Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged conselhos

Pedro Bial faz nova versão do texto “Filtro Solar” para incentivar consumo de livros

0

Ramón Vasconcelos / TV Globo/Divulgação

Apresentador exibiu a adaptação em seu programa, na madrugada desta sexta-feira

Publicado no Gaúcha ZH

O apresentador Pedro Bial também resolveu se manifestar a respeito da crise editorial no Brasil. Nas últimas semanas, redes de livrarias entraram em processo de recuperação judicial e lojas se uniram com a campanha #VemPraLivraria, a fim de incentivar a comercialização de obras literárias.

Pensando nisto, o apresentador do Conversa com Bial fez uma nova versão de seu clássico texto Filtro Solar em edição que busca incentivar a compra de livros. Considerado um dos primeiros virais da internet, Filtro Solar é a tradução de Wear Sunscreen, da jornalista americana Mary Schmich, publicado em 1997 no jornal Chicago Tribune.

Veja o manifesto de Bial

“Senhoras e senhores do ano de 2019: livros, nunca deixem de usar livros! Se eu pudesse dar uma dica sobre o futuro seria esta: usem os livros!

Os benefícios a longo prazo do uso de livros estão provados e comprovados pela ciência; já a única base confiável de meus conselhos são mesmo… os livros… Não vou compartilhar conselhos, garanto que os livros contém todos os conselhos de que você precisa.

Aproveite bem: nos livros habitam o poder, a beleza e a juventude. Pode crer, daqui a vinte anos você vai evocar os seus livros e perceber de um jeito que você nem desconfia, hoje em dia, quantas, tantas alternativas os livros escancararam a sua frente.

Pegue, pague, sinta o cheiro, o peso, a textura; compre, venda, aprecie a capa, a cor, a moldura. Não se preocupe com o futuro, ocupe-se dele, a chegar, página por página. Os livros são máquinas de viajar no tempo.

Todo dia, leia, conheça novos livros, recomende outros, troque, doe, dê ou… Empreste, se quiser, mas diga adeus aos livros emprestados. Nos livros, a gente conhece pessoas que só poderia conhecer nos livros, pessoas de verdade e de mentira, ambas reais. E através dos livros, você conhece melhor quem está a seu lado. Livros aproximam as pessoas. Livros aproximam os continentes.

Talvez você case… Talvez tenha filhos.. Talvez se divorcie… talvez bodas de diamante. Os livros são marcadores no livro de sua vida. Desfrute dos livros, use-os de toda maneira que puder, mesmo! Se precisa de distração, se busca instrução, se estuda, se descansa, tem livro pra tudo. Se quer saber de onde vem, tem; se quer saber para onde vai, uai! Se nem aí pra isso, também!

Leia os livros que seus pais leram, você vai encontrá-los por lá. Leia os livros de seus filhos, aproveite a desculpa! Os livros guardam todos nossos amores, mesmo os perdidos. Tudo vivo, nos livros, sempre. Eles são a melhor ponte com o passado e guardam o futuro.

Livros vão e vem; alguns não, os de cabeceira. Livros diminuem as distâncias geográficas e de estilos de vida. Livros fazem a gente mais velha quando jovem, e mais jovem quando velha. Em São Paulo, nos levam à praia. No Rio, à montanha. Livros, use e os abuse, como enfeite, por deleite, ao encalço, como calço, a metro ou aquilo outro, isto: estique-os… entregue-se, livre sua pele, filtre e infiltre livros ao brilho solar, livros à luz do luar.

Cuidado com os conselhos que comprar, com os bens que vão se lhe oferecer. Gaste seu dinheiro, em coisas fúteis, úteis, supérfluas ou essenciais, torre ou invista, seja pão duro ou manteiga derretida.

Adquira o que precisa, consuma o que não precisa. Mas guarde o troco para os livros. Livros costumam ter mais valor que preço. Use os livros, como quiser usar, agora, como nunca; agora, como sempre, Use os livros, a mais não poder usar”.

