Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged currículo

Professores e currículo têm de estar alinhados, diz educador de Cingapura

0
Lee Sing Kong, 65, liderou mudanças na formação de professores em Cingapura

Lee Sing Kong, 65, liderou mudanças na formação de professores em Cingapura

 

Renata Cafardo, na Folha de S.Paulo

O reconhecimento que já aparecia na economia chegou à educação para Cingapura, pobre ex-colônia inglesa que é hoje um dos países mais desenvolvidos do mundo.

Seus estudantes, pela primeira vez, apareceram no topo dos rankings do Pisa, a mais importante avaliação internacional de educação. A prova tem questões de ciência, leitura e matemática e é feita pela OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico).

A pequena nação asiática deixou para trás antigos campeões do Pisa, como China e Finlândia. Os resultados foram divulgados em dezembro.

“A chave do sucesso é que todos os componentes do sistema educacional precisam estar alinhados. Se muda o currículo, a formação de professores precisa mudar também”, contou à Folha, Lee Sing Kong, 65, um dos responsáveis pela transformação do ensino no país.

Em 2009, o Ministério da Educação de Cingapura determinou que as escolas precisavam formar estudantes “para serem relevantes no século 21” e remodelou todo o sistema com esse objetivo. Entre as habilidades que tinham que ser desenvolvidas estavam o forte pensamento crítico, a boa comunicação e o trabalho em grupo.

Lee liderou a mudança no instituto de formação de professores do país, ligado ao ministério. “Antes da aula, o aluno já procura no Google o tópico que será estudado. E faz perguntas muito difíceis. O professor precisa compreender esse cenário e entender como os estudantes aprendem.”

Mas a base para o êxito atual no Pisa começou a ser construída assim que o país se tornou uma República, em 1965. Até então, quase metade dos jovens abandonava a escola. Um sistema flexível passou a permitir que crianças com dificuldade tivessem mais tempo para terminar os ensinos fundamental e médio. Bons profissionais foram atraídos para a carreira de professor, que teve o salário equiparado ao de um engenheiro.

A educação hoje é a segunda área com mais investimentos do governo. Perde apenas para defesa.

Lee foi um dos palestrantes deste mês na Academia de Ciências de Nova York, uma das mais importantes organizações científicas do mundo. O educador hoje ocupa o cargo de vice-presidente da Nanyang Technological University, universidade pública que abriga o único instituto de formação de professores do país.

Ele diz não haver contradição entre o esforço para formar jovens com pensamento crítico e a situação política de Cingapura. O país é governado há décadas pelo mesmo partido, elogiado pela eficiência e incorruptibilidade, mas acusado de restringir liberdades.

Cingapura tem 5,5 milhões de habitantes. Suas 369 escolas atendem 450 mil estudantes, metade da rede municipal de ensino de São Paulo.

Folha – Como o resultado do Pisa foi recebido no país?
Lee Sing Kong – Ficamos felizes porque ele mostrou que estamos indo no caminho certo. Mas não faremos nenhum evento específico para festejar. O Pisa não é o objetivo da nossa educação, queremos educar nossos alunos para serem relevantes no século 21.

Que mudanças foram feitas para que eles passassem a ser formados dessa maneira?
Fizemos uma grande revisão em 2009 e desenvolvemos uma modelo de formação de professores para o século 21. O estudante agora é o centro da educação. O aprendizado no século 20 era passivo, hoje é ativo. Nós temos que permitir que os alunos sejam responsáveis pelo seu próprio aprendizado e os professores são os facilitadores, não o principal fornecedor de conteúdo.

Uma das competências que desenvolvemos foi ensinar com questionamentos corretos, com perguntas, ajudando a criança no processo do conhecimento. Isso faz com que desenvolvam um pensamento extremamente crítico.

Como é a formação na prática?
Criamos as chamadas salas de aula colaborativas em nosso instituto que forma professores. As ferramentas para o século 21 (colaboração, empreendedorismo, pensamento crítico, comunicação) não podem ser adquiridas em ambiente de conhecimento passivo. Então, nossos estudantes se sentam em grupos. Quando se tornam professores, levam essa experiência para a escola.

Formamos um thinking teacher (professor pensador), que sabe como se adaptar, inovar e reconfigurar a sala de aula. Ele precisa escolher o melhor jeito de ensinar cada assunto. Além disso, 35% do tempo do currículo é para prática nas escolas, com supervisão de professores seniores.

