Contando e Cantando (Volume 2)

Posts tagged Charles Perrault

Coleção Clássicos Autêntica apresenta contos de fadas em versões integrais

0

As mais belas histórias reúnem textos de Andersen, Irmãos Grimm e Perrault

Publicado no Jornal do Brasil

Com o sucesso das recém-lançadas edições de Pollyana e Pollyana Moça, a Autêntica decidiu apostar em seu antigo projeto de publicar de clássicos infantis e juvenis criando a coleção Clássicos Autêntica. Os próximos lançamentos para este ano são dois volumes de As Mais Belas Histórias, antologias de uma das formas literárias mais importantes de todos os tempos: os contos de fadas.

Para Sonia Junqueira, editora de infantis e juvenis da Autêntica, a leitura desses textos ajuda na formação do leitor e na compreensão da vida, porque mostram a superação de medos e aflições, o perdão, o enfrentamento de situações de perigo, auxiliando na definição da estrutura psíquica do leitor infantil. “Estamos animados em publicar essa linha: títulos excelentes, que estão no imaginário das pessoas, com o habitual cuidado e rigor na tradução e na edição dos textos aliados ao cuidado gráfico, num projeto que investe num visual clássico com “pegada’vintage”, declara.

Reunindo textos conhecidos de Hans Christian Andersen, dos Irmãos Grimm e de Charles Perrault, os livros trazem versões integrais das histórias que circulam pelo mundo como clássicos por excelência. O primeiro volume conta com 14 títulos bastante conhecidos, como A bela adormecida, O gato de botas e O patinho feio. Já o segundo volume traz 7 textos, entre eles Cinderela, A Pequena Sereia, A rainha da neve e João e o pé de feijão, o único não recontado por nenhum dos três autores e sim pelo escritor e folclorista australiano Joseph Jacobs.

1404-20161017142734

De acordo com Antonieta Cunha, especialista em leitura e literatura para crianças e jovens que apresenta os dois volumes, são textos para todas as idades: a leitura dos contos de fadas pelos adultos, por exemplo, permite que cada um revisite sua infância e se lembre das emoções vividas, enquanto essas narrativas são (re)contadas ou (re)lidas. “O que todas essas histórias possuem – indefectivelmente – é um elemento mágico, o maravilhoso, responsável por um dom extraordinário, que “põe as coisas em ordem”: os inocentes e os injustiçados, os pobres desprezados acabam vencendo”.

1405-20161017142857

Para 2017, estão previstos os títulos Heidi, clássico infantil de Johanna Spyri, em tradução de Karina Jannini; Alice no País das Maravilhas e Alice Através do Espelho, traduzidos por Márcia Soares Guimarães; O Mágico de Oz, por Luis Reyes Gil; Peter Pan, por Cristina Antunes; Tarzan, por Márcia Soares Guimarães, e Viagens de Gulliver, por Maria Valéria Rezende, vencedora do Prêmio Jabuti 2015 nas categorias “romance” e “livro do ano de ficção” .

Sobre os autores:

Hans Christian Andersen nasceu na Dinamarca do século XIX, era de família pobre e, na infância, não teve muitas oportunidades de estudar. Mesmo com todas as dificuldades, acreditou em seu talento para as artes e se dedicou à poesia e à escrita de histórias infantis, que se tornaram clássicos da literatura para crianças e jovens e são lidas e apreciadas até os dias de hoje.

Jacob e Wilhelm Grimm nasceram na Alemanha do século XVIII; os irmãos, ambos acadêmicos, linguistas, poetas e escritores, deram grandes contribuições à língua alemã. Dedicaram-se ao registro escrito de fábulas infantis populares e são famosos até hoje pelas histórias que compilaram e que se tornaram clássicos da literatura infantil e juvenil.

Charles Perrault é conhecido como “pai da literatura infantil”. Foi um escritor e poeta francês do século XVII. Registrou as histórias que ouvia de sua mãe no livro Contos da Mamãe Gansa, primeira publicação do gênero conto de fadas. Foi também advogado e membro da Academia Francesa de Letras.

O verdadeiro conto da Bela adormecida

0

KA-BelaAdormecida-Destaque-620x400

Publicado no Kalango Atômico

O conto original de A Bela Adormecida (Belle au bois Dormant) foi escrito pelo francês Charles Perrault em 1697 e depois ganhou uma versão linda e romântica que foi para os filmes da Disney publicada pelos Irmãos Grimm, mas em 1634 um cara chamado Giambattista Basile publicou uma história mais ou menos parecida Sol, Lua e Tália) que foi a inspiração de Perrault e do conto que conhecemos, por isso menininhas, antes de ficarem fantasiando com historietas de príncipes encantados vamos a verdade dos fatos, a versão da Disney a Bela adormecida carrega o nome de Aurora, eu sei porque eu tenho uma prima de 4 anos que me fez assistir esse filme 3 trilhões de vezes com ela, já nessa versão ela tem nome e é Tália e não recebeu maldição alguma, ela simplesmente cumpre uma profecia lá, a que foi destinada, o que acontece na verdade é que uma farpa de linho enfeitiçado entra por debaixo da unha dela e ela cai dura e morta, o que é um tópico relevante na história, o bonito do rei, simplesmente pega uma cadeira de veludo chique e linda comprada no liquida etna do palácio, tranca o local, pega o beco para sempre, para esquecer suas tristezas, vai para far far away e deixa Tália ali forever alone.

