Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged e-books

Levantamento revela trechos mais grifados pelos leitores em ebooks no país

0

Autores independentes se destacam na lista; ‘A culpa é das estrelas’ é o mais marcado

Maurício Meireles, em O Globo

John-Green-author-photoRIO – John Green ainda se lembra bem: estava sentado num café perto de casa, nos Estados Unidos, pensa

ndo sobre a parte de “A culpa é das estrelas” (Intrínseca) que acabara de escrever. Gus, par romântico da protagonista, dizia a ela que há algo prazeroso e puro em declarações de amor. Depois de pensar, o autor emendou: “Estou apaixonado por você e não quero me negar o simples prazer de compartilhar algo verdadeiro. Estou apaixonado por você e sei que o amor é apenas um grito no vácuo, e que o esquecimento é inevitável, e que estamos todos condenados ao fim, e que haverá um dia em que tudo o que fizemos voltará ao pó, e sei que o sol vai engolir a única Terra que podemos chamar de nossa, e eu estou apaixonado por você.” Depois de “lutar” com esse parágrafo, John Green sentiu-se exausto, fechou o computador e voltou para casa.

Três anos depois de o romance ser lançado, o trecho acima tornou-se o mais grifado por usuários brasileiros do Kindle no e-book de “A culpa é das estrelas”. É o que mostra um levantamento exclusivo feito a pedido do GLOBO pela Amazon, a empresa que lidera o comércio de livros digitais no Brasil, sobre as passagens favoritas dos leitores nos 15 e-books mais vendidos no último ano.

A empresa também analisou algumas obras populares, mas que não apareceram entre os líderes de vendas do ano, como “Harry Potter e a pedra filosofal” (Rocco) e “Cinquenta tons mais escuros” (Intrínseca). Se a leitura antes era uma atividade privada, o livro digital trouxe a possibilidade de espreitar o comportamento dos leitores — e é isso que a pesquisa mostra.

— Quando escrevi, esse trecho era consideravelmente maior e mais florido. Meu editor e eu cortamos muito durante a edição. Não imaginei que essa parte fosse se tornar tão popular, mas é um momento importante do livro — conta John Green. — Sempre achei interessante a ideia de que o som não pode viajar no vácuo, e muitas vezes nossos lamentos parecem não ser escutados. Por anos, eu costumava dizer meio de piada coisas como “Todo esforço é um grito no vácuo”. Não sei se ouvi ou li a frase em algum lugar, ou se veio de dentro de mim.

Tudo bem, John Green aparecer na lista não é surpresa alguma — afinal, seu livro é um best-seller internacional, e o Brasil não passou incólume a esse sucesso. Na pesquisa da Amazon, porém, a surpresa fica com a não ficção, a autoajuda e os autores independentes. Seis dos 15 livros da lista são de escritores autopublicados. A baiana Tatiana Amaral, por exemplo, aparece com dois livros da trilogia “Função CEO”: “A descoberta do amor”, o primeiro, é o quarto mais vendido; “A descoberta da verdade”, o segundo da série, é o sétimo.

FRASE AO CONTRÁRIO

Laurentino Gomes: frase de “1808” sobre “caixinha” de Dom João remete aos casos atuais de corrupção no país - Camilla Maia

Laurentino Gomes: frase de “1808” sobre “caixinha” de Dom João remete aos casos atuais de corrupção no país – Camilla Maia

A história é quase a mesma de “Cinquenta tons de cinza”. Tatiana trabalhava como administradora numa empresa familiar de alimentos congelados, quando resolveu escrever um fan fiction sobre a saga “Crepúsculo” — que acabou servindo de ponto de partida para os romances. A série conta a história de Melissa, que vai trabalhar como secretária do CEO de uma empresa. Ele é casado, os dois se apaixonam, mas o poderosão não larga a mulher porque vive um “jogo” com ela — e quem ganhar fica com o dinheiro, as ações, tudo. A mulher do sujeito também é uma megera, que tenta até matar a secretária. A frase mais grifada mostra o momento em que o CEO pede a amante em casamento.

— Há muitos outros trechos que eu achei que iriam agradar mais às pessoas do que esse — reconhece Tatiana.

Outra surpresa aparece em “O pequeno príncipe”, sexto mais vendido no ano: a frase (mais…)

Unesp disponibiliza livros para download gratuito

0
Fonte: Shutterstock

Fonte: Shutterstock

Coleção digital é lançada e abrange diversas áreas do conhecimento; confira

Publicado no Universia Brasil

A Unesp lançou a Prope Digital, coleção de livros online disponíveis para download gratuito. O lançamento é uma parceria entre o selo Cultura Acadêmica, da Editora Unesp, e a Pró-reitoria de Pesquisa (Prope). Ao todo, são oito livros que contemplam assuntos ligados à bioenergia, nanotecnologia, ciências humanas, comunicação, arte, educação, cultura, entre outros temas.

