Posts tagged Fantasia

Livros invadem os cinemas

0

Caroline Ropero no Diário do Grande ABC

 

Divulgação

Aventura, romance e magia são ingredientes de livros e filmes teens de grande sucesso. Talvez por ter essa receita, a saga Os Instrumentos Mortais  (Cassandra Clare, Galera Record, 462 págs., R$ 39,90) conquistou tantos leitores e, agora, ganhará as telas do cinema. O primeiro livro da série, Cidade dos Ossos, tem estreia prevista para 21 de agosto e já tem gente ansiosa por ele. Só o trailer original, em inglês, do longa-metragem tem mais de 3 milhões de acessos no YouTube.

Na trama, Clary (Lily Collins, na foto) descobre que faz parte de mundo sobrenatural e precisa juntar-se aos Caçadores de Sombras – guerreiros que protegem a Terra de demônios e outras criaturas – para salvar a mãe e descobrir quem realmente é. O tamanho do livro pode assustar (o D+ conferiu), mas a leitura é fácil e prende a atenção.

Para Maria Lúcia Outeiro Fernandes, professora de Literatura da Unesp-Araraquara, histórias como as de Clary, Harry Potter e Bella (Crepúsculo) seguem uma fórmula. “Satisfazem a fantasia e imaginação, trazem suspense, a luta entre bem e mal, a figura do herói e têm a mesma estrutura de texto, com personagens que têm o destino traçado e história previsível, trazendo certo conforto.” Além disso, possuem linguagem simples. “Investem mais no imaginário, dando respostas rápidas ao leitor, do que no literário, que leva à reflexão mais elaborada da vida.”

Fã de livros de aventura e sagas, Beatriz dos Santos Valentim, 13 anos, de São Caetano, acredita que a leitura faz esquecer os próprios problemas. “É legal imaginar como seria se tudo fosse diferente. Faz a gente ir para outro mundo. Claro que eu não gostaria de viver em Panem (de Jogos Vorazes), mas seria legal participar do Acampamento Meio-Sangue (de Percy Jackson).” A garota sabe que, em geral, o filme não é idêntico à obra original. “Não gosto quando o diretor joga o livro pela janela e refaz tudo. Mas se ele coloca o que tem de mais importante, fica bom.”

Como Beatriz, quem curte literatura e adaptações cinematográficas pode se preparar para a grande quantidade de lançamentos que vem por aí. O bom é que haverá cada vez mais mundos diferentes e emocionantes para conhecer. É só ficar de olho nas novidades e escolher em qual aventura embarcar.

Desde o início do cinema, literatura é inspiração para adaptações

A adaptação de livros para as telas ocorre desde o início do cinema. Obras do escritor Júlio Verne, por exemplo, estão entre as primeiras a ganhar vida na sétima arte. Da Terra à Lua inspirou o filme Viagem à Lua, feito em 1902 por Georges Méliès, um dos precursores do cinema. E até hoje livros do francês servem de influência para novas produções, como o longa em 3D Viagem ao Centro da Terra (2008).

(mais…)

“A Guerra dos Tronos” ganha versão em HQ, tão explícita quanto os livros e a série de TV

0
O romancista Daniel Abraham e o desenhista Tommy Patterson são responsáveis pela adaptação de "A Guerra dos Tronos" para HQ. Alex Ross, Mike S. Miller e Michael Komarck assinaram as capas das edições mensais, que abrem cada novo capítulo no volume brasileiro. Reprodução

O romancista Daniel Abraham e o desenhista Tommy Patterson são responsáveis pela adaptação de “A Guerra dos Tronos” para HQ. Alex Ross, Mike S. Miller e Michael Komarck assinaram as capas das edições mensais, que abrem cada novo capítulo no volume brasileiro. Reprodução

Publicado por UOL

Adaptação de “A Guerra dos Tronos” para HQ tem sangue e nudez

Leia a saga, acompanhe a série na TV e agora leia a adaptação para os quadrinhos de “A Guerra dos Tronos”, épico de capa e espada do escritor George R.R. Martin. Lançada em 2012 nos Estados Unidos pela Dynamite, a série em quadrinhos chega ao Brasil por meio da Casa da Palavra, através do selo Fantasy, no formato de TP (trade paperback).

O primeiro volume reune os seis primeiros números publicados de forma seriada pela editora norte-americana – com 240 páginas, tem preço sugerido de R$ 39,90. Nesta sexta (19), a Comic-Con, em San Diego, trará um painel com as novidades da quarta temporada da adaptação para as séries de TV.

