Posts tagged Cidades

Documento inédito revela ‘desgraça’ de Maquiavel

0

Publicado por BBC Brasil

Ordem de prisão de Maquiavel levou a sua detenção, tortura e influenciou obra do autor, diz analista

Ordem de prisão de Maquiavel levou a sua detenção, tortura e influenciou obra do autor, diz analista

Um professor da Universidade de Manchester (Grã-Bretanha) anunciou ter descoberto a versão original de uma ordem de prisão do escritor e filósofo Nicolau Maquiavel (1469-1527), autor do famoso livro O Príncipe.

O professor Stephen Milner explicou à BBC ter encontrado o documento, datado de 1513, durante suas pesquisas para entender como as informações circulavam nas cidades da época.

E a ordem pela prisão de Maquiavel foi dada há exatos 500 anos na cidade de Florença, onde o pensador, então influente e ativo na diplomacia da época, foi acusado de fazer parte de uma suposta conspiração para derrubar a facção Medici do poder.

O aviso de “procurado” colocou-o como “inimigo público número 1”, marcou sua “desgraça” e acabou sendo muito importante para a obra de Maquiavel, segundo Milner. No mesmo dia, diz o professor, o pensador acabou sendo detido, torturado e mantido em prisão domiciliar.

“O documento marcou a desgraça de um dos escritores políticos mais influentes do mundo”, relata o professor. “O Príncipe foi escrito (no mesmo ano) na vã esperança de (Maquiavel) cair nas graças e obter emprego com os Medici – mas não há nenhuma prova de que eles sequer o tenham lido.”

Clássico

Maquiavel morreu 14 anos depois, na pobreza.

Mas O Príncipe se tornou um clássico e até hoje influencia líderes, “pregando o sacrifício da virtude e da moralidade pela manutenção do poder a todos os custos”, ressalta a Universidade de Manchester.

“(A obra) foi atualizada para ser aplicada em áreas como bancos, finanças, negócios e política.”
Daí vem o termo “maquiavélico”.

Para Milner, O Príncipe é um “manual atemporal de auto-apresentação e de gerenciamento de reputação pessoal”.

Aluno de 11 anos finge sequestro para evitar reunião de pais

0

Publicado no UOL

Na Espanha, um garoto de 11 anos fingiu seu sequestro para evitar que os pais comparecessem a uma reunião escolar. A farsa envolveu cerca de cem guardas civis e durou duas horas, segundo o jornal espanhol “La Voz de Galicia”.

O incidente aconteceu no município de Xinzo de Limia, na província de Ourense. Para que os pais não descobrissem suas notas baixas, o menino decidiu criar uma história.

Durante a tarde, quando foi levar o lixo para fora, ele pegou o celular e as chaves de um outro apartamento da família que estava vazio e saiu. Do apartamento vazio, o garoto enviou uma mensagem de texto para seu pai avisando que fora sequestrado.

Em um segundo SMS, dizia que estava dentro de um carro Seat azul. O pai, guarda civil, ligou para o filho que disse chorando estar dentro do porta-malas de um carro em movimento.

Em busca do Seat azul, foram mobilizadas a guarda civil do município e das cidades vizinhas, além da polícia rodoviária. De acordo com o jornal espanhol, especialistas em sequestro já estavam no caminho de Madrid a Xinzo de Limia quando o menor foi localizado.

Após quase duas horas de agonia, o pai deu falta das chaves de seu outro apartamento, no mesmo condomínio, e foi verificar se o menino ali estava. Ao descobrir a farsa, o pai avisou aos guardas e levou o filho ao quartel.

Livros ‘invadem’ praias do litoral paulista no verão

0

Cassiano Elek Machado, na Folha de S.Paulo

A livraria tem 170 cavalos de potência, seis marchas, freio com discos ventilados e seis rodas a disco de aço. Além, claro, de “Cinquenta Tons de Cinza”, “Ágape” e mais de 2.000 títulos.

Instalada no cangote de um caminhão-baú, a Livraria Móvel da Editora Unesp, a primeira do gênero no país, começou a operar há dez dias, no litoral de São Paulo.

Estará hoje na praia de Pitangueiras, no Guarujá. Mas amanhã, pega a estrada. Só volta a operar, na praça da Alegria, em Boiçucanga, em São Sebastião, no dia 6.

A loja ambulante é criação do presidente da Editora Unesp, o professor de filosofia José Castilho Marques Neto, 59, que desenhou pessoalmente o projeto.

“É comum no mercado editorial criticarmos a falta de livrarias. Resolvemos criar uma que possa ir atrás dos leitores”, diz Castilho.

