Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged Feira de Frankfurt

Os melhores autores do país estão escrevendo novela, diz editor

0
Tomás Pereira, um dos donos da Sextante, fala na Feira de Frankfurt

Tomás Pereira, um dos donos da Sextante, fala na Feira de Frankfurt

 

Mauricio Meireles, na Folha de S.Paulo

O editor Tomás Pereira, um dos irmãos donos da editora Sextante, lamentou na Feira do Livro de Frankfurt a baixa disseminação da ficção comercial no Brasil –e como os autores estrangeiros dominam a lista de mais vendidos nesse segmento.

“Os melhores autores brasileiros estão escrevendo novela”, afirmou Tomás, em inglês, numa conferência de editores, na quarta-feira (21), em resposta a uma agente literária que estava na plateia.

Ele contou a ela que o mercado leitor brasileiro não está tão maduro como na Europa, embora a lista de não ficção seja dominada por autores nacionais.

Procurado pela Folha para aprofundar o assunto, Tomás afirmou que o Brasil não consolidou um mercado de livros de massa e que as editoras não conseguem competir com o mercado de TV pelos autores com habilidade para serem best-sellers.

“Perdemos esses autores para a dramaturgia”, diz. “Dickens começou a escrever vendendo histórias por 15 centavos. Como somos grandes exportadores de novelas, criou-se uma indústria. A TV Globo faz oficinas de roteiristas.”

Marcos Pereira, o outro dono da editora e presidente do Snel (Sindicato Nacional dos Editores de Livros), conta que chegou a tentar um livro do novelista Walcyr Carrasco, mas o projeto não foi para frente. “Imagine se a Janete Clair e o Dias Gomes tivessem sido autores de livros!”

O presidente do Snel também diz que o Brasil não tem o corpo de agentes literários que têm os EUA. Esses profissionais costumam trabalhar com os originais das obras mais comerciais. Os irmãos Pereira concordam, porém, que também os editores têm responsabilidade nisso –eles poderiam se dedicar mais a formar esse tipo de autor.

Sobre esse ponto, Tomás também fala da formação dos profissionais do livro. E aponta que, em muitas casas editoriais, é comum haver jornalistas que deixaram a profissão.

“Há a confusão entre livro e literatura, como se fossem necessariamente a mesma coisa. A própria ideia de ficção comercial causa [desconforto]”, afirma Tomás.

A outra questão é a dificuldade de um escritor conseguir se sustentar só com o dinheiro de seus livros. Isso, segundo ele, enfraquece o mercado editorial ante o audiovisual.

A nova literatura brasileira: Jovem, branca, urbana e de classe média

0
Última edição da Feira do Livro de Frankfurt. / REUTERS

Última edição da Feira do Livro de Frankfurt. / REUTERS

A última geração de escritores brasileiros se distancia do exotismo e cultiva uma narrativa cosmopolita e global

Cecilia Ballesteros, no El País

Se houvesse uma hashtag do escritor brasileiro com menos de 40 anos seria homem, branco, urbano, cosmopolita e indiferente a contrastes brutais de realidades sociais. “Este é um país muito desigual”, disse Antonio Prata (São Paulo, 1977), cujas histórias, que concilia com colaborações para a Folha de S.Paulo e com roteiros para a televisão, estão ambientadas em sua cidade natal e refletem, de certa maneira, o elevador social de uma das megalópoles do planeta. “Se você for a um concerto na Sala São Paulo, não verá um negro entre o público. Em toda minha vida escolar, nunca tive um colega de escola negro, embora grande parte da população seja de negros. Dedica-se à literatura apenas aquele que está alfabetizado e a maioria é de classe média para cima e vive em grandes cidades. Há, claro, exceções, como em tudo. Talvez o livro mais importante dos últimos 20 anos seja Cidade de Deus, de Paulo Lins: um negro que veio da periferia”.

