Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged clássicos

Se Jane Austen tivesse uma conta no YouTube

0


x
Publicado originalmente no blog L&PM

“Sou uma universitária de 24 anos com uma montanha de dívidas em crédito estudantil morando em casa e me preparando para uma carreira. Mas para minha mãe, tudo o que interessa é que eu sou solteira. Meu nome é Lizzie Bennet e esta é a minha vida.”

Qualquer semelhança com a personagem Elizabeth Bennet, de Orgulho e preconceito, não é mera coincidência. A jovem tagarela que apresenta o vlog “The Lizzie Bennet Diaries” é a versão moderninha da personagem mais famosa de Jane Austen. Ela assume o papel de narradora, conta suas peripécias e apresenta os demais personagens, sempre com aquela ironia que os fãs dos romances de Jane Austen já estão acostumados.

Mas esta Lizzie tem algo que a personagem de Jane Austen não tem: ela pode interagir com os fãs! Neste episódio, por exemplo, ela responde as perguntas enviadas via Tumblr:

A primeira frase de Orgulho e preconceito já dá o tom do romance: “É verdade universalmente reconhecida que um homem solteiro em posse de boa fortuna deve estar necessitado de esposa.” E assim, Jane Austen conduz o leitor até o lar dos Bennet, família com cinco noivas em potencial: Jane, Elizabeth, Mary, Kitty e Lydia. Quando dois jovens distintos chegam na cidade, todas ficam em alerta: eles são solteiros, bonitos e, claro, donos de uma boa fortuna. O que poderia ser uma típica história de amor é, nas mãos de uma das escritoras de língua inglesa mais lidas do mundo, um espetáculo de grandes personagens e diálogos sagazes, com um timing perfeito para a ironia.

Editora britânica vai lançar versões erotizadas de clássicos da literatura

0

Imagem Google

Publicado originalmente no G1

A editora britânica Clandestine Classics vai lançar versões erotizadas de romances clássicos da literatura, como “Orgulho e preconceito” e livros da série Sherlock Holmes.

As novas versões contarão com passagens eróticas no meio dos textos tradicionais. A editora afirma que a ideia tem como objetivo atrair “uma nova geração de leitores”, que ainda não conhece os trabalhos clássicos.

Claire Siemaszkiewicz, gerente da Clandestine Classics, diz que sempre foi atraída pela “tensão sexual nas entrelinhas” dos antigos romances. Os livros serão lançados em versão digital no dia 30 de julho.

Não é a primeira vez que clássicos da literatura são “alterados” para atrair um público mais jovem. Em anos recentes, zumbis, monstros e vampiros foram incluídos em histórias antigas, como é o caso de “Razão e sensibilidade e monstros marinhos” e “Orgulho e preconceito e zumbis”.

5 Escritores de Terror para se ler na Sexta-feira 13

3

Publicado originalmente no Literatortura

Nesta sexta-feira 13, decidi elencar 5 escritores que conheço e recomendo para se ler na sexta-feira 13! Digo que a escolha e as posições são quase que arbitrárias, partindo, piamente do meu gosto e das minhas leituras. Portanto, você tem o pleno direito e talvez o dever de discordar haha. Vamos lá;

Júlio Cortazar

É considerado um dos autores mais inovadores e originais de seu tempo, mestre do conto curto e da prosa poética, comparável a Jorge Luis Borges e Edgar Allan Poe. Foi o criador de novelas que inauguraram uma nova forma de fazer literatura na América Latina, rompendo os moldes clássicos mediante narrações que escapam da linearidade temporal e onde os personagens adquirem autonomia e profundidade psicológica inéditas. Seu livro mais conhecido é Rayuela (O Jogo da Amarelinha), de 1963, que permite várias leituras orientadas pelo próprio autor.

