Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged Contos

Bíblia, uma bússola para navegar pela arte

0
Escritor francês Philippe Lechermeier: reescreveu a Bíblia como se fosse um livro de literatura / yves Tennevin/Flickr/Creative Commons

Escritor francês Philippe Lechermeier: reescreveu a Bíblia como se fosse um livro de literatura / yves Tennevin/Flickr/Creative Commons

Catalina Guerrero, na Revista Exame

Madri – Entrar em uma pinacoteca sem conhecer a Bíblia é como navegar no mar sem bússola porque o texto sagrado é um bem comum: seus mitos, contos e lendas transcenderam a religião e moldaram nossa sociedade.

Conhecê-los é um presente cultural, como disseram vários autores de literatura juvenil.

“Como entender o mundo sem os relatos do Antigo e o Novo Testamentos? Como compreendê-lo sem saber quem são Abraão, Golias, a Rainha de Sabá ou Maria Madalena?”, questiona o escritor francês Philippe Lechermeier no prefácio do livro “Une bible”, ou “Uma bíblia”, em bom português (Edelvives), ilustrado por Rebecca Dautremer.

O livro, no entanto, não é a Bíblia, com maiúscula, explica Lechermaier, mas uma junção das histórias que a compõem e que, “independentemente de acreditar ou não, gostar ou não”, “moldou” nossa sociedade, “penetram” na nossa vida cotidiana e “circulam” em nosso inconsciente coletivo.

“Sem conhecer os fabulosos alicerces da nossa sociedade não se pode decifrar a arte, a arquitetura ou a literatura”, ressaltou Lechermeier.

Esta é a primeira vez que alguém reescreve a Bíblia, do Gênesis à ressurreição de Jesus, como se fosse um livro de literatura, em um projeto cuja ideia surgiu para Lechermaier há cinco anos e que desde o começo contou com o apoio de Rebecca.

“A intenção de ambos era fazer uma bíblia o mais laica possível, uma bíblia cultural, mas com um imenso respeito a um texto que é sagrado para muitos e com o cuidado de não ferir ninguém”, disse à Agencia Efe a ilustradora, nascida no seio de “uma família católica muito devota”.

Em suas páginas estão os personagens de maior destaque do Antigo Testamento: Adão e Eva, Caim e Abel, Noé, Judite, Jonas, Moisés, Abraão, Jacó, Isaque e muitos outros.

São histórias de famílias, de amor, de guerras. E também as do Novo Testamento, com Jesus Cristo como protagonista: sua vida, seus amigos, suas aventuras, seus ideais.

Lechermeier conta todas essas histórias a sua maneira, com muita sensibilidade, com uma linguagem muito cuidadosa, muitas vezes poética, com contos, canções e, inclusive, com uma peça teatral.

“O resultado é um belo objeto, de quase 400 páginas, e que foi pensado e feito com carinho cada desenho, cada palavra”, ressaltou Rebecca.

“As histórias da Bíblia esculpiram nossa cultura, portanto, não há razão para virar as costas para elas. É muito importante conhecê-las seja crente ou não, depois cada um interpreta como quiser”, disse a ilustradora, que contou ter ficado “exausta” após o “maior” trabalho que já realizou.

Para Rosa Navarro Durán, a adaptação deste “livro maravilhoso” é “apaixonante”. Segundo ela, que escreveu “La Biblia contada a los niños” (“A Bíblia contada às crianças”), é um matrial importante, pois trata de uma das “fundações da cultura ocidental”.

A autora lembra que sofreu “muito” durante a elaboração do seu livro porque o conteúdo era “imenso” e tinha que selecionar apenas alguns episódios.

Além disso, se sentia “pisando em ovos” porque em suas mãos tinha a “palavra sagrada” para os crentes de duas religiões: judeus e cristãos.

“É um livro essencial na transmissão da cultura”, ressaltou a especialista no Século de Ouro Espanhol.

O fato é que, quando uma pessoa lê estas versões mais simplificadas e atualizadas da Bíblia acumula conhecimento essencial para “ir a museus e entender o que está vendo, ler e entender as referências, e não ficar à margem de nossa cultura”, explicou Rosa.

Essa também é a opinião de escritora Maite Carranza, prêmio Cervantes Chico de 2014, para quem “as histórias da Bíblia, como Adão e Eva, Jonas e a Baleia, entre outras, são extremamente necessárias para entender a arte, a história e o mundo em que vivemos”.