Se como disse o crítico literário Antonio Candido, no prólogo do famoso Raízes do Brasil, de Sérgio Buarque de Holanda, uma geração se caracteriza porque “seus membros nascem, a princípio, diferentes uns dos outros e, em pouco tempo, vão parecendo-se tanto que acabam desaparecendo como indivíduos”, está claro que se pode falar de uma nova literatura entre os nascidos depois dos anos 1970, muito distante do regionalismo e dos costumes dos seus antecessores, depois da independência do país. Apesar do clichê do exotismo, a diversidade e a multietnicidade associados ao gigante sul-americano, a nova narrativa brasileira poderia estar ambientada em Paris, Londres e Madri e, de fato, está. “Se escrever histórias ambientadas em outros países fosse um problema, Shakespeare não existiria”, assegura Carola Saavedra (Santiago de Chile, 1973), uma das escritoras jovens mais premiadas.

Prata e Saavedra são dois dos nomes mais interessantes do panorama atual em que estariam, entre outros, João Paulo Cuenca (Rio de Janeiro, 1978), Cristóvão Aguiar (Campina Grande, 1981), a poetisa e contista Luisa Geisler (Canoas, 1991), Emilio Fraia (São Paulo, 1982) ou Laura Erber (Rio de Janeiro, 1979), vários desses considerados estrelas emergentes pela edição que a prestigiada revista britânica Granta dedicou ao Brasil e alguns que participaram da última Feira de Frankfurt, na qual o país foi o principal convidado.

“Há um grande desejo de se distinguir, de se afastar da geração anterior”, disse Cuenca, eleito como um dos 39 melhores escritores latino-americanos com menos de 40 anos pelo Hay Festival da Colômbia e autor, entre outros, de Corpo Presente (Ed. Planeta, 2002) e A Última Madrugada (Ed. LeYa, 2012), e que combina a fascinação pela cultura japonesa com o compromisso social, chegando a promover na Internet o direito de manifestação, em meio aos protestos de junho de 2013. “Não sou o único que pensa assim. O que acontece é que o restante dos meus contemporâneos não são tão sinceros quanto eu, são muito mais políticos no pior sentido da palavra”, aponta, com um espanhol perfeito (seu pai é argentino), salpicado de termos cariocas.

Antonio Prata. / Renato Parada

Com cinco obras publicadas e traduzidas, seu universo literário move-se entre a ficção científica e o suspense, entre Philip K. Dick, Allan Poe, Murakami e Orwell, entre a obsessão pelas redes sociais e as novas tecnologias e os escritores cariocas do século passado, embora, agora, a fronteira entre a realidade e a ficção esteja borrada. Seu próximo romance, que sairá este ano, chama-se A Morte de J. P Cuenca e tem um ar autobiográfico, com reminiscências de O Terceiro Homem, clássico de Carol Reed. “Acontece em 2008, quando a polícia descobre um cadáver em um edifício ocupado no centro do Rio. Carregava minha identidade e minha certidão de nascimento. A partir daí, contratei um detetive e reconstruí a história como um trama policial”, disse o autor de O Único Final Feliz Para Uma História de Amor É Um Acidente (Companhia das Letras, 2010).

“Pluralidade é a palavra chave quando se fala de estéticas contemporâneas”, assegura Cristhiano Aguiar que, com um único livro de contos (Ao Lado do Muro, Ed. Dinâmica, 2006), sacudiu a cena literária brasileira, ganhando o prêmio Osman Lins de contos no ano seguinte, e agora prepara vários ensaios sobre seus contemporâneos. “As grandes cidades são um cenário privilegiado de nossa ficção, apesar de alguns escritores também abordarem temas rurais ou do interior. Cada vez com mais frequência, mistura-se a erudição com gêneros considerados menores como a fantasia, o terror e a ficção científica. Em troca, o compromisso com o questionamento e a criação de uma identidade nacional é menor, ao menos se compararmos com as gerações anteriores”, conclui.

Carola Saavedra. / Tomás Rangel

Essa literatura cidadã dominada, como em outros países, pela chamada autoficção, a mescla de gêneros, o auge do conto, que tem uma larga tradição, e a narrativa fragmentada e episódica, própria das redes sociais, não apenas prejudica o compromisso, característico da chamada “geração zero”, surgida nos anos 1990 com nomes como Luiz Ruffato ou o próprio Lins, depois da ditadura militar de 1964 a 1985. Também rechaça uma rica e centenária tradição literária e vive em conflito entre a identidade e o cosmopolitismo, sinal dos tempos, sobretudo em países emergentes, como o Brasil, com 75% da sua população vivendo em cidades de mais de um milhão de habitantes. “Já houve uma grande ruptura com os anos 1970, que fechou um ciclo mais ou menos clássico da ficção e da poesia do século XX”, disse Cristóvão Tezza, que por idade (61) e obra (seu livro O Filho Eterno, por exemplo, foi publicado em 2007) é quase um clássico. “Nos anos 1980 e 1990, houve uma espécie de hibernação de uma geração intermediária que seguiu novos caminhos, mas foi uma transição. A característica da nova literatura é a ruptura com a tradição clássica. Reflete claramente a nova realidade econômica, política e social do Brasil. Hoje, o país é profundamente urbano e tenta dialogar com a realidade internacional”, assegura.

