Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged conto

O verdadeiro conto da Bela adormecida

0

KA-BelaAdormecida-Destaque-620x400

Publicado no Kalango Atômico

O conto original de A Bela Adormecida (Belle au bois Dormant) foi escrito pelo francês Charles Perrault em 1697 e depois ganhou uma versão linda e romântica que foi para os filmes da Disney publicada pelos Irmãos Grimm, mas em 1634 um cara chamado Giambattista Basile publicou uma história mais ou menos parecida Sol, Lua e Tália) que foi a inspiração de Perrault e do conto que conhecemos, por isso menininhas, antes de ficarem fantasiando com historietas de príncipes encantados vamos a verdade dos fatos, a versão da Disney a Bela adormecida carrega o nome de Aurora, eu sei porque eu tenho uma prima de 4 anos que me fez assistir esse filme 3 trilhões de vezes com ela, já nessa versão ela tem nome e é Tália e não recebeu maldição alguma, ela simplesmente cumpre uma profecia lá, a que foi destinada, o que acontece na verdade é que uma farpa de linho enfeitiçado entra por debaixo da unha dela e ela cai dura e morta, o que é um tópico relevante na história, o bonito do rei, simplesmente pega uma cadeira de veludo chique e linda comprada no liquida etna do palácio, tranca o local, pega o beco para sempre, para esquecer suas tristezas, vai para far far away e deixa Tália ali forever alone.

1145621

Beleza, até aí tudo bem, o problema é que do nada surge um príncipe que estava caçando dentro do palácio e encontra Tália ( nunca vi ninguém caçar dentro de um palácio, mas tudo bem), ele se apaixona pela sua beleza, tenta acorda-la, não acordou , o cara vai lá e estupra a mulher, o mundo já está perdido, se essa moda pega, acabou de vez e se você acha isso sinistro espere para ver os próximos capítulos porque se você achava que o príncipe encantado era tudo de bom, se prepare para o pior, porque isso não acaba por aí, as coisa ainda vão ficar pior e uma coisa eu te digo, bem pior, sabe porque, porque o príncipe além de ter estuprado Tália ainda a engravidou e ainda continuou indo lá por 9 meses ( oi ? Produção? Corta para 16 Percival!), se bem que já vi histórias bem parecidas o Big Brother Brasil é mais ou menos parecido com essa história, então eu não duvido de nada, então a Bela adormecida acabou sendo uma espécie de boneca inflável do príncipe. Enfim, como ela engravidou, como os bebês nasceram, não me pergunte, só sei que li em alguns textos que eles eram gêmeos e que o parto foi normal, até porque nessa época cesariana era impossible, como? I don’t know, não sei mesmo, eu só sei que uma das vezes que o bebê foi mamar ( detalhe, ela produzia leite), o baby chupou o seu dedo, e tirou a farpa e a louca acordou, só sei que quando ela viu que tinha dois filhos e que tinha sido estuprada, não fazia ideia do que tinha acontecido, acho até que o mito da cegonha pode ter surgido daí, mas ela não falou nada, não surtou, nem nada, só sei que o príncipe simplesmente voltou um dia, pra dar uns pegas nela e encontrou Tália acordada, olhando aquilo tudo resolveu assumir tudo e é a partir daqui que a história tem dois finais.

Príncipe Safadão

Príncipe Safadão

 

Um dos finais eles dois casam e o príncipe não pode levar Tália nem os filhos para o castelo pois sua mão era uma Ogra e tinha o hábito de comer qualquer ser infantil que aparecesse em sua frente, no dia que ele resolve leva-los a sogra manda o cozinheiro fazer um banquete com seus netinhos lindos e fofos, mas ele faz o coração de um cabrito no lugar e a sogra descobre e decide então comer a nora que consegue fugir com seu marido, o príncipe fica puto com a mãe e manda matá-la. Um verdadeiro conto de fadas não é mesmo?!Já em outra versão quem passa a régua na princesa que vive dormindo é o rei, que é casado com uma rainha ciumenta:

