Posts tagged filhos

‘Faltei a dois dias de aula’, diz idosa que se formou aos 74 anos

0

Moradora de Quatro Pontes, no oeste do PR, ela é graduada em Pedagogia.
Além da graduação, a idosa também escreveu um livro sobre sua vida.

Lucia Santina Dresck concluiu a graduação em três anos (Foto: Arquivo Pessoal)

Lucia Santina Dresck concluiu a graduação em três anos (Foto: Arquivo Pessoal)

Cassiane Seghatti, no G1

Lúcia Santina Dresck tinha uma rotina de vida pacata. Natural de Arroio do Meio, no Rio Grande do Sul, se mudou para Quatro Pontes, no oeste do Paraná, em 1956. Lá construiu uma família de oito filhos, 17 netos e 12 bisnetos. Com 71 anos, decidiu realizar o sonho de ingressar na universidade. “Eu sempre imaginava que a pessoa sem estudo não é nada. Dentro de mim era algo que a gente precisava ter para viver melhor, para conseguir conversar com uma autoridade, com outra pessoa com grau de estudo mais elevado”, disse, orgulhosa, ao G1.

Hoje com 81 anos, Lúcia afirmou que começou a fazer um supletivo para poder concluir da 5ª série do Ensino Fundamental ao Ensino Médio. Até então, era o primeiro objetivo e não passava pela cabeça fazer uma faculdade. Contudo, sempre teve curiosidade em saber como funcionava. “Nós estávamos terminando o segundo grau e fomos convidados a fazer um passeio em uma faculdade de Toledo. Eu pensava, meus netos fazem faculdade e eu nem conheço. Eu quero ver como que funciona. Daí, fomos lá e eu ganhei uma inscrição de cortesia”, lembrou.

Ela conta que recebeu todo o apoio dos colegas (Foto: Arquivo Pessoal)

Ela conta que recebeu todo o apoio dos colegas (Foto: Arquivo Pessoal)

Faltando apenas dois dias para o término das inscrições, Lucia se candidatou para o curso de Pedagogia, e no dia da prova, para não incomodar os familiares, pediu carona para um amigo. “O vestibular foi bem tranquilo. Quando eu fui para casa, fui contente. A pessoa que me deu carona era um radialista. Daí, eu pedi o gabarito para ver quantas questões nós havíamos feito igual, mas percebi que tinha muita coisa diferente. E não é que depois que o resultado saiu eu acertei mais que ele?”, brincou.

Segundo ela, durante os três anos de curso, sempre recebeu ajuda dos colegas e nunca sofreu preconceito por ser de mais idade. “Nossa, eu fui muito bem recebida na faculdade. Tinha uma colega de outra cidade que reservava o lugar na poltrona do ônibus na ida e na volta”, assegurou. Dreck disse que os estudos foram pagos por uma filha e afirmou que deixou de ir à universidade apenas duas vezes, pois o ônibus atrasou. “Podia chover, fazer frio, estar cansada. Inclusive, eu não saia da sala de aula para ir ao banheiro porque eu pensava que se eu fosse ao banheiro eu perderia o que a professora iria passar”, disse.

Lucia escreveu um livro para contar a sua história (Foto: Arquivo Pessoal)

Lucia escreveu um livro para contar a sua história
(Foto: Arquivo Pessoal)

A idosa também contou ao G1 que o que mais a marcou foi o dia da colação de grau. Segundo ela, assim que recebeu o canudo da graduação concluída, todos pararam a cerimônia e a aplaudiram. “O dia da formatura foi uma vitória”, complementou.

Agora, Lucia não exerce a profissão, mas garante que o curso lhe ajudou a ter uma visão diferente da vida. “Olha, assim, a minha visão é de um grande conhecimento para a gente, não só com criança porque eu fiz pedagogia, mas com o ser humano. É uma forma de a gente ver o que é certo e o que é errado. Hoje, a minha visão é bem diferente do que era antes porque você tem os filhos com uma criação e hoje é bem diferente”, argumentou. Devido a idade, ela disse que não pretende mais voltar à universidade, mas não deixará de estudar. “Agora eu vou parar porque vejo que a vida da gente não vai ser longa. Eu não consigo mais andar muito. Mas dentro de mim existe uma coisa que parece que eu ainda tenho que estar aaprendendo”, acrescentou.

