Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged comunismo

Livro do Uruguai causa polêmica ao comparar Smurfs com comunismo

0

260330

Katiúscia Vianna, no Adoro Cinema

O que surge na sua cabeça quando pensa em Smurfs? Seres azuis e … comunismo?

Um livro didático utilizado em escolas do Uruguai causou polêmica ao fazer uma comparação entre a aldeia dos amados personagens infantis e o sistema comunista.

“Talvez o próximo exemplo te ajude a entender a ideia de uma sociedade comunista. Conhece os Smurfs? Eles formam uma comunidade que vive numa vila. Todos eles tem uma moradia. Ninguém passa fome. A água é de uso coletivo. Todos tem obrigações na comunidade. Por exemplo, um Smurf cozinha. Outro é carpinteiro e conserta coisas quebradas. Então, cada um contribui com seu trabalho e recebe do trabalho dos outros. Comunismo é algo similar”, afirma o livro, criado para o sexto ano do ensino fundamental. A publicação ainda posta uma foto dos Smurfs ao lado do político comunista Lênin.

455807.jpg-c_600_1067_x-f_jpg-q_x-xxyxx

O porta-voz da Administração Nacional de Educação Pública do Uruguai (Anep), declarou que o livro não faz parte da leitura obrigatória nos colégios públicos. Porém, é um título recomendado na biografia de algumas instituições particulares – que não são sujeitas ao controle do governo. A situação causou tanta polêmica que o caso vai ser analisado por autoridades locais, a partir do dia 21 de fevereiro.

 

Um século para ler um livro integral

0

Ignácio de Loyola Brandão no Estadão

“Uma relação homossexual não é apenas pecaminosa, mas acima de tudo ilegal… Um homossexual, que se dedica a um vício impuro, é um indivíduo repulsivo e aberrante… O homossexualismo é uma enfermidade, uma insanidade, uma impureza, e um caso de interesse médico-legal… A lei criminaliza a “flagrante indecência” entre homens… A sodomia (o termo antigo, derivado da Bíblia, que descrevia o sexo “anormal”) era um crime previsto na Lei de Delitos contra a pessoa…”

Estou reproduzindo os discursos do pastor Feliciano à frente da Comissão de Direitos Humanos? Reproduzo os argumentos daquele deputado João Campos que pretendia a cura gay? Estou transcrevendo os pensamentos do Silas Malafaia (é isto mesmo? Ou errei?), mais um zero à esquerda perigoso na Câmara. Estou traduzindo fielmente o pensamento desses homófobos que vivem por aí?

Não. Por mais atuais que pareçam as palavras, a ideologia, a filosofia neste ano de 2013, tudo o que copiei acima, copiei da apresentação do romance O Retrato de Dorian Gray, obra-prima de Oscar Wilde, de 1891. São definições, afirmações, preconceitos, imprecações que vêm do século 19. Leram século 19? Pois é isso. Essas aberrações têm mais de cem anos, vêm de 1895, quando o escritor Oscar Wilde foi processado por homossexualismo e encerrado numa prisão por dois anos e meio.

Nesse meio tempo, o mundo mudou, a humanidade se transformou, o homem foi à Lua, os satélites desceram em Marte, um negro foi eleito presidente dos Estados Unidos, uma mulher foi eleita presidente do Brasil (mas não está adiantando nada), um papa renunciou, o Muro de Berlim caiu, o comunismo sumiu, as esquerdas entraram em colapso, o PT se encalacrou, o Lula fugiu quietinho, o Eike fracassou como empresário, a Rússia afundou, mulher nua todo mundo está cansado de ver em revista, pornografia circula pela tevê aberta, fechada, os traficantes mandam no mundo, o terrorismo está por aí aterrorizando, claro, o povo está nas ruas do Brasil, clamando contra a corrupção que vai do alto de Brasília aos porões do Brasil. E João Campos, Malafaia e Feliciano, evangélicos, bradam contra os gays e o homossexualismo, não perceberam que a Terra se move, continua a se mover… E pur si muove, disse Galileu!

Ah, que momento decifrado pela Editora Globo para lançar esse livro. Um volume chique, oscarwildiano. Acho que ele, refinado, dândi, elegante, culto, esnobe, gostaria de ver essa edição tão caprichada. Quanto a mim, confesso que venho respirando com alívio, nem tudo está perdido, as coisas mudam às vezes para melhor. Essa Biblioteca Azul da Editora Globo está me trazendo de volta a mim mesmo, uma coisa que eu necessitava para não perder o pé inteiramente.

Há uma nostalgia, admito, mas fazer o quê? Quando vi A Comédia Humana, quando abri a nova edição de As Relações Perigosas, de Choderlos de Laclos, quando coloquei as mãos no Retrato de Dorian Gray, me vi sentado na sala em penumbra da biblioteca Mário de Andrade de Araraquara, entre os meus 15 e 20 anos. Aquelas estantes saturadas de livros encadernados em vermelho, aquelas lâmpadas baças, aquela mesa imensa, pesada, fizeram parte de um período muito feliz, o de leituras constantes, ininterruptas, contínuas, vorazes. Por que a sala não era clara, iluminada intensamente? As lâmpadas opacas faziam parte de um ritual de recolhimento?

(mais…)

Livros de Amado abriram ‘novo mundo’ para leitores no Leste comunista

0
Capa de Dona Flor e seus Dois Maridos em russo

‘Podemos ouvir os sinos radiantes de amor ardente e puro…’ diz o prefácio da edição russa de ‘Dona Flor e Seus Dois Maridos’

Thomas Pappon, na BBC

“Como um tornado tropical, a vida desconhecida e misteriosa de um distante Novo Mundo caiu sobre nós, tirando o nosso fôlego com suas tempestades e paixões”.

