Estudo mostra que ex-alunos de escolas particulares ganham mais que os colegas de faculdade que vieram de escolas públicas; resta agora entender o porquê.

1

Publicado por Spotniks

Crianças que estudam em escolas particulares conseguem melhores salários, mesmo frequentando as mesmas universidades que alunos de escolas públicas. Essa é a conclusão de um estudo publicado pelo Institute for Fiscal Studies, no Reino Unido.

De acordo com os pesquisadores, após analisarem os dados de mais de 200 mil britânicos que se graduaram em 2007, foi identificada uma remuneração, em média, 17% maior entre os ex-alunos das escolas privadas. Mesmo depois dos pesquisadores ajustarem fatores que influenciavam diretamente numa remuneração maior, como ter frequentando uma faculdade de maior prestígio ou ter escolhido uma profissão com maior remuneração, os ex-estudantes de colégios particulares continuaram com uma vantagem de 6,7% frente aos funcionários que frequentaram o sistema público.

Segundos os pesquisadores, a explicação pode estar em habilidades sociais, determinação e outras capacidades melhores desenvolvidas no ensino privado. Como mostram os dados, a diferença é ainda maior entre os homens, onde os salários podem variar até 20%, em média. Excluindo-se os fatores conhecidos por afetar diretamente o desempenho profissional, a diferença é de 8%.

“Portanto, talvez sejam os alunos das escolas privadas que tenham uma tendência de escolher (ou pontuar bem em) assuntos que continuarão oferecendo-lhes uma vantagem no mercado de trabalho após a graduação”, afirma os autores do estudo. “Além disso, outra explicação alternativa é que escolas privadas fornecem acessoa a um capital cultural e social (ex: rede de contatos) que são úteis para garantir empregos mais bem remunerados aos alunos”.

1

Entretanto, os pesquisadores não possuem uma conclusão definitiva para a lacuna entre os salários dos profissionais que tiveram uma formação pública e os que estudaram na rede privada durante o ensino médio e fundamental.

“Esse problema, no entanto, merece pesquisas futuras sobre o papel das escolas privadas no sistema educacional e sua participação no mercado de trabalho”, concluem.

Para a coautora do estudo, Claire Crawford, os dados põem em cheque a ideia de que o estudo é a única forma de enriquecimento.

“A educação é muitas vezes tida como uma rota de mobilidade social. Mas nossa pesquisa mostrou que, mesmo entre aqueles que obtiveram sucesso conseguindo uma graduação, o ambiente familiar – e em particular, o tipo da escola que frequentaram – continuam influenciando o sucesso no local de trabalho. Isso sugere que há uma urgente necessidade de entender como as escolas particulares continuam oferecendo vantagens no mercado de trabalho, mesmo entre pessoas com graduações similares e porque o ensino superior não tem sido tão decisivo como se esperava”.