Já para Diego Arboleda, ganhador do Prêmio de Literatura Infantil e Juvenil da Espanha em 2014, essas histórias, assim como as influências greco-latinas ou árabes, fazem parte de “nosso acervo cultural” e “nos enriquecem muito”.

Privar alguém desse “elemento fundamental” da cultura representa condená-lo a uma grande “carência”.

David Foster Wallace e sua piada infinita

0

O norte-americano David Foster Wallace (1962 – 2008) foi um dos escritores mais perspicazes das últimas décadas. Suicidou-se em 2008, após tomar o antidepressivo Nardil por 20 anos e teve suas cinzas jogadas na ilha chilena de Masafuera pelo amigo e também escritor Jonathan Franzen.

1

Andrei Ribas, no Homo Literatus

No Brasil, Wallace ganha mais força com a chegada às livrarias de seu maior romance, intitulado Graça infinita (apesar de, aos olhos dos leitores acostumados com o estilo de Wallace, o título dado em Portugal seja melhor: A Piada infinita). Após lançar Breves Entrevistas com Homens Hediondos, com 23 contos, em 2005, a Companhia das Letras publicou em 2012 Ficando Longe do Fato de Já Estar Meio que Longe de Tudo, com ensaios, e lançará, em novembro, a tradução de Infinite Jest. Apontado pela revista Time como um dos cem melhores livros em inglês publicados de 1923 até hoje, Infinite Jest é considerada uma obra extremamente complexa de ser vertida para outras línguas e foi, como registrou em seu blog na editora mencionada, um desafio para seu tradutor, o curitibano Caetano W. Galindo, professor de Linguística da Universidade Federal do Paraná. Mas Galindo tinha as credenciais certas: traduziu Thomas Pynchon, a quem Wallace é comparado, e Ulisses, de James Joyce, quase um tabu entre tradutores. Quanto ao porquê do título ser outro na versão brasileira, Galindo registrou: “Infinite Jest (que a princípio pode querer dizer algo como Piada Infinita) é uma citação. De quando Hamlet, do Hamlet, segura nas mãos a caveira de Yorick, o bobo da corte, e lembra que na sua infância conheceu aquele fellow of infinite jest, um camarada que não parava de brincar… (…) Mas um problema recorrente da tradução de citações é que, a não ser em casos muito óbvios (ser ou não ser), elas tendem a se perder. (…) Segundo, Infinite Jest é também, no livro, o título de quatro filmes que teriam sido feitos (eles são mais um boato que um fato) pelo pai do personagem principal, que, na verdade, foi fazendo um atrás do outro, sempre, como tentativa de completar uma obra perfeita, que nunca o satisfez. Infinite Jest IV é o filme que aparentemente existe e está sendo usado por terroristas, dado o seu potencial infinito de diversão. (…) Terceiro, e bem importante, a escolha do título de uma tradução é sempre conjunta. E, na verdade, quem tem (e deve ter) a palavra final são os editores. Eu mesmo devo ter emplacado menos de 20% dos meus títulos sugeridos até hoje. A minha opinião? Ainda não sei. (…) Meu documento de Word se chama Infinda Graça, que inclusive fica perto da Infinita Graça que o Erico lembra que o Millôr usou no Hamlet. Eu gosto da ligeira dupla leitura fonética com ‘fim da graça’ e gosto, sim, até da leve ressonância religiosa do termo ‘graça’. O livro tem ALTAS ressonâncias no mínimo místico-religiosas. Deve ser isso que eu vou propor. Veremos.”

Dado o título, enfim, resta ao fã de Wallace se esbaldar em sua graça/piada infinita, e àquele que não o conhece, seguem resumos de suas obras lançadas no Brasil, que podem ser lidas, de qualquer forma, antes ou após conhecer sua obra capital:

Breves Entrevistas com Homens Hediondos

Breves Entrevistas com Homens Hediondos foi lançado nos EUA em 1999 e reúne 23 contos. Wallace aborda temas que lhe eram íntimos, como dependência de drogas e depressão, e outros pelos quais ele tinha particular interesse, destacando perversões sexuais, desvios de comportamento, relacionamentos afetivos e o poder nocivo da mídia na vida contemporânea. O autor exercita sua verve satírica e o experimentalismo formal combinando referências eruditas e populares – recorre, a exemplo de Infinite Jest, a extensas notas de rodapé. Companhia das Letras, 2005, R$ 62,00, em média.