Com essas palavras, a filóloga e pesquisadora de literatura latino-americana da antiga União Soviética Vera Kuteishchikova (URSS) saudou, em um artigo no influente semanário de cultura Literaturnaia Gazeta, o 70º aniversário de Jorge Amado, em 1982.

A frase dá uma boa ideia do impacto da obra do escritor baiano – cujo centenário de nascimento está sendo celebrado nesta sexta-feira – não apenas na Rússia, mas também em outros países do Leste Europeu nos tempos do comunismo, um fenômeno pouco conhecido do público brasileiro.
Vários livros de Amado foram traduzidos e publicados nos países comunistas. Na Rússia, segundo informações levantadas pela pesquisadora e tradutora Elena Beliakova, da Universidade Estatal Tcherepovets, o primeiro foi São Jorge de Ilhéus, lançado pela editora Literatura Estrangeira em 1948, cinco anos antes da morte de Stalin.

Mensagem
Em um primeiro momento, como sugere Beliakova no ensaio “Percepções de Jorge Amado na Rússia”, a preocupação dos burocratas que decidiam, em nome do Estado, o que poderia ou não ser distribuído ao ávido público leitor soviético em pleno auge do stalinismo, era com a “mensagem”.

São Jorge de Ilhéus, saga que tem o ciclo do cacau, o coronelismo e a exploração extrativista promovida por empresas internacionais como pano de fundo, se encaixava no espírito de denúncia das mazelas do imperialismo americano, tão difundido pela máquina de propaganda soviética na época.

O fato de o autor baiano ter sido um dos mais proeminentes membros do Partido Comunista Brasileiro certamente ajudou na decisão de permitir sua publicação – e a tornar Amado, ao lado de Pablo Neruda e Gabriel García Márquez, em um dos mais populares escritores latino-americanos de todos os tempos na Rússia.

Mas se o humanismo e o senso de justiça em livros como Seara Vermelha e, notadamente, Os Subterrâneos da Liberdade – a maior empreitada de Amado no estilo do realismo socialista e que teria, segundo Beliakova, sido quase que “encomendado” pelos soviéticos, que ansiavam pela primeira obra de um autor latino-americano neste estilo – encantavam as autoridades, Amado acabou conquistando um lugar cativo nos corações de leitores russos por outra razão, justamente por introduzi-los ao tal “Novo Mundo” a que Kuteishchikova se refere acima.

Este veio com dois livros, Gabriela, Cravo e Canela e Dona Flor e Seus Dois Maridos, publicados na URSS, respectivamente, em 1961 e 1970.

Pablo Neruda, Luis Carlos Prestes e Jorge Amado (Foto: Acervo Zélia Gattai / Fundação Casa de Jorge Amado)

Três comunistas: Pablo Neruda, Luis Carlos Prestes e Jorge Amado (Foto: Acervo Zélia Gattai / Fundação Casa de Jorge Amado)

“Os leitores não queriam apenas ler sobre o amor trágico, não correspondido, não realizado, (temas) que dominavam as obras de autores soviéticos e russos”, diz Beliakova. “Mas também sobre o amor que vence, supera tudo e, o que não é menos importante, sensual.”

“Podemos ouvir os sinos radiantes de amor ardente e puro, que traz inesgotáveis alegrias e regozijo da alma” diz Oleg Volkov, no prefácio de Dona Flor…, que veio a ser o livro mais vendido de Amado na URSS.

A “alegria de viver” na obra de Amado era um a coisa “estranha à literatura russa”, escreve Beliakova em seu ensaio. “Nós russos encaramos a vida muito tragicamente e nos cansamos de nós mesmos nessa tragédia cotidiana. É difícil ser otimista quando se tem diante dos olhos, ao longo de sete meses do ano, uma planície infinita coberta de gelo sob um céu cinzento e sem um único dia de sol.”

“Em situações como essas, os romances de Amado, como uma dose reforçada de vitamina C, regeneram a vida. Nos dão a leveza e harmonia com o mundo de que tanto precisamos.”

Capa de edição alemã de Mar Morto

Capa de edição alemã de ‘Mar Morto’

Alemanha Oriental

As mesmas razões podem explicar o sucesso de Amado na antiga Alemanha Oriental (DDR, na sigla alemã), onde havia um “anseio por lugares distantes e exóticos, aventuras e liberdade” que era projetado na literatura latino-americana, segundo Jens Kirsten, acadêmico e autor do livro Lateinamerikanische Literatur in der DDR (Literatura latino-americana na DDR).

Para Kirsten, Amado e Pablo Neruda eram os principais e mais conhecidos representantes dessa literatura no país.
Em entrevista à BBC Brasil, ele contou que entre 1950 e 1990 – ano da queda do Muro de Berlim – foram lançados 20 livros de Amado.

A exemplo do que ocorreu na URSS, seus livros eram lançados por uma editora estatal dedicada a literatura estrangeira, Volk und Welt (Povo e Mundo), e Amado foi cortejado pelas autoridades.

Se na URSS ele foi agraciado com o prestigioso Prêmio Stalin, em 1951, em Berlim Oriental ele recebeu, no mesmo ano, o não menos ressonante Prêmio Lenin.

Os livros mais populares de Amado na Alemanha Oriental, entretanto, foram obras mais do início de carreira do autor, como Jubiabá e Capitães da Areia.

Segundo Kirsten, o interesse pelos livros de Amado pode ter sofrido um duro baque no país, pois “o interesse por literatura latino-americana praticamente se evaporou da noite para o dia” com o colapso dos sistemas comunistas no Leste Europeu em 1990.

Com a abertura das fronteiras, o sonho de visitar os tão ansiados “lugares distantes e exóticos” deixou de ser impossível, diz Kirsten.

Go to Top