Posts tagged Da Saga

“A Guerra dos Tronos” ganha versão em HQ, tão explícita quanto os livros e a série de TV

0
O romancista Daniel Abraham e o desenhista Tommy Patterson são responsáveis pela adaptação de "A Guerra dos Tronos" para HQ. Alex Ross, Mike S. Miller e Michael Komarck assinaram as capas das edições mensais, que abrem cada novo capítulo no volume brasileiro. Reprodução

O romancista Daniel Abraham e o desenhista Tommy Patterson são responsáveis pela adaptação de “A Guerra dos Tronos” para HQ. Alex Ross, Mike S. Miller e Michael Komarck assinaram as capas das edições mensais, que abrem cada novo capítulo no volume brasileiro. Reprodução

Publicado por UOL

Adaptação de “A Guerra dos Tronos” para HQ tem sangue e nudez

Leia a saga, acompanhe a série na TV e agora leia a adaptação para os quadrinhos de “A Guerra dos Tronos”, épico de capa e espada do escritor George R.R. Martin. Lançada em 2012 nos Estados Unidos pela Dynamite, a série em quadrinhos chega ao Brasil por meio da Casa da Palavra, através do selo Fantasy, no formato de TP (trade paperback).

O primeiro volume reune os seis primeiros números publicados de forma seriada pela editora norte-americana – com 240 páginas, tem preço sugerido de R$ 39,90. Nesta sexta (19), a Comic-Con, em San Diego, trará um painel com as novidades da quarta temporada da adaptação para as séries de TV.

O sexo e o erotismo, além da violência, também têm espaço na adaptação da saga para a HQ. Há paginas e páginas de mulheres e homens nus em comunhão carnal, nada muito explícito, mas com um ou outro "nu frontal". Como o encontro entre Khal Drogo e Daenerys, que se exibe com uma naturalidade quase ingênua.

O sexo e o erotismo, além da violência, também têm espaço na adaptação da saga para a HQ. Há paginas e páginas de mulheres e homens nus em comunhão carnal, nada muito explícito, mas com um ou outro “nu frontal”. Como o encontro entre Khal Drogo e Daenerys, que se exibe com uma naturalidade quase ingênua.

O romancista Daniel Abraham e o desenhista Tommy Patterson são responsáveis pela adaptação. Alex Ross, Mike S. Miller e Michael Komarck assinaram as capas das edições mensais, que abrem cada novo capítulo no volume brasileiro. Patterson foi escolhido por meio de uma seleção em âmbito mundial. Abraham, que foi aluno de Martin, escreve fantasia épica com o seu nome, fantasia urbana e contemporânea como M. L. N. Hannover e ficção científica (em colaboração com Ty Franck) como James S. A. Corey. O escritor fez todo o trabalho de quebrar o romance em páginas e painéis, decidindo o que cortar e o que manter, fazendo todo o roteiro, os diálogos e a descrição das imagens.

Assim como a série de TV guarda semelhanças e diferenças com a saga literária, os quadrinhos também apresentam pontos em comum e grandes divergências com os livros. As principais semelhanças estão no quadro geral, nos grandes arcos dramáticos, além do modo como os personagens são retratados – muitos deles foram envelhecidos na série e nos quadrinhos voltaram às suas faixas etárias originais. As diferenças estão no modo como os pequenos arcos dramáticos e subtramas se juntam, simplificando a condução da história.

Outro elemento que os autores não mexeram foi o sexo e o erotismo. Há paginas e páginas de mulheres e homens nus em comunhão carnal, nada muito explícito, mas com um ou outro “nu frontal”. Como o encontro entre Khal Drogo e Daenerys, que se exibe com uma naturalidade quase ingênua.

Martin, que supervisionou a adaptação para os quadrinhos, aprovou com folga o trabalho de Abraham e Patterson. Com a palavra, o autor da saga épica: “Quero deixar uma coisa bem clara: este não é um produto promocional baseado na série televisiva. O que você vai ler é uma adaptação original de meus romances. As equipes responsáveis por estas versões alternativas da minha fábula – Daniel Abraham e Tommy Patterson para os quadrinhos, David Benioff e D.B. Weiss (auxiliados e instigados por Bryan Cogman, Jane Espenson e este que vos fala) para a série de TV – trabalharam a partir do mesmo material original e depararam-se com alguns dos mesmos desafios, mas cada uma delas também teve de lidar com problemas exclusivos de sua mídia. Em alguns casos, podem ter chegado a soluções similares; em outros, tiveram abordagens muito diferentes. Mas se você é um fã da série de TV e está se perguntando por que os enredos são um pouco diferentes e os personagens não se parecem com os atores que viu na tela… Bem, agora você sabe”.

