Posts tagged fãs

‘Game of Thrones’: Jornalista diz que ler os livros é ‘perda de tempo’

0

os-livros-publicados-de-game-of-thrones_1567715

Em coluna, jornalista dá três razões para não ler a obra e apenas uma para lê-la, e revolta fãs.

Edmarcio Augusto Monteiro, no Blasting News

A jornalista Ana Carolina Leonardi publicou um texto que gerou certa polêmica entre os fãs da obra de George R. R. Martin esta semana. Seu artigo, que saiu na revista Superinteressante, em tom pessoal, explicita porque não é uma boa ideia ler os #Livros da saga, segundo sua visão.

O primeiro motivo, segundo Ana Carolina , é que As Crônicas de Gelo e Fogo são livros de fantasia “tradicionalzona”. “É uma #Literatura que, às vezes, fica popular, mas em geral é de nicho, assim como a ficção científica. E não é feita para ser fácil”, explica ela.

A jornalista cita os termos arcaicos (palavras e expressões que já caíram em desuso) e chama os livros de “difíceis”.

Ainda assim, segundo ela, Martin é mais acessível do que Tolkien (de O Senhor dos Anéis). Ela também lembra que são mais de 4 mil páginas já publicadas, e que muita gente para no meio.

O segundo motivo citado por ela é o fato de que não houve uma boa tradução para os primeiros livros da saga, que foram adaptados do português de Portugal, o que compromete a imersão do leitor no mundo mágico que a obra cria. Esses erros e adaptações acabam por “engasgar” a leitura.

Já o terceiro motivo é a demora do autor em terminar sua saga. Martin anunciou o primeiro livro em 1993. A ideia é que fosse uma trilogia, mas a coisa se estendeu muito mais, como se pode notar. O primeiro livro, A Guerra dos Tronos, saiu em 1996. Depois disso vieram mais dois, com intervalo de dois anos: Fúria de Reis, em 1998, e Tormenta de Espadas, em 2000.

A partir daí, Ana Carolina Leonardi lembra como a obra começa a se arrastar: Festim dos Corvos só saiu em 2005 e Dança dos Dragões, em 2011. Apesar de afirmar que já possui boa parte do sexto livro, a obra começa a ser postergada pela editora e por Martin.

A série de TV, segundo Ana Carolina, é uma boa maneira de acompanhar as histórias principais sem passar pela longa espera entre um livro e outro. Martin chegou a anunciar que o sexto livro sairia em 2017, mas em julho voltou atrás e decretou que ainda faltam muitos meses. Isso, segundo ela, é falta de respeito com o leitor.

Repercussão

Na página oficial do Facebook da revista Superinteressante, muitos leitores consideraram um “desserviço” o texto da jornalista, alegando que em um país em que poucas pessoas leem, dizer que livros são “perda de tempo” é algo irresponsável: “Nunca li algo tão sem sentido na vida”, comentou uma seguidora da página.

Muitos defenderam a obra, dizendo que ela não é necessariamente difícil e que, pelo contrário, é muito envolvente e interessante.

E que a autora do texto é que parece “não gostar de ler”. Houve também quem considerasse a questão mesquinha e “preguiçosa”.

O bom motivo

A jornalista, no entanto, comenta que há sim um bom motivo para ler a obra: a série [VIDEO] da HBO decaiu em qualidade e há algumas histórias e personagens [VIDEO] nos livros que não aparecem na TV. Para quem quiser conhecer essas boas histórias que foram excluídas, vale a pena ler os livros.

No entanto, o leitor já deve ter ciência de que a obra não foi terminada ainda. E que a série de TV dará o final da história antes que os leitores que começaram a acompanhar o enredo ainda nos anos 1990 consigam ter lido a página final.

Uma conversa exclusiva com Jenny Han, autora de “Para todos os garotos que já amei”

0

9185_33419149_hr

Bárbara Allen, no Cabana do Leitor

A autora Jenny Han não está mais no Brasil, porém durante a sua estadia em terras brasileiras, nós do Cabana do Leitor tivemos a oportunidade de conversar com a autora da série “Para todos os Garotos que já amei”.

No último domingo (03/09) a editora Intrínseca, responsável pela publicação da série no Brasil, proporcionou um encontro entre os blogueiros e a autora. Foi um momento muito íntimo e agradável. Para começar, era aniversário de Jenny e logo em que chegou foi recebida com um bolo de brigadeiro com velinhas coloridas, bem estilo Lara Jean. Mesmo em uma salinha bem pequena e improvisada, todos que compareceram tiveram seu momento particular com a autora que estava bem animada.