A esse processo precisa-se somar a aparição de uma classe média de 40 milhões de pessoas, a chamada classe C, inexistente há uma década, que exige um bem-estar maior, e cuja vitalidade contrasta com a impotência com a qual os políticos enfrentam os crescentes protestos sociais. “Essa tendência universalista e cosmopolita não tem por que ser vista como algo negativo, perda de identidade ou algo semelhante. Simplesmente, as exigências de hoje são outras”, aponta Tezza.

Cristhiano Aguiar / Mario Miranda

Muitos críticos acreditam que a melhor literatura que agora se escreve no Brasil é a feminina, mais tridimensional e completa, mais destruidora na hora de romper tabus. Há pioneiras, como Claudia Tajes (Porto Alegre, 1963), cujos romances (Vida Dura, Louco por Homem ou A Vida Sexual da Mulher Feia) dissecam a sexualidade brasileira, com muito humor, ou Beatriz Bracher (São Paulo, 1961), com Não Falei, sobre um professor torturado durante a Ditadura Militar, que abriu caminho para as mais jovens: Carol Bensimon (Porto Alegre, 1982), Tatiana Salem Levy (Lisboa, 1979), admirada pelo britânico Ian Mc Ewan, Andrea del Fuego (São Paulo, 1975), ou a própria Saavedra, cujo livro Flores Azuis (Ed. Companhia das Letras), uma espécie de ressurreição do gênero epistolar, em pleno século XXI, foi eleito em 2008 como o melhor pela crítica paulista, e que publica no fim de março O inventário das coisas ausentes. “Não vejo diferenças quanto à qualidade da escritora nem em relação à visibilidade, a não ser nos prêmios literários, nos quais a proporção costuma ser de oito homens para duas mulheres”, disse Saavedra. “Estamos em um momento ótimo. Não porque a literatura está melhor agora que há 20 anos, mas porque é uma época bastante favorável para os autores, publica-se mais e inclusive há incentivos para traduções. No entanto, devemos lidar com um problema muito sério que é a falta de leitores. E para isso, seria urgente uma mudança em todo o sistema educacional do país”.

Feira de Frankfurt debate livro digital em São Paulo e em Canoas

0

Evento reúne profissionais envolvidos com edição, tecnologia e educação

Maria Fernanda Rodrigues, no Estadão

Livros digitais em sala de aula - Marcos de Paula/Estadão

Livros digitais em sala de aula – Marcos de Paula/Estadão

Pela terceira vez, a Feira do Livro de Frankfurt desembarca no Brasil para realizar a Contec, uma conferência criada em 2012 para discutir temas como leitura, consumo e produção de livros digitais e vantagens e desvantagens do uso da tecnologia em sala de aula.

Hoje, o encontro será em São Paulo, no Sesc Vila Mariana, e os ingressos estão esgotados. Uma segunda conferência, com programação similar, será realizada na quinta-feira, na Unilasalle, em Canoas, no Rio Grande do Sul. São esperadas 1.100 pessoas nas duas edições.

Uma das editoras convidadas é a Ladybird, que desde a Primeira Guerra publica livros para crianças na Inglaterra. Nos últimos 99 anos, ela acompanhou o nascimento de diferentes gerações de crianças, participou das mudanças do mercado e se adaptou às novidades que apareceram, como o livro digital. “Hoje, as histórias chegam em muitos formatos; não se trata mais apenas do livro impresso. Publicamos aplicativos desde 2010 e nosso compromisso com leitores de todas as idades diz respeito tanto aos nossos livros digitais quanto aos físicos”, conta Heather Crossley, editora da Ladybird – hoje um selo da Penguin.