Autora da saga ‘Harry Potter’ publica livro de suspense usando pseudônimo

2

Publicado por Folha de S.Paulo

A escritora britânica J. K. Rowling, autora das bem-sucedidas histórias do bruxo Harry Potter, escreveu em segredo um suspense sob o pseudônimo de Robert Galbraith, segundo revela neste domingo (14) o jornal “The Sunday Times”.

Trata-se de “The Cuckoo’s Calling”, um livro publicado em abril e que relata a história de um ex-combatente que responde ao nome de Cormoran Strike e que se transforma em detetive privado.

Desde sua publicação, Rowling vendeu 1.500 cópias, mas o segredo foi descoberto depois que o “Sunday Times” se perguntou como podia ser que um autor que publicava pela primeira vez pudesse conseguir uma resposta tão imediata.

J.K. Rowling, autora da série "Harry Potter"  / Carlo Allegri/Reuters

J.K. Rowling, autora da série “Harry Potter” / Carlo Allegri/Reuters

“Eu esperava guardar este segredo durante um tempo mais porque ser Robert Galbraith foi uma experiência libertadora”, disse a autora em declarações que publica o jornal.

“Foi maravilhoso publicar sem expectativa e por puro prazer para obter uma resposta com um nome diferente”, acrescentou.

Uma das pistas que levaram a descobri-la é que Rowling e Galbraith compartilhavam o mesmo agente e a mesma editora.

O livro foi publicado pela Sphere, parte do grupo editorial Little, Brown Book Group, que lançou no ano passado seu primeiro romance para adultos “The Casual Vacancy”.

Rowling publicou esse livro 15 anos depois de lançar o primeiro episódio da saga de Harry Potter, traduzida para 73 idiomas e da qual vendeu 450 milhões de cópias em mais de 200 países.

Livro raro de Harry Potter é leiloado por R$ 460 mil

1

Publicado no RFI

O ator Daniel Radcliffe, que interpretou o personagem Harry Potter no cinema.

O ator Daniel Radcliffe, que interpretou o personagem Harry Potter no cinema.
REUTERS/Jaap Buitendijk/Warner Bros

Um exemplar raro do primeiro livro da saga de Harry Potter foi arrematado por 460 mil reais num leilão beneficente da tradicional casa Sotheby`s, em Londres. Com o título original de “Harry Potter e a Pedra Filosofal” a publicação, de 1997, traz 43 páginas de comentários da escritora J.K. Rowling, além de 22 ilustrações da autora.

 

A raridade editorial fazia parte de um lote de originais com anotações de 50 escritores contemporâneos da Grã-Bretanha. Este foi o preço mais alto pago por uma obra impressa de J.K. Rowling e também atingiu o preço recorde para um livro escrito por um autor britânico.

O comprador que arrematou a obra participou do leilão por telefone e que não quis se identificar. Os sete livros da série Harry Potter foram traduzidos em 70 idiomas e já venderam mais de 450 milhões de exemplares.

Autora da saga ‘Crepúsculo’ fala sobre sua segunda série de livros

0

Versão para o cinema de ‘A hospedeira’ estreia no Brasil na próxima sexta-feira

A escritora Stephenie Meyer, autora da milionária saga “Crepúsculo” Divulgação

A escritora Stephenie Meyer, autora da milionária saga “Crepúsculo” Divulgação

Eduardo Graça, em O Globo

Maquiagem forte, cabelo jogado para o lado, Stephenie Meyer se senta na beira do sofá da suíte do hotel de luxo como se estivesse pronta para sair do local a qualquer momento. Pudera. Em “A hospedeira”, que chega aos cinemas brasileiros na próxima sexta-feira, sob a direção de Andrew Niccol (“Gattaca — experiência genética” e “O show de Truman”), ficam em segundo plano a protagonista Saoirse Ronan, indicada ao Oscar por “Desejo e reparação”, e o veterano William Hurt, que vive o tio da mocinha na adaptação do livro de ficção científica centrado em uma invasão alienígena à Terra num futuro próximo. Todos querem entender a cabeça da dona de casa mórmon do Arizona, mãe de três filhos, uma das maiores best-sellers dos últimos oito anos. Sua série “Crepúsculo” vendeu mais de 100 milhões de exemplares, embalada pelo romance adolescente de Bella Swan e Edward Cullen, vividos na tela grande por Kirsten Stewart e Robert Pattinson. Combinados, os cinco filmes da franquia fizeram, entre 2008 e o ano passado, US$ 3,3 bilhões, um dos maiores sucessos da produção contemporânea de Hollywood. “A hospedeira”, por sua vez, ficou 26 semanas na lista dos mais vendidos do “New York Times”. No Brasil, a saga dos vampiros, lançada pela editora Intrínseca, vendeu quase 6 milhões. E “A hospedeira”, da mesma editora, já passa dos 418 mil livros vendidos.

