Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged Falar

É fácil ser autor. Difícil é escrever

0

Os jornalistas estão adotando a primeira pessoa na narrativa, mas ainda não acharam seu verdadeiro eu lírico

Luis Antonio Giron, na Época

Como o tempo muda e nada acontece! Antigamente, o iniciante no jornalismo, chamado de “foca”, comparecia humildemente à redação para seu primeiro dia de emprego disposto a aprender com os mais velhos. Ouvia calado até um dia poder falar. Hoje, o “foca” se apresenta ao chefe na redação de uma revista ou um jornal já botando banca: “Foca é a sua mãe”, diz, enchendo o peito. “Eu sou autor!” Mas as coisas continuam iguais. Hoje ele apenas exterioriza aquilo que seu tímido antecessor apenas calava fundo.

No jornalismo atual, é como se o autor precedesse o estilo, ao passo que o inverso parece ainda ser real. Vivemos a epidemia da “autoralidade”, esta palavra monstruosa cuja tradução teria de ser “autoria”, porém é muito simples para fazer bonito. Pensei nesse assunto durante um exaltado debate em torno do tema “como encontrar a voz do repórter” de que participei no último Fórum das Letras de Ouro Preto, na semana passada, em um painel promovido por ÉPOCA e a Universidade Federal de Ouro Preto (Ufop). A plateia, formada em sua maioria por estudantes e iniciantes, queria saber como manter a “autoralidade” em tempos de hiperinformação, fragmentação do ego, redes sociais e o diabo digital que nos carregue. O que dizer aos jovens sonhadores sem acordá-los de seu recorrente autoengano? Como construir um estilo e se transformar em autor?

Sempre tive pudor de usar a primeira pessoa do singular, embora a esteja usando agora que está tudo liberado e não tenho nenhuma reputação a perder. Muita gente imagina que basta escrever “eu” para virar autor, repórter, articulista, crítico, ensaísta. Talvez eu tenha passado a pensar assim também, embora sem muita convicção. Talvez eu me veja também como membro do clero do “jornalismo literário” – outra expressão imprecisa que mais exalta certos indivíduos do que diz a verdade. Dessa forma, o clamor do estilo não sai mais apenas da garganta dos escritores, como também dos jornalistas – que nunca foram considerados dignos de receber a alcunha de escritores sabe-se lá por que – e de seus atuais sucedâneos, blogueiros e tuiteiros.

Todo mundo quer ser alguém na vida da escrita – e migrar seus textos da blogosfera ou do papel perecível para a presumível eternidade do livro. A consequência é o perigo da hiperpopulação de egos no mundo da comunicação. Todos escrevem qualquer coisa, mas poucos merecem ser chamados de autores. O problema é que, em um mundo onde o joio virou o trigo, bons e maus autores estão cada vez mais misturados e indistinguíveis.

Como se não bastasse, os meios de comunicação digital incentivaram a aparição do gigantesco coral de bilhões de vozes. O Twitter é o maior transmissor de opiniões e notícias irrelevantes jamais cogitado. O Facebook forneceu identidade e deu eco a muita gente que, felizmente, prefere ficar nos games da rede social. Antigamente evitava-se dar voz ao imbecil. Hoje, imbecis ou não, todos possuem um meio de expressão e de autopromoção. O imbecil é o herói emergente da autoralidade…

Então, para que servem o jornalista propriamente dito, o jornalista pré-literário, diante de tantas mudanças? Ele diferia até pouco tempo atrás do autor porque ele era um apanhador de fatos. transformava-os em notícia, de acordo com os vários subgêneros jornalísticos: entrevista, reportagem, artigo, resenha etc. O tema impunha o gênero a ser adotado. As redações eram as melhores escolas de estilo e escrita criativa. Agora os registros de linguagem e de veracidade se confundem, e é impossível distinguir um ficcionista de um não-ficcionista, um romancista de um repórter. Os cursos universitários de ficção criativa talvez sejam responsáveis pela lambança. Afinal, acadêmicos odeiam jornalista. Para eles, não passam de subliteratos. E agora com a internet, o veículo primordial da transmissão de notícias, a verificação da realidade se tornou impraticável.

É fácil ser autor. Difícil é escrever. As festas literárias o comprovam.

