Posts tagged experiência

‘O professor pagava meu almoço’: a jovem de periferia aprovada em um dos vestibulares mais difíceis do país

0

A estudante Bárbara da Costa viajou para o Rio para fazer a matrícula com passagem comprada com as milhas de um professor | Foto: Ricardo Borges/BBC Brasil

Bárbara da Costa Araujo matou a curiosidade de conhecer a sala de embarque do aeroporto de Fortaleza há poucas semanas. Apesar de morar há anos em um dos bairros no entorno do aeroporto, até então a experiência dela com o terminal se resumia ao barulho dos pousos e decolagens.

Camila Veras Mota, na BBC Brasil

Com passagem só de ida – comprada com as milhas de seu professor de matemática -, a jovem de 19 anos tinha como destino o Rio de Janeiro, onde faria sua matrícula no Instituto Militar de Engenharia (IME).

É dela uma das 98 vagas disputadas em um dos vestibulares mais exigentes do país, em uma maratona de provas com ênfase nas matérias de exatas, feita por quase 6,3 mil alunos de todo o país.

“As provas discursivas de matemática e física são as mais difíceis do país, mais do que as do ITA”, diz Francisco Antônio Martins de Paiva, o professor Max, que acompanhou a jovem e que há 20 anos dá aulas em turmas preparatórias para as provas do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) e do IME. “A gente brinca que, se um professor conseguir acertar metade das questões, a escola pode contratar (para dar aula nas turmas regulares) de olho fechado”, completa.

O perfil de Bárbara destoa da grande maioria dos aprovados no instituto – e nos cursos mais disputados das demais instituições de ensino superior do país -, egressos de escolas particulares e de classe média e alta.

Ela é a primeira pessoa da família a entrar na faculdade. A avó e a mãe, com quem morava em uma casa simples, trabalharam praticamente a vida inteira fazendo faxinas.

Ela estudou até a 8ª série em uma escola estadual do bairro perifério da Vila União, cujo Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), de 0,467, equivale a pouco mais da metade do registrado em Fortaleza, 0,732, de acordo com dados de 2014 compilados pela prefeitura.

O indicador é construído a partir de dados de renda, saúde e educação de cada região; quanto mais próximo de 1, mais desenvolvida ela é.

No fim do ensino fundamental, em 2012, Barbara disputou com outros 400 jovens de bairros carentes uma das 20 bolsas custeadas por uma ONG de educação. Se fosse selecionada, poderia cursar o ensino médio em uma escola particular. Vencidas as nove etapas do processo, Bárbara foi matriculada no ano seguinte.

De ônibus, o trajeto até a nova sala de aula, no centro de Fortaleza, era de mais ou menos uma hora. Tempo que ela considera razoável, já que o namorado – também bolsista do mesmo programa – acordava às 4 da manhã para ir de Caucaia, cidade-satélite da capital, a Fortaleza.

O nível da turma era alto, ela lembra, mas os anos de estudos para Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (Obmep) – sempre por conta própria, já que a mãe sempre a deixara “muito solta” – ajudaram no primeiro ano.

Com bom desempenho, ela conseguiu uma vaga nas turmas especiais preparatórias para os vestibulares do IME, que têm mais aulas de matemática, física e química.

“Foi um baque, tirei o primeiro 4 da minha vida, em física. Foi horrível”, ela conta. Bárbara abriu mão das olimpíadas de matemática para se concentrar no pré-vestibular e as notas melhoraram. Na primeira tentativa, ela foi aprovada em engenharia na Universidade Federal do Ceará (UFC), mas queria mais.

Getty Images
Image caption Bárbara quer fazer mecânica de automóveis e sonha em trabalhar na Fórmula 1

O problema é que a bolsa financiada pela ONG só se estendia até o terceiro ano do ensino médio. A escola topou custear o curso extensivo. No primeiro ano, contudo, o mal de Parkinson que acometia o avô piorou. A mãe parou de trabalhar para cuidar dele.

O orçamento da família, que já era apertado, ficou ainda mais restrito. Um dos remédios de uso contínuo custava R$ 35 por semana. “Isso era muito pra gente”.

O avô faleceu e, depois daquele ano difícil, Bárbara não fez boas provas.