Veja como famosos e profissionais bem-sucedidos encararam o vestibular

0

Publicado na Folha de S.Paulo

Não há uma receita universal para domar o vestibular e entrar na universidade. O estudante que vai enfrentá-lo, no entanto, precisa saber que o teste é apenas um caminho -não o único-de construção de uma carreira profissional, segundo especialistas.

“A exigência da sociedade por um domínio técnico afasta o nosso jovem de outros conhecimentos que estão fora da academia”, diz a psicóloga Gabriela Gramkow e professora da PUC-SP. Aqui, seis profissionais do mundo das artes, dos negócios, da moda e da ciência contam como foi atravessar esse momento.

O colunista da Folha Gregório Duvivier diz que prestava muita atenção nas aulas, mas não se matava de estudar em casa. A modelo Ana Cláudia Michels deu ênfase às matérias que mais dominava e, hoje, cursa medicina.

O apresentador Marcelo Tas lia muito, o que, segundo ele, o ajudou a interpretar as questões do vestibular com facilidade. Para o pedagogo Silvio Bock, especialista em orientação profissional, não existe um jeito certo ou errado de estudar. “Tudo é uma questão de juízo de valor. Tem estudante que não se diverte porque acha que vai perder tempo. Outro já precisa relaxar para ir bem nas provas.”

Enfrentar o vestibular e perder a batalha na primeira tentativa serviu de aprendizado para Felipe Dib, empresário, dono de uma escolas de idiomas on-line. “Meu erro foi o excesso de confiança. Fiquei em 90º lugar”, afirma.

‘Me aprofundei nos assuntos que dominava’

“Queria ser médica desde criança. Comecei a trabalhar como modelo e tive que adiar o plano. Com quase 30 anos, decidi tentar. Fiz supletivo do ensino médio e entrei num cursinho.

Era muito difícil, muita matéria. Naquela época, passei a trabalhar só aos fins de semana para não perder as aulas. Durante a tarde, ficava na biblioteca.

Fiz um ano e meio de cursinho. Quando prestei vestibular pela primeira vez, não passei. Na segunda tentativa, fui aprovada em 37º lugar no curso de medicina do Centro Universitário São Camilo. Foi um dos dias mais felizes da minha vida.

Acho que fiz certo ao me aprofundar bastante nos assuntos que eu sabia bem. Ter disciplina também foi imprescindível. Estou no quarto ano da faculdade. Pensava em ser endocrinologista quando entrei, hoje tenho dúvidas.”

Ana Cláudia Michels, 35, começou a carreira de modelo aos 14; trancou a faculdade em setembro, quando sua filha nasceu

Ana Cláudia Michels em jantar do Instituto de Defesa do Direito de Defesa, na Lions NigthtClub - Zanone Fraissat/Folhapress

Ana Cláudia Michels em jantar do Instituto de Defesa do Direito de Defesa, na Lions NigthtClub – Zanone Fraissat/Folhapress

 

‘Confiante, não passei na primeira opção’

“Após ter sido reprovado no curso de inglês que fazia no Brasil, fui fazer o terceiro ano do ensino médio na Nova Zelândia, para melhorar minhas habilidades na língua. Quando voltei, queria fazer direito na UFMS (Universidade Federal do Mato Grosso do Sul). Passavam 30 candidatos.

Prestei o vestibular sem me preparar e fiquei em 60º. Pensei ‘poxa, estou perto’ e resolvi focar nos estudos.

Durante seis meses, fazia cursinho de manhã e estudava à tarde, embora não abandonasse outras atividades, como academia. No fim, estava bem preparado.

Meu erro foi o excesso de confiança. Acabei ficando em 90°, Só que dessa vez também havia prestado Relações Internacionais na Unaes (hoje Anhanguera). Não passei na minha primeira opção, mas depois fiz uma pós em ensino e aprendizagem da língua inglesa e comecei a lecionar.”

