Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged dicas de estudo

Confira 10 excelentes dicas para aumentar bastante seu rendimento nos estudos

0

Estudante

Publicado no Amo Direito

Aumentar o rendimento dos estudos significa, basicamente, ensinar o cérebro a assimilar conteúdos e não apenas decorá-los. Isso engloba desde manter uma vida equilibrada a exercitá-lo cotidianamente, com leituras e resolução de problemas simples. É importante lembrar que nosso corpo funciona como uma máquina em que todas as engrenagens precisam funcionar em sintonia para que o resultado final seja positivo.

Por isso, ao treinar o cérebro para assimilar mais conteúdos, não esqueça de cuidar do corpo, fazendo atividades físicas e que lhe dão prazer. Não é porque você está se dedicando aos estudos para uma prova de concurso que precisa abrir mão da vida social com os amigos, afinal, divertir também faz parte das técnicas para aumentar o rendimento nos estudos.

Confira algumas dicas para aumentar o rendimento nos estudos

1 – Exercite o cérebro
A mente humana esquece 50% do que lê em apenas duas horas. Isso significa que não adianta ler muito, é preciso ampliar o foco. Para isso concilie a informação que se leu com algum interesse do seu cérebro.

2 – Duas horas de estudo
Mantenha o foco em uma disciplina por vez. O ideal é que você se dedique a apenas uma matéria, pelo menos, duas horas por dia. Se o concurso que você irá fazer exige conhecimentos em língua portuguesa e matemática, o ideal é que todos os dias você treine pelo menos duas horas em cada matéria.

3 – Não decore
A mente esquece tudo aquilo que decoramos. Ao invés de decorar, assimile o conteúdo e aprenda a armazenar conteúdos para que eles se fixem por um maior tempo.

4 – Organize-se
Ninguém consegue estudar em meio ao caos. Organize seu ambiente de estudo e procure em estudar em ambientes em que sua atenção não será desviada para outras atividades.

5 – Aqueça o cérebro
Assim como quando você vai para a academia seu corpo precisa de meia hora de aquecimento, antes de encarar a maratona de estudos, seu cérebro precisa passar pelo mesmo processo. Para aquecer o cérebro, faça leituras que possam ajudar na resolução de pequenos problemas, como textos sobre a base da língua portuguesa ou sobre os princípios básicos da matemática.

6 – Anote

Ao estudar tenha o hábito de anotar tudo aquilo que lhe parece importante, ao final, faça um resumo sobre as ideias centrais das matérias estudadas.

7 – Mantenha a qualidade de vida
De nada adianta virar noites sem dormir. Isso não contribui para a assimilação do conteúdo. Por isso, durma ao menos oito horas por noite, pratique atividades físicas, saia com os amigos, tenha uma alimentação saudável e afaste os vícios, como cigarro, bebidas e até mesmo o popular cafezinho, que pode causar insônia quando consumido muitas vezes ao dia.

8 – Estude com antecedência
Nada de estudar para uma prova de concurso na véspera do exame . O ideal é a dedicação diária para que você não se desespere na véspera da prova.

9 – Não estude de madrugada
Evite estudar no período da madrugada. Isso porque é a hora que seu cérebro possui menos concentração. Além disso, não dormir de madrugada ocasiona no excesso de sono no dia seguinte, comprometendo o rendimento.

10 – Leia nas horas vagas
Os especialistas afirmam que ler nas horas vagas ajuda no processo de assimilação do conteúdo. Mas leia com atenção para que você entenda o que está lendo e não apenas fazendo uma leitura superficial.

Fonte: canal do ensino

Você estudante, confira 5 ótimas dicas para mandar muito bem e arrasar nos estudos em 2016

0

estud

Publicado no Amo Direito

Como o período de férias chegou ao fim, os estudantes já começam a fazer suas promessas de que irão ter um desempenho melhor no novo ano letivo. Tirar melhores notas e realizar todas as atividades solicitadas pelos professores são algumas delas. Assim, para os estudantes que desejam realmente ter um desempenho potencializado nos estudos em 2016, confira 5 técnicas infalíveis de estudos:

1 – Assista vídeos sobre as matérias aprendidas
Há diversos canais na internet que têm como objetivo principal tirar possíveis dúvidas dos estudantes. Por isso, quando você for estudar, procure algum deles e use-os como forma de reforçar o que seu professor disse em sala de aula.

2 – Reescreva suas anotações
Enquanto o professor explica os tópicos pertinentes à aula, suas anotações sobre o assunto podem se tornar uma grande confusão. Por isso, ao chegar em casa, relembre o que foi ensinado e reescreva tudo o que anotou, com o objetivo de organizar o seu caderno, entender se há alguma dúvida restante e também potencializar seu aprendizado.

