Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged Cima

Lena Bergstein aproxima pintura e palavra

0

Artista carioca volta ao MAM depois de 20 anos para mostrar 15 obras inéditas, entre telas e ‘livros-pinturas’ em que frases de amor são aplicadas sobre a tinta azul

Artista conta que leu texto de Walter Benjamin sobre “um horizonte azul que nunca desaparece” e decidiu adotar tal cor para suas novas criações Monica Imbuzeiro

Artista conta que leu texto de Walter Benjamin sobre “um horizonte azul que nunca desaparece” e decidiu adotar tal cor para suas novas criações Monica Imbuzeiro

Audrey Furlaneto, em O Globo

Lena Bergstein, 67 anos, acumula pilhas de cadernos de notas. Ao longo da vida, registrou trechos de textos que leu, escreveu suas próprias histórias, anotou, desenhou e, muitas vezes, pintou aquilo que viu. Ao hábito de tomar notas e criar cadernetas, soma-se o gosto pela palavra, como forma gráfica, e pelo livro, como objeto.

Dos caderninhos, do apreço pela escrita e pela pintura, nasceram as 15 obras inéditas que ela expõe agora no MAM do Rio. A artista carioca, que fez sua última individual no museu há 20 anos, abre hoje, às 16h, a mostra que leva seu nome e reforça a marca de sua produção: a relação entre texto e imagem, escrita e pintura.

Lena expõe no térreo do museu. Passada a recepção, o visitante já entrevê as grandes telas azuis que a artista criou desde 2010 especialmente para a mostra. Além das oito pinturas (em telas sem chassi, presas, nos cantos, por delicados preguinhos), há sete “livros-pinturas”, dispostos sob suportes na altura do quadril do espectador. Isso porque ele pode folhear cada um dos livros, cujas páginas são feitas de telas, quase sempre azuis e com palavras e frases em outras cores, por cima da massa azulada.

A técnica de Lena lembra a que se faz com papel carbono: ela aplica um pedaço de jornal na tela já pintada e, sobre o papel, escreve o que deseja. Em seguida, retira o papel. Trata-se de um processo de transferência, como ela define. O que resta é a tela com a palavra.

— Essa forma de trabalhar, com transferência para a tela, é também herança do meu passado gráfico — explica a artista que, nos anos 1970, estudou gravura no MAM e, diz, decidiu então seguir carreira profissional como artista plástica.

De lá para cá, fez várias mostras no exterior, como em 1986, na Galeria Segno Gráfico, em Veneza, ou em 1998 na Galeria Debret e no Salão do Livro, em Paris. Participou da Europalia em 2011, quando o festival na Bélgica foi dedicado ao Brasil.

Nas telas que criou para o MAM, há frases como “Quando dizemos eu te amo, dizemos tudo”, extraídas do livro “O amor — como é e como se faz”, do filósofo Jean-Luc Nancy.

— Queria que fosse uma exposição também sobre o amor — diz ela. — Achei esse pequeno livro do Nancy, e tinha visto um texto de Benjamin, em que ele falava de um horizonte azul que nunca desaparece. Comecei a mergulhar nesse universo azul e trabalhei como se ele fosse um universo amoroso.

A arte de fazer livro

Abertos, os “livros-pinturas” chegam a um metro de largura. As páginas ficam pesadas pela tinta carregada de pigmentos (ela gosta da ideia de muita matéria sobre a página), e o ato de folhear é um ritual lento.

— Fazer livro é algo que convive comigo há muito tempo — diz ela, que ilustrou e organizou “Enlouquecer o subjétil” (Ateliê Editorial), com texto de Jacques Derrida (1930-2004). O título ganhou o Jabuti de Produção Editorial em 1998. — Para quem gosta de escrever, era um caminho natural escrever na tela. É o lugar para relacionar a pintura e a palavra.

‘Inferno’ 4 a 1 sobre Padre Marcelo, no novo ranking dos best-sellers

0

1

Mário Magalhães, no UOL

Acaba de sair o novo ranking do Publishnews, a principal referência do mercado de livros do país. Na semana de 27 de maio a 2 de junho, a principal novidade é que “Kairós”, do Padre Marcelo, perdeu o segundo posto para “O silêncio das montanhas”, de Khaled Hosseini.

“Inferno”, romance de Dan Brown, continua tranquilo em primeiro lugar, com 23.729 exemplares vendidos na semana. “Kairós” somou 6.443. Arredondando, a média é de quatro por um. Embora faça o levantamento mais amplo, o Publishnews dá conta de 30% a 50% do total de cópias comercializadas, conforme projeções que já ouvi de editores e livreiros.

