Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged dicas de leitura

15 livros que não podem faltar na vida de seus filhos

0

thinkstockphotos-474694314

Ilan Brenman, na Revista Crescer

Após a última lista que preparei para CRESCER (15 histórias para contar antes de eles crescerem), compartilho, agora, as leituras imprescindíveis na vida de nossos filhos. A leitura em voz alta é de extrema importância na formação integral das crianças. Percebemos rapidamente a diferença das que foram banhadas com bons textos na infância das que, por inúmeros motivos, não tiveram a mesma oportunidade. Ler para nossos filhos é estreitar laços afetivos com eles, além de inseri-los no mundo do conhecimento, da cultura e da criatividade. A seguir, a lista de alguns títulos que não podem faltar:

1 Adivinha Quanto Eu Te Amo (Sam McBratney,WMF Martins Fontes). Leitura afetuosa, para ser realizada grudadinho neles.

2 Não Confunda (Moderna). Escrito e ilustrado por uma das minhas autoras preferidas: Eva Furnari. Boas risadas brotaram.

3 Brasileirinhos (Cosac Naify). Crianças amam poesia. O livro, de Lalau e Laurabeatriz, é uma bela iniciação do mundo poético.

4 Tanto, Tanto! (Trish Cooke, Ática). Uma história apaixonante. Enredos que as crianças
decoram juntamente com os pais. A diversão é garantida.

5 Meus Porquinhos (Audrey Wood, Ática). Os pequenos deliram com essa publicação.

6 Agora Não, Bernardo (David McKee, WMF Martins Fontes). Enquanto alguns pais se assustam com esse livro, as crianças adoram. Caso seu filho tenha medo, enfrente esse sentimento com ele.

7 Flicts (Melhoramentos). Um clássico do Ziraldo.

8 A Pequena Toupeira que Queria Saber Quem Tinha Feito Cocô na Cabeça Dela. (Werner Holzwart, Cia. das Letrinhas). Foram infindáveis risadas com minhas filhas. Garanto
que os pais vão se divertir também.

9 Quero Meu Penico! (Tony Ross, WMFMartins Fontes). O escritor e ilustrador inglês é um dos autores preferidos da minha caçula. Ele capta as singelezas da infância.

10 Menina Bonita do Laço de Fita (Ática). É um dos meus textos preferidos escritos por Ana Maria Machado.

11 Armazém do Folclore (Ática). O autor Ricardo Azevedo fez uma coletânea brilhante para as crianças: contos, ditados, quadras e adivinhas que podem ser saboreados por pais e crianças.

12 Marcelo, Marmelo, Martelo (Salamandra). Ruth Rocha é autora de sensibilidade ímpar. Leia para seu filho e confira.

13 Reinações de Narizinho (Monteiro Lobato, Biblioteca Azul). Clássico que deve ser compartilhado em diversas fases da vida.

14 Zoom (Istvan Banyai, Brinque-Book). Livro de imagem, sem palavras, mas que surpreende toda a família.

15 Onde Vivem Os Monstros (Maurice Sendak, CosacNaify). Outro clássico com ilustrações belíssimas.

Professores indicam livros mais cotados para cair na prova do Enem

0
(Foto: Divulgação)

(Foto: Divulgação)

Diferente dos vestibulares tradicionais, o Enem não divulga uma lista de leituras obrigatórias

Amanda Palma, no Correio 24Horas

“Nasce daqui uma questão: se vale mais ser amado que temido ou temido que amado”. Em 1532, quando lançou o tratado político O Príncipe, o italiano Nicolau Maquiavel talvez não imaginasse que a sua obra fosse atravessar séculos, se espalhar pelo mundo e ir parar em uma questão do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), no Brasil, em 2013. O livro é um dos clássicos que, na opinião de professores ouvidos pelo CORREIO, não pode ficar de fora do repertório de quem vai fazer o exame daqui a 45 dias. E se você é um dos candidatos, é bom iniciar logo a maratona, pois a lista de possibilidades é extensa.