3 – Realize provas para treinar
Mesmo tendo estudado muito e achado que você tem o domínio completo de determinado assunto, você pode realizar exercícios e provas para analisar o seu aprendizado. Você pode optar por pedir ao professor atividades para esse fim, buscar avaliações na internet e até mesmo responder provas de vestibulares de anos anteriores. Com a prática você será capaz de entender quais assuntos ainda precisam ser aprofundados.

4 – Crie estratégias de memorização
Os flashcards, por exemplo, são uma ótima forma de memorizar o conteúdo aprendido em sala de aula. O objetivo é que você sempre relembre determinados tópicos mais importantes. Por isso, escreva apenas sobre o que é mais relevante, não utilizando textos longos para definições. Aposte em palavras-chave, escrita com cores diferentes, para que você tente ativar sua memória visual.

5 – Revise sempre
Quanto mais vezes entrar em contato com um tema, seu aprendizado aumenta. Por isso, sempre após as aulas estude o que foi aprendido e revise quando tiver disponibilidade. Você perceberá que aprenderá cada vez mais.

Fonte: Universia Brasil

Aprovados em universidades públicas dão dicas de como estudar sozinho para o vestibular

0

Sites especializados, apostilas e videoaulas atrelados a muita disciplina, foco e dedicação são a chave do sucesso para estudantes

Ana Lourenço, no Guia do Estudante

Seja por falta de dinheiro ou de tempo, muitos estudantes estão abrindo mão dos cursinhos pré-vestibulares durante a preparação para os exames. Mas isso não quer dizer que eles estão se preparando menos que os demais. Com bastante disciplina e métodos alternativos de estudos, como videoaulas, sites sobre vestibulares e materiais paradidáticos, esses estudantes têm garantido bons resultados.

Rone Wulff, aprovado em História na USP (foto: arquivo pessoal)

Rone Wulff, aprovado em História na USP (foto: arquivo pessoal)

É o caso de Rone Wulff Araújo, aprovado em quarto lugar no curso de História da Universidade de São Paulo (USP), pelo Sistema de Seleção Unificada (Sisu), e dono de uma nota 960 na redação, e Nathalia Nascimento, que passou em oitavo lugar em Farmácia na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), também pelo Sisu. Os agora calouros são egressos de escolas públicas e montaram as próprias rotinas de estudo, intercalando as aulas do ensino médio com videoaulas, livros e os resumos e exercícios encontrados em apostilas.

E os números apontam que eles não estão sozinhos: no vestibular 2014 da Fuvest, que seleciona estudantes para a Universidade de São Paulo (USP), por exemplo, quase 40% dos aprovados não fez cursinho – um total de 4.259 estudantes entre 11.111 aprovados. Além disso, 32% dos ingressantes eram oriundos de escola pública. Se antes parecia quase impossível passar em uma universidade concorrida sem o apoio do pré-vestibular, hoje esse cenário vem sendo gradualmente substituído por um mais inclusivo.

Isso não significa que o ensino público tenha crescido em qualidade, mas sim que os estudantes têm à disposição mais opções para complementar o estudo em casa. Segundo Rone, aprovado também com bolsa mérito em Direito na Universidade de Taubaté, o ensino médio foi “complicado” em termos de estrutura e conteúdo. “O que eu fiz foi aproveitar bastante os professores quando tinha dúvida, mas eu basicamente estudava em casa mesmo. Estou me preparando desde o segundo ano”, explica.

O estudante conta que usou muito a internet durante seus estudos em casa, além de ler muito as publicações do GUIA DO ESTUDANTE, principalmente, o guia de atualidades. Na internet, aproveitou bastante a programação do Academia GE, os hangouts do GUIA, que diz ter participado de todos. “Li a última edição inteira do Atualidades, que tinha uma matéria só sobre feminicídio. Quando vi o tema da redação, fiquei muito feliz porque já tinha vários argumentos na cabeça sobre aquele assunto”, diz. O tema da redação do último ano foi “A persistência da violência contra a mulher no Brasil”, sob o qual Rone garantiu 960 pontos.

A rotina de Nathalia foi, em vários aspectos, bastante similar à de Rone: além das horas passadas na escola pela manhã, estudava o restante do dia em casa. A estudante conta que também usava as apostilas do GUIA, além de assistir a videoaulas online e fazer provas antigas do Enem. Ela ressalta que foi o ano mais difícil de sua vida: “O mais complicado de estudar sem o auxílio dos professores é que algumas disciplinas, como as de exatas, exigem muito mais do que só ler a teoria pra compreender, e sozinha tudo fica bem mais difícil”, conta. “Ser vestibulando é viver entre a pressão e o sonho de ser aprovado.”