A pressão para que a jovem começasse a trabalhar aumentou – a aposentadoria do avô era parte importante da renda doméstica – e, no segundo ano de cursinho, a escola ofereceu a Bárbara uma vaga no alojamento que mantém para hospedar alunos carentes vindos do interior do Ceará e de outras partes do país com potencial de aprovação. “Isso ajudou a me afastar um pouco dos problemas”.

Um dos professores pagou seu almoço durante todo o ano letivo e outro contribuía com algumas despesas esporádicas com as quais ela não conseguia arcar.

O professor Max foi buscar Bárbara no dia da mudança – para surpresa dele, restrita a uma mochila e um saco de supermercado. “A casa era um espaço entre dois imóveis, um vão de dois ou três metros, que a família cobriu e colocou uma porta improvisada. Sem estrutura nenhuma”, ele lembra.

‘Aos 21 anos, eu não sabia somar frações’

A realidade não era tão diferente da história do próprio professor. Max nasceu em Canindé, no interior do Ceará, e cresceu numa vila em que os moradores dividiam todos o mesmo banheiro. “Em casa não tinha uma mesa, eu estudava na rede”, conta.

Em 1992 prestou o primeiro vestibular para História e, no início do curso, descobriu que era apaixonado por matemática. “Aos 21 anos, eu não sabia somar frações. Comecei a estudar sozinho, o que me abriu a possibilidade para que começasse a dar aulas particulares para ganhar algum dinheiro”.

Getty Images
Image caption ‘Em casa não tinha uma mesa, eu estudava na rede’, diz o professor de matemática

Ele mudou de curso, virou professor em uma escola pública e, pouco tempo depois, foi convidado por uma escola particular – para dar aulas de ciências.

No esforço para adquirir conhecimento por conta própria, resolvia dezenas de provas. Foi assim que descobriu os testes do ITA, entre os mais difíceis do país. “A primeira vez que peguei uma prova, não sabia resolver uma questão. Pensei na hora: ‘opa, é isso aqui mesmo que eu quero'”.

O que começou como desafio virou vocação. Há 20 anos ele é titular das turmas especiais do pré-vestibular.

“Também tive gente que acreditou em mim”.

Desigualdade de oportunidades

Histórias como a do professor Max e a de Bárbara são exceções. “Muito do futuro de quem nasce no Brasil está determinado por suas condições socioeconômicas quando nasce”, diz o pesquisador do Insper Naercio Menezes Filho, estudioso dos temas de educação, mercado de trabalho e desigualdade.

“A diferença entre o sistema público de educação e as escolas privadas, entre outras razões, alimenta uma desigualdade de oportunidades que é enorme no país”, acrescenta.

Para se ter uma ideia, ele exemplifica, filhos de pais analfabetos têm 3% de chance de concluir o ensino superior – percentual que cresce para 70% quando os os pais passaram pela universidade.

A escolaridade, por sua vez, é determinante para definir o nível de renda e até onde o salário de cada um pode chegar. No Brasil, a remuneração média de quem tem ensino médio completo é de R$ 1 mil, valor que salta para R$ 4,6 mil para quem conseguiu concluir uma faculdade.

Engenheira da Fórmula 1

Bárbara sabe que é uma dessas exceções estatísticas, mas isso não a impede de sonhar alto.

‘Muita gente não teve as mesmas oportunidades’, diz a jovem | Foto: Ricardo Borges/BBC Brasil

“Eu não gosto que me coloquem limite”, ela disse, inicialmente se referindo ao fato de que muita gente da família e do bairro torceu o nariz quando ela disse que queria ser engenheira.

Apaixonada por carros, quer trabalhar na Fórmula 1. Ao longo da infância e da adolescência ela sempre se imaginou nos boxes que via nas transmissões das corridas pela televisão, trabalhando nos carros que passam pelo pit stop.

“Eu sei, é sonhar alto, mas me deixem sonhar!”, ela diz, rindo.

Com o olho grudado na tela, nos ziguezagues que parecem intermináveis para quem não gosta do esporte, ela ouvia da mãe e da avó: “Barbara, aprende a fazer as coisas de casa, aprende, porque em algum momento você vai casar e nao vai saber fazer nada”.