Vocês identificaram também um novo perfil de aluno.
Os alunos hoje gostam de aprender com experimentos, imagens interessantes, participando do processo e se conectando em grupo. Professores precisam criar atividades em que os jovens realmente façam parte. O conhecimento está em qualquer lugar. Antes da aula, o aluno já procura no Google o que será estudado e faz perguntas muito difíceis. O professor precisa compreender o cenário e entender como os estudantes aprendem.

O Pisa mostrou que os estudantes de Cingapura estão entre os mais motivados para estudar. Como conseguir isso?

Primeiro, é preciso mostrar a relevância do estudo. Depois, trazer para a sala de aula problemas do mundo real, para eles pensarem e aplicarem o conhecimento. Por exemplo, ao ensinar fotossíntese, dizemos por que ela é relevante, ou seja, porque muito da sua comida é produzida por meio dela.

Mas os professores também precisam estar motivados para fazer mudanças.

Desde os anos 90, passamos a mensagem de que o professor é crucial no desenvolvimento do país. O Ministério da Educação aumentou o salário de um professor inicial para se tornar igual ao de um engenheiro. Havia poucas oportunidades para ele ser promovido, apenas o caminho administrativo. Mas há ótimos professores que não querem ser diretores. Criamos a carreira de professor master e sênior, com salários equiparados aos do diretor. Aos poucos, a sociedade começou a reconhecer o valor deles.

No Brasil, o governo está criando uma Base Curricular Nacional. Como fizeram isso?
Se vamos viajar, precisamos saber bem o destino. Em Cingapura, ele é o que chamamos de Resultados Desejados da Educação (Desired Outcomes of Education).

Nós sabemos como queremos educar nossos alunos. Eles têm que ter habilidades para serem relevantes no tempo em que vivem (integridade, pensamento crítico, curiosidade, amor a Cingapura). Só quando estabelecemos isso, pudemos falar sobre qual currículo era necessário. Quais atividades e avaliações.

Nosso currículo é sempre revisado, quando se inclui tópicos, outros são tirados. Assim, os professores têm tempo suficiente para pensar em maneiras de aplicá-lo. E o mais importante é que os professores passaram a ser treinados assim também.
A chave do sucesso é: todos os componentes do sistema educacional precisam estar alinhados. Se o currículo vai para um lado, a formação dos professores vai para outro e avaliação para outro, como vai ter impacto? Se muda o currículo, a formação de professores precisa mudar também.

Isso é mais fácil de fazer em um país pequeno. Como ter essa integração em um país como o Brasil?
Não se pode teletransportar um modelo de um lugar para outro porque o contexto é diferente. Mas a lição que aprendemos aqui é: sim, somos um país pequeno e podemos trabalhar juntos, mas precisávamos planejar bem. No Brasil, você tem vários níveis de administração, estadual, municipal, você precisaria fazer isso talvez nesses níveis.

Outra discussão no Brasil é a flexibilização do currículo no ensino médio. Como é em Cingapura?
No ensino médio há vários caminhos vocacionais que os estudantes podem escolher. Alguns vão para o caminho mais acadêmico, outros para os práticos. Mas podem mudar se quiserem, o caminho não é um fim. O estudante pode fazer a formação prática e depois ir para os estudos acadêmicos.

O governo fala em pensamento crítico, mas Cingapura é visto como um país onde não há liberdade de expressão.
Essa é uma impressão errada. Somos um país multirracial, onde a harmonia e a paz são muito importantes. Um cidadão precisa respeitar o outro, respeitar a diversidade.

O que o governo desencoraja é falar coisas que podem afetar questões sensíveis na religião, por exemplo. Isso não é controlar sua liberdade de expressão, é uma maneira de manter harmonia e paz.

Então, os estudantes devem desenvolver pensamento crítico mesmo que seja para criticar o governo?
Claro, tem muita crítica ao governo no Facebook e o governo desliga o Facebook? Não. Os estudantes precisam saber como o mundo está se desenvolvendo e como eles vão se posicionar para se adaptar ao mundo.