O rei, acreditando que ela dormia, chamou-a. Mas, como ela não voltava a si por mais que fizesse e gritasse, e, ao mesmo tempo, tendo ficado excitado por aquela beleza, carregou-a para um leito e colheu dela os frutos do amor, e, deixando-a estendida, voltou ao seu reino, onde por um longo tempo não se recordou mais daquele assunto. Depois de nove meses, Tália deu à luz a um par de crianças, um menino e uma menina, duas jóias resplandecentes que, guiadas por duas fadas que apareceram no palácio, foram por elas colocados nos seios da mãe. E uma vez que as crianças, querendo mamar, não encontravam o mamilo, puseram na boca justamente aquele dedo que tinha sido espetado pela farpa e tanto o sugaram que acabaram por retirá-la. Subitamente pareceu a Tália ter acordado de um longo sono;

Sendo assim a rainha queria comer os dois filhos bastardos do rei, manda buscar Tália para lança-la ao fogo, mas o rei chega a tempo e lança a própria esposa no lugar de Tália e passa a viver com ela e os filhos. Toda história tem um ensinamento e o dessa é nem sempre é muito legal ser uma princesa da Disney a menos que você saia ganhando alguma coisa nessa história.

Sheila Lima

7 Contos fundamentais para conhecer a obra de Borges

0

Vilto Reis, no Homo Literatus

Obras de fácil acesso que levam você a entrar no universo do escritor argentino Jorge Luis Borges

borges

Um dos mais importantes escritores do século XX, Borges preferiu escrever ensaios, poesias e contos a dedicar-se a um romance. Como diz em O Aleph “Desvario laborioso e empobrecedor o de compor vastos livros; o de explanar em quinhentas páginas uma ideia cuja exposição oral cabe em poucos minutos.” Em outra oportunidade, sendo entrevistado por Osvaldo Ferrari, quando o jornalista elogiou o uso conciso das palavras nas narrativas do escritor, Borges respondeu que àquilo que alguns chamam de concisão também pode ser entendido como preguiça.

Antes de citar os contos da lista, gostaria ainda de esboçar uma classificação dos contos produzidos pelo argentino em três categorias: 1) Regionalista: obras que apontam para uma Buenos Aires dos fins do século XIX, tempo que precede o próprio Borges, de um tempo em que o tango ainda pertencia as classes baixas, e os cuchilleros trocavam facadas em Palermo; 2) Crítico-Literária: em que o autor cria uma história na qual um crítico, fictício, analisa outro escritor também inventado, ou de livros que falam sobre outros livros; 3) Universal: procura abarcar questões de interesse filosófico, sobre o tempo, deus e o universo.

Jorge Luis Borges

Mas vamos aos contos indicados:

O Imortal¹: relata a história de um general romano que sai a procura da imortalidade; fato que o autor aprofunda em suas reflexões filosóficas, como pode ser conferido neste trecho: “Ser imortal é insignificante; com exceção do homem, todas as criaturas o são, pois ignoram a morte; o divino, o terrível, o incompreensível é saber-se imortal”. No entanto, ao deparar-se com sua busca, toda a sua vida é alterada, não bem como ele imaginava.

O jardim dos caminhos que se bifurcam²: uma das mais importantes narrativas do autor no que se refere a falar de uma de suas metáforas preferidas: o labirinto. O protagonista do conto está sendo perseguido e foge para o lugar onde viveu seu descendente, um rei que disse que se ausentaria do mundo para construir um labirinto e escrever um livro. Contudo, o que o leitor não perde por esperar é a relação dessa história com a do próprio protagonista.

A biblioteca de Babel²: o autor fala do mundo como se este fosse uma biblioteca, tendo um dos mais impressionantes começos literários da história da literatura: “O universo (que outros chamam a Biblioteca) constitui-se de um número indefinido, e quiçá infinito, de galerias hexagonais, com vastos postos de ventilação no centro, cercados por varandas baixíssimas.”

O outro³: tema de muitas histórias literárias, a representação o duplo, do personagem que se repete, não poderia se ausentar da obra do escritor argentino. Mais do que isso, ele escolheu a si mesmo para representar nessa pequena peça narrativa que impressiona. Em um banco de uma praça, o ancião Borges encontra o jovem Borges e os dois têm um diálogo que abarca a criação literária e a vida, posto que ambas não se podem entender separadas.

