessoas que pretendam desfrutar dos bens culturais da sociedade em que vivem, desde os mais populares até os mais sofisticados – explicou Henriques.

Quem concorda com o professor é o deputado Raul Henry, responsável por convocar a audiência. O parlamentar disse que vai usar as reportagens do GLOBO como argumento para defender a norma culta. Segundo ele, na época da divulgação dos erros de correção das redações do Enem, houve deputados que denunciaram um “preconceito linguístico” ao não dar nota máxima a estudantes que cometeram deslizes de gramática.

– Não se trata de uma prova de poesia popular e regional. Eu mesmo sou fã de Luiz Gonzaga, mas esse não é o caso. Línguagem oral é diferente da linguagem escrita, e o que o Enem avalia é a escrita. O que queremos é que o Inep reconheça que errou e corrija o erro – disse o parlamentar.

Quadrinista Lourenço Mutarelli lança obra bancada por fãs

0

Páginas de um dos cadernos de esboços que Lourenço Mutarelli lança em São Paulo

Márcio Padrão, na Folha de S.Paulo

Autor em evidência no país nos quadrinhos e na literatura, Lourenço Mutarelli é um dos novos adeptos da via do “crowdfunding”.

O autor de “O Cheiro do Ralo” –que virou filme em 2007– conseguiu arrecadar verba para seu próximo projeto graças a contribuições de fãs no site Catarse.

O box “Lourenço Mutarelli – Sketchbooks” é uma seleção de cinco cadernos que reúnem insights e desenhos de seu processo criativo.

O projeto é da editora Pop, que pediu R$ 38 mil no site, a serem captados em 45 dias, e obteve mais de R$ 44 mil. O lançamento será hoje, com palestras e exposição de trabalhos de Mutarelli.

O projeto foi orçado em mais de R$ 90 mil, mas, segundo os editores, o valor pedido foi suficiente para viabilizar a produção –cobrindo a fotografia dos “sketchbooks” (escanear os esboços poderia danificá-los), textos, tradução (será uma edição bilíngue) e papel.

O box contém ainda um sexto volume, com ilustrações e texto do autor, dos editores e de Arnaldo Antunes.

LABORATÓRIO DE IDEIAS

A relação de Mutarelli com os cadernos de esboço começou em 2006, quando passou um mês em Nova York.

O objetivo era usá-los temporariamente, para não carregar o laptop em seus passeios pela cidade, mas acabou tornando-se um hábito.

“Embora eu precise muito dos cadernos para criar coisas, penso neles mais como um laboratório de ideias. É uma mistura de diário com coisas ‘nonsense'”, diz ele.

Roger Bassetto e Cezar de Almeida, editores da Pop, tiveram o primeiro contato com esses “sketchbooks” quando um deles foi utilizado para ilustrar um trabalho para a Companhia das Letras, atual editora do artista.

Empolgados, conceberam o projeto e tentaram levantar fundos via patrocínio comum por quase um ano, sem obter sucesso.

“Meu editor até ofereceu o projeto para a Companhia, mas disseram que não era o perfil deles”, diz Mutarelli, que havia experimentado um “embrião” do projeto quando a Pop o convidou para a coletânea “Sketchbooks – As Páginas Desconhecidas do Processo Criativo”, de 2010.

Tendo como lema “alimento para mentes criativas”, a Pop nasceu da experiência de seus fundadores com a livraria e galeria Pop, que funcionou de 2006 a 2010.

“Existe um interesse da editora pelo processo criativo. Reparamos que o nosso mercado não abordava bem isso”, diz Bassetto.

A primeira reação de Mutarelli sobre o “crowdfunding” foi de ceticismo: achava o valor a levantar alto para o meio. Mas o retorno o surpreendeu. “Soube que algumas pessoas tentaram contribuir depois que a arrecadação foi encerrada”, conta.

Agora, após essa primeira empreitada financiada por fãs, demonstra ânimo. “Achei maravilhoso e tentador. Tenho muita vontade de lançar coisas mais artesanais neste formato”, conclui o autor.

Livros que compõem “Lourenço Mutarelli – Sketchbooks”

Go to Top