1145621

Beleza, até aí tudo bem, o problema é que do nada surge um príncipe que estava caçando dentro do palácio e encontra Tália ( nunca vi ninguém caçar dentro de um palácio, mas tudo bem), ele se apaixona pela sua beleza, tenta acorda-la, não acordou , o cara vai lá e estupra a mulher, o mundo já está perdido, se essa moda pega, acabou de vez e se você acha isso sinistro espere para ver os próximos capítulos porque se você achava que o príncipe encantado era tudo de bom, se prepare para o pior, porque isso não acaba por aí, as coisa ainda vão ficar pior e uma coisa eu te digo, bem pior, sabe porque, porque o príncipe além de ter estuprado Tália ainda a engravidou e ainda continuou indo lá por 9 meses ( oi ? Produção? Corta para 16 Percival!), se bem que já vi histórias bem parecidas o Big Brother Brasil é mais ou menos parecido com essa história, então eu não duvido de nada, então a Bela adormecida acabou sendo uma espécie de boneca inflável do príncipe. Enfim, como ela engravidou, como os bebês nasceram, não me pergunte, só sei que li em alguns textos que eles eram gêmeos e que o parto foi normal, até porque nessa época cesariana era impossible, como? I don’t know, não sei mesmo, eu só sei que uma das vezes que o bebê foi mamar ( detalhe, ela produzia leite), o baby chupou o seu dedo, e tirou a farpa e a louca acordou, só sei que quando ela viu que tinha dois filhos e que tinha sido estuprada, não fazia ideia do que tinha acontecido, acho até que o mito da cegonha pode ter surgido daí, mas ela não falou nada, não surtou, nem nada, só sei que o príncipe simplesmente voltou um dia, pra dar uns pegas nela e encontrou Tália acordada, olhando aquilo tudo resolveu assumir tudo e é a partir daqui que a história tem dois finais.

Príncipe Safadão

Príncipe Safadão

 

Um dos finais eles dois casam e o príncipe não pode levar Tália nem os filhos para o castelo pois sua mão era uma Ogra e tinha o hábito de comer qualquer ser infantil que aparecesse em sua frente, no dia que ele resolve leva-los a sogra manda o cozinheiro fazer um banquete com seus netinhos lindos e fofos, mas ele faz o coração de um cabrito no lugar e a sogra descobre e decide então comer a nora que consegue fugir com seu marido, o príncipe fica puto com a mãe e manda matá-la. Um verdadeiro conto de fadas não é mesmo?!Já em outra versão quem passa a régua na princesa que vive dormindo é o rei, que é casado com uma rainha ciumenta:

O rei, acreditando que ela dormia, chamou-a. Mas, como ela não voltava a si por mais que fizesse e gritasse, e, ao mesmo tempo, tendo ficado excitado por aquela beleza, carregou-a para um leito e colheu dela os frutos do amor, e, deixando-a estendida, voltou ao seu reino, onde por um longo tempo não se recordou mais daquele assunto. Depois de nove meses, Tália deu à luz a um par de crianças, um menino e uma menina, duas jóias resplandecentes que, guiadas por duas fadas que apareceram no palácio, foram por elas colocados nos seios da mãe. E uma vez que as crianças, querendo mamar, não encontravam o mamilo, puseram na boca justamente aquele dedo que tinha sido espetado pela farpa e tanto o sugaram que acabaram por retirá-la. Subitamente pareceu a Tália ter acordado de um longo sono;

Sendo assim a rainha queria comer os dois filhos bastardos do rei, manda buscar Tália para lança-la ao fogo, mas o rei chega a tempo e lança a própria esposa no lugar de Tália e passa a viver com ela e os filhos. Toda história tem um ensinamento e o dessa é nem sempre é muito legal ser uma princesa da Disney a menos que você saia ganhando alguma coisa nessa história.