Insistiam para que ela escolhesse uma carreira “mais feminina”, que fosse pediatra ou professora. “Eu acho que, quanto mais baixa é a classe social, maior é o machismo”, comenta.

O resultado da aprovação saiu no dia 6 de dezembro. Depois de comemorar, a ficha caiu. “Pronto, passei. Agora não tenho dinheiro pra um exame (médico), pra uma passagem”, conta, com bom humor.

O professor Max juntou suas milhas e comprou-lhe o tíquete para o Rio de Janeiro. O diretor da escola descobriu e resolveu pagar os exames médicos exigidos pelo instituto.

“Eu tive muitas oportunidades e gente que acreditou em mim. Muita gente não teve as mesmas oportunidades que eu, sei disso”. Aos amigos, por isso, ela aconselha que agarrem as chances sempre que elas aparecerem.

A jovem optou pelo IME, onde está matriculada como oficial da ativa, por conta do salário que a universidade paga aos alunos durante os 5 anos de curso – além, claro, da possibilidade de cursar mecânica de automóveis.

Ela mora em um alojamento dentro do instituto, localizado na Praia Vermelha, no bairro da Urca.

Bárbara quer mandar parte da renda mensal para a mãe e a avó, guardar um pouquinho para comprar uma passagem “de volta” para Fortaleza – para visitar a família e o namorado, aprovado em engenharia em uma faculdade pública do Ceará – e economizar para comprar, no futuro, uma casa melhor para a avó – o que, para ela, é “o maior sonho”.

Livro ‘A Paixão Segundo G.H.’, de Clarice Lispector, será adaptado para o cinema

0

clarice-a-gambiarra-1170x480

Nathalia Oliveira, no A Gambiarra

O romance A Paixão Segundo G.H., de 1964 escrito por Clarice Lispector, será adaptado para o cinema pelo cineasta Luiz Fernando Carvalho.

O livro é considerado de difícil adaptação. O relato fala sobre os pensamentos e a consciência de uma mulher que demite sua empregada doméstica e em seguida vai limpar o quarto de serviço da casa. Nesse momento, ela se depara com uma barata.

A maioria dos críticos considera A Paixão Segundo G.H o trabalho mais importante da obra da autora.

maria-a-gambiarra-1024x427

A atriz Maria Fernanda Cândido já está se preparando para viver a protagonista de ‘A Paixão Segundo G.H.’

Segundo o jornal O Globo, a atriz já está se preparando para interpretar a personagem de Clarice Lispector no cinema.

Em entrevista ao jornal, ela afirmou já ter um envolvimento emocional com o livro e que gosta da experiência de trabalhar com Luiz Fernando Carvalho.

Li o livro quando tinha 29 anos. E foi fundamental para a minha vida, foi uma experiência. Tenho uma afinidade grande com o Luiz. Esse aprofundamento que ele propõe é fundamental para realizarmos e desenvolvermos um trabalho. Gosto de como ele leva tudo isso e como propõe o laboratório. É muito tenso, tem uma rotina de muita dedicação, muitas horas por dia. Mas é assim que funciona.

A preparação da atriz inclui treinamento vocal, estudo de interpretação e completa imersão no texto original, que é coordenado pessoalmente pelo diretor.

A Paixão Segundo G.H. ainda não tem data de lançamento prevista.

“Na escola, seguimos escravos”, diz professora que emocionou a Flip

0
Lázaro Ramos se emociona com a fala da professora Diva Guimarães. Foto: Iberê Perissé/Divulgação Flip

Lázaro Ramos se emociona com a fala da professora Diva Guimarães. Foto: Iberê Perissé/Divulgação Flip

A mulher que comoveu o Brasil com seu relato conta sua trajetória

Wellington Soares, na Nova Escola

“Não sei o que me deu.” É assim que a professora aposentada Diva Guimarães explica a sua fala na Feira Literária Internacional de Paraty (Flip). Ela falou por exatos 13 minutos e 16 segundos, tempo suficiente para produzir um discurso magnético. Viralizou – e por bons motivos. A participação de Diva tocou em feridas abertas sobre o racismo no Brasil. A base das reflexões foram sua própria vida: dos tempos como estudante à experiência em sala de aula e o seu abrir de olhos sobre a situação dos negros no país.