IMG_6314-e1504804525509Muito simpática, ela recebia um por um para tirar fotos, fazer pequenas entrevistas e, algumas das vezes, era ela quem fazia perguntas super fofas. Mesmo o tempo sendo curto, conseguimos fazer algumas simples perguntas sobre curiosidades dos livros e sobre a autora. Confira abaixo a entrevista.

Por que existe tanta comida durante os livros? Você gosta de cozinhar?
Ah, sim! Eu adoro cozinhar. Cozinhar alivia o meu estresse, então quando eu fico ansiosa durante o livro ou quando eu fico “Eu preciso descobrir o que está acontecendo”, eu cozinho. É bom porque eu começo a cozinhar e em algumas horas eu termino e é muito satisfatório, diferente do livro que eu vou demorar um longo tempo e só vou ter essa sensação de satisfação quando terminar, um ano depois.

Qual a sua comida preferida?
Minha comida preferida provavelmente são massas.

Como você se sentiu ontem com os fãs brasileiros?

Me senti muito bem-vinda. Todos são tão calorosos, animados e apaixonados. São todos muito adoráveis. Foi muito legal.

Como foi o processo para escolher a capa dos livros?
Eu falei com a minha designer da capa, nós somos boas amigas, então ela me deixou colaborar com ela. Nós conversamos sobre um quarto de menina para o primeiro livro e eu peguei algumas fotos para eles usarem no ensaio, eu estava lá e ajudei. Eu peguei coisas de filmes e polaroid porque eu queria que parecesse pessoal. E a mesma coisa para esse livro também (P.S.: Ainda amo você). Foi legal, foi mais pela composição da roupa. Para esse, eu realmente queria que ela tivesse algo diferente no cabelo, afinal, ela é jovem. Então pedi para tentarem algo com um laço para ver como ficaria, e foi a que ficou melhor. Fiquei muito feliz. Eu queria que ficasse parecido com orelhas de coelho no alto do cabelo.

Como você teve a ideia para os nomes das personagens?
Eu amo dar nomes aos personagens. É a minha parte favorita. Mas eu não sei… simplesmente os nomes me vieram. Eu não lembro como eu tive a ideia, mas foram todos fáceis.

Qual é o seu livro favorito?
O meu livro favorito é “I Capture The Castle” da Dodie Smith. Ele será relançado mês que vem com uma linda capa e eu escrevi a composição no início explicando o meu amor pela história. O original saiu na década de 1940.

Agora sabemos que muitas das fotos que estão na capa de “Para todos os garotos que já amei” são realmente de Jenny Han. Uma fofa, não? Ah, e sobre o filme, ela disse que não sabe se teremos 3, assim como os livros, e que devemos focar nesse primeiro. Mal podemos esperar para ver!

Bienal do Rio trava batalha para atrair mais leitores

0

quadro-reymond

Marcada pelo gigantismo, a festa do livro quer despertar novos fãs da literatura em meio a um público acomodado às facilidades da internet

Sofia Cerqueira, na Veja Rio

Vestido com uma armadura enferrujada, um fidalgo meio abilolado, montado em seu cavalo, teima em resgatar os tempos gloriosos e heroicos em que a coragem, a virtude e o amor puro por uma donzela dominavam o imaginário medieval europeu. Vire a página. Com seus olhos de ressaca, personalidade misteriosa e sedutora, a protagonista deixa uma intrigante dúvida no ar: ela traiu ou não o marido? Mais uma folheada. Na Inglaterra vitoriana, um aristocrata se vale das últimas novidades da ciência e da lógica dedutiva para desvendar casos intrincados e insolúveis. Para quem é familiarizado com os clássicos da literatura, não é preciso dar maiores explicações para compreender que se trata da descrição de Dom Quixote, Capitu e Sherlock Holmes, criações magistrais de Miguel de Cervantes, Machado de Assis e Arthur Conan Doyle. Encarnados, respectivamente, por personalidades como Cauã Reymond, Bela Gil e Pedro Bial, tais personagens emblemáticos foram escolhidos para protagonizar uma ambiciosa campanha de incentivo à leitura a ser lançada na Bienal do Livro, evento que começa na quinta (31), no Riocentro.