Sheila Lima

Três lições de moral dos contos de fadas que precisam ser repensadas

0
Chapeuzinho Vermelho é uma das histórias mais conhecidas de Perrault (Foto: Wikimedia / Carl Larsson)

Chapeuzinho Vermelho é uma das histórias mais conhecidas de Perrault (Foto: Wikimedia / Carl Larsson)

 

Claudia Fusco, na Galileu

Há 388 anos, nascia Charles Perrault, um dos escritores de contos de fadas mais influentes da humanidade. Perrault cresceu rodeado pela alta sociedade francesa e seus contos, muitos deles releituras bastante editadas de histórias orais da tradição europeia, são conhecidos até hoje, como Gato de Botas, Chapeuzinho Vermelho, Cinderela e Bela Adormecida.

Perrault era um homem bastante poderoso de seu tempo: há até quem compare sua influência como autor de histórias infantis a Walt Disney. Suas histórias ditavam os costumes da burguesia europeia que estava em ascensão; serviam como “guia de comportamento” para as crianças da época. Ainda que muito dessas morais tenha se perdido no tempo ou se transformado, contos de fadas são pistas da mentalidade humana de cada época e sabedorias universais. Por isso, o The Guardian fez uma lista com três lições que persistem nos contos de fadas tradicionais, mas devemos contestar (e, quem sabe, reciclar):

Primeiras impressões (não) são tudo – e são importantes

Um bom exemplo disso é A Bela e a Fera, do próprio Perrault. Sem o amor de Bela, que transforma o monstro em um belo (e bastante conveniente) príncipe, não enxergaríamos a Fera como um príncipe. Contudo, a história original termina de um jeito um tanto quanto polêmico: apesar da garota poder voltar para ver sua família, a besta impõe condições e regras o tempo todo, nunca a deixando totalmente livre. Como diz o Guardian, “é basicamente uma síndrome de Estocolmo em forma de conto de fadas”.

É claro que as morais da época eram diferentes; Bela fica muito agradecida com o acordo e isso só faz com que se apaixone ainda mais pelo monstro. Mas é fato que a natureza cerceadora da Fera sempre esteve lá – e nem mesmo a mágica do amor pode mudar isso.

Você (não) deve mudar para conquistar o seu final feliz

Quando lemos ou assistimos à Bela e a Fera, fica claro que o monstro só se transformou para se tornar um par ideal para a garota. Perrault era um grande defensor da moral burguesa – e a Fera só merece realmente o amor de Bela, a jovem praticamente perfeita em todos os sentidos (diligente, próxima à família, obediente e sem grandes arroubos de personalidade), quando se molda à mesma moral. O monstro lentamente se torna mais afável e, eventualmente, um candidato mais respeitável ao amor da futura princesa.

Ainda que muitos contos de fadas sejam únicos e originais, a repetição da fórmula “belo príncipe + bela princesa se apaixonam” já cansou. Por mais garotos e garotas imperfeitos nos contos de fadas modernos! As adaptações recentes da Disney dos contos de fadas teriam grandes oportunidades de mudar esse cenário – mas muitos deles apenas repetem o que foi estabelecido por Perrault no passado.

(Não) espere a fada madrinha mudar sua vida

Tanto na versão de Perrault de Cinderela quanto na dos Irmãos Grimm, que veio duzentos (!) anos depois, a história é a mesma: a jovem (e bela) garota de bom coração é, de certa forma, salva por algo externo. Mas enquanto a “Cendrillon” de Perrault é ajudada por uma fada madrinha que surge espontaneamente, a “Aschenputtel” dos Grimm é salva por um pássaro branco, que é atraído por conta de uma árvore da qual a Cinderela alemã sempre cuidava (logo, mais uma prova de seu bom coração).

Na versão dos Grimm, a jovem pelo menos é mais ativa em sua própria felicidade. Não é o ideal; princesas de contos de fadas modernos da Disney, como Merida e Mulan, lutam pela própria felicidade e por aquilo que consideram correto. É isso que se espera dos novos contos de fadas: releituras que conversem mais com aquilo que, hoje, acreditamos como moral.

Qual o verdadeiro significado dos contos de fadas?

0

Qual o verdadeiro significado dos contos de fadas?

, na BBC Brasil

Era uma vez um estúdio de animação chamado Walt Disney Company, que lançou um feitiço que o permitiu assumir o controle do reino dos contos de fadas e se tornar uma corporação de mídia multinacional maior que o pé-de-feijão de João.

Desde então, gerações de crianças de todo o mundo cresceram assistindo a versões animadas de histórias que durante séculos não estavam nem no papel, e muito menos vinham acompanhadas de uma infinidade de brinquedos caros.

Malévola, a mais recente aposta da Disney na caixa registradora das bilheterias, tenta recuperar o lado negro da história da Bela Adormecida. Com um orçamento de mais de US$ 175 milhões, o filme traz Angelina Jolie no papel da fada má cuja perversidade é realçada por chifres, vestidos vampirescos e bochechas pontiagudas. A narrativa é contada sob o ponto de vista dessa sedutora anti-heroína, e descreve como um coração puro se transformou em pedra por causa de uma dura traição.

