Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged Compras

Conhecendo as raridades da biblioteca do poder

0
A BIBLIOTECA DA CÂMARA, EM BRASÍLIA

A BIBLIOTECA DA CÂMARA, EM BRASÍLIA

Andréia Martins, no Roteiros Literários

As primeiras bibliotecas começaram a ser implantadas no Brasil em 1800. Foi nessa época que a biblioteca que só chegaria a Brasília em 1960 começou a ganhar forma, ainda na antiga capital federal.

A Biblioteca da Câmara Federal foi criada oficialmente em 1866, no Rio de Janeiro, para atender apenas aos legisladores da casa. Lá, teve sede em diferentes locais, como o Palácio Tiradentes, o Cassino Fluminense, o Palácio Monroe e o Palácio da Quinta da Boa Vista, além da Biblioteca Nacional. Aos poucos, seu acervo foi sendo ampliado com compras, doações e trocas de livros. Mas foi só em 1926 que ele alcançou um volume considerável de obras, com 27.000 exemplares.

Ao ser transferida para nova capital brasileira, em 1960, já com o dobro do acervo bibliográfico, a biblioteca ocupou quatro andares do Anexo I da Câmara, passando depois, em 1969, para o Anexo II, onde hoje está o Centro de Documentação e Informação (CEDI). Aberta ao público, ganhou o nome de Biblioteca Pedro Aleixo em 1985, em homenagem ao advogado e parlamentar.

1

A primeira impressão é de que o acervo é restrito, com obras e referências ao dia a dia da política nacional. Mas o acervo surpreende. Em seus 2500m², a biblioteca reúne uma extensa bibliografia sobre direito, economia, administração pública, ciências políticas e sociais, literatura nacional, documentos publicados pela ONU (Organização das Nações Unidas), edições do Diário Oficial desde 1930, jornais antigos e atuais, entre outros.

No entanto, a cereja do bolo é o acervo de obras raras, com publicações em latim, português, francês e entre outras línguas. Ao todo são 4.600 livros e 108 periódicos raros, como obras clássicas do pensamento ocidental, relatos de viajantes dos séculos 18 e 19, edições de referências da historiografia, geografia e literatura nacional.

Este ano a biblioteca começou o processo de digitalização de 200 obras desse acervo. O critério foi escolher as mais danificadas, mais antigas e mais importantes. Todo o processo deve ser concluído em 26 anos. (Acesse aqui as publicações já digitalizadas)

A ENTRADA DA BIBLIOTECA PEDRO ALEIXO

A ENTRADA DA BIBLIOTECA PEDRO ALEIXO

LOGO NA ENTRADA VEMOS AS ANTIGAS ENCICLOPÉDIAS E OUTRAS OBRAS DE REFERÊNCIA. AO FUNDO, O SALÃO DE LEITURA COM MESAS PARA ESTUDO

LOGO NA ENTRADA VEMOS AS ANTIGAS ENCICLOPÉDIAS E OUTRAS OBRAS DE REFERÊNCIA. AO FUNDO, O SALÃO DE LEITURA COM MESAS PARA ESTUDO

*
Os livros do acervo raro só podem ser manuseados com luvas e consultados com a supervisão de alguém da casa. Por isso, para fazer qualquer consulta a este acervo é preciso agendar uma visita antes.

Quem nos recebe na sala dos fundos da biblioteca, onde fica o acervo raro é a chefe da seção de obras raras e especiais, Maria Cristina Silvestre. Ela coloca as luvas brancas plásticas e manuseia com cuidado as obras previamente separadas. Em comum, os livros ali têm o amarelo das páginas e guardam o cheiro do tempo de muitas gerações.

Considerando a data original desses livros, alguns do século 16, pode-se dizer que eles estão bem preservados. A obra rara mais antiga é De Orbis Situ, de 1522, escrita por Pompônio Mela, o único tratado de geografia da Antiguidade escrito em latim clássico. Publicado na época em que ainda se considerava a Terra o centro do universo, o livro traz um mapa que mostra a antiga divisão dos continentes. Uma época e forma de ser ver o mundo que parece muito distante dos dias de hoje.