quadro-bela-gil

Batizada de Leia-Seja, a iniciativa tem a missão hercúlea de chamar atenção para uma prática que é crucial na formação cultural de uma sociedade e, de forma impressionante, vem caindo em desuso no país: a leitura de livros. Além de Cauã, Bela e Bial, a campanha trará o técnico de vôlei Bernardinho como o capitão Rodrigo, de O Tempo e o Vento, de Érico Veríssimo, a cantora Baby do Brasil e o publicitário Washington Olivetto (o idealizador das peças publicitárias) como a Emília e o Visconde de Sabugosa, ambos do Sítio do Picapau Amarelo, de Monteiro Lobato. A campanha é uma reação a números assustadores. As vendas de livros no país, o principal indicador de quanto se lê por aqui, despencaram 20% entre 2014 e 2016, o que significa 50 milhões de exemplares a menos nas mãos do público. “A Bienal é um oásis no meio desse cenário. A ideia é aproveitar a festa, que tem atraído cada vez mais jovens, para ressaltar o potencial de uma boa história e despertar novos leitores”, diz Marcos Pereira, sócio da editora Sextante e presidente do Sindicato Nacional dos Editores de Livros (Snel), entidade responsável pelo evento e pela campanha publicitária.

quadro-lugares

Ainda que os números do mercado editorial delineiem um cenário pouco animador, a Bienal do Livro do Rio segue, paradoxalmente, como um sucesso estrondoso de público e vendas. Depois do réveillon e do Carnaval, é o terceiro maior evento do calendário carioca em termos de público. Durante onze dias, calcula-se que mais de 670 000 pessoas passarão pelo Riocentro. Embora a pesquisa Retratos da Leitura no Brasil, divulgada em 2016, tenha revelado que 30% da população nunca comprou um livro, cada visitante sai do pavilhão de Jacarepaguá carregando, em média, seis volumes. E os números superlativos não param aí. Neste ano, 5,5 milhões de livros estarão expostos — uma massa de encadernações que, colocadas lado a lado, cobririam com folga os 1 375 quilômetros entre o Rio e Brasília. O público que participará dos bate-papos e encontros com os autores deve somar 113 500 pessoas, o equivalente a um Maracanã e meio lotado. São esperados 338 escritores (doze deles internacionais), contra os 226 que estiveram na edição anterior. Para garantir que tudo funcione, foi montada uma equipe gerencial para lidar com grandes multidões, uma especialidade que os americanos chamam de crowd management. Além de dimensionar a estrutura para receber fãs de autores tratados como pop stars, o grupo tratará de monitorar as redes sociais. Já se prevê que a youtuber Kéfera Buchmann e os fenômenos teen Larissa Manoela e Maisa Silva (aquela que foi estrela mirim do Programa Sílvio Santos) provoquem cenas de histeria explícita. Entre as medidas adotadas para evitar tumultos está a ampliação da central de distribuição de senhas para sessões de autógrafo. “Deixamos de ser só uma feira para nos transformar em um grande evento cultural. Não existe dia calmo, é quase uma rave de duas semanas”, brinca Tatiana Zaccaro, diretora da Bienal e representante da Fagga, empresa que organiza a estrutura junto com o Snel.

quadro-nc3bamero

No embalo festivo, a campanha que joga luz sobre o prazer e o poder da leitura protagonizada por celebridades envolverá uma série de atrações espalhadas pela Bienal. Logo na entrada, o slogan Leia-Seja em letras garrafais será um convite às selfies. Pelos corredores haverá atores encarnando protagonistas de clássicos da literatura (também prontos para aquele clique para as redes sociais) e imensos painéis com fotos e vídeos da ação publicitária — que, numa segunda fase, terá Lázaro Ramos e Taís Araújo como Romeu e Julieta. Tamanho esforço tem o objetivo de cativar um público cada vez mais afeito à velocidade do mundo digital e fascinado com os videogames e a televisão pela internet. Na última pesquisa realizada sobre o tema, a leitura aparece em um mirrado décimo lugar entre as atividades preferidas dos brasileiros em seu tempo livre. Assistir à televisão continua no topo do ranking, mas chama atenção o salto dado pelo uso da web, cravado no terceiro lugar, abaixo do hábito de ouvir música. O costume de navegar pelo mundo digital, que em 2011 era o preferido de 24% dos entrevistados, em 2015 passou a atrair 47% deles. O mesmo estudo revela que a população lê em média quatro livros por ano, incluindo os didáticos. Um número ínfimo se comparado, por exemplo, aos doze lidos, em média, por cada habitante dos Estados Unidos. Na Alemanha, um levantamento divulgado em agosto mostrou que 61% das crianças entre 6 e 13 anos daquele país leem livros mais de uma vez por semana. Em contrapartida, só 34% delas veem vídeos no YouTube, plataforma que é um fenômeno por aqui. “Não se pode dizer que o jovem brasileiro não lê. Ele fica o dia todo consumindo conteúdo na internet, trocando mensagens escritas no WhatsApp. O problema está na falta de qualidade e na tendência ao imediatismo nesses meios, com textos vapt-vupt e respostas mastigadas”, alerta Silvia Colello, professora de psicologia da educação da Universidade de São Paulo (USP). O médico Fábio Barbirato, chefe do setor de psiquiatria infantil da Santa Casa de Misericórdia, vai mais longe: “Além de não desenvolver o senso crítico como o livro, o ambiente virtual é excitante e cheio de estímulos que podem levar ao vício. A questão não é proibir, mas impor limites”.

