Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged Edgar Allan Poe

A biblioteca roubada

0

Graças ao Censo Escolar de 2011, descobrimos que 72,5% das escolas públicas brasileiras simplesmente não têm bibliotecas. Isto equivale a 113.269 escolas.

Vladimir Safatle, na Folha de S.Paulo

“A Carta Roubada” é um dos contos mais célebres de Edgar Allan Poe. Nele, o escritor norte-americano conta a história de um ministro que resolve chantagear a rainha roubando a carta que lhe fora endereçada por um amante.

Desesperada, a rainha encarrega sua polícia secreta de encontrar a carta, que provavelmente deveria estar na casa do ministro. Uma astuta análise, com os mais modernos métodos, é feita sem sucesso. Reconhecendo sua incompetência, o chefe de polícia apela a Auguste Dupin, um detetive que tem a única ideia sensata do conto: procurar a carta no lugar mais óbvio possível, a saber, em um porta-cartas em cima da lareira.

A leitura do conto de Edgar Allan Poe deveria ser obrigatória para os responsáveis pela educação pública. Muitas vezes, eles parecem se deleitar em procurar as mais finas explicações, contratar os mais astutos consultores internacionais com seus métodos pretensamente inovadores, sendo que os problemas a combater são primários e óbvios para qualquer um que queira, de fato, enxergá-los.

Por exemplo, há semanas descobrimos, graças ao Censo Escolar de 2011, que 72,5% das escolas públicas brasileiras simplesmente não têm bibliotecas. Isto equivale a 113.269 escolas. Um descaso que não mudou com o tempo, já que, das 7.284 escolas construídas a partir de 2008, apenas 19,4% têm algo parecido com uma biblioteca.

Mesmo São Paulo, o Estado mais rico da Federação, conseguiu ter 85% de suas escolas públicas nessa situação. Ou seja, um número pior do que a média nacional.

Diante de resultados dessa magnitude, não é difícil entender a matriz dos graves problemas educacionais que atravessamos. Difícil é entender por que demoramos tanto para ter uma imagem dessa realidade.

Ninguém precisa de mais um discurso óbvio sobre a importância da leitura e do contato efetivo com livros para a boa formação educacional. Ou melhor, ninguém a não ser os administradores da educação pública, em todas as suas esferas. Pois não faz sentido algum discutir o fracasso educacional brasileiro se questões elementares são negligenciadas a tal ponto.

Em política educacional, talvez vamos acabar por descobrir que “menos é mais”. Quanto menos “revoluções na educação” e quanto mais capacidade de realmente priorizar a resolução de problemas elementares (bibliotecas, valorização da carreira dos professores etc.), melhor para todos.

A não ser para os consultores contratados a peso de ouro para vender o mais novo método educacional portador de grandes promessas.

Feito à mão

1
Frederico Tizzot (à esq.) e o encadernador Daniel Barbosa: resgate de um processo cuidadoso feito livro a livro (Marcelo Andrade / Gazeta do Povo)

Frederico Tizzot (à esq.) e o encadernador Daniel Barbosa: resgate de um processo cuidadoso feito livro a livro (Marcelo Andrade / Gazeta do Povo)

Sandro Moser, no Caderno G

Editora Arte & Letra lança coleção de livros artesanais com edição limitada, impressão em tipografia e encadernação manual

O mesmo cuidado do autor que escreveu o texto, na encadernação de cada um dos exemplares da edição. Movida por esta ideia, a editora Arte & Letra lança amanhã em Curitiba o projeto Livros Artesanais: uma coleção de livros feitos à mão, impressos em tipografia e encadernados manualmente.

Assista ao vídeo sobre produção de livros artesanais

Divulgação

Divulgação

Divulgação

Divulgação

 

 

 

 

 

 

 

 

 

“Queremos publicar não apenas bons livros, mas livros bem feitos. Buscamos resgatar um processo de feitura do livro que se perdeu hoje em dia”, explica Frederico Tizzot, um dos sócios da editora.

Os clássicos Um Coração Singelo, de Gustave Flaubert, Assassinatos na Rue Morgue, de Edgar Allan Poe, e Luzes, conto de Anton Tchekhov, compõem a coleção de edições numeradas e de tiragem limitada a 200 exemplares cada título.

Segundo Tizzot, foram escolhidas obras cujas primeiras publicações provavelmente saíram em edições parecidas com as do projeto. “A sonoridade dos textos tem relação com o formato final dos livros”, disse.

Zelo

Todo o projeto, da ideia à arte final, durou cerca de um ano. As impressões foram feitas por um tipógrafo em São Paulo, que montou página por página dos livros com linotipos e ilustrações em xilogravura, assinadas pelo próprio Frederico Tizzot, além de Santidio Pereira e Mariana Leme.

Na segunda parte da empreitada, o encadernador Daniel Barbosa fez a montagem, livro por livro. Desde a dobra do papel e a costura à confecção da capa, em tecido.

Barbosa já detinha um savoir-faire de edição manual, em sua editora Caderno Listrado, em especial com livros de poesia. Ele disse, porém, que pode “experimentar mais” nesta coleção, pois além da quantidade maior de texto, a opção foi pelo “caminho mais difícil”, ou seja, com a utilização das técnicas da xilo e tipografia para garantir o resultado final.

“É um processo lento, eu preciso cuidar de cada livro pessoalmente. É um trabalho demorado, sujeito a alguns percalços”, contou.

Como resultado deste zelo, cada exemplar é único, com pequenas diferenças na intensidade de tinta nas letras e das poucas gravuras que conversam com os textos.

A textura do tecido que encobre a capa e o relevo das impressões também dão ao leitor uma experiência tátil com o livro, que, para Tizzot “vira uma obra de arte em si, não apenas um suporte para o texto”.

Os livros podem ser adquiridos individualmente em uma caixa com a coleção completa. Estarão à venda exclusivamente na Livraria Arte & Letra (Al. Presidente Taunay, 130 – Fundos da Casa de Pedra) no bairro Batel ou no site da editora (www.arteeletra.com.br).

A produção de livros artesanais

Com um novo projeto, a Arte & Letra lança uma tiragem limitada de livros impressos em tipografia e encadernados manualmente

dica do Jarbas Aragão

Go to Top