Os contos de fadas eram lendas contadas verbalmente. Em seu ensaio Breaking the Disney Spell, o professor de literatura Jack Zipes afirma que essas narrativas abordam temas como “iniciação, adoração, informação e doutrinação”. Por isso, se caracterizam por uma simplicidade superficial. São apenas histórias, livres de passagens descritivas e monólogos interiores, e povoadas por personagens que podem parecer unidimensionais. Os bonzinhos são sempre bonzinhos e os malvados, malvados. As imagens que essas fábulas conjuram costumam ser pouco sofisticadas e suas descrições beiram o banal: florestas são densas, princesas são bonitas e por aí vai. Como definiu o escritor Philip Pullman, “não há psicologia em um conto de fadas”.

Bem, diga isso a Freud ou a Jung. As histórias podem até não ter uma psicologia explícita, mas observe mais de perto e verá que seus traços psicológicos são difíceis de serem ignorados.

Pense no uso de sonhos em A Bela Adormecida. E isso é apenas o começo no que se refere a essa fábula, em particular. A princesa virginal, a picada da agulha, a cerca espinhosa que brota em torno da jovem e que floresce para o príncipe: a história está embebida em simbolismo psicológico. Se a roca simboliza a penetração, o sangue derramado sugere a menstruação e a cerca viva é a vagina. Uma vagina com dentes pronta para emascular qualquer príncipe que tentar atravessá-la apressadamente.

Para analistas, 'A Bela Adormecida' traz uma série de simbolismos sexuais

Para analistas, ‘A Bela Adormecida’ traz uma série de simbolismos sexuais

Os contos de fadas mais conhecidos hoje foram recolhidos e recontados em livros por entusiastas como os Irmãos Grimm, E.T.A. Hoffman e Hans Christian Andersen. Ao fazer isso, esses autores codificaram histórias que sempre foram fluidas, passando de uma pessoa a outra, e ganhando ou perdendo detalhes a cada nova narrativa, como em uma brincadeira de telefone sem fio. Mas, uma vez que passaram a ter uma existência escrita, tornaram-se textos que especialistas podiam analisar. E para Freud e Jung, eram tão produtivas quanto a Galinha dos Ovos de Ouro.

Os dois tinham suas teorias sobre por que essas histórias ressoam tão profundamente na psique humana. Para Jung, os personagens são arquétipos, e o motivo pelo qual parecem unidimensionais é porque cada um representa diferentes facetas de nossas personalidades. Para Freud, os contos de fadas têm origem no mesmo lugar que os sonhos, e imagens como florestas e espinhos indicam desejos reprimidos e fantasias não-realizadas. E sendo Freud quem era, tudo tem um fundo sexual.

As ideias de Freud influenciaram fortemente o psicólogo austro-americano Bruno Bettelheim, cujo livro A Psicanálise dos Contos de Fadas se tornou um sucesso no fim dos anos 70. Suas visões continuam populares até hoje, definindo metamorfoses, como a transformação do sapo em príncipe e da menina em pássaro, como uma alusão ao distúrbio da personalidade múltipla, ou ainda as tarefas impossíveis enfrentadas pelos protagonistas como exemplos das relações ambíguas encontradas em famílias problemáticas. Isso sem falar nas figuras paternas dos contos de fadas, geralmente homens fracos, monstruosos ou simplesmente ausentes.
Clássicos recontados

É sempre animador ver essas histórias surradas pelo tempo serem usadas como ponto de partida para novas narrativas, como Malévola.

Michael Cunningham, ganhador do prêmio Pulitzer por As Horas, faz uma referência a Hans Christian Andersen no título de seu mais novo romance, The Ice Queen, que conta a história de um músico batalhador, seu irmão gay e sua namorada terminal. O próximo livro de Cunningham, que deve ser lançado em 2015, reúne histórias curtas que recontam as fábulas mais tradicionais.

“Aqueles que cresceram assistindo às versões da Disney muitas vezes se assustam ao ver tanta morte e violência nos contos originais, e que foram cortadas das animações comerciais. Os contos de fadas são, na realidade, bem obscuros, intensos e estranhos”, diz o escritor.

Se voltar às origens é perturbador, as fontes que as inspiraram deveriam vir com alertas. Charles Perrault é o responsável por boa parte do que conhecemos hoje de A Bela Adormecida, mas sua primeira inspiração foi uma fábula italiana na qual uma jovem virgem cai em um sono tão profundo que não acorda nem ao ser estuprada por um rei que passava pelo local, engravidar e dar à luz gêmeos. Ela só desperta quando um dos bebês acidentalmente suga seus dedos em vez de seu peito. Uma cena forte o suficiente para mandar um leitor desavisado para a terapia.

Go to Top