Diferente dos vestibulares tradicionais, o Enem não divulga uma lista de leituras obrigatórias, mas, ainda assim, para o professor de Filosofia Rosival Carvalho, “algumas obras são fundamentais para o entendimento” dos candidatos, que buscam uma vaga no ensino superior através do Enem. Entre os principais, além de O Príncipe, ele destaca O Mundo de Sofia, A Revolução dos Bichos, Capitães da Areia e Grande Sertão: Veredas.

Sobre a obra de Maquiavel, Rosival afirma que ela irá ajudar os estudantes a compreenderem o universo das relações de poder. “De alguma forma, ajuda a ampliar as visões de mundo dos estudantes. Eles saem de uma visão generalista e não podem ficar presos aos elementos vistos na sala de aula”, explica ele, que também cita uma obra mais recente, envolvendo uma discussão da sociedade, como essencial para a prova. A Era dos Extremos, de Eric Hobsbawn, publicado em 1994, retrata as transformações das relações humanas durante o século XX.

Literatura
Já o professor de Literatura Evert Reis lembra que alguns livros, que antes apareciam com frequência nos vestibulares, também não podem ser deixados de lado, mesmo que não haja a lista obrigatória. Entre eles, Vidas Secas, de Graciliano Ramos, publicado em 1938. A obra retrata a trajetória de uma família nordestina, em processo de migração. “Temos alguns clássicos indispensáveis, como Vidas Secas. Eu trabalho esse livro há 30 anos e nunca deixou de ser útil. Ele une três disciplinas: geografia, literatura e história”, lembra.

O professor destaca também a importância de entender as obras e os seus contextos históricos – quando foram escritas e publicadas. No caso da obra de Graciliano Ramos, ele destaca que a história é uma das que tiveram maior destaque. “É um dos mais importantes livros da Era Vargas, trata sobre a desumanização do homem, inchaço das grandes cidades, o êxodo rural. Além de ser muito bem escrita, com um texto extremamente crítico e atual”, pontua. O livro faz parte da segunda geração moderna.

Evert também lembra de outros livros importantes, como Iracema, Senhora e Lucíola, de José de Alencar, e Macunaíma, de Mário de Andrade. Sem deixar de lado outros autores como Clarice Lispector, em A Hora da Estrela, e Carlos Drummond Andrade, com O Sentimento do Mundo.

A estudante do terceiro ano do Colégio Villa Débora Vieira, 17 anos, lembra de outros: O Cortiço, de Aloísio de Azevedo, e Memórias Póstumas de Brás Cubas, de Machado de Assis, que também teve um trecho usado em uma questão na prova de 2013. “A gente faz muitas correlações com os movimentos literários e com contexto histórico. Algumas obras nos ajudam a entender melhor o que aconteceu em cada época”, ressalta a estudante.

Débora quer cursar Engenharia Civil, mas, apesar de ser um curso da área de exatas, sabe reconhecer a importância da leitura, por exemplo, de romances históricos. “Qualquer curso que você faz trabalha com interpretação. E o livro te dá isso, essa possibilidade de interpretar de várias maneiras”, pontua.

(Foto: Divulgação)

(Foto: Divulgação)

Interdisciplinar
Como o Enem tem uma prova temática e interdisciplinar, os professores também recomendam que os candidatos não se prendam aos livros de literatura e fiquem atentos a outras leituras. Para a professora de Redação Régia Rozana Pires, a leitura abre um mundo de possibilidades para os estudantes. “Esses livros podem embasar o aluno na análise do contexto. Pode haver no livro uma situação que pode ajudá-lo na análise crítica. Se for um tema subjetivo, os livros podem auxiliar na interpretação”, diz.

Dentro do amplo leque de leituras, o professor de redação Gilmar Costa inclui uma publicação (mais…)

Os 35 livros que todos deviam ler pelo menos uma vez na vida

2
478092

Shutterstock

Publicado no SOL

Por muito que gostemos de livros de ficção científica, policiais ou romances, algumas obras transcendem o gênero e tornam-se ‘leituras obrigatórias’.