A OBRA MAIS ANTIGA DO ACERVO RARO DA BIBLIOTECA

A OBRA MAIS ANTIGA DO ACERVO RARO DA BIBLIOTECA

O MAPA QUE ACOMPANHA A OBRA

O MAPA QUE ACOMPANHA A OBRA

O acervo guarda ainda obras-relatos dos chamados “cronistas-mor” do reino de Portugal, autores que tinham quase que o papel de historiadores –embora, em alguns casos, com viés totalmente favorável ao governo—e colaboraram para construir uma espécie de memória das dinastias, e claro, do país. Eles eram contratados pelo rei para escrever sobre o país, seu governo e história.

O primeiro a ocupar o cargo foi Fernão Lopes (1380-1460), em 1434, encarregado por D. Duarte. Estima-se que ele tenha escrito a história de Portugal desde a fundação do reino e as crônicas de todos os seus reis até D. João 1º. Há ainda obras de outros cronistas importantes para a história portuguesa, como Duarte Galvão (1445-1517) e Rui de Pina (1440-1522).

*

Pesquisadores, historiadores ou interessados na história nacional encontram ali livros que traçam um panorama que vai do descobrimento do Brasil até a definição de nossas fronteiras. São obras importantes pelas informações que contém e também pela questão estética. Um exemplo é Nova Lusitania, escrito por Francisco de Brito Freire, em 1675. Além de ser uma fonte rica em informações sobre os acontecimentos em Pernambuco, entre 1630 e 1638, a preocupação gráfica fez da obra um dos destaques da tipografia portuguesa do século 17.

A PÁGINA QUE ABRE O LIVRO NOVA LUSITANIA, COMPLETAMENTE DECORADA, TRADIÇÃO NA ÉPOCA DE SUA PUBLICAÇÃO

A PÁGINA QUE ABRE O LIVRO NOVA LUSITANIA, COMPLETAMENTE DECORADA, TRADIÇÃO NA ÉPOCA DE SUA PUBLICAÇÃO

DENTRO, OS CAPÍTULOS COMEÇAM COM UMA LETRA CAPITULAR EM DESTAQUE E AS PÁGINAS APRESENTAM UMA MARGEM À DIREITA

DENTRO, OS CAPÍTULOS COMEÇAM COM UMA LETRA CAPITULAR EM DESTAQUE E AS PÁGINAS APRESENTAM UMA MARGEM À DIREITA

Há ainda Novus orbis regionum ac insularam veteribus incognitarum, de 1633, que narra as grandes navegações e as expedições de Cristóvão Colombo, Pedro Alonso Pinzon e Américo Vespúcio. O livro traz também o primeiro relato de viagem de Fernão de Magalhães, o navegador português que planejou e comandou a expedição que deu a primeira volta ao mundo, mas morreu no caminho. Esse é um dos motivos que a torna uma obra literária “muito rara”.

Travels in Brazil é um relato de viagem feito pelo inglês Henry Koster. Originalmente escrito em lâminas, traz a melhor descrição do nordeste brasileiro na primeira metade do século 19. O diferencial deste livro é trazer o primeiro depoimento sobre a psicologia e a etnografia tradicional do sertanejo no seu cenário, incluindo algumas primeiras ilustrações do sertanejo.

Para 2015, a biblioteca da Câmara prepara uma exposição sobre os relatos de viagem do acervo de obras raras.

*

Entre os livros raros não estão apenas obras sobre história. Há também raridades literárias como, por exemplo, edições comentadas de duas obras de Luís de Camões (1524-1580) difíceis de serem encontradas: Os Lusíadas, publicada em 1572, e Rimas Variadas, publicada em meados dos anos 1600.

A biblioteca permite um olhar mais amplo sobre a obra do padre Antonio Vieira (1608-1697) além de Os Sermões– de 1679, iniciados há quatro séculos, composta por 15 volumes e, provavelmente, seu trabalho mais conhecido. O local guarda outros escritos do padre como Historia do Futuro… (1718), que faz parte de uma trilogia de obras proféticas que contém ainda Esperanças de Portugal, escrita entre 1856 e 1857, e Clavis Prophetarum, obra perdida e não concluída.