Segundo a pró-reitora de Pesquisa, Maria José Soares Mendes Giannini, o lançamento da coleção é “uma parceria frutífera que tem como principal objetivo levar para a sociedade o conhecimento gerado na universidade de maneira livre e acessível”. Confira abaixo quais são as obras disponibilizadas pela universidade:

1 – Bioenergia

2 – Nanotecnologia

3 – Ciências humanas em debate

4 – Comunicação, cultura e linguagem

5 – Identidades brasileiras: composições e recomposições

6 – Arte, ciência, processos criativos

7 – Desafios contemporâneos da educação

8 – Representações culturais da América indígena

Confira 5 aplicativos literários

0

Jonatan Silva, no Contracapa

A tecnologia não faz tão mal assim à literatura. Pouco a pouco, os livros vão ganhando ares tecnológicos e as novidades high-techs se incorporam ao universo da leitura. Por isso, não demorou muito para que surgissem aplicativos para smartphones e tablets destinados a quem gosta de um bom livro.

Confira as cinco dicas da Contracapa de apps literários:

Literary Analysis Guide
literary-analysis-app-20151005
Aplicativo estrangeiro referência para estudantes de literatura, retórica e jornalismo. Os elementos literários estão dispostos em três grupos: prosa, poesia e retórica. Além disso, uma “roda de significados” explica ao usuário os termos pesquisados, oferecendo exemplos, questões e até mesmo ensaios. O app custa US$ 2,99 (R$ 9).

British Literature Guide

british-literatura-guide-app-20151005

Quem gosta de literatura inglesa vai se deliciar com esse guia. O app é um completo manual literário sobre a produção literária na terra de Shakespeare. O aplicativo está divido em períodos, que vão do anglo-saxão à produção do século XX. Cara era é analisada e explicada em seis abordagens: atributos literários, grandes escritores, influência musical, influência artística, significado histórico e a uma análise de cada uma das eras. O app custa US$ 2,99 (R$ 9).

Book Creator

book-creator-app-20151005

Já pensou em criar seus próprios e-books para seus filhos. Essa é a proposta do Book Creator. Disponível somente para iPad, o app se tornou líder no segmento e uma verdadeira coqueluche entre pais dos Estados Unidos. De acordo com a avaliação de alguns usuários, o resultado beira o profissional. O aplicativo custa US$ 4,99 (R$ 15).

Free Books

free-books-app-20151005

O aplicativo possui um catálogo com mais de 23 mil obras em domínio público. De Alexandre Dumas a Lewis Carroll, o usuário poderá desfrutar dos maiores clássicos da literatura mundial sem gastar um tostão. O aplicativo é grátis.

Uncovered Books

uncovered-books-aap-3-20151005

Os bons livros estão muito além das listas de mais vendidos. Esse aplicativo tem como função apresentar aos usuários sugestões literárias que talvez não sejam encontradas em livrarias ou lojas de e-books convencionais. O aplicativo é grátis.

Aparelhos para leitura de livros digitais são alternativa para quem lê muito e quer gastar pouco

0
A publicitária santa-mariense Bruna Cipriani Luzzi, 27 anos, usa o e-reader Kobo desde 2013 Foto: Ronald Mendes / Agencia RBS

A publicitária santa-mariense Bruna Cipriani Luzzi, 27 anos, usa o e-reader Kobo desde 2013 Foto: Ronald Mendes / Agencia RBS

Leves e compactos, os e-readers possuem telas aprimoradas e recursos diferenciados que fazem com que esses dispositivos ganhem cada vez mais adeptos

Liciane Brun, no Diário de Santa Maria

Retirar um livro de uma prateleira, folheá-lo e sentir a textura das páginas geram um prazer praticamente insubstituível. Mas, hoje, consumidores ligados às novas tecnologias e têm encontrado outras maneiras de fazer suas leituras. Muitos usufruem do conforto dos livros digitais, os e-books. E isso está comprovado em pesquisas: no ano passado, pelo menos nos Estados Unidos, o faturamento de editoras em lojas online e vendas de e-books foi maior do que o de livrarias físicas, segundo levantamento divulgado pela BookStart.

Em 2013, as vendas virtuais corresponderam a U$ 7,54 bilhões, enquanto a receita vinda do modo tradicional de se vender livros foi de U$ 7,12 bilhões.

Tablets, notebooks, smartphones ou iPads já são possibilidades para quem gosta de ler livros nas telas digitais. Mas outros aparelhos estão disponíveis no mercado para serem usados especificamente para este tipo de leitura: são os chamados e-readers.