O jornalismo, por isso, talvez seja um profissão fadada à extinção – pelo menos o jornalismo que conhecemos até o final dos anos 1990. Por enquanto, agoniza mas não morre, como o samba segundo Nelson Sargento. Alguns jornalistas poderão sobreviver. Para tanto, precisam se dar conta de pelo menos três fatos. Em primeiro lugar, não há mais diferença entre textos online e offline, entre papel e internet. A versão em papel se tornou uma espécie de produto nobre, que surge no ambiente universal da internet. Em segundo, a influência dos meios de comunicação tradicionais – jornal, revista, televisão – ainda é efetiva, mas está diminuindo, à medida que os fóruns de opinião se organizam em “trend topics” e os anúncios se transferem para a internet. Por fim, bem ou mal, hoje todo mundo comenta notícias instantaneamente, a concorrência só aumenta.

Para vencer em mundo tão turbulento, o jornalista precisa se antecipar aos “trend topics” e, se não consegue o furo, lidar com a notícias de modo a surpreender o leitor para despertá-lo da letargia em que está enredado pelo excesso de mensagens. É se transformar em uma espécie de autor de verdade (não um arremedo) com voz própria que, além de ser original, se faça ouvir. Ele tem que apurar, conferir, editar e ilustrar uma notícia, mas sobretudo precisa se reinventar e reinventar a forma de elaborar a notícia. Deve inovar de acordo com os novos meios – por que não, por exemplo, escrever uma grande reportagem nos 140 caracteres de um tuite? E tem que ser rigoroso e relevante, e ser lembrado no ambiente hiperveloz de informações que logo caem no esquecimento.

O jornalista não pode cair na tentação de virar um autor de ficção. Deve contentar-se em escrever romances de não-ficção, termo forjado por Truman Capote em 1966, com o hoje clásssico A sangue frio. Seu dever é mostrar ao leitor e ao público que o mundo real continua a existir – e que a realidade é mais complexa do que a vida online faz crer.

‘Vovó do Rap’ faz sucesso ao criar poesias e transformá-las em música

0

Aos 63 anos, Judimar Molina começou a escrever após morte do marido.
Ela já recebeu dezenas de prêmios nacionais e internacionais com as letras.

'Vovó do Rap' com a roupa para uma apresentação em Praia Grande (Foto: Mariane Rossi/G1)

‘Vovó do Rap’ com a roupa para uma apresentação em Praia Grande (Foto: Mariane Rossi/G1)

Mariane Rossi, no G1

De cabelos brancos, ela coloca o boné de aba reta e ajeita o bermudão com a palavra ‘hip hop’. A grossa corrente de prata também não pode faltar no figurino da ‘Vovó do Rap’ durante as apresentações. Aos 63 anos, Judimar Gomes Molina descobriu o talento de transformar suas poesias em rap, e assim, levar uma mensagem de conscientização para os jovens de Praia Grande, no litoral de São Paulo.

Após a morte do marido, Judimar tirou todas as antigas poesias do fundo do armário. O que antes era motivo de brigas entre o casal passou a se tornar o maior hobby dela. Para voltar a escrever e não cair na solidão, ela resolveu terminar os estudos. Durante o casamento, tentava aprender com os próprios filhos um pouco da língua portuguesa, já que o pai só deixou ela estudar até a 4ª serie e, mesmo após o casamento, o marido também não permitia os estudos. Por isso, aos 50 anos, Judimar voltou para a 5ª série.

1Pouco tempo depois, ela passou a fazer parte do grupos de poetas de Santos e Praia Grande e, finalmente, entrou na faculdade de pedagogia. Para vivenciar a profissão, começou a fazer trabalho voluntário nas escolas de Praia Grande. Na sala de aula, ela descobriu sua vocação: incentivar a poesia e transformá-las em rap. Assim, encontrou uma forma de usar suas rimas para se aproximar da sociedade e, principalmente, dos jovens.

