Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged Chuck Palahniuk

Chuck Palahniuk | Autor de Clube da Luta lança livro de colorir para adultos

0

baitheader

Bait reúne 8 contos de escritor

Caio Soares, no Omelete

Conhecido por grandes livros como Clube da Luta, Sobrevivente e No Sufoco, Chuck Palahniuk resolveu embarcar nos livros de colorir. Porém, não é um livro como outro qualquer. O escritor se uniu com ilustradores da Dark Horse Comics para criar Bait, coletânea de 8 contos voltados para um público adulto, com histórias bizarras e imagens ainda mais perturbadoras.

Em entrevista à CBR.com, o autor conversou sobre o curioso processo de criação do novo projeto. “Este deve ter sido o livro mais fácil de ser feito de todo o mercado. Terminei as histórias em abril e levei para a Dark Horse. Sugeri alguns ilustradores, mas alguns desistiram, temendo que este projeto fosse atrapalhar a carreira deles”, revelou.

Bait não é o primeiro projeto ilustrado de Chuck Palahniuk. Clube da Luta 2, retorno do autor à história que o consagrou há 20 anos, foi lançado como graphic novel. O livro foi lançado no Brasil pela LeYa. A editora também está preparando uma edição comemorativa do primeiro Clube da Luta, que sairá pelo selo LeYa/Omelete.

O Clube da Luta, versão Jane Austen

0

Uma releitura feminina e vitoriana da história de Tyler Durden.

Publicado por El Hombre

O livro Clube da Luta, que inspirou o filme com Brad Pitt e Edward Norton, foi escrito em 1996 por um rapaz chamado Chuck Palahniuk. Mas e se a história tivesse sido escrita no século XVIII por Jane Austen? Provavelmente o resultado seria algo parecido com o vídeo acima.

1

Que tal migrar a brincadeira para uma banheira de gelatina, garotas?

Conheça 13 conselhos do transgressor Chuck Palahniuk sobre escrever

0

“Escreva os livros que você deseja ler”

Guilherme Carmona, no Literatortura

Nos últimos vinte anos, poucos autores têm dado socos na mente do leitor como Chuck Palahniuk o fez. Com um estilo pontuado por frases curtas e uma linguagem feroz e irônica, a prosa do autor brinca constantemente com inversões no tempo da narrativa e explora temáticas controversas, anárquicas e, por vezes, violentas. As atmosferas por ele criadas parecem oscilar entre o bizarro e o cômico, e são palcos onde a sociedade de consumo e a alienação dela proveniente são os principais objetos de crítica. Seu trabalho mais conhecido é o livro Clube da Luta, que a adaptação para o cinema em 1999 veio a consagrar como fenômeno cult. Palahniuk gosta de intitular seu trabalho de Ficção transgressional, ou transgressiva.

Além do trabalho autoral, o escritor e jornalista Chuck Palahniuk frequentemente compartilha seu bocado de experiência com os leitores por meio de ensaios, palestras e workshops. O autor começou a carreira por volta dos 30 anos, quando passou a frequentar uma oficina literária liderada pelo escritor Tom Spanbauer. Na época, Palahniuk só conseguia escrever durante seus períodos de tempo livre, pois trabalhava como mecânico para uma empresa fabricante de veículos. Além disso, foi difícil encontrar quem publicasse seus primeiros trabalhos, muitas vezes taxados como perturbadores.

Este conjunto de conselhos do autor parte de uma coleção de 36 ensaios datados de 2005. A despeito de a produção literária tratar-se de um processo muito particular, Chuck Palahniuk consegue abordar, no apanhado de dicas a seguir, assuntos cotidianos de um escritor, como o público, a solidão, o experimentalismo, a necessidade de paixão e envolvimento com seus livros.

Abaixo segue o trabalho de Chuck, traduzido exclusivamente para vocês:

1

“Vinte anos atrás, uma amiga e eu fomos até o centro de Portland no Natal. As grandes lojas de conveniência: Meier & Frank… Frederick & Nelson… Nordstroms… cada uma das grandes vitrines exibia uma cena simples, bonita: um manequim vestindo roupas ou uma garrafa de perfume de pé sobre a neve falsa. Mas as janelas na loja J.J. Newberry, droga, elas eram abarrotadas com bonecas e ouropel e espátulas e kits de parafusos e travesseiros, aspiradores de pó, cabides de plástico, gerbils, flores de seda, doces – você entende o que quero dizer. Cada um das centenas de objetos diferentes era tabelado com um círculo descolorido de papelão. E, caminhando por lá, minha amiga, Laurie, deu uma longa olhada e disse, “A filosofia de decoração de janelas deles deve ser: ‘se a janela não parecer bem o bastante – coloque mais’.” (mais…)

Go to Top