À memória de Shakespeare: o protagonista desse conto encontra alguém que se diz ser portador da memória do bardo inglês. Fazem um trato, de forma que a memória possa ser passada. No entanto, as coisas não saem exatamente como o personagem narrador dessa história esperava, o que acaba sendo um exercício de reflexão sobre a memória e a criatividade.
O Aleph¹: neste conto, temos novamente Borges lidando com o tema da universalidade, pois um episódio nos leva a este ponto, lugar, ou seja lá como posso ser chamado, em que se pode enxergar todo o universo. Uma história bastante enigmática.

Os Teólogos¹: dois teólogos, Aureliano e João de Panonia, digladiam-se em suas discussões religiosas, o que Borges vai tratando com um humor que pouco aparece em outros contos; por exemplo, no trecho: “Discutiu com os homens de cuja sentença dependia a sua sorte e cometeu a grosseria máxima de fazê-lo com talento e com ironia” ( pg. 32). A discussão leva um deles à fogueira, mas eles ainda se encontrarão na eternidade, culminando em um final inesperado.
***
Se quiser saber mais sobre Borges: Marcos Peres indica Jorge Luis Borges


1. Este conto encontra-se no livro O Aleph.
2. Este conto encontra-se no livro Ficções.
3. Este conto encontra-se em O livro da areia.
4. Este conto encontra-se no livro Nove ensaios dantescos & a memória de Shakespeare.

Conto de Neil Gaiman escrito para ser declamado ganha edição ilustrada

0

Publicado no Boa Informação [via BOL]

Imagem de “A Verdade É uma Caverna nas Montanhas Negras”, de Neil Gaiman.    Reprodução

Imagem de “A Verdade É uma Caverna nas Montanhas Negras”, de Neil Gaiman. Reprodução

“A Verdade É uma Caverna nas Montanhas Negras” (Intrínseca) é um obra curiosa de Neil Gaiman, escritor e roteirista conhecido pela HQ “Sandman” e livros como “Deuses Americanos”. Não se trata propriamente de um livro ilustrado, nem de um quadrinho, mas fica entre essas duas mídias, pendendo para um lado ou para o outro em diferentes momentos.

O “livro” também teve uma criação curiosa. Ele foi escrito para ser lido por Gaiman em uma apresentação ao vivo no Opera House de Sydney, na Austrália, em agosto de 2010. O desenhista Eddie Campbell, conhecido por sua colaboração com Alan Moore na HQ “Do Inferno”, foi chamado para criar as ilustrações que seriam projetadas ao fundo. Posteriormente narração foi lançada em CD e a versão impressa recebeu prêmios como o Locust Award e o Shirley Jackson Award. Essa versão impressa que está sendo lançada agora no Brasil.

A história acompanha um anão que convoca um ex-bandido nos Highlands escoceses para levá-lo a uma misteriosa caverna onde, dizem, um homem pode sair de lá com todo o ouro que consegue carregar. Ou talvez essa seja apenas uma das verdades dessa história críptica e há um preço a ser pago para entrar nessa gruta nas montanhas das Ilhas das Brumas: você sai de lá mais rico, mas menos capaz de apreciar a sua riqueza.

Assim como boa parte das obras de Gaiman, “A Verdade É uma Caverna nas Montanhas Negras” pode ser descrito como um conto de fadas para adultos. O autor tem uma exímia capacidade de criar histórias que são aparentemente simples, e portanto podem ser apreciadas por crianças, ao mesmo tempo em que possuem nuances mais profundos para serem de interesse também aos mais velhos.

Há um ar de magia e mistério constante na história, muitas coisas são subentendidas ao invés de reveladas. Ela tem aquela qualidade de conto de fadas “pré-Disney”, sombrio e assustador e mesmo sem a narração a história retêm uma surpreendente qualidade oral.