RAIO X

Cargo atual Vice-presidente da Nanyang Technological University (EUA)

Cargo anterior Ex-diretor do Instituto Nacional de Educação (de 2006 a 2014)

Formação Biólogo e educador

Professor que pedia emprego em semáforo é contratado com ajuda das redes sociais

0

desempregado-ha-seis-meses-o-professor-e-analista-de-sistemas-jair-da-silva-busca-emprego-no-transito-de-sao-paulo-o-que-ia-fazer-comeca-a-bater-desespero-1475015787472_615x300

Jair da Silva ganhou notoriedade no Facebook e no LinkedIn por distribuir cartões de visita no trânsito

José Paulo Lanyi, no UOL

Menos de um mês após ter distribuído centenas de cartões de visita no trânsito de São Paulo em busca de emprego, o analista de sistemas Jair da Silva, 61, conseguiu voltar ao mercado de trabalho.

Ele começará na segunda-feira (3) como gerente-geral em uma pequena empresa da área de saúde do bairro de Pinheiros, zona oeste da cidade.

Silva ficou seis meses desempregado. No dia 28 de agosto, decidiu pedir uma oportunidade a motoristas que trafegavam pelo Largo da Batata e pela avenida Faria Lima, na zona oeste, e, dias depois, em um cruzamento próximo à sua casa no Jardim São Paulo, bairro de classe média da zona norte.

Seus cartões de visita traziam, na frente, seu nome, telefone, e-mail e a frase “Solicito uma oportunidade profissional”. No verso, as atividades que exerceu como professor universitário, gerente administrativo e de negócios.

A iniciativa repercutiu no Facebook e no LinkedIn (rede social voltada a contatos profissionais).

Na última terça-feira (27), a BBC Brasil publicou reportagem com a história, que também despertou grande atenção no Facebook: até esta sexta-feira (30), havia 14 mil reações, 2.800 compartilhamentos e centenas de comentários na postagem sobre a situação do professor universitário.

“O diretor da empresa não quer publicidade. Mas ele me disse que me chamou para a vaga depois de ler a reportagem”, afirma Silva.

Silva será responsável pelas áreas administrativa e financeira da empresa, “com um dedo no comercial”, como explica à BBC Brasil. “Também vou atualizar o sistema de informática. Enfim, tudo dentro do que sei.”
Treinamento

Dias antes, quando soube da atitude do professor por meio da rede LinkedIn, a especialista em coaching Madalena Feliciano, da empresa Outliers Careers, havia oferecido a Silva um treinamento para uma nova carreira, com técnicas de recolocação profissional.

“Acredito que a garra, a determinação e a ousadia do Jair, unidos ao poder da internet, foram essenciais para a sua contratação”, diz ela, ao saber do novo emprego.

“Isso mostra que a criatividade, a resiliência para lidar com as adversidades e focar na solução, e não no problema, são os caminhos para o sucesso.”

Silva contou à BBC Brasil que já estava “batendo o desespero” pela dificuldade em encontrar emprego, sobretudo por conta de sua idade. “Já houve casos em que a empresa me disse: ‘O senhor tem um currículo maravilhoso, mas só estamos contratando até 38 anos’.”

Agora, ele agradece o papel que as redes sociais tiveram no desfecho positivo de sua história e aconselha a quem estiver procurando emprego: “Não desistam, procurem uma forma honesta de solucionar seus problemas. Espero que a minha ideia sirva de incentivo para todos. Não tenham vergonha”.
‘Atitude positiva’

A atitude de Silva já vinha inspirando outras pessoas, como a engenheira de produção gaúcha Noélle de Melo, que mora no Rio e estava desempregada há quatro meses.

Também citada na reportagem da BBC Brasil, ela distribuía “minicurrículos” em forma de cartão no centro da cidade e diante de condomínios de empresas na Barra da Tijuca.

E, assim como Silva, ela também tem uma boa notícia para contar: conseguiu emprego e começará a trabalhar na segunda-feira.

“Uma moça compartilhou meu cartão no Facebook. Essa publicação chegou a um empresário, que me ligou e me entrevistou. Agora recebi a resposta de que fui selecionada. Estou muito feliz”, conta.

Noélle trabalhará como gerente de planejamento em uma empresa da Barra da Tijuca especializada em e-commerce. “Neste período de crise, precisamos ter uma atitude positiva para conseguir os resultados, e o networking foi fundamental para a minha recolocação”, conclui.

Escola maior tende a ser melhor para a formação, diz ministro

0

Fábio Takahashi, em Folha de S.Paulo

minis

Divulgados na semana passada, os resultados do Enem trazem atualmente diversas informações além das notas. Para o ministro da Educação, Renato Janine Ribeiro, os pais devem estar especialmente atentos ao tamanho das escolas.