quadro-bernardinho

Não é por acaso que a maior festa do livro brasileira tem atrações cuidadosamente pensadas para esse público mais jovem e totalmente conectado ao ambiente virtual. Com capacidade para 400 pessoas por sessão, a Arena#SemFiltro promoverá debates sobre temas como intercâmbio cultural, diversidade sexual, games e moda. A lista de convidados vai do filósofo Mário Sérgio Cortella à celebridade da internet Maju Trindade, passando por atrizes como Marina Ruy Barbosa e Sophia Abrahão, que já lançaram livros. Pela primeira vez, a Bienal também terá um espaço, o Geek & Quadrinhos, voltado para os aficionados de super-heróis, ficção científica, literatura fantástica e, claro, HQs. Em uma área de 200 metros quadrados, o público poderá participar de discussões e disputas sobre o mundo da cultura pop, testar equipamentos de realidade virtual, experimentar novos jogos de tabuleiro e assistir a competições entre ilustradores profissionais sobre obras de literatura fantástica e ficção científica. Fazem parte do programa sessões de swordplay, embates que simulam lutas medievais, e oficinas de quadrinhos e de maquiagem, incluindo a de cosplay — nome dado ao hobby de fantasiar-se de personagens das histórias. “O sucesso de eventos como a feira Comic Con Experience mostrou que não dá mais para ignorar esse público. O espaço, além de atrair esses fãs, vai despertar a curiosidade do visitante em geral”, acredita Affonso Solado, um dos grandes nomes da literatura fantástica nacional e curador da área.

quadro-bial

Espelho do mercado editorial, a Bienal nunca esteve tão heterogênea. Atualmente não há um fenômeno que arrebate leitores brasileiros em profusão como ocorreu, por exemplo, com a saga do bruxinho Harry Potter — 450 milhões de títulos vendidos no mundo, 4 milhões no Brasil. A área que demonstra melhor desempenho hoje é um segmento de não ficção, que engloba autoajuda, espiritualidade e biografia. Nesse último gênero, um dos grandes êxitos de vendas, com 300 000 exemplares comercializados, é o livro de Rita Lee, que ainda não confirmou presença na festa. Na linha autoajuda, o destaque é o repórter americano Charles Duhigg, ganhador do Pulitzer, o maior prêmio na área do jornalismo e literatura dos Estados Unidos. Ele é o autor de O Poder do Hábito, uma espécie de livro-incentivo para quem quer turbinar a atuação profissional. A britânica Paula Hawkins, que já vendeu 20 milhões de unidades de A Garota do Trem, e a portuguesa Sofia Silva, que arrebatou os brasileiros no meio digital com a série Quebrados, também são apostas entre os autores internacionais. Além de contar com as novas áreas, a feira oferece o Café Literário, dedicado a debates, o auditório Encontro com Autores, o espaço mirim EntreLetras e setores para autógrafo. “A intenção é abranger um público o mais variado possível, sem deixar de estar atento à estrutura”, explica Cida Malka, gerente de eventos paralelos da Bienal.