Judimar descobriu esse talento por acaso. “Os meus amigos estavam fazendo umas poesias tipo Castro Alves, com um linguajar culto e eu era a quarta a falar. Mas a criançada não estava nem aí. Até a gente não entende direito algumas palavras. E como eu gosto de interagir e estava vendo um desinteresse muito grande, pensei que deveria inovar. Começou a vir uma poesia na minha cabeça, e que vinha com uma batida diferente”, conta ela. Quando foi a vez de Judimar, ela cantou poesia mais ritmada e o rap se formou. A plateia de alunos pediu bis e ela continuou. Daí em diante, Judimar voltou a escrever poesias todos os dias e declamá-las em forma de raps. Ela se juntou ao Sarau das Ostras, um grupo de rap e hip hop de Praia Grande, e passou a fazer apresentações com os rappers, que a acolheram e passaram a chamá-la carinhosamente de ‘Vovó do Rap’. Para entrar no clima, ela aprendeu a usar boné, bermudão e camiseta larga para ‘combinar’ com os outros integrantes. “Onde tem evento eu vou com eles. Eles gostam de mim”, afirma ela.

Judimar também levou o rap para outras escolas, asilos e para as crianças. Ela conta que muitas diretoras e professoras ligam para ela ir ajudar na conscientização de diversos temas abordados pela escola, como drogas e desigualdade social. “Eles pedem pra fazer um rap sobre a semana da família, sobre a dengue, sobre o ECA ou temas infantis”, explica. A ‘Vovó do Rap’ acredita que o ritmo, as gírias e o vocabulário bem ‘descolado’, que aprendeu a inserir nas letras, lhe aproxima dos jovens. “Às vezes eu vou à escolas e tem uns alunos rebeldes. Quando eu apresento o rap eles se aproximam, querem fazer um rap junto. É legal pra mim. É bom ter o contato com os jovens. Vou passando conhecimento e vou aprendendo também”, comemora. A Vovó do Rap também chegou aos asilos. “Eu comecei e o homem no violão começou a dar uma batidinha. Eles levantaram e começaram a dançar. Falaram que serviu até de exercício físico para eles. Coisas assim são gratificantes. É bom ver esse retorno”, fala Judimar.

Poesias da Vovó do Rap (Foto: Mariane Rossi/G1)

Poesias da Vovó do Rap (Foto: Mariane Rossi/G1)

A ex-faxineira teve que esperar para poder divulgar suas poesias. Quando jovem, ela adorava escrever, mas o marido a proibia. “Ele tinha muito ciúme. Elas ficaram na minha gaveta há muitos anos. A partir do momento que ele faleceu, eu comecei a mostrar as minhas poesias. Agora já são mais de 500. Já ganhei 35 prêmios, até de nível internacional”, conta. A coleção de títulos está por várias partes da casa dela. São troféus, medalhas e livros, além de pastas e mais pastas de poesias.

O sucesso incentivou Judimar a seguir em frente com as composições. Uma notícia no rádio, uma coisa diferente na televisão, tudo é motivo de inspiração para Judimar escrever as letras dos próprios raps. “Às vezes, quando eu sento no computador e falo que eu vou escrever, aquilo começa a ‘jorrar’”, diz. Além das poesias com temas do dia a dia, as preferidas de Vovó do Rap são as rimas que contam causos e tem um final inesperado. Letras românticas e melosas ficam fora do seu repertório. “Gosto mais daquela que faz refletir, que causa impacto, que quando a pessoa lê a poesia, ela pense um pouco sobre aquilo”, fala.

Nos planos da ‘Vovó’ estão os projetos sociais que envolvem música, poesia e educação. Ela quer continuar no voluntariado para ensinar a fazer poesia, ler e declamar. “Quero sempre fazer sobre temas novos, de tudo um pouco, conforme o ambiente. Mas sempre transformando tudo em rap”, finaliza ela.

'Vovó do Rap' quer continuar fazendo letras e trabalhos voluntários com a poesia (Foto: Mariane Rossi/G1)

‘Vovó do Rap’ quer continuar fazendo letras e trabalhos voluntários com a poesia (Foto: Mariane Rossi/G1)

Em Belo Horizonte, ex-faxineira vira “celebridade” por falar quatro línguas

0

Carlos Eduardo Cherem, no UOL

Não restou outra alternativa nesta sexta-feira (17) à administração do Mercado Central de Belo Horizonte: arrumar um uniforme novo para as imagens e organizar as entrevistas da ex-faxineira Maria da Conceição da Silva, após a súbita fama da pernambucana, quando os colegas descobriram que ela fala inglês, holandês, italiano e espanhol, além de “arranhar” alemão, árabe e hebraico, e contaram para a diretoria do mercado.