Suponho que tenham sido feitas muitas brincadeiras com o título do sucesso de Brown e o nome do Padre Marcelo, mas não resisti a perpetrar mais uma, com o “placar” lá em cima. Para conhecer a pesquisa completa do Publishnews, basta clicar aqui.

Registro obrigatório: muitos grandes livros jamais alcançaram as listas de best-sellers, que tantas vezes são ocupadas… deixa pra lá.

Aluno envolvido no “rodeio das gordas” é condenado a pagar R$ 20 mil

0

Publicado por UOL

O MPSP (Ministério Público do Estado de São Paulo) informou que um estudante envolvido na divulgação do “Rodeio das Gordas”, no campus de Araraquara da Unesp (Universidade Estadual Paulista), em 2010, foi condenado a pagar trinta salários mínimos, cerca de R$ 20 mil, por danos morais.

O dinheiro será destinado para o Fundo Estadual de Reparação dos Interesses Difusos Lesados. Segundo o MP, a ação civil pública tramitou na 2ª Vara Cível de Araraquara.

Em 2011, outros dois alunos que participaram do evento assinaram um TAC (Termo de Ajustamento de Conduta) com o Ministério Público para pagarem vinte salários mínimos a três instituições filantrópicas. Na época, o estudante condenado agora não aceitou assinar o TAC.

O caso
Os três alunos condenados por danos morais foram responsáveis pela criação da página do “Rodeio das Gordas” no Orkut, de acordo com o MP.

O “Rodeio das Gordas” foi criado durante o Interunesp (evento que reúne universitários da Unesp), realizado em Araraquara, em outubro de 2010.

O objetivo do evento era agarrar colegas, obesas, na tentativa de simular um rodeio. A competição era para ver quem ficava mais tempo em cima das garotas.

Pai de seis filhos inventa pijama que conta histórias para dormir

0
Pijama conta histórias com ajuda de smartphones e tablets Foto: Caters News/The Grosby Group / Caters News/The Grosby Group

Pijama conta histórias com ajuda de smartphones e tablets Foto: Caters News/The Grosby Group / Caters News/The Grosby Group

Publicado no Extra

Parece história para boi dormir, mas não é: um americano acaba de inventar um pijama que conta historinhas de criança.

Cada pijama vem com 47 grupos de bolinhas, e cada um forma um código diferente. Passando smarphone ou tablet em cima das bolinhas, o aparelho começa a contar a história.

“Minha esposa e eu temos seis filhos. Então sabemos da importânia das historinhas”, afirmou Juan Murdoch, 46, que na verdade trabalha como corretor na cidade de Idaho Falls, em Idaho.

Murdoch diz que o pijama é 100% de algodão e que os códigos não se apagam ao longo das lavagens.

Prateleira de Livros Invisível – Como fazer passo-a-passo

0

Publicado por Guia de Profissional

Devido ao grande sucesso do post no facebook sobre a prateleira de livros invisível (veja aqui), nós do Guia de Profissional vamos lhe ensinar passo-a-passo como fazer.

Sabe aqueles livros de cabeceira que nunca cabem na crescente pilha sobre o seu criado-mudo? Eles podem ser acomodados em outro local, ali mesmo, ao lado da cama de forma racional e divertida. Com algumas cantoneiras e um livro de capa dura que você não lê mais, é possível montar uma prateleira invisível e econômica. Veja como!

1

Materiais que você irá precisar: furadeira / três cantoneiras com base que abranja um pouco mais da metade da largura do livro / trena / broca (variável segundo o parafuso/bucha) / buchas / seis parafusos (indicamos o tamanho 8 ou 10) / fita dupla face / lápis / chave de fenda / tesoura / livro velho de capa dura.

1

1o Passo
Primeiro, marque na parede a altura máxima em que você deseja fixar a cantoneira. Esta medida corresponde à altura da base da prateleira invisível.

1

2o Passo
Marque com o lápis o posicionamento dos furos, baseando-se no padrão da cantoneira. Você deverá repetir esse processo com as outras duas cantoneiras, atentando-se ao comprimento máximo do livro. Depois de marcar, fure a parede com a ajuda da furadeira.

1

3o Passo
Insira as buchas nos orifícios e, em seguida, parafuse as cantonieras usando a chave de fenda.

1

4o Passo
As cantoneiras devem ser posicionadas desta forma.

1

5o Passo
Agora, cole a fita dupla face de grande aderência em toda a extensão das partes de baixo das mãos francesas, cortando a sobra com uma tesoura.

1

6o Passo
Depois de aplicar a fita, posicione a parte interna da capa traseira do livro até o limite da parede e pressione de baixo para cima…

1

7o Passo
… feche a o livro sobre as cantoneiras e a sua prateleira está pronta.

1

Prateleira Pronta
Veja como fica a prateleira invisível.

1

dica do Jarbas Aragão

Go to Top