Felipe Dib é dono do Você Aprende Agora, escola de inglês on-line

Felipe Dib, dono do Você Aprende Agora, escola de inglês on-line

Felipe Dib, dono do Você Aprende Agora, escola de inglês on-line

 

‘Discutir é mais importante que decorar fórmula’

“Meu último ano do ensino médio foi tranquilo. Estudei num colégio que não tinha o vestibular como foco principal. Achei ótimo. A função da escola é fazer o aluno refletir, criar conteúdo, me incomoda quando a única preocupação é fazê-lo passar no exame.

Eu fazia teatro na época. É muito importante ter uma vida pessoal estável no terceiro ano. Ficar enclausurado, só estudando, é terrível.

Escolhi fazer letras porque adorava ler. Passei para a PUC-Rio, em 2004. Também fui aprovado na UFF, em cinema, mas desisti.

Eu diria para os vestibulandos se informarem sobre o mundo. Saber as questões políticas que os cercam, participar de discussões da sociedade. É mais importante que decorar fórmulas.

As pessoas acham que é o pré-vestibular é ‘o’ ano que vai definir o resto da vida, quando, na verdade, a redefinimos o tempo todo.”

O ator Gregorio Duvivier, 30, é integrante do grupo Porta dos Fundos e colunista da Folha

Gregorio Duvivier na pré-estreia do filme "Desculpe o Transtorno"

Gregorio Duvivier na pré-estreia do filme “Desculpe o Transtorno” – Bruno Poletti/Folhapress

 

‘A leitura mexe com o pensamento’

“Fiz o ensino médio na EPCAR (Escola Preparatória de Cadetes do Ar), nos anos 1970. Lá, tive acesso a uma biblioteca que nunca tinha visto na vida. Mergulhei na literatura brasileira. A leitura mexe com o pensamento, faz você se expressar melhor, me ajudou muito no vestibular. Vale até para ir bem em matemática, para entender os problemas.

Cheguei a fazer um curso intensivo em São Paulo quando me formei na escola. Foram os piores meses da minha vida, mas consegui passar para o curso de engenharia civil na USP.

Nunca abri mão de sair, de ir ao teatro. Isso ajuda a ter saúde mental.

Escolhi a engenharia no piloto automático, foi uma coisa pouco ambiciosa. Poderia ter refletido mais. Apesar de ter descoberto na comunicação a minha vocação, não me arrependo. Na reta final, o mais importante a se fazer é respirar.”

Marcelo Tas, 56, é apresentador do programa “Papo de Segunda” (GNT)

Marcelo Tas, durante pré-estreia do espetáculo "Palavra de Rainha", em 2014 - Bruno Poletti/Folhapress

Marcelo Tas, durante pré-estreia do espetáculo “Palavra de Rainha”, em 2014 – Bruno Poletti/Folhapress

 

‘Fazer novela foi uma válvula de escape’

“Decidi fazer engenharia porque queria explorar uma área diferente da que eu já trabalhava. Sempre fui boa aluna, mas nunca precisei estudar fora da escola. No pré-vestibular, tive que me dedicar muito.

Estava fazendo uma novela [“Fina Estampa”] nessa época. Foi a melhor coisa que aconteceu, serviu como uma válvula de escape.

Precisei me organizar muito bem. Nos intervalos, até no recreio, eu estudava. Andava com uma lista de tarefas para fazer ao longo do dia. Chegava a almoçar no carro, a caminho das gravações, para ganhar tempo.

Prestei para engenharia química. Fiquei em primeiro lugar na UERJ e na UFF, e passei para outras faculdades do Rio, em 2012. Acho que não precisava ter me estressado tanto. Nos momentos finais, é importante se manter motivado e pensar que o pior já passou.”

Bianca Salgueiro, 22, começou a atuar ainda criança; hoje, mora em Lyon, na França, onde faz intercâmbio pela faculdade

Atriz Bianca Salgueiro na pré-estreia do filme "Noé", no Rio de Janeiro, em 2014 - Adriano Ishibashi/Frame

Atriz Bianca Salgueiro na pré-estreia do filme “Noé”, no Rio de Janeiro, em 2014 – Adriano Ishibashi/Frame

 

‘Escolhi meu curso após visitara universidade’

“Entrei no curso de química da Universidade Estadual de Maringá em 2005. Enquanto eu frequentava o último ano do colégio, ingressei em um cursinho comunitário, tocado pelos alunos da UEM. Eu estava em dúvida entre farmácia e química, até que um professor do pré-vestibular me convidou para conhecer os laboratórios da instituição. Foi quando fiz a minha escolha.