Com isso, em pouco mais de 15 minutos de conversa, com o superintendente do mercado Luiz Carlos Braga, informado no início de maio, que, além de poliglota, a faxineira tem formação superior em contabilidade, Maria da Conceição foi promovida a atendente turística do Mercado Central. Seu salário passou de R$ 674 (salário mínimo) para R$ 1.100, com a promoção.

“Estamos organizando. É para ficar mais ajeitado”, afirma o superintendente, que pede que os jornalistas formem uma fila para falar com a empregada do mercado.

Maria da Conceição atendeu a reportagem do UOL, entre os desfiles que fez nos corredores do mercado para as imagens e as entrevistas individuais que concedeu aos repórteres. A agora atendente turística disse que há exageros na repercussão do caso e que não se sente celebridade.

“Senhor, estão exagerando. Eu só falo quatro línguas. O alemão, árabe e hebraico, eu só arranho o alemão, árabe e hebraico. Não tem nada disso não”, diz Maria da Conceição.

“O hebraico estava aprendendo com um amigo marroquino. Eu só arranho, não falo”.

O mundo sem fronteiras

Ex-faxineira do Mercado Central Maria da Conceição da Silva fala inglês, holandês, italiano e espanhol, além de "arranhar" alemão, árabe e hebraico (foto: Carlos Eduardo Cherem/UOL)

Ex-faxineira do Mercado Central Maria da Conceição da Silva fala inglês, holandês, italiano e espanhol, além de “arranhar” alemão, árabe e hebraico (foto: Carlos Eduardo Cherem/UOL)

“Sou filha de pais separados. Meus irmãos mais velhos foram criados pela minha avó materna. Um outro foi criado por parentes. Minha mãe me doou ainda bebê. Mas arrependeu-se e me buscou mais tarde.

Aos 11 anos, Maria da Conceição trabalhava como recepcionista e, a mãe, como doméstica. “Estudava em colégio de freiras. No escritório, fazia serviços gerais e datilografia”. Mudou-se com a mãe para Fortaleza e lá fez o ensino fundamental num colégio militar.

Após o período na capital cearense, transferiu-se novamente com a mãe para Elesbão Veloso (PI), onde morou na casa de uma irmã. De lá, foi para Teresina e concluiu o ensino médio no Colégio Salesiano. Mudou-se com a mãe para Campina Grande (PB), onde trabalhou em diversas profissões.

“Comecei no levantamento de estoque em uma loja de autopeças, depois fui para o balcão. Aprendi muito. Fiz serviços hidráulicos e de servente de pedreiro também. Fui doméstica e até em oficina mecânica trabalhei”. Nessa cidade paraibana, em 1991, a mãe morreu.

Em 2005, Maria da Conceição trabalhava numa oficina de informática quando conheceu um alemão, um espanhol e uma holandesa. Eles faziam intercâmbio no país e foram embora. Mas a amizade foi mantida por meio de contatos pela internet. “Numa dessas conversas, entrou uma mineira, dez anos mais nova, que se tornou minha companheira. Sou homossexual”.

As duas foram convidadas pela amiga holandesa para se mudarem para lá. Toparam e, em Amsterdam, fizeram faxina e reforma de residências para sobreviver. Foi aí, que Maria da Conceição começou a aprender, “com uma certa facilidade”, as línguas que hoje domina.

Voltou o ano passado, após ter conhecido boa parte da Europa, e veio morar com uma irmã em Belo Horizonte e, óbvio, teve de procurar emprego.

Acabou arrumando o de faxineira do mercado e, agora, a promoção, quando foram descobertas suas qualificações.

15 minutos de fama

Dá um sorriso largo e avisa à reportagem, quando se prepara para atender outro jornalista, já impaciente na fila: “Eu sei disso tudo. São os 15 minutos de fama…”

“Você acha que eu sou boba? Isso tudo passa rápido”. Entretanto, não esconde uma leve expectativa com a súbita fama: “Emprego? É. Isso pode ser que melhore um pouco”, afirma Maria da Conceição, antes de partir para outra entrevista.

Em Belo Horizonte, desde setembro do ano passado, procurou trabalhar em escritórios mas não conseguiu. “As pessoas criavam dificuldades: veio da Europa? O que fazia lá? Já passou dos 40? Tem curso superior, precisamos de pessoas com formação até o ensino médio”, diz.