Ao final do discurso emocionado, um apelo do ator e escritor Lázaro Ramos, que palestrava: “A gente precisa fazer um pacto de investir em Educação pública de qualidade”. Aplausos.

Em entrevista por telefone a NOVA ESCOLA, Diva reforça o discurso de Lázaro. Afirma que a falta de qualidade é ainda mais grave na abordagem de questões raciais. “São poucos os professores que conseguem contar a verdadeira história da África, do povo negro, dos indígenas.”

Na entrevista abaixo, ela relaciona a própria trajetória como aluna e professora da Educação Básica ao racismo no país e diz acreditar na Educação como principal motor de mudança.

NOVA ESCOLA O que motivou sua fala naquela sessão da Flip?

DIVA Não sei. Não foi pensado, mas foi a oportunidade que eu tive de falar sobre o meu sentimento e o sentimento das pessoas negras. Em Paraty, eu pude participar, pela primeira vez, de uma mesa com negros e que falasse sobre os negros. Durante a semana, participei de várias palestras que foram me tocando e, naquela mesa, quando começaram a falar sobre o racismo no passado de Portugal, eu pensava: não, isso não acontece em Portugal. Isso é o que acontece aqui, agora. Eu queria falar com o Lázaro depois porque ele mexeu muito com as minhas emoções, mas aquela foi a oportunidade que eu encontrei.

Foto: Bruno Santos/Folhapress

Foto: Bruno Santos/Folhapress

Na palestra você disse que somos escravizados até hoje. É uma colocação forte. O que você quis dizer?

DIVA São as oportunidades que nos dão que nos escravizam. É só perguntar para qualquer pessoa negra, ou de periferia, ou indígena. Quando era pequena, tive a oportunidade de fazer o primário em um colégio interno, mas eu era obrigada a trabalhar lá. Além disso, passava por situações que os alunos brancos de classe média não passavam: apanhava muito e evito até hoje as coisas que eu comia lá – uma sopa de lentilha com gosto de mofo e pão molhado no café com leite. No ginásio, passei a dar aulas em troca de moradia e de um tempo livre para estudar pela manhã. Nada mudou desde o período da escravidão, nem para mim nem para o mundo. Seguimos escravos.

Além dos maus-tratos, como foi a experiência escolar para você?

DIVA Estive sempre cercada de uma maioria de pessoas brancas. No colégio interno, todas as minhas colegas negras eram as pessoas que estavam ali por serem assistidas – estavam ali nas mesmas condições que eu. No ginásio e no magistério, tinha uma ou outra colega com a cor da pele como a minha. Nas aulas, aprendi o que estava nos livros. Não tinha nada de bom que a gente [os negros] fazia. Você não se via nas páginas escolares como negro. Você estudava a história dos Estados Unidos – às vezes a gente até tinha que decorar palavras em inglês –, estudava sobre a Europa, mas nada sobre a África. Tudo o que diziam era que a gente veio de lá escravizado para trabalhar no Brasil. Eu passava mal. Ficava revoltada quando falavam da escravidão porque as pessoas começavam a olhar para mim porque eu era a única negra.

Esse sentimento de revolta foi muito presente na sua vida?

DIVA Sim. Sempre briguei muito e fui muito revoltada… Não, eu era justiceira. Lembro de ler um livro sobre a vida do Lampião e ele se tornar meu ídolo. Ele foi um oprimido: viu toda a família morrer quando era criança porque roubaram as terrinhas deles, depois se salvou e cresceu e foi se vingar. Eu tinha vontade de me vingar também. Não tinha oportunidade, mas tinha vontade. Eu fiz até o plano de fugir para me juntar ao bando dele. Era uma revolta contra a discriminação – hoje a gente fala bonito, fala bullying! A minha vingança, felizmente, é a Educação. Você não precisa pegar em armas, com a Educação, com a leitura, você passa a saber quem você é, quais os seus direitos e seus deveres. A coisa muda. Pela arma ninguém muda ninguém.

Então a revolta passou?

