Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged contribuição

“Os alunos que não competem têm melhor saúde mental”, diz educador

1
 Pioneiro da aprendizagem cooperativa David Johnson Víctor Sainz

Pioneiro da aprendizagem cooperativa David Johnson Víctor Sainz

Pioneiro da aprendizagem cooperativa David Johnson esclarece por que escolas deveriam adotar esse modelo

Ana Torres Menárguez, no El País

Nos anos sessenta David Johnson (Indiana, 1940) e seu irmão Roger começaram uma cruzada contra a aprendizagem competitiva e individualista que imperava nas escolas dos Estados Unidos. Seu objetivo era romper com a crença de que somente os mais aptos sobrevivem e demonstrar que a aprendizagem cooperativa era a chave para o aluno se enquadrar na sociedade, encontrar um emprego no futuro e saber superar a ansiedade. Fundaram o Centro de Aprendizagem Cooperativa da Universidade de Minnesota e desde então publicaram mais de 100 pesquisas e formaram mais de um milhão de professores de diferentes partes do mundo. Hoje têm unidades de formação na China, Japão, Noruega e Espanha, onde se ensina uma metodologia desenvolvida por eles e assentada em cinco pilares.

Considerados os pais da aprendizagem cooperativa, os irmãos Johnson foram os primeiros a compilar e avaliar mais de 550 estudos publicados sobre o tema desde 1898 para depois elaborar suas próprias pesquisas, trabalho pelo qual receberam mais de uma dezena de prêmios, entre os quais o Brock International Prize for Education, em 2007, concedido pela Universidade de Oklahoma.

David Johnson, professor de Psicologia Educacional na Universidade de Minnesota, respondeu às perguntas do EL PAÍS no I Congresso de Inovação Educativa, realizado há duas semanas em Zaragoza, na Espanha, e organizado pelo Governo de Aragão, um fórum de dois dias ao qual compareceram 1.400 professores para intercambiar experiências sobre as últimas metodologias na sala de aula.

Pergunta. O que é a aprendizagem cooperativa e por que deveria ser adotada nas escolas?

Resposta. Muita gente tem uma ideia equivocada. Juntar pessoas numa mesma sala, sentá-las em círculo e dizer-lhes que são um grupo não quer dizer que vão cooperar de forma eficaz. É necessário que existam cinco elementos essenciais que são os que integram nossa metodologia. O mais importante é a interdependência positiva, que implica que todos os integrantes do grupo percebam que o sucesso individual não se dará se não triunfarem todos. Se um falhar, todos perdem. A chave é entender que os esforços individuais não serão em benefício próprio, mas do grupo. Esse método de trabalho consegue fazer com que as pessoas se preocupem com o sucesso das demais, um fator básico para a convivência. Se as escolas promovem a cultura de ser o número um, ao mesmo tempo estão incentivando esses mesmos alunos a desestimular e obstruir os esforços dos outros. Nas competições só ganham alguns poucos.

P. Seus estudos demonstraram que a competitividade entre alunos não melhora os resultados acadêmicos. Por que esse sistema continua instituído nas escolas?

R. Em meados dos anos sessenta, quando Roger e eu começamos a nos interessar pelo tema, a competitividade e o individualismo dominavam os sistemas de ensino no primário, secundário e na universidade. Era o chamado darwinismo social, que consiste em aplicar a teoria da evolução de Darwin ao campo educacional: os estudantes têm de aprender a sobreviver em um mundo no qual uns comem os outros e somente os mais aptos sobrevivem. Nesse momento, a aprendizagem cooperativa era relativamente desconhecida e ignorada pelos educadores. Felizmente, hoje é uma das metodologias escolhidas em todos os níveis educacionais. É muito raro encontrar um professor que não conheça esse tipo de aprendizagem.

P. Qual o principal problema nas salas de aula?

R. A interação entre estudantes é completamente ignorada. Os programas de formação de professores dedicam a maior parte do tempo a ensinar os professores a lidar com os alunos e mostram a eles como devem reagir aos materiais de aula. No entanto, a interação entre os alunos é essencial e diz muito sobre como aprendem ou sobre quanta autoestima serão capazes de adquirir. Não faz sentido que os alunos compitam uns com os outros para ver quem tira dez e fica acima dos outros. Esse modelo está ultrapassado e até as empresas de tecnologia como a IBM contratam aqueles que sabem trabalhar em grupo. No início dos anos 2000, uma pesquisa de uma empresa de consultoria observou que a principal razão pela qual os norte-americanos abandonam seus empregos é a falta de habilidades sociais de seus chefes. O individualismo não funciona mais.