Lançada em 1983 de forma acanhada em um salão do Copacabana Palace, a Bienal carioca chega à sua 18ª edição sem comparação entre seus pares. Não é exagero dizer que não há nenhum evento voltado para a literatura com estrutura e abrangência iguais. A Feira de Frankfurt, na Alemanha, a principal referência no setor, restringe-se, na maior parte do tempo, aos profissionais do mercado editorial, com os estandes abertos ao público em geral apenas nos fins de semana. Em Buenos Aires, até existe uma iniciativa com moldes parecidos, mas bem mais enxuta. Por aqui, a Bienal de São Paulo, por exemplo, só começou a trazer autores internacionais nas últimas edições. Entre encontros, debates e palestras, a festa carioca neste ano se supera, com 353 horas de programação cultural, 40% mais do que em 2015. O cenário é perfeito. Resta agora despertar a centelha latente em um público que cada vez mais se acomoda às facilidades do computador e do celular.

Gayle Forman fala sobre os 3 próximos livros e vinda ao Brasil

0
A autora já escreveu vários best-sellers (Gayle Forman/Divulgação)

A autora já escreveu vários best-sellers (Gayle Forman/Divulgação)

 

A autora vem ao país para a Bienal do Livro 2017.

Bruna Nobrega, na Capricho

Talvez você não conheça diretamente Gayle Forman pelo nome, mas, com certeza, já ouviu falar de um dos livros dela. Se Eu Ficar bombou tanto que virou um filme estrelado pela Chloe Grace Moretz e depois rendeu a sequência literária Para Onde Ela Foi.

Mas não são só esses dois livros que fazem parte do repertório da autora, não, viu? Ela também tem os sucessos Apenas Um Dia, Eu Estive Aqui, Quando Eu Parti, entre outros. E, para falar sobre eles em uma conversa com a brasileira Paula Pimenta (de Fazendo Meu Filme e Minha Vida Fora de Série), Gayle desembarca no Brasil em setembro na Bienal do Livro.

Gayle Forman na premiere de Se Eu Ficar, em Los Angeles. (Alberto E. Rodriguez//Getty Images)

Gayle Forman na premiere de Se Eu Ficar, em Los Angeles. (Alberto E. Rodriguez//Getty Images)

Para dar um gostinho do que vem aí, a autora conversou com a CAPRICHO e ainda contou uma novidade, ou melhor, 3. É que tem 3 livros já semi prontos para o lançamento. Quer ver?

CH: Você tem uma base de fãs muito grande no Brasil e agora você está vindo para o país! Está animada?

Gayle: Eu estou MUITO animada. Eu nunca estive no Brasil antes e está no topo da minha lista de desejo há anos, então poder ir como autora, ver (um pouquinho) do país e conhecer os leitores!? Eu não poderia amar mais.

CH: Como é ver o seu livro traduzido para tantas línguas diferentes e poder viajar pelo mundo por causa deles?

Gayle: Nós estamos vivendo no que parece um momento divisivo agora, então quando um livro atinge um nível universal é pessoalmente gratificante e reconfortante. Acaba me lembrando que o coração humano é constante. Amor, perda, desejo, são universais. Então é um remédio para tempos como esse. Por um lado mais leve, é emocionante ver seu trabalho alcançar uma audiência tão grande ao redor do mundo. Eu me lembro de quando Se Eu Ficar começou a fazer sucesso internacionalmente. Eu fiquei espantada que um livro que eu escrevi na mesa de canto da sala da casa minha família estava chegando tão longe.

CH: O último livro que você lançou foi Quando Eu Parti e é diferente dos outros livros porque é sobre uma mãe adulta. O que fez você mudar a perspectiva? É uma mudança definitiva?

Gayle: Eu sentei para escrever um novo romance adolescente, mas eu descobri que a história que eu realmente precisava contar era sobre casamento e maternidade. Como muitas outras mães que trabalham, eu me prendi em ser uma profissional e uma mãe, tentando redefinir os papeis, mas nem sempre tendo sucesso, e tentando pedir ajuda, definitivamente sem sucesso. Eu amei poder escrever uma personagem como a Maribeth, um pouco chata, mas muito parecida comigo, e eu particularmente amei escrever sobre as crianças. Apesar disso, eu não acho que a experiência de escrever um livro adulto foi diferente de um adolescente. Foi a mesma jornada emocional, descobrindo as camadas dos personagens.

CH: Falando sobre isso, você já está planejando seu próximo livro? Vai ser sobre o quê?

Gayle: Eu acabei de entregar o meu próximo livro, que vai ser um romance adolascente. Os personagens são mais velhos, 19 anos, o que tem sido recorrente nos meus livros. É sobre três estranhos totais, cada um em seu próprio caminho, mas perdidos, e o que acontece é que eles acabam se encontrando. Eu também tenho meu próximo romance escrito pela metade e eu escrevi um sobre jovens do Ensino Médio. Então muita coisa pela frente.