— Confesso que tinha uma fantasia sobre minha vida de escritora. Pensava em trabalhar de casa, mais reclusa. Qual o quê. Hoje, constantemente me pego nervosa quando autografo meus livros, por conta das meninas que não param de chorar. Ainda não sei bem o que fazer, é estranhíssimo — conta, em entrevista ao GLOBO, a escritora de 39 anos, que abandonou o projeto de se tornar advogada ao receber um adiantamento milionário para repovoar a ficção contemporânea com vampiros e lobisomens.

Meyer diz que “Crepúsculo” nasceu de um sonho. Ela acordou com a imagem límpida de uma adolescente conversando com um vampiro sobre as dificuldades do relacionamento amoroso dos dois. “A hospedeira”, por sua vez, deve sua existência a um tique da escritora: contar histórias, em alto e bom som, para si mesma, quando dirige sozinha pelas autoestradas americanas.

— Estava muito cansada, acompanhando a edição do primeiro filme da franquia “Crepúsculo”, quando peguei a estrada do Arizona para Utah. Fui refletindo sobre o fenômeno em torno de personagens que originalmente representavam, para mim, uma saída da minha rotina. Mas, naquele momento, eles estavam se tornando algo muito maior, cheios de pressão. Decidi então criar novamente algo só para mim, sem expectativas de fãs ou editores — diz.

Temas morais e discurso político

Meyer jura que “A hospedeira”, como “Crepúsculo”, não foi pensado originalmente para chegar ao público. A primeira série só foi descoberta por editores por conta do entusiasmo de uma de suas irmãs, que a convenceu a procurar alguém para publicá-la. Já o manuscrito final de “A hospedeira” só foi parar nas mãos da editora quando Meyer percebeu que os personagens, mais uma vez, “pareciam ter vida própria”.

Mórmon devota, que não bebe nem fuma e proclama repetidamente sua “criação cristã”, Meyer surgiu para o grande público como a inventora de Bella, uma adolescente apaixonada por um vampiro de pele alvíssima, tão boa-pinta quanto interessado em manter a castidade da amada. Críticos logo detectaram mensagens caras aos conservadores sociais americanos, como a promoção da abstinência sexual entre jovens e a condenação do aborto. Num dos momentos mais dramáticos da saga, Bella decide ter a filha que gerou com Edward, mesmo com os riscos de um parto para lá de delicado.

— Não pensei em temas morais ou em embutir um discurso político nos meus livros. Honestamente, a reação foi uma surpresa para mim. Eu me inspirei em minha história para imaginar a situação de Bella, que se recusa a considerar a opção do aborto. Os médicos me disseram que eu estava perdendo meu primeiro filho. O pior não aconteceu, ele tem hoje 15 anos, mas aquelas foram as semanas mais difíceis da minha vida. Essa experiência deixou uma marca permanente em mim. E minha história acabou vazando para o personagem. Era Bella quem dizia: eu quero ter esta criança. Simples assim, sem mensagem política — se defende.

Não ajuda o fato de a Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias ser uma das principais financiadoras da oposição a movimentos de cunho liberal, como a luta pelos direitos civis dos gays nos EUA. Meyer, por sua vez, diz que percebeu na crítica especializada uma tentativa de estereotipá-la por conta das especificidades de sua fé.

— Por muito tempo, fui apresentada como a escritora mórmon mãe de três crianças. Mas você não vê o Jon Stewart (comediante político, apresentador do “The Daily Show”, na TV americana) ser chamado de pai judeu de duas crianças. E eu não tenho a menor ideia de que religião J.K. Rowling professa. Aliás, ninguém parece ligar para isso, não é? — pergunta.

Foi justamente ao estabelecer uma comparação entre a autora de “Harry Potter” e a de “Crepúsculo” que o escritor Stephen King, em entrevista ao jornal “USA Today”, ofereceu uma das mais notórias críticas a Meyer, então festejada por parte da indústria editorial como uma das responsáveis pela reinvenção da literatura de fantasia adolescente nos EUA. O autor de “O iluminado” afirmou que, ao contrário de Rowling, “Meyer não é apta a escrever”.