“Fiquei sabendo que havia vaga na faxina do mercado e fui ao escritório. Mas não apresentei currículo e omiti a formação superior e o fato de falar outras línguas”, afirma.

Ela afirma teve dificuldades para arrumar emprego em Belo Horizonte, mesmo com a boa formação educacional. Por isso, foi para a faxina do mercado e, agora, o atendimento aos turistas.

Um dia a casa cai

0
Com apoio estadual, a casa de Guimarães Rosa em Cordisburgo é um exemplo bem-sucedido de museu com atividades culturais, recebendo 33 mil visitantes em 2012

Com apoio estadual, a casa de Guimarães Rosa em Cordisburgo é um exemplo bem-sucedido de museu com atividades culturais, recebendo 33 mil visitantes em 2012

Joselia Aguiar, no Valor Econômico

Austero quando prefeito e avesso à autopromoção, Graciliano Ramos talvez aprovasse o estado-limite da casa onde morou e hoje abriga o museu que leva seu nome em Palmeira dos Índios, a cerca de 120 km de Maceió. A principal atração turística da cidade funciona de domingo a domingo e recebe escolas de todo o Estado. No ano passado, foram 16 mil alunos. Somando os turistas, foram 22 mil visitantes.

O museu funciona, mas longe do recomendado. Falta climatização; o modelo das vitrines, hoje, é vetado por museólogos; fiação e canos precisam de reparos e faltam equipamentos de segurança. O imóvel não passa por manutenção há duas décadas.

“Não, Graciliano não aprovaria”, diz João Tenório, responsável pela conservação e divulgação da casa-museu há 16 anos, algo como um administrador-geral. “O mestre sabia da importância da cultura.”

Para falar com Tenório, disca-se o número do celular, pois não há telefone na instituição. O administrador-geral não esconde a admiração pelo autor, que, na função de intendente, escreveu relatórios de prestação de contas ao governo que lhe trouxeram fama. Graciliano concebeu ali dois romances, “Caetés” e “São Bernardo”. Ele denunciava nos artigos e livros problemas que, ressalta João Tenório, são atuais não só em Alagoas, mas em todo o país.

A recente extinção da Secretaria de Cultura em Palmeira dos Índios – medida com que o prefeito reeleito James Ribeiro (PSDB) espera reduzir gastos em meio a uma arrecadação irrisória de ISS e IPTU – alarmou Luiza Ramos, única filha viva de Graciliano. “A situação é muito preocupante, o acervo está em risco”, disse. A casa-museu surgiu com a doação de sua mãe, Heloísa Ramos, em 1973. O acervo do escritor se distribuiu por quatro instituições. O IEB [Instituto de Estudos Brasileiros], da Universidade de São Paulo, ficou com a maior parte dos originais e manuscritos. O Arquivo Público de Maceió e o Instituto Histórico e Geográfico de Alagoas receberam cartas, jornais e documentos relacionados ao Estado. Em Palmeira dos Índios, conservam-se objetos pessoais, que também precisam de restauro: a máquina de escrever e a cadeira, o barbeador elétrico, roupas, título de eleitor e passaporte, manuscritos e edições de livros.

Graciliano já apareceu em campanha publicitária do governo alagoano como o pai da responsabilidade fiscal no país. Para Luiza Ramos, porém, “o Brasil todo gosta de Graciliano, menos Alagoas”. Em março, os 60 anos de morte do escritor foram lembrados em eventos no país. Em julho, ele será o homenageado na Flip. Como a casa-museu não tem recursos para montar um estande, há risco de não conseguir se representar em Paraty.

Casa de Jorge Amado espera há oito anos para ser tombada, mas, se fosse, talvez não estivesse tão preservada

Em Ilhéus, no sul da Bahia, o quadro é semelhante. O prefeito, James Ribeiro (PP), assumiu o cargo declarando situação de emergência, com contas da prefeitura bloqueadas. Dois centros culturais estavam ameaçados de interdição: além do Teatro Municipal, a casa de cultura de seu artista mais famoso, Jorge Amado. Infiltração, vigas frágeis e ar-condicionado à beira do colapso demonstram que a casa precisa de reforma, como diz João Jorge Amado Filho, neto do escritor.