Ela participa do painel O Novo Sempre Quer Dizer Melhor? ao lado de Udi Chatow, gerente de Desenvolvimento de Negócios Mundiais em Educação da HP; de Colin Lovrinovic, gerente da editora independente alemã Bastei Lübbe, e da consultora brasileira e editora da revista Emília, dedicada à literatura infantojuvenil, Dolores Prades.

Crossley explica que a editora entendeu logo o momento. “O conteúdo é soberano, e temos conteúdos muito bons que não têm uma vida apenas no papel”, diz. A Ladybird tem trabalhado com a produtora de televisão Darrall Macqueen para produzir – para o canal CBeebies, da BBC –, sua primeira série voltada para crianças da pré-escola. “Investir em televisão, filmes, produções teatrais e outras áreas aparentemente não tradicionais para editoras é algo que fazemos na Penguin. Para sobreviver e prosperar nesse novo cenário editorial, é preciso ter a habilidade de se adaptar, de aprender novas funções e de manter o leitor na linha de frente”, completa a editora, que aproveita para comentar a iniciativa da Dreamworks de fazer o inverso.

Estúdio de animação responsável por filmes como Madagascar e Shrek, ela anunciou há dez dias que começaria a editar os livros originados de seus produtos e personagens, deixando, assim, de licenciar a marca para que outras editoras criem os livros. “Faz todo o sentido que eles queiram controlar sua produção editorial, mas o que isso significa para a relação entre editora tradicional e estúdio cinematográfico é discutível. Vamos ver o que acontece.”

Participam, ainda, nomes como Michael Ross, da Encyclopaedia Britannica; Fávio Aguiar, da Widbook; Junko Yokota, do Center for Teaching through Children’s Books, entre outros editores, pesquisadores e profissionais da área de tecnologia. Na plateia, profissionais dessas mesmas áreas, além de educadores.

Frankfurt. A ideia de organizar uma conferência como essa no Brasil surgiu enquanto era discutida a participação do País como o convidado de honra de 2013 da feira alemã. A primeira edição foi realizada em São Paulo, em 2012, e a segunda, no Rio, em 2013. Deu tão certo que a Feira de Frankfurt decidiu levar a conferência para a Alemanha, em outubro do ano passado. A organização, porém, ainda não conseguiu tirar o papel o modelo de evento que idealizou: uma conferência realizada paralelamente a uma feira de livros e tecnologia aplicada ao mercado editorial e à educação.

O tema desta edição da Contec é O Futuro da Aprendizagem Interativa e Marifé Boix Garcia, vice-presidente da Feira de Frankfurt, conta que a ideia é reunir protagonistas de áreas distintas para incentivar a realização, em conjunto, dos próximos passos rumo à inovação tecnológica do mercado editorial e à formação de educadores. “O Brasil é um mercado jovem e inovador e todos gostam de celulares, tablets etc. Ao mesmo tempo, existe uma grande preocupação em melhorar a educação. Nos últimos anos, surgiram grandes iniciativas públicas e privadas que trabalharam fortemente no tema digital. Claro que num país desse tamanho a infraestrutura varia de estado para estado, e isso significa um grande desafio para os governantes”, diz.

Começam os preparativos para Frankfurt 2013

0

Imagem Google

Publicado originalmente no PublishNews

Foi instituído o comitê organizador que coordenará a participação do Brasil na Feira do Livro de Frankfurt 2013.

A ministra da Cultura, Marta Suplicy, e o ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, assinaram portaria interministerial criando o comitê organizador encarregado de coordenar a participação brasileira na feira do ano que vem. O comitê será presidido pelo presidente da Fundação Biblioteca Nacional (FBN), Galeno Amorim, e terá subcomitês responsáveis por, dentre outras atividades, a promoção das políticas de internacionalização da literatura brasileira na Alemanha durante o período da feira; a definição da programação artística e cultural brasileira na Alemanha durante o evento; e divulgação das editoras brasileiras e instituições que atuam na defesa do livro e da leitura no Brasil. A designação dos membros do Comitê se dará por ato da ministra da Cultura, exceto no caso da designação do representante do MRE, que acontecerá por ato do ministro das Relações Exteriores. Clique aqui para ler a portaria.

Go to Top