Ficando Longe do Fato de Já Estar Meio que Longe de Tudo

Ficando longe do fato de já estar meio que longe de tudo reúne textos de Wallace publicados na imprensa americana – no formato de grandes reportagens, crônicas e ensaios. Entre os relatos, que seguem a vertente do jornalismo literário temperados com o humor irônico do autor, estão suas impressões sobre uma viagem pelo Caribe a bordo de um cruzeiro de luxo, um perfil do tenista Roger Federer, uma palestra sobre Franz Kafka e coberturas de eventos como uma feira agropecuária e um festival da lagosta. Companhia das Letras, 2012, R$ 31,50, em média.

Graça infinita (Infinite Jest)

Romance que projetou Wallace no círculo literário dos EUA, em 1996. Por conta da depressão e dos excessos com drogas e álcool, o autor somou passagens por clínicas psiquiátricas. Refletiu essa turbulência na complexa e fragmentada narrativa do livro, uma projeção futurista ambientada na superpotência resultante da unificação de EUA, Canadá e México. Nessa sociedade, uma atração de TV exerce uma espécie de poder hipnótico sobre os espectadores, espelhando a visão mordaz de Wallace sobre a indústria do entretenimento e a publicidade. Será lançado, pela Companhia das Letras, em novembro, sem preço ainda definido.

Autores fazem leilão beneficente para colocar fãs em livros

0

Após Stephen King e George R. R. Martin, figuras como Julian Barnes e Ian McEwan incluem pagantes em contos e romances

Julian Barnes lidera projeto de leilão beneficente onde autores venderão direitos de personagens a fãs - Reuters

Julian Barnes lidera projeto de leilão beneficente onde autores venderão direitos de personagens a fãs – Reuters

Publicado em O Globo

NOVA YORK — Julian Barnes diz que está oferecendo “a oportunidade genuína de vida após a morte” para seus fãs, mas a premissa é literária. Ele e outros autores, como Margaret Atwood, Ian McEwan, Ken Follett, Will Self e Zadie Smith, estão lançando um leilão para arrecadar fundos para a fundação Freedom from Torture. No evento, que acontece em 20 de novembro, em Londres, 17 escritores venderão direitos para os pagantes terem os próprios nomes incluídos em seus futuros romances.

Barnes, que é um dos representantes Freedom from Torture — que trabalha dando apoio a sobreviventes de tortura —, foi o primeiro a lançar a ideia. Ele fará uma oficina de escrita, da qual sairá um conto e a primeira parte do leilão.

Outros já sabem até quais serão seus personagens nomeados. A americana Tracy Chevalier (“Quando os anjos caem”, “Moça com brinco de pérola”) procura um nome feminino para a “dona durona de uma pensão na São Francisco da corrida pelo ouro”, na década de 1850. Já a canadense Margaret Atwood (ganhadora do Booker Prizer com “O assassino cego”) dá duas opções: ou uma aparição no romance que está escrevendo, ou sua releitura de “A tempestade”, de Shakespeare, que sai em 2016.

A iniciativa de vender direitos de nome para arrecadar fundos já foi feita antes. Mas justamente por dois autores sanguinolentos… e que deram um final pesado para os personagens “comprados”. Stephen King criou um em “Celular” (2006) que morre de forma violenta. Dois fãs pagaram US$ 20 mil cada a George R. R. Martin para entrar na saga de “Game of thrones”. Acabaram mortos, como era de se esperar.

Obra de Julio Cortázar não só resistiu ao tempo como é urgentíssima

0
Julio Cortázar com sua gata Franelle,em Paris, em 1967 (Foto: Museo Nacional de Bellas Artes/Xinhua)

Julio Cortázar com sua gata Franelle,em Paris, em 1967 (Foto: Museo Nacional de Bellas Artes/Xinhua)

Ciro Pessoa, na Folha de S.Paulo

Numa tarde de fevereiro de 1947, Lucio Medina foi ao Gran Cine Ópera no centro de Buenos Aires assistir a um filme do cineasta ucraniano Anatole Litvak. O programa anunciava um noticiário, um desenho animado e o filme.

