(Foto: reprodução)

(Foto: reprodução)

Luciana Galastri, na Galileu

Se você é fã de Harry Potter, certamente se identifica mais com uma das quatro casas de Hogwarts: Grifinória, Sonserina, Corvinal e Lufa-lufa. Talvez tenha até feito o teste oficial do Pottermore – e, se não fez, recomendamos que não perca tempo, já que este estudo foi baseado completamente nele.

A pesquisadora Laura Crysel, da Universidade de Stetson, analisou 132 participantes da rede Pottermore, combinando características de sua personalidade com o resultado do seu teste. A análise foi feita através do que os psicólogos chamam de “Big Five” – cinco grandes traços da personalidade. São eles:

Neuroticismo ou instabilidade emocional, extroversão, amabilidade, escrupulosidade e abertura para a experiência. Além disso foram contabilizados traços da ‘dark triad’: narcisismo, maquiavelianismo e psicopatia. Fora essas características, a necessidade cognitiva também foi pontuada.

Inicialmente, por características mostradas nos livros, acreditou-se que os grifinórios seriam mais extrovertidos e abertos a novas experiências (por serem mais corajosos). O pessoal da Lufa-lufa, conhecido por ser justo e leal, teria uma alta pontuação em amabilidade e necessitariam pertencer a um grupo. Corvinais, espertos e com vontade de aprender, teriam uma alta necessidade cognitiva. Sonserinos, por sua vez, usariam qualquer meio para atingir o final desejado, teriam um score alto em maquiavelianismo.

grifinória \o/ (Foto: reprodução)

grifinória \o/ (Foto: reprodução)

Mas nem todas essas características são verdadeiras: grifinórios não eram tão abertos a novas experiências assim, apesar de serem mais extrovertidos. A galera da Lufa-lufa não teve scores mais altos que a média em necessidade de pertencer a um grupo – apesar de serem os mais amáveis dos quatro grupos. Já a necessidade de atividade cognitiva da Corvinal e a tendência sonserina à Dark Triad estava certa.

“Achamos menos informações conclusivas sobre os grifinórios porque não havia uma medida certa para a coragem e precisamos usar algo similar”, afirmou Laura Crysel. “Eu mesma sou grifinória, então queria ter mais informações sobre a casa do Harry”.

No estudo, só metade das pessoas foi parar na casa que gostaria no Pottermore – ou seja, é difícil trapacear no teste.
E aí, qual é a sua casa?