“Tendo a dizer: procure uma escola maior. Ali, seu filho terá contato com pessoas mais diferentes entre si”, disse o ministro à Folha.

A decisão não é simples, porque os colégios com as melhores notas no Enem costumam ser pequenos (os quatro primeiros têm entre 31 e 60 estudantes no final do ensino médio).

A seguir, a entrevista com o ministro, que falou também sobre medidas que devem ser adotadas para melhorar o ensino médio e o peso da desigualdade social nas notas.

Folha – Qual a avaliação do sr. sobre os resultados do Enem?

Renato Janine Ribeiro – Queremos mostrar que os resultados não são apenas fruto de mérito pessoal, do estudo, mas há componentes sociais fortes. O objetivo não é desqualificar os resultados ou o Enem. É entender como podemos melhorar a escola e o aluno. Quais fatores são internos e externos às escolas? Desigualdade social é externa à escola, tem um peso impressionante e é opressora. Fatores internos têm peso menor, mas papel libertador [podem melhorar a situação do jovem]. Você não consegue assegurar igualdade de oportunidades só pela escola.

O sr. quer dizer que enquanto a desigualdade social não diminuir a educacional também não diminui?

Nossas políticas enfrentam a desigualdade educacional. Mas a social ainda é muito cruel. Não é desigualdade administrável, como na França, Inglaterra ou EUA.

Esse discurso não enfraquece a mobilização para melhorar a qualidade do ensino?

É apenas um retrato da realidade. Não tira nada da escola, que tem um papel. Mas não podemos culpar o aluno pobre pela nota ruim. Nem considerar que o muito rico alcançou notas altas apenas a partir de seu mérito.

O mérito maior vem das escolas públicas, simples, que conseguem bons resultados, mesmo com alunos pobres. Não das escolas que selecionam alunos, excluem os que têm problemas ou aliciam bons estudantes de outras escolas para o 3º ano do ensino médio (quando o Enem vale para a nota do colégio).

O maior número de indicadores divulgados visa diminuir essas práticas?

Estamos colocando o dedo na ferida, apontando procedimentos que não são escolares e distorcem o verdadeiro mérito. Mas nossa meta mesmo é saber o que na escola melhora a nota.

E o que é?

Professores com melhor formação, que lecionam em apenas uma escola, e estabilidade no corpo docente são alguns dos exemplos. Mas a diferença na nota no Enem entre os mais ricos e os miseráveis é 611 contra 429 [pontos]. Para o miserável chegar lá é muito complicado. Queremos que ele chegue lá.

E como fazer isso?

Parte da responsabilidade é da educação, parte fora. Por exemplo, a busca ativa do Ministério do Desenvolvimento Social, que vai atrás de quem é miserável [e não é beneficiário de programas federais]. A intervenção não é só educativa. Mas ela ajuda.

E quando o ensino médio de fato vai melhorar?

Não dá para dizer. Sobre o que fazer há alguns pontos. Fortalecer português, matemática e ciências. E articular melhor as matérias.

Sobre a articulação, há uma discussão no governo sobre o currículo. E sobre a carga maior de português, matemática e ciências, o que sr. pretende fazer?

Podemos fortalecê-las no contra-turno, além do português, sem sacrificar as humanas. Inicialmente, penso em fazer isso nos institutos técnicos federais, que têm ensino médio. Pode ser modelo para as demais escolas.

Voltando aos resultados do Enem, que sugestão o sr. daria para famílias que estão escolhendo escolas?

Depende de várias coisas. Se tem dinheiro para mensalidade ou se vai para a escola pública. Escolha uma escola perto de casa, que não estresse o aluno indo e voltando.

A nota do Enem é importante. Você pode identificar várias escolas da região, mas deve visitá-las. E, hoje, quando você olha na tabela do Enem, há diversos indicadores: se a escola atende classes sociais mais pobres, se tem permanência longa dos alunos e se é grande.

Tendo a dizer: procure uma escola maior. Ali, seu filho terá contato com pessoas mais diferentes entre si. Vai conhecer o preguiçoso, o esforçado, o desobediente, tipos de pessoas que ele encontrará na vida. Numa escola pequena, as pessoas podem ser muito parecidas. A nota pode ser maior, porque é mais fácil dar aula para estudantes parecidos. Mas, no futuro, o garoto ou a garota não vai conseguir lidar com um mundo cada vez mais complexo.