Enquanto esperava pelo começo da projeção, percebeu algo estranho no público que afluía à sala. Eram dezenas de senhoras preponderantemente obesas, que nada tinham a ver com a plateia habitual do cineasta ucraniano e que falavam com excesso de gestos e submetiam suas crianças “a um regime de beliscões e advertências”.

Quando as luzes se apagaram e o pano subiu, Lucio defrontou-se no palco com uma imensa banda feminina e um cartaz onde se lia “BANDA DAS ALPARGATAS”.

Tratava-se de uma banda desastradamente desafinada e que, a cada marcha militar que executava, era saudada pelo público com urros e aplausos intermitentes. Medina teve vontade ao mesmo tempo de rir, xingar todo mundo e ir embora. Mas, fiel ao velho Anatole, esperou a banda se retirar de cena e depois assistiu ao filme.

1956
Mais tarde, ao relatar o ocorrido para o seu amigo Julio Cortázar, confessou ter entendido tudo aquilo como “um momento de realidade que lhe parecera falsa porque era a verdadeira”.

Disse ainda que “parou de sentir-se escandalizado por se ver cercado de elementos que não estavam em seu lugar, porque na própria consciência de um mundo alternativo entendeu que aquela visão podia se prolongar até a rua, ao seu terno azul, ao programa da noite, ao escritório da manhã, ao seu plano de poupança, ao veraneio em março, à sua amiga, à sua maturidade, ao dia da sua morte.”

O relato, parte do conto “A Banda” do livro “Final do Jogo”, o primeiro publicado por Julio Cortázar, em 1956, e reeditado agora pela Civilização Brasileira por ocasião de seu centenário, revela, já em sua primeira manifestação literária, uma das centelhas estéticas mais presentes na obra do escritor argentino: os elementos que não estão em seu lugar e a consequente instalação de um clima de irrealidade e insanidade.

O livro, composto de 18 contos, mostra um escritor bastante virtuoso, mas ainda em busca de uma identidade própria. Arrisca em vários gêneros, do policial “(O Ídolo das Cíclades” e “O Motivo”) ao romântico (“O Rio” e “Final do Jogo”). Mas o que perpassa toda a obra é um tom memorial, de evocação da infância e de uma Buenos Aires que já não existia mais.

1979
“Um Tal Lucas”, publicado originalmente em 1979, ao contrário de “Final do Jogo”, revela um Cortázar que navega de forma madura e homogênea nos temas que o marcaram como um dos maiores escritores de todos os tempos: os atalhos do cotidiano que dão em pequenos abismos repletos de humor e “nonsense”, um surrealismo particular manifestado na forma magistral como confecciona as imagens, e um estilo elegante, rítmico e inteligente.

Em 48 pequenos relatos, microcontos e contos, o livro traz pequenas obras-primas como “Lucas, sua Nova Arte de Fazer Conferências”, em que o personagem, ao fazer uma palestra sobre Honduras e deparar com a mesa que o separa da plateia, divaga sobre esse “obstáculo mais detestável que qualquer outro […] que mais parece um cachalote obsceno.”

Em “Caçador de Crepúsculos” planeja filmar o que chama de crepúsculo definitivo e exibi-lo antes de um longa, com a legenda “Informamos ao público que além do crepúsculo não acontece absolutamente nada e por isto lhe recomendamos agir como se estivesse em casa e fazer o que lhe der na telha”.

Estes dois relançamentos deixam claro que a obra de Cortázar resistiu ao tempo. E mais: que ela se tornou urgentíssima. Que venham mais cem anos do mestre.

56º Prêmio Jabuti: confira os vencedores (e a polêmica) da mais tradicional premiação literária

0
Montagem/Facebook/Acervo Pessoal

Montagem/Facebook/Acervo Pessoal

Rodolfo Viana, no Brasil Post

Nesta quinta-feira (16), foram apurados os votos e anunciados os vencedores da 56ª edição do Prêmio Jabuti, a mais tradicional premiação literária no Brasil. E, mais uma vez, a apuração contou com uma polêmica: contrariando o regulamento, o jurado B não deu várias notas às obras das categorias Capa e Artes e fotografia, o que afetou o resultado final. Diante disso, a decisão da curadoria foi dar às obras a nota 8, a nota mínima do Jabuti.

Como é de praxe, a identidade dos três jurados de cada uma das 27 categorias permanece em sigilo até 18 de novembro, dia em que serão anunciados os vencedores do Livro do ano de ficção e Livro do ano de não ficção.