14 VOLUMES DE OS SERMÕES, DO PADRE ANTONIO VIEIRA, NA PRATELEIRA DA BIBLIOTECA

14 VOLUMES DE OS SERMÕES, DO PADRE ANTONIO VIEIRA, NA PRATELEIRA DA BIBLIOTECA

Outros livros do autor são Cartas do P. Antonio Vieyra da Companhia de Jesus, uma coleção com três volumes que trazem cartas que refletem o estilo da prosa portuguesa do século 18, datados de 1735 e 1746, e Vozes Saudosas, de 1736, com vários tratados sobre o Brasil. Este último livro tem um suplemento, Voz Sagrada, de 1748, também disponível na biblioteca. São poemas, cartas e outros escritos em latim e português.

Os títulos brasileiros não ficam atrás. Temos exemplares da primeira edição de Os Sertões e um volume autografado de Contrastes e Confrontos (foto abaixo), ambos de Euclides da Cunha (1866-1909); a edição de 1909 de Recordações do escrivão Isaias Caminha, primeiro livro de Lima Barreto (1881-1922). Do autor, há ainda a primeira edição de O Triste Fim de Policarpo Quaresma, de 1915, sua obra mais conhecida.

OBRA AUTOGRAFADA POR EUCLIDES DA CUNHA

OBRA AUTOGRAFADA POR EUCLIDES DA CUNHA

Ganham destaque ainda alguns dos 23 volumes de Os Cem Bibliófilos do Brasil, coleção famosa editada em 1943 e que reunia um escritor e um artista plástico para ilustrar uma obra. Além de promover o encontro entre renomados escritores e artistas, os livros dessas coleções tornaram-se raros devido às poucas edições impressas.

Dessa coleção a Câmara possui exemplares de Memórias Póstumas de Braz Cubas, de Machado de Assis (1839-1908), ilustrado por Portinari e que foi o primeiro volume da coleção; Espumas Flutuantes, de Castro Alves (1847-1871) com ilustrações de Tomás Santa Rosa; Macunaíma, de Mario de Andrade (1893-1945) com desenhos de Carybé; A Morte e a Morte de Quincas Berro D’água, de Jorge Amado (1912-2001) com Di Cavalcanti, Campo Geral, de Guimarães Rosa (1908-1967) ilustrado por Djanira, entre outros.

OBRA DE MACHADO COM ILUSTRAÇÕES DE PORTINARI

OBRA DE MACHADO COM ILUSTRAÇÕES DE PORTINARI

*
O dia a dia da biblioteca é movimentado. Além de atender aos legisladores, o local é aberto ao público, que pode ler e estudar nas salas de leitura. O público agora tem acesso às prateleiras para consultar os livros do acervo — antes, tudo passava pela mão de um atendente. Agora, é só levantar, dar alguns passos entre as prateleiras para consultar a obra desejado. No entanto, o empréstimo de livros é feito somente para os servidores da casa.

Ernani Júnior, coordenador do acervo da biblioteca, conta que o local é muito procurado por concurseiros que buscam um ambiente mais calmo — e climatizado, fator importante já que Brasília é conhecida por apresentar temperaturas altas — para estudar. Há uma sala de leitura e mais duas salas que podem ser usadas pelo público. A meta é construir uma terceira.

Hoje, são 1.500.000 itens catalogadas, sendo 200.000 livros impressos, 2.000 revistas, entre outros. Esse material também serve de base para as pesquisas solicitadas pelo público e legisladores à equipe do Centro de Documentação. Os pesquisadores atendem pedidos de informações sobre a Câmara, a atividade legislativa, legislação, Constituintes, acervo bibliográfico, entre outros. Entre setembro de 2013 e agosto de 2014 foram 18.858 pedidos de pesquisa para o CEDI.

O acervo, digamos, mais comum, inclui o que foi citado no início do texto, além de livros de ficção contemporâneos, romances da literatura nacional ou internacional, obras sobre religiões, filosofia e catálogos de arte. Uma curiosa coleção que só está disponível ali é “Mensagem ao Congresso Brasileiro”, onde estão reunidos os discursos de abertura das sessões feito pelos presidentes da República. Os livros incluem discursos desde a época da ditadura, nos quais os presidentes revelam pontos pessoais de suas ideias sobre direitos humanos,forças armadas, trabalho, educação. É um bom instrumento para entender um pouco mais o pensamento que motivou o golpe, sua manutenção e forma de condução política.