Em Salvador, outro lugar amadiano se encontra num impasse. A Casa do Rio Vermelho, onde Jorge viveu com Zélia Gattai por mais de 40 anos, ainda não se tornou um memorial, mas o projeto existe há oito anos. Seria mantido como uma PPP (parceria público-privada), modelo semelhante ao de três casas do poeta Pablo Neruda (1904-73), no Chile, e quatro do pintor Diego Rivera (1886-1957), no México. Em 2006, o Conselho Estadual de Cultura da Bahia negou o tombamento. A decisão dificultou a criação do memorial, mas não a manutenção do imóvel. Tombado, talvez não estivesse conservado como está. “Ainda queremos ver a casa transformada em memorial, mas a cada dia é um sonho mais distante”, diz João Jorge. “Na passagem do centenário [de Jorge Amado], nenhuma empresa, nem o governo mostrou interesse em nos ajudar.”

A diferença entre estar ligado a uma prefeitura em dificuldades ou a um governo dotado de mais recursos pode ser atestado numa experiência mineira, o Museu Casa Guimarães Rosa, em Cordisburgo, a 120 km de Belo Horizonte. O site da entidade é repleto de imagens e informações sobre atividades. “Somos tratados com muito carinho”, diz Ronaldo Alves de Oliveira, coordenador da instituição, que não depende da prefeitura da pequena cidade, mas da Secretaria Estadual de Cultura de Minas Gerais, por meio da Superintendência de Museus e Artes Visuais. A casa onde o autor mineiro nasceu se tornou museu em 1974. Guarda documentos e originais, objetos pessoais e mobília. Em 2012, teve quase 33 mil visitantes, dentre os quais 25 mil estudantes.

Desde 1990, o museu tem ações educativas e culturais, em parceria com a Associação dos Amigos do Museu Casa Guimarães Rosa, com fontes variadas de patrocínios. Na Semana Roseana, anualmente realiza-se uma série de eventos, como oficinas literárias, apresentações teatrais e shows musicais. Uma atração permanente é o grupo de contadores de histórias Miguilim, com 52 jovens entre 11 e 18 anos, que recebem treinamento em técnicas de narração e se apresentam em todo o país.

Especialistas em gestão cultural argumentam que, com o financiamento privado incerto e sazonal, as entidades devem ser amparadas por instâncias públicas. “Governos não devem bancar tudo, mas devem ficar com a maior responsabilidade. As atividades nesses centros não são autossustentáveis. Não conheço outro modo de uma casa-museu funcionar: tem de ter subsídio”, diz Ronaldo Bianchi, consultor de gestão cultural da Animus Consultoria. Em casos dramáticos, quem cuida de uma casa-museu tem uma saída: “Procurem o Ministério Publico”.

Captar recursos privados com leis de incentivo só é “relativamente” fácil em grandes cidades do Sudeste e para projetos de visibilidade, diz Ilana Goldstein, professora de gestão de bens culturais na Fundação Getúlio Vargas. “Mesmo assim, resta o problema da manutenção permanente.” Gestores de casas-museus se queixam da dificuldade em manter equipe capacitada e permanente, em realizar obras de infraestrutura e até manter o ar-condicionado em funcionamento.

A ajuda pública contribui para que a Casa do Sol, sítio em Campinas onde viveu e escreveu Hilda Hilst, conseguisse o tombamento. Como grande propriedade em zona urbana, pagava R$ 100 mil em IPTU, valor incompatível com um instituto cultural. “A preservação e as atividades só se tornaram viáveis com o tombamento”, diz Daniel Fuentes, herdeiro e gestor do acervo. “Não se entendem demandas vinculadas à memória, só à edificação de valor arquitetônico. Foi preciso o apoio de dois secretários de Cultura e até do prefeito.”

Fuentes recomenda a seus pares um plano de negócios factível no mercado cultural brasileiro. “Deve-se buscar a maior diversidade possível de fontes de financiamento. Patrocínio é só uma das possibilidades e depende de sucessos anteriores da instituição.”

No caso de Hilda Hilst, incluem-se direitos autorais, o Programa de Residências Criativas e, agora, um teatro de arena recém-inaugurado graças a recursos obtidos com crowdfunding, em mobilização pela internet.

Go to Top