Nathalia Nascimento, caloura de Farmácia na UFMG (foto: arquivo pessoal)

Nathalia Nascimento, caloura de Farmácia na UFMG (foto: arquivo pessoal)

A estudante e seus colegas também tiveram a ideia de montar um grupo de estudos de literatura na biblioteca da escola. “Nós tirávamos dúvidas uns dos outros, comentávamos sobre livros clássicos brasileiros e desenvolvíamos estratégias para ir bem nas provas. Esse apoio que cada um dava me ajudou muito a evoluir”, diz.

Rotina puxada

Em casa, cada um manteve uma rotina bastante estrita de estudos. “É difícil cumprir todo o estudo programado do dia sem procrastinar, por conta de todas as distrações ao redor”, explica Nathalia. Mas, ainda assim, ela manejava o estudo de três disciplinas por dia, dividindo por área do conhecimento, em sete horas em casa. “Deixava uma hora para ler teoria, uma para assistir videoaulas na internet e uma ao fim do dia para revisar. O restante ficava por conta de resolver exercícios”, conta.

O foco de Rone foram os estudos para a redação e atualidades, e também para solucionar sua dificuldade em exatas: leu muitas notícias, assistiu vários dos filmes complementares indicados e aumentou o tempo dedicado a matemática e física. “Minha pontuação no Enem 2014, que fiz como treineiro, foi de 16 pontos na prova de matemática. Corri atrás de superar essa defasagem e consegui subir meus acertos em 9 pontos em 2015”, conta.

Para garantir o sucesso no Enem, os dois investiram em peso na redação. “Fazia dois textos por semana, um na terça-feira e outro no sábado, e aí pedia para a minha professora de português corrigir”, conta Nathalia. Já Rone, além de treinar o texto em si, procurava estudar os temas pedidos para acrescentar mais ideias no seu repertório. “Quando via um tema novo, já saía procurando notícias e acontecimentos que tivessem a ver com ele para saber argumentar na hora de escrever. Foi um treino que fiz durante o ano”, explica.

E tanto esforço não foi em vão: Rone, já aprovado em História, ainda aguarda o resultado da segunda chamada para Direito, também na USP. E Nathalia, além da aprovação em Farmácia na UFMG, conseguiu 100% da bolsa de estudos pelo ProUni no curso de Odontologia, no Centro Universitário Newton Paiva. Para ela, toda a dedicação valeu a pena. “É claro que, sem cursinho, vai ser mais difícil conquistar a aprovação, mas é uma questão de superação de medos e limites. Vale a pena se restringir de algumas coisas durante o ano de vestibular para alcançar o futuro que tanto almejamos.”

Neurocientista dá 7 dicas de estudo para o Enem

0

Exame será realizado nos dias 24 e 25 de outubro. Cerca de 7,7 milhões de candidatos deverão fazer a prova.

Exame será realizado nos dias 24 e 25 de outubro. Cerca de 7,7 milhões de candidatos deverão fazer a prova.

Marina Lopes, no Jornal do Brasil

Faltam poucos dias para o Enem (Exame Nacional do Ensino Médio), que será realizado nos dias 24 e 25 de outubro. De acordo com a balanço divulgado pelo Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira), cerca de 7,7 milhões de candidatos deverão fazer a prova.

Para quem está se preparando para a reta final do exame, conhecer melhor o funcionamento do cérebro e o processo de aprendizagem pode ser útil na hora de otimizar os estudos.

Para reunir dicas de como se preparar melhor, o Porvir conversou com o professor Antonio Pereira, pesquisador do Instituto do Cérebro da Universidade Federal do Rio Grande do Norte e membro da Rede Nacional de Ciência para a Educação.

“Existem muitas coisas que são importantes que o estudante tenha conhecimento para otimizar o aprendizado”, diz o pesquisador. No entanto, é importante lembrar que não existem receitas de como fazer, mas apenas orientações que podem auxiliar. Confira:

Treinar a fluência na leitura

Em uma prova extensa como o Enem, ter fluência na leitura é fundamental. Para ampliar a competência leitura não existe segredo, senão criar o hábito de ler. Segundo o pesquisador, os livros de ficção podem ser bons aliados. “Além de favorecer a fluência, a leitura de ficção também é muito importante em outro aspecto. Ela permite que criar cenários e fazer simulações que ajudam a entender melhor o mundo”, explica.

Resolver simulados

Fazer testes regulares ajuda a solidificar um conhecimento. De acordo com Pereira, forçar a recuperação de memória para resolver um teste ajuda na consolidação de uma determinada informação. “Se você pratica essa recuperação regularmente, a memória se consolida de maneira mais eficiente”, conta.

Fazer um teste inicial

Antes de estudar um conteúdo, submeter-se a um teste de múltipla escolha pode ser uma boa estratégia. Pereira afirma que isso ajuda a estruturar a mente e preparar o foco para o conteúdo que vem adiante, facilitando o aprendizado.