DIVA Ah, ainda tem horas que eu tenho vontade de explodir. [ela gargalha e volta rápido ao tom sério que dominou a conversa] Quando eu vejo a matança de jovens negros… Não só de negros, mas das pessoas da periferia – em que a maioria é negra. Vão empurrando a gente cada vez mais para os cantos.

Se a escola não a preparou, como você criou consciência sobre o que é ser negro?

DIVA Eu aprendi pela leitura. Teve uma mãe de família para quem a minha mãe lavava roupas que me incentivou demais. Pelos livros, eu fui despertando. Li Darcy Ribeiro, que fala muito bem sobre a África, sobre os negros. O que me ajudou muito também os livros do Jorge Amado que são livros-denúncia. Tem outro que acho espetacular, que eu acho que são fantásticos é o José Mauro de Vasconcelos, autor de Meu Pé de Laranja Lima. Muitos livros são aparentemente romanceados, mas são denúncias! O Jorge Amado fez a denúncia da exploração sexual de crianças negras lá nos anos 1930 e 1940.

Como as escolas hoje podem fazer diferente?

DIVA Eu acredito principalmente na força da fase da pré-escola. O preconceito que as crianças têm, elas trazem da orientação de casa e vão se tornando assim, se nada é feito. E nada é feito, porque a maioria deste país é branca. Quer dizer, a maioria é negra, mas eles são mais bem protegidos – não vou nem dizer que eles têm mais força, porque se eles tivessem mais força a gente nem existiria.

Você disse que não mudamos até hoje. Você tem esperança de que mudemos no futuro?

DIVA Eu tenho esperança na Educação. A geração de hoje, em que muitos são cotistas, e os filhos deles vão ter outra cabeça. Muitos jovens vieram conversar comigo em Paraty. Muitos mesmo. A gente pensa que eles não estão ligados em tudo o que acontece, mas eles estão muito ligados. A mudança vem daí. Vai demorar um tempo, mas vai mudar.

Livro mostra como Clarice Lispector pode transformar a vida de seus leitores

0
A autora. Temas universais e humanos Foto: Claudia Andujar

A autora. Temas universais e humanos Foto: Claudia Andujar

 

Simone Paulino parte de sua experiência de leitura para guiar o leitor pela obra de Clarice e pelos grandes temas da literatura e da vida

Maria Fernanda Rodrigues, no Estadão

Como muitos outros brasileiros, a editora Simone Paulino conheceu a obra de Clarice Lispector na escola, num momento em que o mais ambicioso sonho para ela, menina pobre da periferia, órfã desde os cinco quando seu pai foi brutalmente assassinado na volta do trabalho, era ser professora de português. Leu A Hora da Estrela, mas não foi amor à primeira vista.

Deixou a ideia da sala de aula de lado, esqueceu aquela leitura e se tornou jornalista. Adulta, voltou à obra de Clarice com dedicação e empenho. Queria entender aqueles livros, o universo criado pela autora. Pensou em estudá-la no mestrado, mas um amigo a desencorajou dizendo que Clarice era muito difícil. Desistiu de ler sua obra racionalmente, mas voltou várias vezes aos romances e contos pelo puro prazer da leitura e pelo efeito que aquela obra tinha em sua vida.

É por isso que, quando leu Como Proust Pode Mudar a Sua Vida, de Alain de Botton, pensou logo em Clarice como o nome para estar numa versão brasileira do livro. Como Clarice Pode Mudar a Sua Vida acaba de chegar às livrarias brasileiras contradizendo a autora em sua última entrevista, à TV Cultura, em fevereiro de 1977: “Escrevo sem esperança de que o que escrevo altere alguma coisa. Não altera nada”.

“Altera, sim. Salva, sim. Mudou a minha vida”, comenta Simone. “Vivemos num mundo tão brutal e ela, ao mesmo tempo que mostra essa brutalidade, mostra uma delicadeza – o delicado essencial de que falava e que virou quase um lema de vida para mim”, completa.