A’O Globo, Marisa Lajolo, presidente do conselho curador, afirmou: “A decisão vira jurisprudência para outros casos nesse ano, que espero que não aconteçam. Nos próximos anos será necessário incluir uma regra a esse respeito no regulamento.”

Além disso, na avaliação do curador Frederico Barbosa, o jurado B tentou manipular o resultado da categoria Contos e Crônicas, atribuindo nota 8 aos concorrentes mais famosos da categoria — Cristóvão Tezza, Luiz Vilela, Rubem Fonseca e Milton Hatoum. “Há um vício de julgamento. Cheira a manipulação. Mas a regra de limitar notas de 8 a 10 surtiu o efeito desejado pela CBL”, disse Barbosa.

A jornalista Raquel Cozer, da Folha de S.Paulo, afirmou em seu perfil no Twitter que, apesar das notas mínimas, os autores não foram afetados:

1

Há um precedente para considerar tentativas de manipulação. Em 2012, o jurado C — mais tarde revelado como o crítico e editor Rodrigo Gurgel — distribuiu notas zero, o que colocou em xeque a legitimidade do resultado. Para que isso não voltasse a ocorrer, a organização limitou a nota mínima para 8.

CONFIRA OS VENCEDORES DAS PRINCIPAIS CATEGORIAS

Romance

1º lugar: ‘Reprodução’, de Bernardo Carvalho (Companhia Das Letras)

2º lugar: ‘A maçã envenenada’, de Michel Laub (Companhia Das Letras)

3º lugar: ‘Opisanie Świata’, de Veronica Stigger (Cosac Naify)

Conto e crônica

1º lugar: ‘Amálgama’, de Rubem Fonseca (Nova Fronteira)

2º lugar: ‘Você verá’, de Luiz Vilela (Editora Record)

3º lugar (empate): ‘Nu, de botas’, de Antonio Prata (Companhia Das Letras)

3º lugar (empate): ‘Um solitário à espreita’, de Milton Hatoum (Companhia Das Letras)

Poesia

1º lugar: ‘Bernini – Poemas 2008-2010’, de Horácio Costa (Demônio Negro)

2º lugar: ‘Ximerix’, de Zuca Sardan (Cosac Naify)

3º lugar: ‘Jardim das delícias’, de Marcus Vinicius Quiroga (Marcus Vinicius Quiroga)

Biografia

1º lugar: ‘Getúlio – Do governo provisório à ditadura do Estado Novo (1930-1945)’, de Lira Neto (Companhia Das Letras)

2º lugar: ‘Wilson Baptista: o samba foi sua glória!’, de Rodrigo Alzuguir (Casa da Palavra)

3º lugar: ‘O castelo de papel’, de Mary del Priore (Rocco)

Reportagem

1º lugar: ‘1889’, de Laurentino Gomes (Editora Globo)

2º lugar: ‘Holocausto Brasileiro’, de Daniela Arbex (Geração Editorial)

3º lugar: ‘Um Gosto Amargo de Bala’, de Vera Gertel (Editora José Olympio)

Infantil

1º lugar: ‘Breve História de um Pequeno Amor’, de Marina Colasanti (FTD)

2º lugar: ‘Da Guerra dos Mares e das Areias: Fábula Sobre as Marés’, de Pedro Veludo (Quatro Cantos)

3º lugar: ‘Poemas que Escolhi para Crianças’, de Ruth Rocha (Editora Moderna)

Juvenil

1º lugar: ‘Fragosas Brenhas do Mataréu’, de Ricardo Azevedo (Ática Editora)

2º lugar: ‘As Gêmeas da Família’, de Stella Maris Rezende (Editora Globo)

3º lugar: ‘Uma Escuridão Bonita’, de Ondjaki (Pallas Editora)

Tradução

1º lugar: ‘A Anatomia da Melancolia’, tradução de Guilherme Gontijo Flores (Editora UFPR)

2º lugar: ‘Antologia da Poesia Clássica Chinesa’, tradução de Ricardo Primo Portugal (Editora Unesp)

3º lugar: ‘O Capital: Crítica da Economia Política, Livro I: O Processo de Produção do Capital’, tradução de Rubens Enderle (Boitempo Editorial)

Raquel Cozer divulgou a lista completa dos vencedores na Folha.

Go to Top