P. Por que vocês são considerados os pais da aprendizagem cooperativa? Qual a contribuição de vocês que as pesquisas anteriores não fizeram?

R. Podemos ser considerados pioneiros da aprendizagem cooperativa da era moderna, mas antes de nós houve dezenas de autores. O filósofo romano Sêneca defendia esse tipo de aprendizagem com afirmações como Qui docet discet, que significa que aquele que ensina aprende duas vezes. No movimento pela escola pública nos Estados Unidos do início do século XIX também houve uma forte defesa dessa corrente. Não é algo novo. O fato de enfrentar pontos de vista opostos gera incerteza e leva a pessoa a buscar mais informações para chegar a uma conclusão mais refinada e fundamentada. Além disso, nossos estudos demonstram que o aluno deve reestruturar a informação para retê-la na memória e uma maneira de fazer isso é explicar algo em voz alta a um terceiro.

P. De seus estudos se depreende que a aprendizagem cooperativa exige mais esforço e apesar disso é mais atraente para os estudantes.

R. Os benefícios podem ser divididos em três grandes grupos: um maior esforço para conseguir o que se deseja, uma melhoria nas relações interpessoais e também na saúde psicológica. O cooperativo é mais complexo do que o individualista porque o aluno deve se conectar ao mesmo tempo com a tarefa a ser feita e com o grupo. Os membros da equipe têm de aprender a liderar, a escolher um ponto de vista, a se comunicar e gerenciar os conflitos. Nossas pesquisas mostram que eles trabalham mais duro quando o fazem isso em grupo do que sozinhos. Aumenta a retenção de informação, eles têm maior capacidade de desenvolver argumentos, maior motivação para continuar aprendendo depois da aula e melhores estratégias para a resolução de problemas.

P. Parece que os estudantes que cooperam sabem lidar melhor com seu caráter e têm mais resistência à ansiedade. Por quê?

R. Cada vez que dois alunos trabalham juntos, o relacionamento muda: eles se entendem melhor e se apoiam mutuamente tanto no aspecto acadêmico quanto no pessoal. Quando não competem, sua saúde mental melhora; ganham autoestima e sua capacidade de lidar com o estresse melhora. O grau de vínculo emocional entre os estudantes tem um profundo efeito sobre seu comportamento em sala de aula. Quanto mais positiva for essa relação, menores serão as taxas de absenteísmo e evasão escolar. O sentimento de responsabilidade sobre o grupo incentiva o desejo de realizar projetos de maior dificuldade e melhora a motivação e a persistência para atingir um objetivo comum. O grupo se sente unido contra ataques externos ou críticas e aumenta o compromisso com o crescimento pessoal e acadêmico do resto dos membros da equipe. As crianças que necessitam de tratamento psicológico costumam ter menos amigos e suas amizades são menos estáveis no longo prazo. A essência da saúde psicológica é a capacidade de construir, manter e modificar as relações com os outros para alcançar determinados objetivos. Aqueles que não são capazes de lidar com isso geralmente apresentam níveis mais elevados de ansiedade, depressão, frustração e sentimentos de solidão. São menos produtivos e menos eficazes no combate à adversidade.

Nélida Piñon: ‘Detesto o termo literatura feminina’

0

INFOCHPDPICT000063197018

 

Autora, que abre debates sobre escrita das mulheres, fala sobre desafio do feminismo atual

Leo Martins, em O Globo

RIO — Primeira mulher presidente da Academia Brasileira de Letras (entre 1996 e 1997), Nélida Piñon, que completa 80 anos nesta quarta-feira, abre nesta terça-feira (2) o ciclo de debates “Língua afiada: escritoras tomam a palavra”, na Caixa Cultural, às 18h30m, com mediação da professora da PUC-Rio Clarisse Fukelman. Até o dia 12, o evento convida diversas personalidades para discutir a trajetória de escritoras libertárias, perseguidas e aguerridas. A autora de “A república dos sonhos” desafiou as convenções ao longo de quase 60 anos de carreira literária, acompanhando diversas etapas do movimento feminista. Ao GLOBO, por telefone, ela comenta os novos desafios para as mulheres.