ERNANI CAMINHA ENTRE AS PRATELEIRAS DA BIBLIOTECA

ERNANI CAMINHA ENTRE AS PRATELEIRAS DA BIBLIOTECA

CANTINHO DA PRATELEIRA DE ARTES QUE REÚNE CATÁLOGOS DE EXPOSIÇÕES E MOSTRAS

CANTINHO DA PRATELEIRA DE ARTES QUE REÚNE CATÁLOGOS DE EXPOSIÇÕES E MOSTRAS

COLEÇÃO ‘MENSAGEM AO CONGRESSO NACIONAL’, COM DISCURSOS DOS PRESIDENTES NAS ABERTURAS DE SESSÕES. SÃO TEXTOS SOBRE DIFERENTES TEMAS, DESDE E O PERÍODO DITATORIAL

COLEÇÃO ‘MENSAGEM AO CONGRESSO NACIONAL’, COM DISCURSOS DOS PRESIDENTES NAS ABERTURAS DE SESSÕES. SÃO TEXTOS SOBRE DIFERENTES TEMAS, DESDE E O PERÍODO DITATORIAL

A biblioteca também procura avançar na inovação. Já implantou a retirada e entrega eletrônica de livros e planeja colocar em prática um processo para facilitar a elaboração de seu inventário: inserir chips nos livros para que a checagem do acervo seja eletrônica e mais rápida.

Além disso, ela integra o sistema RVBI – chamado de ‘rubi’ – do qual fazem parte 12 bibliotecas federais e distritais que estão integradas em um catálogo único online, gerenciado pela biblioteca do Senado. Dessa forma, todas têm acesso ao acervo uma das outras, podendo indicar aos usuários onde encontrar um determinado livro caso não tenha em seu catálogo.

Dos pedidos recebidos neste sistema, o livro mais procurado na biblioteca da Câmara é Campeões do Mundo, de Dias Gomes. O motivo, Enrani não sabe explicar. Já no acervo de ficções da própria biblioteca, até a nossa visita, em setembro de 2014, o livro mais solicitado no ano era A Cabana, do canadense William P. Young. Parece que os nossos políticos e servidores estão buscando inspiração no romance – ainda que ele venha carregado de suspense.

Serviço:

A biblioteca da Câmara funciona de segunda à quinta-feira, das 9h às 18h30, e sexta-feira, das 9h às 18h. Endereço: Câmara dos Deputados – Anexo II. Praça dos Três Poderes – Brasília. Lembre-se: para visitar o acervo de obras raras é necessário agendar. Para o resto, o acesso é livre.

Venda de livros cai 7,4% com governos comprando menos

0

Raquel Cozer, na Folha de S.Paulo

A venda de livros caiu 7,36% no Brasil em 2012 na comparação com 2011, consideradas as vendas para o governo e para o mercado. Foram 470 milhões de exemplares em 2011, ante 435 milhões no ano passado.

Com isso, o setor editorial teve seu pior desempenho na década, encolhendo 2,64% –o faturamento passou de R$ 4,8 bilhões para quase R$ 5 bilhões, mas cresceu abaixo da inflação, de 5,84% (no índice IPCA).

Nos últimos anos, as editoras, que resistiram bem à crise internacional no setor em 2009, já vinham registrando crescimento cada vez menor. O mais recente levantamento anual do setor foi divulgado na terça (30) pela Fipe (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas) e pelas entidades Snel (Sindicato Nacional dos Editores de Livros) e CBL (Câmara Brasileira do Livro).

Editoria de Arte/Folhapress

Editoria de Arte/Folhapress

A maior queda foi nas compras por governos, que adquiriram 10% menos títulos no ano passado.

Se em anos anteriores as compras governamentais evitaram o encolhimento do setor, desta vez puxaram os números para baixo. Desconsiderada a aquisição pública, o faturamento das editoras foi 0,49% maior, em vez de 2,64% menor.