Separar um tempo para dormir

“O sono é importantíssimo para consolidar a memória”, diz o pesquisador. Segundo ele, não é produtivo deixar de dormir para tentar estudar um determinado assunto.

Estabelecer intervalos de estudos

A fadiga mental pode dificultar a manutenção de atenção por um tempo muito longo. Para explicar sobre a necessidade de estabelecer intervalos durante o período de estudos, Pereira compara a função cerebral com o desenvolvimento de uma atividade física. Segundo ele, é necessário fazer pequenas pausas para descanso.

Variar as disciplinas enquanto estuda

Estudar física, matemática ou português o dia inteiro pode não ser a estratégia mais eficiente para manter o foco. “Quando você muda de disciplina, você se depara com informações de outra natureza ou categoria.”

Não deixar para estudar nas vésperas

O pesquisador afirma que é necessário um tempo para que o aprendizado ocorra de maneira eficiente. Portanto, estudar nas vésperas da prova não é recomendado. Além disso, o estudante também deve controlar a sua ansiedade.

Enem 2015: 10 dicas para criar um ótimo ambiente de estudo

0
Fonte: Shutterstock

Fonte: Shutterstock

Foco e concentração são essenciais na hora dos estudos. Confira outras dicas para obter bons resultados

Publicado no Universia Brasil

Barulho, celular, televisão, conversas paralelas. Na hora de estudar, tudo ao seu redor pode se tornar distração e prejudicar seu desempenho no Enem 2015. Contudo, manter a concentração é essencial para que você estude de maneira eficaz e obtenha bons resultados na vida acadêmica e, consequentemente, na vida profissional. Para ajudá-lo, a Universia Brasil reuniu 10 dicas que te auxiliarão a criar o melhor ambiente para seus estudos. Confira:

1 – Diminua as distrações

Deixe seu celular de lado por alguns instantes, desligue a televisão e, se necessário, não ouça música. Qualquer tipo de interrupção atrapalha o andamento de seus estudos e, visto que diferentes pessoas têm diferentes preferências, identifique suas distrações e tente minimiza-las. Deste modo, você manterá o foco e terá mais concentração nos estudos.

2 – Frequente bibliotecas
Seja ela pública, particular ou da escola, o ambiente da biblioteca é favorável para aqueles que desejam silêncio e poucas distrações e, portanto, podem ajudar a manter a concentração.

3 – Vá a uma cafeteria ou lanchonete
A maior parte desses estabelecimentos oferecem wi-fi gratuito, permitindo que você utilize sites como fonte de pesquisa. Além disso, cafeterias costumam ser mais silenciosas que outros comércios, de modo que podem ser uma boa opção. Caso o barulho ainda incomode, leve fones de ouvido para ajudar a manter-se concentrado.

4 – Tranque-se em seu quarto
Sua casa é provavelmente o local onde você se sente mais a vontade. Além de ter mais liberdade, estudar em casa não exige dinheiro ou tempo de locomoção. Contudo, as conversas com seus familiares e amigos podem se tornar fontes de distração. Por isso, estudar trancado em seu quarto é provavelmente uma das melhores opções.

5 – Encontre tempo quando parecer que isso não será possível
Muitas pessoas vivem rotinas que parecem não dar espaço para estudos. Nestes casos, qualquer tempo que você encontre para estudar é válido. Sendo assim, aproveite todas suas pausas e se jogue nos livros.

6 – Desconecte-se
Facebook, Whatsapp, Twitter, mensagens de texto, ligações. Estes são apenas alguns exemplos das distrações causadas por um único aparelho eletrônico, o celular. Por isso, na hora de estudar, é importante desconectar-se por alguns minutos e, assim, garantir que você tenha mais foco.

7 – Transporte suas lições e leituras
Existem maneiras simples para colocar isso em prática. Arquivos em PDF e livros online são boas soluções, por exemplo. Deste modo, você terá o material que precisa em mãos e poderá ainda adiantar suas tarefas enquanto espera atendimento médico ou está no transporte público.

8 – Tenha um escritório em casa
Ainda que o espaço seja pequeno, ter um local em sua casa reservado para atividades escolares pode ajudar na hora dos estudos. Além de ser um ambiente que demonstra a necessidade de concentração, ter um escritório também auxiliará na divisão “hora de estudar X hora de descansar”.

9 – Estabeleça horários
Reserve horas do dia especificas para serem dedicadas aos estudos. E lembre-se também de incluir atividades de lazer entre suas responsabilidades. Assim, você encontra um equilíbrio e pode obter resultados melhores. Além disso, evite passar a noite toda estudando ou mudar seus horários bruscamente.

10 – Encontre seu melhor momento
Enquanto alguns preferem estudar pela manhã, outros rendem mais a tarde ou ainda se sentem mais dispostos a noite. Encontre o horário mais favorável para você e dedique este tempo aos estudos.

Go to Top