(Wikipédia. Gostei tanto dessa descrição que nem fiz outra)

Edgar Allan Poe

Ah vá que a cara do literatortura não estaria aqui. Um dos maiores contistas de todos os tempos. Poe, como costumo dizer, não é apenas apreciado pela sua obra, mas é uma figura de carisma impressionante. Além de ser um dos precursores do romance policial, é simbolo puro literário da sexta-feira 13. Tanto pelos seus textos, quanto pela sua vida. É um autor mundialmente celebrado e ícone da cultura pop literária. Duvido que os leitores imaginaram que o fofíssimo Poe não estaria aqui. Há vários posts no literatortura sobre Edgar allan poe. Aqui vão alguns;
Sexta Feira 13, Edgar Allan Poe e o Medo
Edgar Allan Poe e o Gato de Botas

Stephen King

o “mestre do terror” da atualidade como é conhecido. Em uma parte da vida parecia caminhar para uma história semelhante a de Poe [entornava todas], mas se recuperou e se tornou um ícone da cultura do terror sem ser seu próprio monstro. Difícil quem nunca celebrou uma obra de King, seja nos livros ou nos filmes. As obras mais conhecidas são; Carrie, A Estranha, O Iluminado e A Procura de um Milagre. [justamente por causa de suas adaptações para o cinema]. Menção à espetacular série “A Torre Negra” [que me iniciou na literatura].

H.P LoverCraft

Um dos mais ‘míticos’ escritores. A mitologia que ronda o escritor é tão forte que alguns de seus leitores acreditam na existência do Cthulhu [ um tipo de monstro metade octópode, ser humano e dragão]. Os contos de LoverCraft são tão poderosos, que vários autores incorporarem as criações depois de sua morte. O autor é cultuado por uma legião de fãs, que talvez não seja tão grande, mas, certamente, é fiel. Ainda existem criaturas mais estranhas, poderosas, cruéis e por que não, memoráveis, como o Demônio-Sultão Azathoth. Recomendo fortemente sua obra. Difícil não se sentir fisgado pela genialidade de LoverCraft.

 

Neil Gaiman

mais conhecido como quadrinista do que escritor, sua obra de maior sucesso Sandman, que é a personificação antropomórfica do Sonho. Pode ser conhecido também como Morpheus em referência à mitologia grega. Alguns podem estranhar a presença de Gaiman aqui e perguntar porque, então, não coloquei Anne Rice. Bem, a resposta é simples; eu já li coisas de Neil. E não li nada de Anne. E aqueles que conheçam a obra de Gaiman, concordarão que ele merece um lugar nessa minha lista.

Mergulhe nos clássicos

0

Martha Mendonça, na revista Época

Por que ler os clássicos? A pergunta é tão importante que se transformou num… clássico. Batizada dessa forma, a obra de Ítalo Calvino, um dos maiores escritores italianos dos tempos recentes, responde à questão de forma implacável. “Clássicos são equivalentes ao Universo”, afirma. O que ele quer dizer com isso? Que são livros tão impressionantes – em forma e conteúdo – que, mesmo falando sobre um microcosmo, revelam sentido para a existência humana, de forma universal, não importam o tempo, o idioma ou o período em que foram escritos. Não à toa são tão adaptados para cinema, teatro e televisão. E inspiram outros escritores. “Os clássicos sintetizam, de tempos em tempos, o que a humanidade acumulou de saber. O bom clássico sempre se desdobra”, diz o historiador e professor de literatura Joel Rufino dos Santos.

“Ler os clássicos não é um dever, é um direito”, diz a presidente da Academia Brasileira de Letras (ABL), Ana Maria Machado. “É uma parcela do Patrimônio da Humanidade.” Autora premiada, foi nos clássicos que ela conheceu a leitura.

Aos 5 anos, ainda sem saber ler, foi apresentada a Dom Quixote, do espanhol Miguel de Cervantes, pelo pai. Nunca mais parou. Um de seus livros mais recentes é Como e por que ler os clássicos universais desde cedo, em que ela aponta um caminho para os jovens se aventurarem pelo mundo dos bons livros. A presidente da ABL lamenta que hoje as escolas peçam a leitura de poucos clássicos aos alunos. “Boa parte disso é resultado da má-formação do professor”, afirma.