Leonardo Muller, coordenador da pesquisa da Fipe, explica que as compras do governo variam ano a ano conforme as séries escolares contempladas pelo maior programa do país, o PNLD (Plano Nacional do Livro Didático).

TÍTULOS

No setor como um todo, houve uma pequena redução no número de títulos impressos produzidos, de 58.193, incluindo novos e reeditados, para 57.473.

A pesquisa mostrou também que o livro no Brasil ficou 12,46% mais caro em 2012, após oito anos de queda no preço ou crescimento abaixo da inflação.

Descontada a inflação, o aumento foi de 6,25%. O preço médio na venda das editoras para as livrarias passou de R$ 12,15 para R$ 13,66. Segundo a Fipe, o preço deflacionado ainda é 41% menor que em 2004.

“Há uma queda acumulada há bastante tempo. Podemos levantar hipóteses para o aumento, como o preço do papel. É provável que a perda de margem das editoras tenha começado a ser reposta”, diz Muller.

A pesquisa também abordou a produção de livros digitais. Em 2012, foram produzidos 7.664 e-books e aplicativos de livros, cujas vendas alcançaram 235 mil exemplares, com faturamento de R$ 3,9 milhões –menos de 0,01% do faturamento total do mercado.

METODOLOGIA

O levantamento da Fipe é realizado partir de dados informados por editoras, o que sempre torna os dados passíveis de questionamentos.

Com a chegada de multinacionais como Nielsen e GFK, que medem as vendas na boca do caixa das próprias livrarias, o Brasil deve ter números mais confiáveis nos próximos anos.

Nesta edição, 197 editoras participaram da pesquisa, dentro de um universo de 734 empresas do gênero no país.

Considerando que as principais editoras participaram, a amostra utilizada corresponde a 46% do faturamento do setor.

Mercado brasileiro de livros cresce e já aparece como 9º no mundo

0

Publicado no Radio Rio Vermelho

Até então “protegido” pela língua nacional, o mercado editorial brasileiro atingiu tamanho de gente grande e começa a atrair importantes grupos internacionais.

Com R$ 6,2 bilhões de faturamento e 469,5 mil exemplares vendidos, o Brasil é o nono maior mercado editorial do mundo, segundo estudo recém-publicado da Associação Internacional dos Editores (IPA, na sigla em inglês).

É o primeiro estudo que trás a movimentação total do mercado nacional, considerando o preço pago pelo consumidor. O faturamento das editoras, medido pela Câmara Brasileira do Livro (CBL), foi de R$ 4,8 bilhões em 2011.

A compra de 45% da Companhia das Letras pela britânica Penguin no final de 2011 foi o início de um movimento que deve se intensificar, avalia o consultor Carlo Carrenho, do site PublishNews.

Diferentemente do que acontece em setores como meios de comunicação, não há impedimento para a entrada de estrangeiros no mercado editorial. Os espanhóis já estão no país há alguns anos e a portuguesa LeYa comprou a Casa da Palavra no ano passado.

O mercado brasileiro, junto com China e Índia, está no foco da Random House Penguin, união de duas das maiores editoras do mundo anunciada na semana passada.

“Não tivemos muitas aquisições de estrangeiros no passado por conta do idioma. Mas, com o tamanho do mercado brasileiro, com a classe C entrando, o Brasil está cada vez mais atraente”, diz Carrenho.

Dados da CBL mostram que o livro está mais barato e o brasileiro anda lendo mais.

O preço médio do livro caiu 6,1% em 2011, considerando apenas preços praticados no mercado privado. Incluindo compras de governo, o preço médio ficou estável (alta de 0,1%). O governo representa 39,5% do mercado.

Em volume, as vendas subiram 7,2% -o brasileiro comprou 3,34% mais, e o governo,13,7% mais. Já em receita, a alta foi de 7,4%. Ou 0,81%, descontada a inflação.

Na opinião de Carrenho, as editoras estão em situação confortável para conversar, pois estão saudáveis e com perspectiva de crescimento. “Há muito espaço para as editoras se tornarem globais, com uma administração profissional”, diz. “As editoras são empresas familiares e só têm a ganhar ao fazer parte de grandes grupos.”

Go to Top