CH: Se Eu Ficar e Apenas Um Dia tiveram sequências. Você está planejando escrever mais livros da série Eu Estive Aqui e Quando Eu Parti?

Gayle: O único livro que eu planejei uma sequência foi Apenas Um Dia. Os dois livros foram concebidos como um dueto. Eu pensei que Se Eu Ficar fosse ficar sozinho, mas então os personagens ficavam me deixando acordada à noite, querendo saber por que eu os deixei naquele lugar. Eles não ficavam quietos então eu comecei a pensar no futuro deles e virou a história do Adam. Eu não acho que tem uma sequência para Eu Estive Aqui e Quando Eu Parti. Esses personagens estão quietos. A história deles está completa.

Gayle Forman com Chloe Grace Moretz e Jamie Blackley na premiere de Se Eu Ficar, em Nova York. (Brad Barket//Getty Images)

Gayle Forman com Chloe Grace Moretz e Jamie Blackley na premiere de Se Eu Ficar, em Nova York. (Brad Barket//Getty Images)

CH: Se Eu Ficar ficou muito conhecido depois que foi adaptado para o cinema. Como é ver seus personagens ganharem vida? Você tem algum outro livro que vai ganhar adaptação?

Gayle: É muito gratificante ver os personagens passarem tão bem das páginas para as telas. Eu realmente senti como se tivesse capturado a essência deles. O filme foi incrível, uma experiência muito intensa. Se Eu Ficar é vagamente baseado em uma tragédia real, a morte dos meus amigos. Quando o diretor RJ Cutler estava trabalhando no roteiro, ele me perguntou como a casa da família da Mia deveria ser, e eu me lembro do primeiro dia que eu vi a casa pronta no set e chorei. Parecia muito com a casa antiga dos meus amigos. Foi uma forma estranha de imortalidade, como meus amigos, que haviam falecido há tanto tempo, ainda viviam ali.

Sobre os outros livros, é dois passos para frente, um para trás. Há algumas coisas no forno, mas nada em produção ainda.

Livros sobre o universo da série “Twin Peaks” chegam ao Brasil

0
Dale Cooper, personagem da série "Twin Peaks" Foto: Showtime / Divulgação

Dale Cooper, personagem da série “Twin Peaks” Foto: Showtime / Divulgação

 

Lançamentos trazem depoimentos, bastidores e curiosidades para os fãs

William Mansque, no Zero Hora

Aproveitando a volta de Twin Peaks, dois livros que exploram o universo da série chegam as prateleiras brasileiras este ano. O primeiro já saiu em fevereiro: Twin Peaks – Arquivos e Memórias (DarkSide Books, 320 páginas, R$ 42,90), de Brad Dukes, que reúne depoimentos dos produtores, dos atores e de membros da equipe sobre os bastidores da atração.

Apesar de trazer histórias curiosas sobre o auge e a decadência da série, além de expor algumas intrigas internas, a obra derrapa em sua edição: é como se o autor tivesse transcrito as entrevistas e as publicasse na íntegra. Consequentemente, muitas informações se repetem, e há falas que se estendem além do necessário. Uma ausência sentida no livro é David Lynch, que não quis participar do projeto. De qualquer maneira, o livro reúne uma material valoroso para o fã imergir no universo da atração.

Já A História Secreta de Twin Peaks (Companhia das Letras, 368 páginas, R$ 119,90 na pré-venda) será lançado no Brasil na próxima segunda-feira (22). Escrito por Mark Frost, cocriador da série, o livro apresenta um dossiê compilado por um arquivista desconhecido com recortes de jornal, trechos de diários, informações secretas e arquivos do FBI sobre histórias envolvendo os personagens da série e acontecimentos da cidade do noroeste americano. Na obra, há informações que podem servir de base para a trama da terceira temporada.

No ano passado, O Diário Secreto de Laura Palmer (Globo Livros, 272 páginas, R$ 39,90) foi relançado. Na obra escrita por Jennifer Lynch, filha de David, a personagem Laura Palmer relata seus anseios e pensamentos, além de seus dias derradeiros.

Fora de catálogo, Dale Cooper — Minha Vida, Minhas Gravações (Editora Globo, 208 páginas) foi lançado no Brasil em 1991. Escrito por Scott Frost, irmão do cocriador da série, o livro transcreve as gravações que o agente do FBI falava em seu gravador.

Go to Top