O fórum Reddit perguntou aos seus utilizadores ‘ qual o livro que todas as pessoas deviam ler pelo menos uma vez na vida’, chegando assim ao top das 35 obras. A revista Time compilou a informação e fez uma lista:

– ‘Zen and the Art of Motorcycle Maintenance’, de Robert M. Pirsig;

– ‘Era Uma Vez em Watership Down’, de Richard Adams;

– ‘A Última Aula’, de Randy Pausch and Jeffrey Zaslow;

– ‘Breve História de Quase Tudo’, de Bill Bryson;

– ‘Em Busca de Sentido’, de Viktor Frankl;

– ‘A Guerra Eterna’, de Joe Haldeman;

– ‘Cosmos’, de Carl Sagan;

– ‘Bartleby, o Escriturário’, de Herman Melville;

– ‘Maus: A Survivor’s Tale’, de Art Spiegelman;

– ‘Por Quem os Sinos Dobram’, Ernest Hemingway;

– ‘Kafka à beira-mar’, Haruki Murakami;

– ‘O Principezinho’, de Antoine de Saint-Exupéry;

– ‘A Estrada’, de Cormac McCarthy;

– ‘100 Anos de Solidão’, de Gabriel García Márquez;

– ‘A Leste do Paraíso’, John Steinbeck;

– ‘Como Fazer Amigos e Influenciar Pessoas’, de Dale Carnegie;

– ‘Crime e Castigo’, de Fiódor Dostoiévski;

– ‘Os Irmãos Karamazov’, de Fiódor Dostoiévski;

– ‘O Estrangeiro’, de Albert Camus;

– ‘Dune’, de Frank Herbert;

– ‘Crónica de uma Serva’, de Margaret Atwood;

– ‘Anne de Green Gables’, de L. M. Montgomery;

– ‘Fahrenheit 451’, de Ray Bradbury;

– ‘A Árvore Generosa’, de Shel Silverstein;

– ‘Na Sombra e no Silêncio’, de Harper Lee; (mais…)

Sugestões para as crianças darem os primeiros passos no mundo da leitura

0

blog-leitura-professor-crianca

Publicado em Revista Escola

Me lembro de meus pais estarem sempre com livros na mão, seja para própria leitura ou para compartilhá-la comigo. Hoje sei que aqueles contatos iniciais foram o alicerce da paixão que tenho pelas letras.

O fato é que escolher os títulos a serem lidos com os pequenos nem sempre é uma missão simples. Será que basta olhar a idade indicada na contracapa? E o livro deve ter muita ou pouca ilustração? As perguntas são muitas, e a responsabilidade é grande. Afinal, queremos fazê-los se enamorar por essa prazerosa atividade, assim como nós.

Existem algumas dicas valiosas para executar com êxito essa tarefa, como se preocupar mais com a qualidade literária do texto do que com conteúdos moralistas, além de valorizar a presença de descrições ricas, a mistura de mistério e comédia e os estímulos à imaginação. Porém, com a produção de livros infantis a todo vapor, é fácil se perder na quantidade de opções.

Pensando nisso, eu conversei com Beatriz Gouveia, formadora do Instituto Avisa Lá, que indicou uma listinha de títulos ótimos para o pontapé inicial. Confira:

"Tanto, Tanto!"

1. Tanto, Tanto!, de Trish Cooke, 48 págs., Ed. Ática, tel.: (11) 4003-3061, 49 reais.

Sinopse oficial: Uma família prepara uma festa surpresa. Enquanto o aniversariante não chega, todos querem brincar com o bebê da casa, que se delicia sendo o centro das atenções.

 

 

 

 

 

 

2. Telefone Sem Fio, de Ilan Brenman e Renato Moriconi, 32 págs., Ed. Cia. das Letrinhas, tel.: (11) 3707-3501, 37,50 reais.