O traço propositalmente rústico de Campbell complementa constantemente a história, ajudando a criar uma atmosfera de memória, de imagens que vão sendo lembradas conforme a narrativa avança. Uma variedade de estilos são usados, alguns parecem quadros, outros são esboços inacabados, alguns até são colagens que misturam desenho e fotografia.

“A Verdade É uma Caverna nas Montanhas Negras” é um livro curto, que pode ser lido com atenção em cerca de uma hora. É um excelente livro de histórias infantis para ser lido por (ou para) adultos antes de dormir.

Homem encontra conto perdido de Sherlock Holmes no sótão de sua casa

0
Ilustração de contos de Sherlock Holmes. - © Museum of London

Ilustração de contos de Sherlock Holmes. – © Museum of London

Arthur Conan Doyle doou texto em 1904 para um bazar em prol de cidade escocesa

Publicado em O Globo

RIO — Um novo conto de Arthur Conan Doyle veio à tona. Walter Elliot, de 80 anos, encontrou o texto estrelado pelo famoso Sherlock Holmes em seu sótão. O livro veio de um bazar para arrecandar fundos para a cidade de Selkirk, na Escócia, que teve sua ponte de madeira destruída durante uma enchente em 1902.

A história é mais complexa. Como a cidade não tinha dinheiro para reconstruir a ponte, os locais organizaram um evento de três dias, em 1904. O escritor britânico, que adorava visitar a região, deciciu contribuir com a arrecadação, doando um conto no último dia do evento.

Walter Elliot, no entanto, não se lembra de como o livro foi parar em seu sótão. “Eu tenho esse livro há 40 ou 50 anos. Devo ter ganhado de um amigo, porque eu não lembro de tê-lo comprado de ninguém”, sugere o senhor. “Ele deve ter pensado bastante na nossa cidade, para vir até aqui e contribuir com uma conto para o livro”.

Em suas 48 páginas, a compilação traz histórias da população local bem como a do famoso autor. A coleção, intitulada “The book o’ the brig” será exibida em um museu da comunidade de Selkirk, junto com uma pintura de Walter Elliot da ponte reconstruída.

Novo conto de J.K. Rowling é uma biografia de Draco Malfoy

0

Novo conto de J.K. Rowling é uma biografia de Draco Malfoy

Gustavo Gusmão, na Info Online

Depois de uma semana movimentada por novos enigmas e breves histórias publicadas na rede social Pottermore, a autora J.K. Rowling finalmente divulgou um novo conto. O texto é uma breve biografia de Draco Malfoy, um dos antagonistas da série de livros do bruxo Harry Potter.

A história está disponível em inglês e, por ora, apenas para donos de contas no site – que podem ser criadas gratuitamente. Para liberá-la, no entanto, também é preciso resolver dois enigmas simples, cujas respostas são “Draco Malfoy”: no primeiro, é preciso apontá-lo com o cursor, enquanto no segundo basta escrever o nome dele e clicar no personagem.

O conto não é exatamente repleto de novidades (ainda mais para leitores vorazes da série), mas serve para aprofundar um pouco mais a história do antagonista e de sua supostamente nobre família.

Rowling explica que, apesar de aparentar ter uma mente maligna, a aventura que enfrentou fez com que Draco reconsiderasse muitas de suas ideias.

A autora também conta que o rapaz tinha mesmo muita inveja de Harry, e muito pelo herói ser visto como um rival pelos bruxos aliados de Voldermort. O filho de Lucius, por sua vez, já era encarado apenas como mais um estudante de Hogwarts – algo que ofendia (e muito) toda a nobreza puro-sangue da família Malfoy.

A biografia termina dando detalhes da vida do Draco Malfoy adulto. Mais tolerante, o mestre em oclumência (arte de ocultar os pensamentos) se casou com uma colega de Sonserina e com ela teve um filho, Scorpius. A esposa, porém, não lida muito bem com os pais do marido, já que educa a criança de forma bem diferente – para ela, os trouxas também merecem respeito.

O texto completo e as observações de J.K. Rowling, seguindo o padrão da biografia de Dolores Umbridge, podem ser lidos no Pottermore.

Go to Top