Alessandro Shinoda/Folhapress
Livraria-caminhão da Editora Unesp na praia de Pitangueiras, no Guarujá, litoral sul de SP
Livraria-caminhão da Editora Unesp na praia de Pitangueiras, no Guarujá, litoral sul de SP

Após as operações-piloto no litoral de São Paulo, a livraria irá atrás dos leitores que frequentam os campi da própria Unesp. Fará um tour pelas 24 cidades onde atua a universidade. Em julho, ela deve estacionar no inverno de Campos do Jordão.

Com uma área de 20 m², a livraria-caminhão tem até vitrine e consegue receber 20 clientes ao mesmo tempo.

Em suas estantes, desenhadas de modo a não terem de ser desmontadas a cada viagem, estão livros universitários, mas também obras convencionais, como os best-sellers de tinturas eróticas ou espirituais, os mais vendidos nos primeiros dias da loja.

Dica do Chicco Sal

Pesquisa aponta que belo-horizontinos são os que mais leem no país

0

A capital mineira ficou empatada com Porto Alegre. Em seguida vem Brasília

Publicado no Primeira Edição

Os moradores da capital mineira aproveitam o tempo livre para aguçar a cultura. Foi isso que apontou a pesquisa Ibope divulga neste ano. O estudo avaliou, entre julho de 2011 e agosto de 2012, a parcela dos brasileiros que leram algum livro nos últimos 30 dias. Belo Horizonte e Porto Alegre se destacaram como as cidades com o melhor índice apurado (41%), seguida de Brasília.

Ao todo, foram realizadas 20.736 entrevistas com pessoas de ambos os sexos das classes A, B, C e D, e E com idades entre 12 e 75 anos. O estudo foi realizado nas regiões metropolitanas de São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Curitiba, Belo Horizonte, Salvador, Recife, Fortaleza, Brasília e nos interiores de São Paulo e das regiões sul e sudeste. A representatividade é de 49% da população brasileira entre 12 e 75 anos, ou 71 milhões de pessoas.

No Brasil, 33% dos entrevistados declararam ter lido algum livro no período, sendo que 53% afirmaram ler com frequência e 47% disseram que só o fazem às vezes. Dentre outros resultados, a pesquisa aponta que as mulheres são maioria no grupo de leitores do país (60%); a maior parte dos leitores pertence às classes AB (54%); as pessoas de 25 a 34 anos são as que mais leem (22%); e 25% dos leitores têm o ensino superior completo.

Bibliotecas mineiras

Em Minas Gerais, há 839 escolas públicas cadastradas em 801 municípios. A Biblioteca Pública Estadual Luiz de Bessa, em Belo Horizonte, conta com o maior acervo de Minas Gerais, com mais de 250 mil exemplares, entre livros jornais e revistas.

Na capital mineira, os moradores contam com o carro-biblioteca, da Secretaria de Estado da Cultura, que atende a seis bairros de Belo Horizonte e Região Metropolitana por semana, sendo um por dia. A iniciativa disponibiliza, de forma itinerante, mais de 3 mil obras entre livros, revistas e jornais para leitura e pesquisa.

Manoel de Barros comemora 96 anos hoje

0
1

Imagem: Skoob

Publicado por Perfil Universitário

O poeta Manoel de Barros completa nesta quarta-feira, 19 de dezembro, 96 anos de idade. Ele é uma das grandes vozes da poesia brasileira. Seu universo não é nada urbano, o que resulta, a princípio, no efeito de estranheza para quem vive em grandes cidades.

O cenário da qual parte sua voz é o da floresta, do mato embrenhado, das extensões dos rios. A natureza é humanizada, a ponto de não a diferenciarmos do homem. O poeta se fixa nos bichos, nas plantas, nas águas e nas coisas “desimportantes”, banalidades do cotidiano, para criar uma atmosfera mágica que cativa a sensibilidade de quem lê.

Manoel Wenceslau Leite de Barros nasceu em 19 de dezembro de 1916, no Beco da Marinha, beira do rio Cuiabá. Com oito anos foi para o colégio interno em Campo Grande e depois para o Rio de Janeiro. Não gostava de estudar até descobrir os livros do padre Antônio Vieira. Em 1941 formou-se em Direito, mas desistiu da profissão talvez por timidez e nervosismo.

Filiou-se à Juventude Comunista. Preso durante uma pichação em pleno Estado Novo, livrou-se da cadeia quando a dona da pensão em que morava, pediu para qaue não levassem o menino que havia escrito um livro. O livro que não foi publicado, mas salvou-o da prisão foi “Nossa Senhora de Minha Escuridão”.

1

1

1

dica da Luciana Leitão

Go to Top