Sinopse oficial: Nesta publicação ilustrada, vários personagens inusitados cochicham um na orelha do outro. O que eles dizem? É o que as crianças descobrirão.

 

 

 

 

 

 

 

 

ter-um-patinho-e-util

3. Ter um patinho é útil, de Isol (Marisol Misenta), 34 págs., Ed. Cosac Naify, tel.: (11) 3218-1478, 24,90 reais.

Sinopse oficial: Um menino encontra um patinho e começa a brincar com ele de todas as maneiras, o usando como chapéu, apito e outras coisas. Do lado inverso do livro, a história é revisitada do ponto de vista do patinho.

 

 

 

 

 

Meu gato mais tonto do mundo

4. Meu gato mais tonto do mundo, de Gilles Bachelet, 32 págs., Estação Liberdade, tel.: (11) 3661-2881, 38 reais.

Sinopse oficial: O autor cria seu elefante como se fosse um gato. Enquanto ele tenta entender qual é a raça do seu bichinho, os leitores podem se divertir com as travessuras que o suposto gato apronta.

 

 

 

 

menina-bonita-laco-fita

5. Menina bonita do laço de fita, de Ana Maria Machado, 24 págs., Ed. Ática, tel.: (11) 4003-3061, 29,50 reais.

Sinopse oficial: Uma menina linda, que mais parecia uma princesa das terras da África, desperta a admiração de um coelho branquinho. Ele quer ser pretinho como ela. Mas, para isso, terá de descobrir qual é o segredo da garota.

 

 

 

 

espelho

 

 

6. Espelho, de Suzy Lee, 48 págs., Ed. Cosac Naify, tel.: (11) 3218-1478, 42 reais.

Sinopse oficial: O leitor presencia o primeiro encontro de uma menina com o espelho e acompanha a intensificação desse vínculo. Sem o uso das palavras, a relação simbólica entre o ser humano e seu reflexo é apresentada nessa obra.

7 Livros que você deveria ler antes de terminar a Faculdade

0

Fabio Mourão, no Dito pelo Maldito

O ingresso na Faculdade pode ser um marco crucial na vida de muitos. Um momento apropriado para expandir os seus horizontes, tanto no campo intelectual quanto no social. Mas por outro lado, também é um período complicado em que se vive em uma espécie de bolha, quando tudo ao seu redor gira em torno das mesmas pessoas, assuntos, salas de aula e bares. E a leitura é definitivamente a forma mais prazerosa e eficaz de se evitar esse isolamento conceitual e preparar-se para encarar o mundo que te espera aqui fora.

Embora os estudos, festas e a ânsia de parecer normal e sexualmente ativo aos 20 anos possa ocupar praticamente todo o seu tempo na Faculdade, preparamos um inventário de obras fundamentais, misturando clássicos e contemporâneos, que em algum ponto do seu curso (ou no fim dele) vão te auxiliar em uma fase que você realmente vai precisar de ajuda:

✔ A Regenta, de Leopoldo Alas

– Gayo Editorial
g3568
A Regenta é o primeiro romance de Leopoldo Alas “Clarín” publicado originalmente em dois volumes, entre 1884 e 1885. Considerada a obra prima de Clarín e do romance espanhol do século XIX é um dos expoentes máximos do naturalismo e do realismo progressista.

Ana Azores, às vezes chamada de Madame Bovary da Espanha, vive isolada pela negligência benigna do marido idoso e é vitimada por uma sociedade tacanha, moralmente conservadora e misógina, que passa por um declínio espiritual e psicológico.
Discorrendo sobre temas como o adultério, a questão feminina, a educação, a religião, a política e a família, A Regenta somente pode ser publicada originalmente em Barcelona (Daniel Cortezo y Cía.), já que se constituiu em um verdadeiro escândalo em sua época, sobretudo em Oviedo.

Durante o franquismo, Leopoldo Alas, como outros autores liberais do século XIX, foi repetidamente vetado por aqueles que se encarregavam de preservar os princípios do nacional-catolicismo. Seu discurso foi considerado inconveniente e perigoso pela ditadura.