Como o brasileiro Paulo Coelho — “tenho ‘O Alquimista’ separado em casa e só não comecei a ler porque a pessoa que me indicou foi a mesma que me deu uma dica furada”, diz —, Meyer recebeu uma saraivada de críticas negativas, intensificada após a explosão de “Crepúsculo”.

— O engraçado é que, quando lancei o primeiro livro, fui recebida com algum carinho. Depois que fui parar na lista dos mais vendidos, os mesmos críticos passaram a me destruir. Os mesmos! Percebi uma determinação maior de se encontrar falhas nos meus livros. Tudo bem, concordo com eles, há mesmo vários pecadilhos na minha produção literária. Tenho consciência de que sou uma contadora de histórias muito melhor do que escritora. Mas tenho melhorado — diz.

Continuação a caminho

“A hospedeira”, diz Meyer, que tem formação em Língua Inglesa, é seu livro mais bem-acabado, sua história favorita. Nele, a jovem Melanie é obrigada a conviver com Wanda, a forma alienígena que toma seu corpo. As duas vivem em estado de permanente tensão, com Melanie buscando proteger o que restou de sua família e Wanda inicialmente interessada em assegurar o domínio do planeta por seres mais avançados. No filme, Saoirse Ronan resolve bem a difícil tarefa de viver duas personagens dividindo um mesmo invólucro.
Mas não é possível deixar de perceber que os vilões intelectualizados criados por Meyer são também ecologicamente corretos e contrários à violência. No clímax da história, uma personagem se vê na iminência de, como Cristo, se sacrificar para salvar a Humanidade.

— Quando escrevi, não pensei nisso. Mas foi inevitável pensar que o amor da personagem era maior do que o desejo de se manter viva. Se a história de Bella era sobre um primeiro amor que a consumia, a de Melanie e Wanda é uma narrativa de sobrevivência, centrada na defesa da raça humana, diz Meyer, no momento escrevendo, “em um ritmo bem lento”, a continuação de “A hospedeira”.

Série de livros leva jovens leitores para Idade Média

0

Os mitos do Santo Graal são o tema de “O jovem Templário”

A capa do livro “O jovem Templário - Trilha do destino” Reprodução / Editora Rocco

A capa do livro “O jovem Templário – Trilha do destino” Reprodução / Editora Rocco

Publicado em O Globo

Reconstituir a idade média com riqueza de detalhes e atrair interesse do público jovem foi o grande desafio do escritor Michael P. Spradlin. A série de livros “O jovem Templário” traz uma boa dose de História, além dos componentes habituais das histórias juvenis: romance, aventura e um pouco de mistério. O personagem central é Tristan, um garoto que acompanha um Cavaleiro Templário em uma jornada repleta de perigos. O segundo livro da saga, “Trilha do Destino”, acaba de ser lançado no Brasil pela editora Rocco.

Ao protagonista é dada a missão de guardar o Santo Graal, instrumento que suscitou lendas e teorias ao longo dos séculos. O objeto seria um cálice usado por Jesus Cristo na última ceia. Mas, na prática, sua existência nunca foi comprovada. Segundo o folclore, ele daria grande poder a quem o possuísse, e os Cavaleiros Templários, guerreiros da idade média, eram encarregados de protegê-lo.

Spradlin conta que tentou explicar todos os sentidos do mítico objeto para os jovens leitores.
– O meu primeiro dever foi explicar o que é o Graal e todos os diferentes significados que ele tem na nossa cultura. Há, literalmente, milhares de poemas, histórias e lendas a respeito do objeto, dos Cavaleiros Templários até Rei Artur e a Távola Redonda. Eu escolhi seguir um dos mitos mais famosos, de que os templários seriam os guardiões – diz o autor por e-mail.

Além dos métodos de pesquisa tradicionais, o americano viajou até a cidade inglesa de Dover, famosa pelo castelo homônimo datado do século XII. Lá ele procurou imergir completamente no assunto: tirou fotos, gravou vídeos e tomou notas de tudo. Como recompensa para tanto esforço, o retorno da garotada, segundo ele, tem sido o melhor possível.

– A reação dos jovens de todo o mundo tem sido fantástica. Eu recebo cartas e e-mails de leitores de todo o globo – comemora.

O autor explica que o virtuoso Tristan, protagonista da saga, foi inspirado em alguém de carne e osso que ele conhece muito bem.

– Eu não consigo escrever um romance até que eu tenha um personagem que me conte a história. Um dia, Tristan simplesmente surgiu na minha cabeça e fez isso. As características dos personagens são muito baseadas nas do meu filho. Eles têm a mesma moral, a mesma lealdade e desejo de fazer a coisa certa. Fisicamente, eles também se parecem um pouco – revela o pai coruja.

Go to Top