O sexo e o erotismo, além da violência, também têm espaço na adaptação da saga para a HQ. Há paginas e páginas de mulheres e homens nus em comunhão carnal, nada muito explícito, mas com um ou outro "nu frontal". Como o encontro entre Khal Drogo e Daenerys, que se exibe com uma naturalidade quase ingênua.

O sexo e o erotismo, além da violência, também têm espaço na adaptação da saga para a HQ. Há paginas e páginas de mulheres e homens nus em comunhão carnal, nada muito explícito, mas com um ou outro “nu frontal”. Como o encontro entre Khal Drogo e Daenerys, que se exibe com uma naturalidade quase ingênua.

O romancista Daniel Abraham e o desenhista Tommy Patterson são responsáveis pela adaptação. Alex Ross, Mike S. Miller e Michael Komarck assinaram as capas das edições mensais, que abrem cada novo capítulo no volume brasileiro. Patterson foi escolhido por meio de uma seleção em âmbito mundial. Abraham, que foi aluno de Martin, escreve fantasia épica com o seu nome, fantasia urbana e contemporânea como M. L. N. Hannover e ficção científica (em colaboração com Ty Franck) como James S. A. Corey. O escritor fez todo o trabalho de quebrar o romance em páginas e painéis, decidindo o que cortar e o que manter, fazendo todo o roteiro, os diálogos e a descrição das imagens.

Assim como a série de TV guarda semelhanças e diferenças com a saga literária, os quadrinhos também apresentam pontos em comum e grandes divergências com os livros. As principais semelhanças estão no quadro geral, nos grandes arcos dramáticos, além do modo como os personagens são retratados – muitos deles foram envelhecidos na série e nos quadrinhos voltaram às suas faixas etárias originais. As diferenças estão no modo como os pequenos arcos dramáticos e subtramas se juntam, simplificando a condução da história.

Outro elemento que os autores não mexeram foi o sexo e o erotismo. Há paginas e páginas de mulheres e homens nus em comunhão carnal, nada muito explícito, mas com um ou outro “nu frontal”. Como o encontro entre Khal Drogo e Daenerys, que se exibe com uma naturalidade quase ingênua.

Martin, que supervisionou a adaptação para os quadrinhos, aprovou com folga o trabalho de Abraham e Patterson. Com a palavra, o autor da saga épica: “Quero deixar uma coisa bem clara: este não é um produto promocional baseado na série televisiva. O que você vai ler é uma adaptação original de meus romances. As equipes responsáveis por estas versões alternativas da minha fábula – Daniel Abraham e Tommy Patterson para os quadrinhos, David Benioff e D.B. Weiss (auxiliados e instigados por Bryan Cogman, Jane Espenson e este que vos fala) para a série de TV – trabalharam a partir do mesmo material original e depararam-se com alguns dos mesmos desafios, mas cada uma delas também teve de lidar com problemas exclusivos de sua mídia. Em alguns casos, podem ter chegado a soluções similares; em outros, tiveram abordagens muito diferentes. Mas se você é um fã da série de TV e está se perguntando por que os enredos são um pouco diferentes e os personagens não se parecem com os atores que viu na tela… Bem, agora você sabe”.

Cabine Literária: “O Oceano no Fim do Caminho”, de Neil Gaiman

0

Publicado por Cabine Literária

Danilo Leonardi recomenda a leitura do novo livro de Neil Gaiman, autor pós-modernista que mescla elementos do mundo da fantasia com um toque de biografia.

Biografia “Coração Assombrado” retrata medos do escritor Stephen King

0
O escritor Stephen King fala durante palestra para alunos de escrita criativa na Universidade de Massachusetts (Foto: Elise Amendola - 7.dez.2012/Associated Press)

O escritor Stephen King fala durante palestra para alunos de escrita criativa na Universidade de Massachusetts (Foto: Elise Amendola – 7.dez.2012/Associated Press)

Rodolfo Lucena, na Folha de S.Paulo

Depois de mais uma noite em que dormira sozinha, Tabitha desceu a escadaria de mogno de sua mansão vitoriana de 24 aposentos para encontrar uma cena que já não lhe era novidade: o marido desmaiado em uma poça de vômito, caído no chão de seu escritório.