Diferentes dos tablets convencionais, esses aparelhos foram feitos para quem lê bastante e com muita frequência. Por isso, os e-readers têm, na tela, uma tecnologia chamada eletronic paper (papel eletrônico), também conhecida como tinta virtual. A tela busca imitar o papel dos livros convencionais, e traz um conforto maior para as leituras densas _ diferentemente dos trablets, que foram criados para outros objetivos além da leitura.

Pelo menos três destes dispositivos são vendidos por lojas especializadas. A Amazon comercializa o Kindle, a Livraria Cultura, o Kobo, e a Saraiva.

Mais de mil livros em um dispositivo

A publicitária santa-mariense Bruna Cipriani Luzzi, 27 anos, usa o e-reader Kobo desde 2013. Leitora assídua e administradora de um blog no qual escreve resenhas das obras que lê (viceconversa.blogspot.com), ela praticamente migrou dos livros físicos para os digitais. Hoje, vai à livraria para comprar edições especiais. No seu aparelho, que cabe dentro da bolsa e carrega por onde estiver, estão mais de 500 títulos, baixados gratuitamente ou comprados.

Para Bruna, uma das despreocupações com o uso do Kobo, é que pode marcar os textos à vontade sem estragá-los, além de poder lê-lo até no escuro, devido à tela especial.

_ O que eu gosto no e-reader é a possibilidade de poder experimentar mais livros. Não vou comprar 100 por mês, mas com e-books eu posso tê-los. E posso ter mil no meu Kobo. Onde eu conseguiria guardar mil livros em casa? _ pergunta a publicitária.

Para quem gosta de ler livros digitais, o site dominiopublico.gov.br oferece centenas de títulos clássicos de literatura de graça. Os preços dos aparelhos são geralmente mais baratos do que os iPads, e, no Brasil, variam entre R$299 e R$ 700.

Centro de Referência Paulo Freire disponibiliza obras e aulas do educador para download

0

Stéfanie Medeiros, no Olhar Direto

Protestantes neste domingo, 15 de março de 2015, seguram faixa que diz: “chega de doutrinação marxista, basta de Paulo Freire” em Brasília. Reprodução.

Protestantes neste domingo, 15 de março de 2015, seguram faixa que diz: “chega de doutrinação marxista, basta de Paulo Freire” em Brasília. Reprodução.

Nascido em 19 de setembro de 1921, Paulo Reglus Neves Freire é considerado por muitos o patrono da educação brasileira. O educador, pedagogo, filósofo e escritor é também referência na pedagogia mundial. Autor de diversas obras, o acervo de Freire está disponível para download online.

O Centro de Referência Paulo Freire, dedicado a preservar e divulgar a memória e o legado do educador, disponibiliza, além dos livros, vídeos das aulas, conferências, palestras e entrevistas que Freire deu em vida. A proposta tem como objetivo aumentar o acesso de pessoas interessadas na vida, obra e legado do educador. Cliquei AQUI para acessar o acervo.

Uma das suas obras de destaque é “Pedagogia do Oprimido”, livro que propõe um método de alfabetização dialético. A obra diferenciou-se do “vanguardismo” dos intelectuais de esquerda tradicionais e defendeu o diálogo com as pessoas simples, não só como método, mas como um modo de ser realmente democrático.

Em 13 de abril de 2012 foi sancionada a lei 12.612 que declara o educador Paulo Freire Patrono da Educação Brasileira. Freire também foi o brasileiro mais homenageado da história: ganhou 41 títulos de Doutor Honoris Causa de universidades como Harvard, Cambridge e Oxford.

Biografia

Paulo Freire nasceu em 1921 em Recife, numa família de classe média. Com o agravamento da crise econômica mundial iniciada em 1929 e a morte de seu pai, quando tinha 13 anos, Freire passou a enfrentar dificuldades econômicas. Formou-se em direito, mas não seguiu carreira, encaminhando a vida profissional para o magistério.

Suas idéias pedagógicas se formaram da observação da cultura dos alunos – em particular o uso da linguagem – e do papel elitista da escola. Em 1963, em Angicos (RN), chefiou um programa que alfabetizou 300 pessoas em um mês. No ano seguinte, o golpe militar o surpreendeu em Brasília, onde coordenava o Plano Nacional de Alfabetização do presidente João Goulart.

8-Paulo-Freire

Freire passou 70 dias na prisão antes de se exilar. Em 1968, no Chile, escreveu seu livro mais conhecido, Pedagogia do Oprimido. Também deu aulas nos Estados Unidos e na Suíça e organizou planos de alfabetização em países africanos. Com a anistia, em 1979, voltou ao Brasil, integrando-se à vida universitária.

Filiou-se ao Partido dos Trabalhadores e, entre 1989 e 1991, foi secretário municipal de Educação de São Paulo. Freire foi casado duas vezes e teve cinco filhos. Foi nomeado doutor honoris causa de 28 universidades em vários países e teve obras traduzidas em mais de 20 idiomas. Morreu em 1997, de enfarte.

Go to Top