Isso é importante. Se o aluno tiver a oportunidade de conhecer o curso, visitar a universidade e conversar com pessoas que já estão lá pode ajudar muito.

Sobre a minha rotina, frequentava as aulas do colégio pela manhã. À tarde, me dedicava por duas horas ao conteúdo da escola e,no restante do tempo, fazia os exercícios do cursinho. Em dezembro, sem aulas, estudava cerca de seis horas.”

Cecília de Carvalho Castro e Silva, 29, é doutora em química e pesquisadora do Mackgraphe, onde desenvolve um sensor capaz de identificar precocemente o câncer de mama

Retrato de Cecília de Carvalho Castro e Silva, doutora em química e pesquisadora do Mackgraphe - Divulgação

Retrato de Cecília de Carvalho Castro e Silva, doutora em química e pesquisadora do Mackgraphe – Divulgação

 

Com colaboração de Dhiego Maia, Bruno Lee, Júlia Zaremba e Dante Ferrasoli

5 frases inspiradoras do livro “Pai Rico, Pai Pobre”

0

publicado na Exame

O livro “Pai Rico, Pai Pobre”, de Robert Kiyosaki, foi lançado em 1997, mas continua fazendo sucesso entre quem busca educação financeira. Ele está em sua 85ª edição e já registra mais de 9 milhões de cópias vendidas no mundo.

size_810_16_9_homem-riqueza

Com linguagem simples, o empresário e investidor mostra os ensinamentos que recebeu de seu pai rico, um empresário que tinha apenas o segundo grau completo. Esses conselhos, segundo o autor, foram o principal impulso para que ele próprio acumulasse sua riqueza.

Além de contestar pensamentos frequentes, como “busque um emprego seguro”, “estude bastante” e “sua casa é o seu maior patrimônio”, Kiyosaki explica como a inteligência financeira é um grande passo no caminho para construir um patrimônio sólido.

 

size_810_16_9_frase5-pairico

size_810_16_9_frase4-pairico

size_810_16_9_frase3-pairico

size_810_16_9_frase1-pairico (1)

size_810_16_9_frase1-pairico

6 conselhos para escrever bem

1

Dicas do novo livro do psicólogo, linguista e escritor best-seller Steven Pinker

Marcio Ferrari, na Época Negócios

Escreva como se estivesse falando; e diga logo qual será o seu recado (Foto: Getty Images)

Escreva como se estivesse falando; e diga logo
qual será o seu recado (Foto: Getty Images)

A escrita é o principal meio de comunicação no mundo do trabalho. Saber escrever é, sobretudo, fazer-se entender. Por isso, convém ouvir um conhecedor do cérebro humano que também é linguista, o psicólogo canadense Steven Pinker, autor, entre outros clássicos, de Como a Mente Funciona. Seu livro mais recente é The Sense of Style: The Thinking Person’s Guide to Writing in the 21st Century (“A lógica do estilo: O guia da pessoa pensante para escrever no século 21”). Aproveitando o lançamento, o jornalista Eric Barker, em seu blog no site da revista Time, pediu a Pinker dicas de como melhorar a escrita. A seguir, as seis recomendações, com comentários de Pinker.

1. Seja coloquial e visual “Imagine que você está numa conversa com um leitor tão capaz quanto você, mas que por casualidade não sabe algumas coisas que você sabe. Oriente-o para que veja com os próprios olhos algo que você observou, mas ele não.”

2. Não confie apenas em si para avaliar a clareza “Psicólogos sociais descobriram que tendemos a achar que os outros sabem das coisas que nós sabemos. Seus revisores nem precisam ser uma amostra do público pretendido. Basta que não sejam você.”

3. Não esconda o principal ”Quem escreve precisa deixar claro, logo de início, de que assunto está falando e por quê. Pare de tentar parecer inteligente e apenas seja claro.”