Esse convívio compensa a nota menor no Enem?

Claro que, se a escola é ruim, tem de sair. Mas a partir de determinado patamar… A escola não é apenas aulas. Tem muito material na internet, a pessoa pode ler romances. É mais importante para a pessoa sentir que está se formando. Mais importante do que saber os afluentes das margens esquerda e direita do rio Amazonas é saber pensar.

Internet é opção para aprender línguas do mundo todo

0

Pagos ou gratuitos, cursos ensinam idiomas online; aluno investe no currículo e pode conhecer novas culturas

idoomas

Publicado em O Estadão

Jean Gonçalves estudou inglês dos 12 aos 18 anos no Senac de Florianópolis. Em 2009, decidiu aprender mandarim e seguiu o mesmo caminho. Começou as aulas, mas a turma acabou. “O online foi a alternativa para continuar”, conta o desenvolvedor de software, de 25 anos, que concluiu o curso em 2013. “Pude ver os dois lados. No presencial, o professor está ali ajudando, tirando dúvida. No online, com o programa, a gente vai cumprindo lições.”

Mandarim foi a primeira língua que ele estudou a distância. “Fiz o curso todo em um ano, senão a licença expirava.” Com 40 minutos diários, é possível acabar nesse prazo, segundo o Senac. A motivação do programador veio da viagem à China, realizada em 2014. “Lá as pessoas me entenderam. Às vezes com alguma dificuldade, por causa dos quatro tons do mandarim que mudam o sentido da palavra conforme a pronúncia.” Com o Rosetta Stone, sistema usado pelo Senac, ele diz que exercitou bem “o falar e o escutar”. A cada término de fase, tinha de agendar uma avaliação com professor nativo. “É como se fosse um chat, em que ele aparece com voz e vídeo, e a gente só por voz.”

A parceria do Senac com a empresa Rosetta Stone começou em 2011. “Era um mercado novo, tínhamos projetos locais para o ensino a distância. Mas, como os cursos estavam na internet, alunos de outros Estados também se inscreveram”, lembra Anderson Malgueiro, diretor do Senac EAD em Santa Catarina, responsável pela área de idiomas online da instituição em todo o Brasil.

Atualmente, o Senac oferece 24 cursos de língua a distância. De 800 alunos em 2013, chegou hoje a 3,2 mil, com a expectativa de alcançar 4 mil até o fim do ano. Segundo Malgueiro, chama a atenção o interesse, ainda que pequeno, por idiomas como filipino e sueco. Já o mandarim vem crescendo no ranking dos mais procurados: responde por 10% dos alunos, mesmo porcentual do inglês britânico. Francês, alemão e espanhol vêm em seguida, com 6% cada. No topo da lista está o inglês americano, com 58%.

Principal idioma. Na internet, é mesmo o inglês que domina os cursos. Muitos ensinam exclusivamente a língua. É o caso do EF Englishtown, líder do segmento. Com 50 anos de experiência, a escola online viu sua base de alunos no Brasil pular de 30 mil em 2011 para os cerca de 130 mil atuais. “Esse crescimento tem a ver com acesso das pessoas à internet. Elas estão interagindo mais com a rede, usando como ferramenta”, explica André Marques, diretor-geral da EF Englishtown.

Uma divisão da EF Education First, empresa mundial especializada em educação, a Englishtown atua no Brasil desde 2001 e acompanhou a expansão e a transformação do mercado de ensino de inglês online no País. “Em 2010 havia três escolas. No fim de 2013 já eram 22. Hoje, comparado a outros países, o Brasil é o que tem a concorrência mais agressiva”, afirma o diretor, que calcula que o mercado de inglês tenha agora 15 escolas online.

Marques ressalta que existem vários modelos disponíveis e que “muitas empresas surgiram nesses anos com ferramentas de tradutores, um conteúdo que acaba não prendendo a atenção do estudante”. “A Englishtown é uma plataforma de educação, uma escola dentro da internet. Segue todos os parâmetros, apenas se utiliza da tecnologia para ter acesso ao aluno.” Segundo ele, em média, com uma hora de estudo por dia, é possível acabar o curso em um ano e meio.