Simone dividiu seu livro em 13 capítulos, numa referência aos 13 títulos de A Hora da Estrela. A partir de sua experiência de leitura, ela vai justificando o título de sua obra ao responder como: deixar a vida ser o que ela é, ser feliz, estar no mundo, ter compaixão, seguir a si mesmo, aproveitar o instante, transcender a realidade, cultivar o delicado essencial, aprender a amar, superar o medo, chegar a Deus, aceitar a morte e matar baratas.

O livro foi parar na seção de autoajuda das livrarias. “Mas todo livro é de autoajuda”, defende a autora que escolheu Clarice como o recorte, mas garante que a obra é, antes de tudo, um elogio e um agradecimento à literatura. “Ao longo dos anos, a literatura me permitiu reinventar minha história, apaziguar minha terrível sensação de abandono e criar um novo jeito de existir”, escreve na introdução. E, nesse sentido, Clarice também está aí para ajudar.

“Quando temos contato com uma autora que fala de coisas profundamente enraizadas em nós, que muitas vezes não sabemos nem nomear, e quando ela nomeia aquilo, ela nos ajuda a viver, compreender e existir dentro daquilo. A literatura é um conforto e a Clarice sempre me confortou”, conclui.

5 hábitos de universitários bem-sucedidos

0

Quer tirar o máximo proveito da sua vida universitária? Confira as atitudes que você precisa ter

habitos-de-universitarios-bem-sucedidos-noticias

Publicado em Universia Brasil

A faculdade é um período marcado por intensas mudanças na vida do estudante. É o momento de fazer novos amigos, ter contato com novos professores e novas matérias, vivenciando um ambiente completamente diferente. Além disso, é o momento de começar a trajetória profissional, dando início às primeiras experiências de trabalho na área escolhida. No entanto, para que o estudante saia da faculdade realmente preparado para enfrentar os desafios do futuro, ele deve prestar atenção nas pequenas atitudes ao longo dos anos de graduação.

Foi pensando nisso que a seguir separamos 5 hábitos típicos de universitários bem-sucedidos. Confira abaixo e prepare-se para viver um dos melhores anos da sua vida:

1 – Seja determinado
Durante a faculdade, é fundamental que você tenha determinação e comece a pensar nos seus planos para o futuro, mesmo que ainda esteja cursando o primeiro ano. Comece a pesquisar sobre a área profissional em que você gostaria de atuar e busque conversar com quem trabalha na área. Um bate-papo com um professor e com outros colegas também pode ser uma boa ideia. Pense que, quanto mais cedo você se planejar, maiores serão suas chances de ter sucesso.

2 – Siga a sua vocação
Ingressou em uma graduação, mas não se identificou? Essa situação costuma ser vivida por alguns estudantes e, de fato, não é um momento muito fácil. Contudo, você não deve ter medo de fazer uma mudança de curso se achar necessário. Não espere demais para agir caso sinta que não tenha nenhuma afinidade com as aulas. O mesmo é válido para uma experiência de trabalho. Caso perceba que a área profissional não é bem a que você tem afinidade, comece a buscar outras oportunidades. Seguir a própria vocação é o segredo para garantir a própria satisfação.

3 – Construa uma ampla rede de contatos
O período universitário é comum entrar em contato com novos professores, colegas de classe e até mesmo de trabalho. Você deve aproveitar essa experiência para investir ao máximo no seu networking, conversando com o máximo de pessoas que puder. Trocar ideias e experiências com os outros pode ser muito útil para o futuro.

4 – Busque uma experiência profissional
Durante a faculdade, também é importante começar a investir na sua carreira profissional. Por isso, é interessante fazer pesquisas sobre oportunidades de estágio na sua área de atuação, já que algumas empresas costumam contratar até mesmo alunos no primeiro ano de graduação. Uma boa forma de se manter informado é utilizar redes sociais como o LinkedIn e o Twitter, por exemplo.

5 – Aproveite os momentos de diversão
É certo que, na universidade é necessário se dedicar ao máximo aos estudos e às primeiras experiências de trabalho. No entanto, o lazer também é fundamental na vida do estudante. Aproveite esse período também para se divertir. Você pode ir a festas da faculdade com os seus amigos, praticar um esporte, aprender um instrumento musical ou fazer alguma outra atividade que gosta. Isso é importante para deixá-lo mais feliz e positivo, além de diminuir a sensação de estresse.

Go to Top