Podemos começar?

Você está gravando né?

Sim, gravando.

Ah, eu adoro que gravem! Qual é a pergunta inicial?

Vamos falar sobre o termo “literatura feminina”. Há um velho debate sobre esse termo ser adequado…

Eu detesto esse termo.

Eu sei. Seria melhor falar “literatura escrita por mulheres”?

Já sei como começar… Está gravando?

Gravando.

A escrita é, por natureza, ambígua. Portanto, ela circula pelos sexos do mundo. A escrita reflete o que nós somos. E ela não aprisiona pelos gêneros. Escrever é obrigatoriamente visitar o coração do pensamento. A mulher, embora recente no mundo canônico da cultura, é herdeira de todos os saberes humanos. Ela tem um coração tão polissêmico quanto o coração masculino. Você não fala em literatura masculina; você fala em literatura, e de preferência boa literatura. Eu acho que a literatura da mulher ocupa todos os espaços da humanidade. Isto dito, o que há são características, não de mulher e de homem, mas de escritor. Se fosse assim, como Flaubert teria podido escrever “Madame Bovary” (1856) e ter dito com todo orgulho: “Eu sou Emma”. Se ele tinha coragem de dizer que era Emma, eu tenho coragem de dizer que sou o quê? Um personagem masculino. O grande escritor que abarca os mistérios da arte narrativa é proteico, ele enverga. Ele tem que ser do sexo do homem, da mulher, ele tem que ser pedra, tem que ser mineral, animal, tem que ser coisas vivas… Ele é tudo que existe. Não existe essa história de literatura feminina.

Mas existe uma escrita de mulher?

Eu aceito que se fale em escrita de mulher. Mas eu vou sempre me opor porque há embutido nessa designação um preconceito restritivo (risos).

Qual será o seu tema no ciclo de debates?

Ah, isso eu ainda não sei. Não é por irresponsabilidade. É que eu falo há anos, eu penso desde que nasci. Se eu, a esta altura da vida, não estou equipada para falar de modo que expresse quem eu sou e o que penso do mundo, ah, é uma falência! Eu vou saber o que eu vou dizer, em torno do tema, na hora que eu subir ao púlpito com o microfone.

Mas com certeza estará relacionado com as mulheres e a literatura…

Ah sim, eu não vou inventar. Se o tema é esse, eu vou me ater a esse tema. Com todo o respeito e toda a seriedade. E tentando, enquanto falo, aprender. Quando você fala você se surpreende. Eu vou dizer uma frase: eu sou uma mulher que reservo novidades para mim. Eu gostei da frase (risos).

Ela está gravada!

Ok. Siga.

Há um movimento muito forte atualmente em relação à produção literárias das mulheres…

Acho ótimo, chegou a hora! Não é que não existisse, é que não era reconhecida.

É um movimento que pede mais presença das mulheres em todos os setores da indústria do livro.

Isso tem a ver com pequenas conquistas dessa última etapa do movimento feminista. Houve a etapa de 1920; a de 1960, que foi fundamental, o fundamento dessa leva dos últimos sete, oito anos. Tinha havido um declínio do feminismo, sobretudo no Brasil, e houve essa reviravolta graças a essas jovens que estão demonstrando uma preocupação da mulher, penso eu por conta da violência doméstica, da institucionalização do estupro. Você vê poucas vozes masculinas tomando partido forte, contundente, em defesa da mulher. Acho que quem teria que estar à frente do movimento em relação a essa violência não é a mulher, que é vítima. É a sociedade masculina que deve isso à mulher. Ela está em falta com a mulher.

Outra coisa que se nota nesta nova etapa do feminismo são campanhas, a partir de grupos organizados, para se ler mais mulheres. Esses grupos acreditam que os livros das mulheres aparecem menos, e querem corrigir essa distorção.