Outra escola mundial de inglês online que atua por aqui é a Open English. Fundada em 2007 pelo venezuelano Andrés Moreno, a empresa conquistou o mercado latino e investe no Brasil há dois anos. Presente em 40 países, tem 100 mil pessoas matriculadas. A empresa informa que quem dedicar pelo menos três horas por semana ao curso se torna fluente em até um ano e meio.

Lançado em 2007 pelo grupo Pearson, uma das empresas mundiais especializadas em educação, o Meuinglês também está na disputa por estudantes de inglês a distância no Brasil. Atualmente o site tem 4 mil usuários no País. Se o aluno estudar duas horas por semana, a estimativa é que saia de iniciante a fluente em dois anos. O curso dá direito a certificado a cada etapa vencida.

Ritmo ajustável. O tempo de conclusão dos cursos online depende do aluno. Essa flexibilidade é a principal vantagem apontada por especialistas e alunos. “O diferencial é poder fazer quando quiser. Antes, se eu não podia ir, faltava aquela aula. No online, não”, diz Daniel Ferreira, servidor público da prefeitura do Rio, que fez parte do curso de inglês a distância do BLC4u.

“Recebi a oferta de um site de venda coletiva para um pacote de seis meses pelo preço de um, achei atrativo. Como eu já tinha feito o básico numa escola física de inglês, comprei o nível intermediário.” Ele aprovou o método: “O conteúdo deu sequência ao que eu tinha aprendido. Acho que funcionei como autodidata”.

Nos cursos pagos, em geral, o aluno pode definir o ritmo e, dependendo do modelo, até a área a ser enfatizada (gramática ou conversação) e os assuntos de maior interesse. Situações do dia a dia são temas bem explorados nos métodos online em geral, pagos ou gratuitos. Recursos tecnológicos também não faltam: vídeos, podcasts, atividades interativas e textos de blogs sobre atualidades. Além disso, vários cursos oferecem a chance de estudar pelo computador ou por meio de aplicativos no tablet ou no celular. O sistema salva as tarefas cumpridas numa plataforma, e o estudante pode dar continuidade em outra.

Com cerca de 50 milhões de inscritos, o site gratuito Busuu é um dos que oferecem versão online e aplicativo para Android e iOS. Tem no cardápio 12 idiomas para o aprendizado. Vão desde os mais procurados (como inglês, espanhol e francês) até turco, japonês e russo.

A página Duolingo também tem ambiente online e aplicativo. É possível aprender inglês, espanhol e francês com o método em que as lições são como etapas de um jogo. Depois do mandarim, o programador Jean Gonçalves resolveu se aventurar em outra língua pela internet usando esse recurso. “Estou aprendendo espanhol no Duolingo. É escutar e repetir, mas é uma alternativa para quem não puder pagar.”

Eles vão como voluntários e voltam cheios de histórias

0

Cresce a procura por experiências humanitárias em outros países; trabalho enriquece o currículo e pode ajudar a treinar novo idioma

est1

Publicado em Estadão

As férias de Isabella Cino poderiam ser de compras em Nova York, como o pai sugeriu. Ao contrário, a empresária, de 24 anos, decidiu fazer um roteiro pouco comum: 15 dias de trabalho voluntário com crianças de favelas na África do Sul e outros 15 em um orfanato no Nepal, país atingido em maio por um terremoto. “Não custa sair do conforto da minha cama para ajudar pessoas que nem cama têm”, defende Isabella, acostumada a trabalhos voluntários no Brasil. No Nepal, ela acredita que encontrará um cenário de destruição. “Até terei dias de folga, mas nem sei que turismo vai ser possível fazer lá.”

A procura por oportunidades de intercâmbio para trabalho voluntário cresce entre jovens brasileiros, ansiosos por fazer a diferença e conhecer novas realidades. A experiência, além de ajudar quem precisa, enriquece o currículo e pode valer para treinar outro idioma.

Para a estudante Flávia Ferreira, de 18 anos, que embarcou neste mês para a Cidade do Cabo, na África do Sul, a viagem será um teste para a carreira que pretende seguir. Com o sonho de trabalhar no Médicos sem Fronteiras – organização humanitária internacional -, Flávia faz cursinho atrás de uma vaga em Medicina. No país, trabalhará como voluntária em um hospital infantil por duas semanas. “Espero ver alguns procedimentos médicos e entrar em contato com pacientes.”