O gigante de 1,90 m tinha sido novamente derrubado por uma bebedeira monumental. Era Stephen King, um dos autores de maior sucesso na história.

Apesar de sua fortuna miliardária, dos mais de 300 milhões de livros vendidos e dos mais de 50 prêmios, King vivia assombrado por monstros e demônios muito mais poderosos que os habitantes de sua fileira de livros de horror, suspense e fantasia.

Seus medos podem parecer triviais –de escuro, cobras, ratos, aranhas e coisas gosmentas– ou mais poderosos: de terapeutas, deformidades, lugares fechados, da morte, de voar ou de ser incapaz de escrever. Certa vez afirmou que vivia na República Popular da Paranoia; em rara visita a uma analista, confidenciou: “O medo é a minha vida”.

Com riqueza de detalhes, os casos são contados em “Stephen King, a Biografia – Coração Assombrado”, que chega agora ao Brasil, três anos após seu lançamento nos EUA.

Apesar de ser uma biografia não autorizada, não se trata de um amontado de fofocas, mas sim do resultado de pesquisas que procuram mostrar quem é King e de onde saem as ideias para seus best-sellers.

O fato de não ter entrevistado King nem sua mulher não foi um grande problema para a autora, segundo ela disse à Folha, por e-mail.

“Stephen King sempre foi um livro aberto, escrevendo sobre seus vícios e pontos fracos de forma muito franca e sincera”, contou Lisa Rogak, especialista em biografias e autora de mais de 40 livros sobre temas diversos, da vida de Dan Brown (autor de “O Código Da Vinci”) às aventuras dos cães que trabalham no Exército dos EUA.

Seu texto claro e sem firulas não foge de eventuais adjetivos nem de frases de efeito, como a que abre o primeiro capítulo: “Diz-se que Stephen King nunca deveria ter nascido”.

Segundo os médicos, a mãe não seria capaz de engravidar; no entanto, dois anos depois de a família ter adotado um bebê, King nasceu no dia 21 de setembro de 1947. Passados outros dois anos, o pai saiu para comprar cigarros e nunca mais voltou.

Da miséria à opulência, o livro acompanha a trajetória de King em ordem cronológica. Lembra suas primeiras histórias, ainda na infância, o primeiro texto publicado, o encontro com Tabitha, a gênese de “Carrie, a Estranha” e sua sequência de sucessos.

Sem analisar a obra, deixa evidente o que os leitores fiéis de King há muito já descobriram: ele tira suas ideias da vida real, dos medos cotidianos e de dramas até pueris.

Além de prolixo, é profícuo e multidisciplinar: sua obra se estende para o cinema, a música e a política, em que tem se revelado militante de causas como o controle de armas e o aumento de impostos sobre grandes fortunas.

Em suma, resume a biógrafa, “é um cara muito simples, que apenas quer continuar a contar suas histórias”.

“Coração Assombrado” traz ainda uma útil linha de tempo, índice remissivo, lista de obras de King em português e dicas de sites de referência sobre a vida e obra do mestre do suspense.

Amor e ódio aos best-sellers

0

Por que tanta má vontade com livros que fazem sucesso?

Danilo Venticinque, na Época

Escrever um texto criticando o chavão “o brasileiro não lê” teve um efeito imediato: nunca mais ouvi essa frase. Não que as pessoas tenham parado de dizê-la, evidentemente. Só pararam de repeti-la para mim – o que não muda o país, mas ao menos me dá um pouco de sossego.

Digo “um pouco” porque tenho deparado, frequentemente, com outro comentário pessimista. Em vez de reclamar de quem não lê, reclamam do que as pessoas têm lido. Romances de fantasia, literatura erótica, autoajuda, séries juvenis. As pessoas até leem, mas só leem bobagens.

A minha resposta é quase sempre a mesma: que bom. Que bom que as pessoas leem Cinquenta tons de cinza, Crepúsculo, Dan Brown e afins. O prazer da leitura começa pela liberdade para que cada um leia o que quiser.

Nas prateleiras das livrarias, a divisão é nítida. Há os livros que disputam a atenção dos leitores habituais. Esses livros, em geral, ficam escondidos – o que não é um problema, pois seus leitores costumam saber onde achá-los. E nas posições de destaque, nas vitrines e na entrada das lojas, estão aqueles raros títulos que são capazes de trazer um novo público à livraria. Uma boa parte desse púbico é formada por pessoas que não têm o hábito de ler, mas estão dispostas a mudar de ideia graças ao apelo de uma história ou de um autor. Elas decidem dedicar aos livros parte do tempo que gastariam indo ao cinema, assistindo à televisão ou fazendo qualquer outra coisa. Quase todos os leitores vorazes já estiveram nesse lugar. Antes de ser disputado por uma infinidade de livros, o tempo de leitura precisa ser conquistado.