Mas nunca é tarde para começar. Como? ÉPOCA pediu a cinco estudiosos de literatura uma lista capaz de acender a luz do prazer da leitura para adultos que gostariam de melhorar sua formação. É dividida em três partes. Uma básica, com obras que podem inserir o leitor num tipo de texto clássico, mas bastante acessível. Outra, um pouco mais complexa. E, a última, de livros considerados desafiadores.

Não se trata de uma lista dos melhores livros de todos os tempos, de acordo com os críticos, como as que são feitas de tempos em tempos – embora algumas dessas preciosidades estejam incluídas. Os 30 livros desta reportagem, apesar de não fazer parte da leitura descartável em geral mais popular, podem fisgar aqueles que têm vontade e potencial para conhecer o que de melhor o homem já fez com as palavras.

Diante da multiplicidade de bons títulos, escolher era um fardo necessário. Alguns critérios fatalmente acarretam injustiças. Estão nas listas apenas romances. De cara, isso elimina obras irretocáveis como a do poeta português Fernando Pessoa, do contista argentino Jorge Luís Borges ou do dramaturgo brasileiro Nélson Rodrigues, três gênios incomparáveis que o leitor também deve perseguir. Há a preocupação de dar diversidade à lista: de estilos, nacionalidades, enredos, períodos. Também ficou estabelecido que nenhum autor teria mais de uma obra nas listas. Diante disso, Machado de Assis, tido como o maior escritor brasileiro, entrou com seu Dom Casmurro, mas ficaram de fora obras igualmente importantes. Seus Contos, textos cheios de humor e personagens interessantes, são certamente um ponto de partida extraordinário para os primeiros passos na literatura. O mesmo ocorre com outros como o colombiano Gabriel García Márquez, autor de vários livros irresistíveis.

Último critério: obras a partir de 1970 não entraram na lista, por estar, talvez, ainda maturando no caminho de se tornar clássicos da humanidade. O filósofo alemão Arthur Schopenhauer costumava ser ainda mais radical: dizia que não se devia ler nada com menos de 50 anos. Provoca um frio na espinha, porém, deixar na fronteira da dúvida obras reconhecidas como as do inglês Ian McEwan, do americano Philip Roth, do cubano Pedro Juan Gutierrez ou do tcheco Milan Kundera. Mas, se o leitor quiser começar por eles, ninguém há de negar que será o início de uma bela amizade. O importante é começar. “Clássicos transcendem o tempo em que foram escritos e ampliam nossa visão do mundo”, diz Júlio França, professor de teoria da literatura da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Ler bons livros melhora o vocabulário, dá referências de qualidade, traz novas ideias para o trabalho e para a vida. E – como se tudo isso não bastasse – ainda diverte.

 


Igreja russa pede debate sobre pedofilia em livros clássicos

0

Publicado originalmente no Terra

Vsevolod Chaplin, importante autoridade da igreja ortodoxa russa, pediu um debate sobre o suposto teor pedófilo em dois clássicos da literatura: Lolita, de Vladimir Nabokov, e Cem Anos de Solidão, de Gabriel García Márquez.

“Temos que debater para determinar em que medida estas obras justificam a pedofilia. É um fato que no Ocidente houve um opinião muito negativa sobre elas, e depois mudou”, afirmou em entrevista à rádio Echo de Moscou. “Chegou o momento de uma revolução moral, ou uma contrarrevolução se você preferir”, disse.

O romance de Nabokov, que conta a obsessão de um homem com uma adolescente de 12 anos, provocou escândalo ao ser lançado em 1955. A obra do colombiano García Márquez aborda o tema do incesto.

Mas as declarações de Chaplin revoltaram os escritores russos. “Em seguida vamos verificar se na literatura, desde Homero até os grandes clássicos russos, há sinais de violência, pedofilia e outras coisas inaceitáveis”, comentou com ironia o historiador Nikolai Svanidze.

Boris Akunin afirmou que a igreja ortodoxa não deve interferir nos “temas seculares e literários”. Mikhail Chvydkoi, ex-ministro da Cultura, afirmou que uma resposta à proposta de Chaplin seria “prejudicial para a Rússia”.

Go to Top