A África do Sul é o país mais procurado para esse tipo de intercâmbio e chega a representar até 70% das vendas das agências ouvidas pelo Estado. A região tem projetos diversos, como trabalho voluntário com crianças em creches e hospitais e com animais selvagens em reservas. A possibilidade de ficar afiado no idioma também é um atrativo . “Meu inglês não está tão bom. Acho que consigo me virar, mas será uma boa chance de melhorar”, diz a estudante.

Pela Ásia. Atrás de experiências ainda mais exóticas, os viajantes também buscam países asiáticos. “A Índia chama a atenção pela cultura e a grande quantidade de pessoas que vivem em situação de pobreza”, explica Rosana Lippi, gerente de Produto na Student Travel Bureau (STB), que começou a oferecer pacotes de intercâmbio social neste ano. Segundo ela, localidades que passaram por catástrofes também atraem voluntários.

est2

or oito semanas, o estudante de Administração Renan Gothard, de 21 anos, trocou a sala na Universidade de São Paulo (USP) por uma em Taiwan. Os papéis também se inverteram: de aluno, passou a professor. Ensinou inglês e português para crianças de 6 a 12 anos e, em troca, teve “aulas” de mandarim. Interessados na cultura brasileira, os pequenos aprenderam dribles do futebol e conheceram o brigadeiro.

“Logo que voltei, recebi mais ou menos 500 bilhetinhos das crianças. Muitas falavam que ganharam a vontade de aprender inglês e conhecer o mundo.” O estudante viveu em casas de três famílias taiwanesas: da dona da escola, da diretora e de uma professora. “Me puseram nessas três classes sociais para que eu conhecesse mais a cultura.”

Para ele, a experiência valoriza a formação profissional. “Precisava desenvolver algumas competências relacionadas à comunicação. Quando voltei, percebi que as empresas davam mais atenção para mim por ter um intercâmbio voluntário no currículo.”

Para a presidente da Associação Brasileira de Organizadores de Viagens Educacionais e Culturais (Belta), Maura Leão, o contato com pessoas de diferentes países é uma das vantagens desse tipo de viagem social. “Multinacionais valorizam quem está disposto a conhecer o novo. Isso torna as pessoas mais resilientes e preparadas para mudanças.” Em época de crise, saber lidar com situações extremas também é uma habilidade exigida. “Saem ganhando pessoas que quebram paradigmas e atravessam barreiras.”

Antes de Taiwan, Gothard já havia feito intercâmbio na Alemanha e nos Estados Unidos. Jovens entre 20 e 25 anos que já tiveram alguma experiência internacional são os que mais procuram esse tipo de viagem humanitária.

Para aproveitar a experiência, o intercambista precisa estar disposto a ajudar. “As acomodações são rústicas, e as tarefas, determinadas pelo projeto local”, explica a diretora da agência Roda Mundo, Roberta Gutschow.

Em menor número, pessoas mais velhas e famílias também já se aventuram no voluntariado. “Estamos atendendo uma mãe que quer ir com um filho de 10 anos”, exemplifica Eduardo Frigo, gerente de produtos da CI – Intercâmbio e Viagem. A agência calcula aumento de 20% a 30% nas vendas de intercâmbio social no último ano.

Pacotes de até um mês atraem quem tem menos tempo para viajar. Um intercâmbio de 15 dias na África do Sul, com acomodações e refeições, custa a partir de R$ 3 mil. As passagens aéreas não estão incluídas. Em algumas agências, é possível aliar o trabalho voluntário a cursos de idiomas.

 

est3

Multicultural. Quando esteve em Medellín, na Colômbia, Marcella Sales, de 21 anos, conheceu muito mais do que um país. Cerca de 40 estrangeiros também atuavam como voluntários em organizações não governamentais e orfanatos da cidade. Nos fins de semana, viajavam juntos. “Conheci um menino da Arábia Saudita. É uma realidade totalmente diferente da nossa”, conta ela, que estuda Ciências Contábeis e foi pela Aiesec, organização estudantil que faz intercâmbios.

No intercâmbio, Marcella teve a chance de ajudar meninas que foram violentadas. “Nunca imaginaria me apegar a pessoas que não conhecia.” A estudante mantém a vontade de voltar a viajar pela América Latina e estudar o espanhol. “Agora tenho um encantamento muito grande pelo idioma.”

Go to Top