Além de formada em Pedagogia, em 2011, Lucia Dresck lançou um livro que conta a sua trajetória de vida e também uma forma de agradecer a todas as pessoas que a apoiaram nos estudos. Ela também é ligada às tecnologias e diz perder maior parte do tempo conversando com amigos e familiares pelo Facebook.

Lucia ao lado das filhas e das netas  (Foto: Arquivo Pessoal)

Lucia ao lado das filhas e das netas (Foto: Arquivo Pessoal)

MEC afirma que matrícula a partir de 4 anos será obrigatória só em 2016

0
Imagem: Google

Imagem: Google

Publicado por UOL

O MEC (Ministério da Educação) afirmou que a matrícula de crianças na pré-escola a partir dos 4 anos será obrigatória somente em 2016. Segundo nota publicada pelo órgão na noite desta sexta-feira (5), “para atender a essa obrigatoriedade de pais e responsáveis, as redes municipais e estaduais deverão se adequar, dentro do mesmo prazo, para acolher alunos de 4 a 17 anos”.

No entanto, advogados ouvidos pelo UOL dizem que a Lei nº 12.796, de 4 de abril de 2013, estabelece que os pais ou responsáveis devem matricular as crianças de 4 anos a partir da sua publicação, o que aconteceu hoje.

Art. 6º
“É dever dos pais ou responsáveis efetuar a matrícula das crianças na educação básica a partir dos 4 anos de idade”
Fonte: Lei nº 12.796, de 4 de abril de 2013 – página 1 e página 2

“A lei dispõe que ela entra em vigor na data da sua publicação, [e por isso] os pais já têm o dever de procurar vagas para seus filhos a partir dos 4 anos na educação básica [a partir desta sexta]”, explica o advogado Ariel de Castro Alves, da Comissão da Criança e do Adolescente da OAB.

De acordo com Alves, os pais podem ser multados se não respeitarem a nova legislação — os valores podem ir de três a vinte salários mínimos segundo o artigo 249 do ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente).

Segundo o MEC, “a obrigatoriedade da educação básica dos 4 aos 17 anos decorre da Emenda Constitucional nº 59, de 11 de novembro de 2009. A mesma EC garante que a medida deverá ser implementada progressivamente, até 2016”. E, completa: “Evidentemente, não há como dissociar a obrigação dos pais da existência de vagas, que deverá ser garantida até o prazo previsto na EC.”

Para o advogado Flavio Augusto Antunes, especialista em direito educacional, a lei “antecipa” o prazo de cumprimento da Emenda Constitucional 59. Ele faz ainda uma observação: “Os gestores públicos terão de cumprir essa lei desde já, sob pena de se considerar crime de responsabilidade, no caso de negligência com sua implementação, conforme já dizia o artigo 5º, § 4º, da Lei nº 9.394/96 (LDB)”.

Anteriormente, os pais eram obrigados a colocar as crianças na escola a partir dos 6 anos.

Veja quais são as 20 metas para a educação na década; PNE ainda não foi aprovado

Educação infantil
Há também orientação sobre a avaliação da educação infantil. Não haverá retenção ou reprovação das crianças nessa etapa de ensino. A avaliação será feita “mediante acompanhamento e registro do desenvolvimento das crianças”. Os ensinos fundamental e médio já possuem quesitos de avaliação consolidados por meio do Saeb, com a Prova Brasil e o Ideb que medem a qualidade da educação dessas etapas.

Segundo a lei publicada hoje, “a educação infantil, primeira etapa da educação básica, tem como finalidade o desenvolvimento integral da criança de até 5 anos, em seus aspectos físico, psicológico, intelectual e social, complementando a ação da família e da comunidade”.