4. Não é preciso seguir as regras de correção, mas é bom tentar “As regras tornam o padrão de nossa escrita melhor? Certamente. As licenças criativas são bem-vindas, mas conheça as regras antes de quebrá-las.”

5. Leia, leia, leia “Não se pode aprender a escrever bem sem passar bastante tempo imerso em textos, permitindo-se absorver expressões, construções, figuras de linguagem e palavras interessantes para desenvolver uma técnica de escrita no melhor sentido.”

6. Escrever bem significa revisar “A ordem em que as ideias ocorrem ao escritor raramente é a mesma que o leitor digere melhor. Quase sempre um bom texto requer revisão e reorganização para ser acompanhado facilmente.”

Conselhos de Fitzgerald

0

Conselhos de Fitzgerald

O autor de um dos romances mais famosos do século XX, The Great Gatsby, F. Scott Fitzgerald, era um exímio escritor de cartas, sendo claro e preciso em suas colocações. Escreveu muito a seu amigo, Ernest Hemingway; e a sua esposa e também escritora, Zelda. Algumas de suas cartas mais impactantes foram direcionadas a sua filha, Scottie.

Renato Bakanovas, no Obvious
O autor de um dos romances mais famosos do século XX, The Great Gatsby, F. Scott Fitzgerald, também era um exímio escritor de cartas, sendo claro e preciso em suas colocações. Escreveu muito a seu amigo, Ernest Hemingway; e para sua esposa, também escritora, Zelda. Algumas de suas cartas mais impactantes foram direcionadas a sua filha, Scottie. A carta que segue foi escrita quando a garota estava em um acampamento, aos 11 anos de idade, e revela muito sobre os pensamentos do escritor americano.

“Carta para a Filha

Scott Fitzgerald

Querida filha:

Preocupo-me muito com suas obrigações. Mostre-me alguma prova das suas leituras em francês. Estou satisfeito por você estar feliz, mas não acredito muito em felicidade. Tampouco acredito em tristeza. São coisas que vemos no teatro, no cinema ou nos livros; essas coisas não nos acontecem na vida real.

Tudo em que acredito na vida são as recompensas à virtude (de acordo com os talentos de cada um) e os castigos por deixar de cumprir com as obrigações, que custam o dobro. Se existisse na biblioteca da colônia de férias um livro assim, você iria pedir à Sra. Tyson que lhe mostrasse um soneto de Shakespeare onde aparece esse verso:

Lírios apodrecidos têm cheiro pior do que o das ervas daninhas.

Sem pensamentos hoje, a vida parece o simples relato de um caso publicado no Saturday Evening Post. Penso em você, e sempre de forma agradável: mas se me chamar de “Pappy” outra vez, vou levar o Gato Branco para fora e dar- lhe uma boa surra, seis palmadas para cada vez que você for impertinente. Alguma reação quanto a isso? Vou preparar a lista de comportamento na colônia.

Tolices, concluirei. Coisas que merecem atenção:

Cuide da coragem

Cuide da higiene

Cuide da eficiência

Cuide da equitação…

Coisas que não merecem atenção:

Não ligue para a opinião dos outros

Não ligue para as bonecas

Não se preocupe com o passado

Não se preocupe com o futuro

Não se preocupe com o seu crescimento

Não se preocupe se alguém passar à sua frente

Não pense em triunfar

Não pense no fracasso, exceto se for por sua culpa

Não ligue para os mosquitos

Não ligue para as moscas

Não ligue para os insetos em geral

Não se preocupe com os pais

Não se preocupe com os meninos

Não se preocupe com as decepções

Não se preocupe com os prazeres

Não se preocupe com as satisfações

Coisas para pensar:

Qual é o meu objetivo verdadeiro?

Como me classifico em comparação às meninas da minha idade quanto à:

a) Meu desempenho na escola?

b) Compreender realmente as pessoas e ser capaz de me relacionar bem com elas?

c) Estar fazendo do meu corpo um instrumento útil ou negligenciando este aspecto?”

 

Go to Top