Na atualidade, A Regenta é considerado o melhor romance espanhol do século XIX e o segundo mais importante romance da literatura espanhola, atrás somente de Dom Quixote. Essa opinião é avalizada por declarações de escritores e críticos como Mario Vargas Llosa e Gonzalo Sobejano.
Esta edição de A Regenta é a primeira tradução brasileira da obra, editada pela Gayo Editorial.

✔ Admirável Mundo Novo, de Aldous Huxley
-Editora Globo

119192151_1GG
Extraordinariamente profético, Admirável Mundo Novo é um dos livros mais influentes do século XX.

Uma sociedade inteiramente organizada segundo princípios científicos, na qual a mera menção das antiquadas palavras “pai” e “mãe” produzem repugnância. Um mundo de pessoas programadas em laboratório, e adestradas para cumprir seu papel numa sociedade de castas biologicamente definidas já no nascimento. Um mundo no qual a literatura, a música e o cinema só têm a função de solidificar o espírito de conformismo. Um universo que louva o avanço da técnica, a linha de montagem, a produção em série, a uniformidade, e que idolatra Henry Ford.

Essa é a visão desenvolvida no clarividente romance distópico de Aldous Huxley, que ao lado de 1984, de George Orwell, constituem os exemplos mais marcantes, na esfera literária, da tematização de estados autoritários. Se o livro de Orwell criticava acidamente os governos totalitários de esquerda e de direita, o terror do stalinismo e a barbárie do nazifascismo, em Huxley o objeto é a sociedade capitalista, industrial e tecnológica, em que a racionalidade se tornou a nova religião, em que a ciência é o novo ídolo, um mundo no qual a experiência do sujeito não parece mais fazer nenhum sentido, e no qual a obra de Shakespeare adquire tons revolucionários.

Entretanto, o moderno clássico de Huxley não é um mero exercício de futurismo ou de ficção científica. Trata-se, o que é mais grave, de um olhar agudo acerca das potencialidades autoritárias do próprio mundo em que vivemos. Como um alerta de que, ao não se preservarem os valores da civilização humanista, o que nos aguarda não é o róseo paraíso iluminista da liberdade, mas os grilhões de um admirável mundo novo.

✔ Hora de Alimentar Serpentes, de Marina Colasanti
-Editora Global

serpentes
Nesta obra, Marina Colasanti nos tira a todo instante de nossa zona de conforto e nos lança em zonas de confronto, por meio de narrativas breves, alternadas com textos mais longos.

Tendo publicado anteriormente vários livros de minicontos, a autora volta ao gênero com este livro que reúne 206 contos. Embora pertencendo à literatura fantástica, os relatos ignoram fronteiras e se lançam com a mesma intimidade dentro e fora da realidade guiados pelo olhar irreverente e crítico da autora.

Ironia e doçura constroem personagens que, por mais imprevisíveis ou erráticos, nos soam admiravelmente familiares. Nesta obra o leitor encontrará formas diversas – o roteiro, a história em quadrinhos – usadas não só para dar suporte ao olhar diversificado da autora, mas para remeter à multiplicidade do nosso tempo.

Contos na medida certa para ler, sentir e despertar para o encantamento provocado por suas palavras.

✔ O Sol Também se Levanta, de Ernest Hemingway
-Editora Bertrand Brasil

ArquivoExibir
Numa linguagem acelerada, Hemingway cria personagens que logo se inserem no convívio do leitor, destacando-se, como figuras marcadas e marcantes, Jake Barnes, jornalista com ferimento de guerra, Lady Brett Ashley, jovem viúva inglesa por quem ele estava apaixonado, Robert Cohn, escritor em busca de seu caminho, Mike Campbell, playboy inglês que também fazia a corte a Lady Brett, e Pedro Romero, toureiro espanhol com quem ela tem um caso.

Uma obra vigorosa que retrata (mais…)

Go to Top