Bom, eu entendo dessa matéria porque sou escritora e sou mulher. Havia uma certa técnica, no passado, quando se perguntava a um intelectual “leu fulana?”, ele respondia: “Não li”. Na verdade, ele tinha lido, mas o fato de ter lido e ter percebido que a mulher tinha talento, fazia com que ele se estribasse, usasse como escudo não ter lido para neutralizá-la, apagá-la. Quando você diz que não leu, você apaga a mulher. Só existe quem você lê, aplaude.

E sua participação na visibilidade da escritora mulher é enorme. Primeira mulher presidente da Academia Brasileira de Letras…

Vou te contar uma coisa que nunca saiu publicada. Há mais de 20 anos, fui presidente da ABL no ano do primeiro centenário. Anos antes, há uma crônica do Carlos Drummond de Andrade falando sobre o preconceito contra as mulheres e sobre a Academia. Aí ele diz: quem sabe há de chegar um momento na Academia Brasileira de Letras em que não só as mulheres vão entrar na casa de Machado de Assis como, quem sabe, quando ocorrer o primeiro centenário, a presidente seja mulher E era eu. Foi uma mulher. Esse milagre se deu graças ao entendimento histórico dos acadêmicos naquele momento.

Como vê sua contribuição para as novas gerações de feministas?

Eu me lembro que, no primeiro 8 de março, jovens foram à minha casa me perguntar se eu iria participar desse movimento, que foi na ABI (Associação Brasileira de Imprensa). Eu fui. Fui falar na ABI em defesa do 8 de março, que acabou se tornando importantíssimo. Em vários momentos, participei desse movimento, nunca me esquivei. De modo que estou muito contente que essas jovens mulheres, gente de talento em diversas áreas, estão tomando à frente. Porque a hora é delas. E eu estou aqui para apoiar (risos). Apoiar e dar subsídios – caso me solicitem.

Seth MacFarlane promete igualar doação de US$ 1 milhão a projeto de leitura para crianças

0

LeVar Burton tenta arrecadar US$ 5 milhões para o ‘Reading rainbow’

O ator, roteirista e diretor Seth MacFarlane - Jordan Strauss / Jordan Strauss/Invision/AP

O ator, roteirista e diretor Seth MacFarlane – Jordan Strauss / Jordan Strauss/Invision/AP

Publicado em O Globo

LOS ANGELES — O projeto de incentivo à leitura de LeVar Burton vai receber uma generosa contribuição de Seth MacFarlane. O humorista prometeu igualar até US$ 1 milhão em doações feitas no Kickstarter para que o “Reading ainbow” alcance um número ainda maior de escolas nos EUA. Burton disse ter ficado sem palavras com a generosidade da oferta feita pelo ator, produtor e roteiristas do filme “Ted” e da série “Uma família da pesada”.

MacFarlane resolveu participar quando soube que o “Reading rainbow” precisava de pelo menos US$ 5 milhões. A oferta dele é válida para todas as doações feitas a partir da marca de US$ 4 milhões. Faltando cinco dias para o fim da campanha, o valor arrecadado está em US$ 4,1 milhões.

“Minha mãe me ensinou que ao pegar um livro você ir a ‘qualquer lugar’ e ser ‘qualquer coisa’”, escreveu Burton na página da campanha. “Desde o início do ‘Reading rainbow’ em 1983, eu me dedico a promover o amor pela literatura em crianças, assim como minha mãe fez comigo.”

Burton, estrela de “Star Trek: Next Generation”, foi o apresentador do programa de leitura que foi ao ar na televisão pública nos EUA até 2009. “Reading rainbow” foi lançado como um aplicativo para tablet em 2012 e agora os organizadores pretendem aumentar o alcance com um versão por assinatura para computadores.

Um formato específico para professores será criado para escolas e fornecido gratuitamente para 1.500 salas de aula no país graças ao primeiro milhão conseguidos com as doações. O dinheiro adicional, incluindo aquele doado por MacFarlane, permitirá que o formato seja extendido para pelo menos mais seis mil salas, de acordo com Burton.

Como sempre acontece nas campanhas do Kickstarter, as contribuições dão direito a prêmios, como lembranças autografadas e até mesmo um jantar com LeVar Burton.

Go to Top