Pense no primeiro livro que você leu com prazer. Provavelmente é um best-seller. Alguns têm dificuldade para admitir, mas a grande maioria dos leitores começa por eles.

Os críticos desses livros de sucesso costumam dizer que eles ocupam um espaço que poderia ser dado a outros títulos, mais refinados. Não é preciso sequer entrar no mérito literário da obra para provar que essa ideia está errada. Não existe, convenhamos, a figura do leitor que vai à livraria para comprar Em busca do tempo perdido e acaba deixando Proust de lado para se entregar a Cinquenta tons de cinza. Mas existe, sim, o contrário: o leitor que começou com Cinquenta tons de cinza e que, um dia, poderá ser apresentado à obra de Proust. E, se não fossem as algemas de E. L. James, talvez ele jamais tivesse pisado numa livraria.

É comum a crença de que os leitores de best-sellers só lerão outros best-sellers. Mas o caminho de cada leitor é imprevisível. Conheço adolescentes que emendaram a leitura de Crepúsculo em O morro dos ventos uivantes (o livro favorito da personagem Bella), seguiram para a obra de Jane Austen e, a partir daí, perderam-se nos clássicos da literatura inglesa. O mundo de Sofia, um belo best-seller da minha adolescência, convenceu muitos estudantes a ler Platão e Aristóteles.

Há leitores de O alquimista que se debruçaram sobre a obra do Nobel de Literatura Hermann Hesse – incentivados pelo próprio Paulo Coelho, que escreveu uma introdução a uma edição de Sidarta. Leitores de Dan Brown não precisam nem sair das prateleiras de best-sellers para encontrar Umberto Eco e, em seguida, se render a Italo Calvino e a outros autores do século XX. Leitores de Paulo Leminski, um best-seller improvável, se sentirão à vontade nas prateleiras de poesia. Fãs de E. L. James podem se aventurar na obra de Anaïs Nin, D. H. Lawrence ou do Marquês de Sade. Tudo por causa de um livro numa vitrine.

A moda das séries e trilogias nas listas de mais vendidos ajuda a garantir que a paixão desses fãs por livros seja duradoura. Quem leu apenas um livro e gostou muito dele pode, infelizmente, voltar a uma rotina sem leitura. Quem se acostumou a esperar por novos lançamentos e voltou às livrarias após cada um deles dificilmente perderá o hábito de ler quando sua série favorita acabar. Sempre há uma nova série para ser lida, ou um clássico para ser descoberto.

Mesmo os leitores que só leem best-sellers são uma boa notícia. Não só para eles mesmos (que, afinal, estão se divertindo), mas também para todo o mercado. “O aumento no número de best-sellers permite que os editores ousem mais e apostem em obras literárias que têm prestígio, mas não dão o mesmo retorno financeiro”, disse a Época José Luiz Goldfarb, curador do prêmio Jabuti. Quer conhecer de verdade uma editora de livros? Olhe para os livros que ela lança um ano depois de ganhar dinheiro com um grande best-seller. É nessa hora que, com os cofres cheios, os editores podem investir na literatura em que acreditam e lançar livros sem a pressão pelo retorno financeiro imediato. Se não houvesse grandes sucessos comerciais, o mercado como um todo encolheria – e essas edições jamais veriam as estantes.

Para os que não gostam de best-sellers, há sempre uma alternativa simples e muito eficiente: ignorá-los e ler outra coisa. Com tantas obras à disposição de cada leitor e um tempo finito para ler, indignar-se com a existência de livros de sucesso é um exercício fútil. O único leitor que é forçado a ler lançamentos de que não gosta é o crítico literário. Talvez isso explique, em parte, sua obsessão negativa por autores como Paulo Coelho. Isso é assunto para outro texto. Mas cabe uma constatação: com seus livros de sucesso e sua popularidade, Paulo Coelho fez mais pela leitura no Brasil do que qualquer um de seus críticos. O maior defeito de Paulo Coelho é que há apenas um Paulo Coelho. Se tivéssemos mais autores como ele, seríamos um país de leitores.

Go to Top