Autora da saga ‘Crepúsculo’ fala sobre sua segunda série de livros

0

Versão para o cinema de ‘A hospedeira’ estreia no Brasil na próxima sexta-feira

A escritora Stephenie Meyer, autora da milionária saga “Crepúsculo” Divulgação

A escritora Stephenie Meyer, autora da milionária saga “Crepúsculo” Divulgação

Eduardo Graça, em O Globo

Maquiagem forte, cabelo jogado para o lado, Stephenie Meyer se senta na beira do sofá da suíte do hotel de luxo como se estivesse pronta para sair do local a qualquer momento. Pudera. Em “A hospedeira”, que chega aos cinemas brasileiros na próxima sexta-feira, sob a direção de Andrew Niccol (“Gattaca — experiência genética” e “O show de Truman”), ficam em segundo plano a protagonista Saoirse Ronan, indicada ao Oscar por “Desejo e reparação”, e o veterano William Hurt, que vive o tio da mocinha na adaptação do livro de ficção científica centrado em uma invasão alienígena à Terra num futuro próximo. Todos querem entender a cabeça da dona de casa mórmon do Arizona, mãe de três filhos, uma das maiores best-sellers dos últimos oito anos. Sua série “Crepúsculo” vendeu mais de 100 milhões de exemplares, embalada pelo romance adolescente de Bella Swan e Edward Cullen, vividos na tela grande por Kirsten Stewart e Robert Pattinson. Combinados, os cinco filmes da franquia fizeram, entre 2008 e o ano passado, US$ 3,3 bilhões, um dos maiores sucessos da produção contemporânea de Hollywood. “A hospedeira”, por sua vez, ficou 26 semanas na lista dos mais vendidos do “New York Times”. No Brasil, a saga dos vampiros, lançada pela editora Intrínseca, vendeu quase 6 milhões. E “A hospedeira”, da mesma editora, já passa dos 418 mil livros vendidos.

— Confesso que tinha uma fantasia sobre minha vida de escritora. Pensava em trabalhar de casa, mais reclusa. Qual o quê. Hoje, constantemente me pego nervosa quando autografo meus livros, por conta das meninas que não param de chorar. Ainda não sei bem o que fazer, é estranhíssimo — conta, em entrevista ao GLOBO, a escritora de 39 anos, que abandonou o projeto de se tornar advogada ao receber um adiantamento milionário para repovoar a ficção contemporânea com vampiros e lobisomens.

Meyer diz que “Crepúsculo” nasceu de um sonho. Ela acordou com a imagem límpida de uma adolescente conversando com um vampiro sobre as dificuldades do relacionamento amoroso dos dois. “A hospedeira”, por sua vez, deve sua existência a um tique da escritora: contar histórias, em alto e bom som, para si mesma, quando dirige sozinha pelas autoestradas americanas.

— Estava muito cansada, acompanhando a edição do primeiro filme da franquia “Crepúsculo”, quando peguei a estrada do Arizona para Utah. Fui refletindo sobre o fenômeno em torno de personagens que originalmente representavam, para mim, uma saída da minha rotina. Mas, naquele momento, eles estavam se tornando algo muito maior, cheios de pressão. Decidi então criar novamente algo só para mim, sem expectativas de fãs ou editores — diz.

Temas morais e discurso político

Meyer jura que “A hospedeira”, como “Crepúsculo”, não foi pensado originalmente para chegar ao público. A primeira série só foi descoberta por editores por conta do entusiasmo de uma de suas irmãs, que a convenceu a procurar alguém para publicá-la. Já o manuscrito final de “A hospedeira” só foi parar nas mãos da editora quando Meyer percebeu que os personagens, mais uma vez, “pareciam ter vida própria”.

Mórmon devota, que não bebe nem fuma e proclama repetidamente sua “criação cristã”, Meyer surgiu para o grande público como a inventora de Bella, uma adolescente apaixonada por um vampiro de pele alvíssima, tão boa-pinta quanto interessado em manter a castidade da amada. Críticos logo detectaram mensagens caras aos conservadores sociais americanos, como a promoção da abstinência sexual entre jovens e a condenação do aborto. Num dos momentos mais dramáticos da saga, Bella decide ter a filha que gerou com Edward, mesmo com os riscos de um parto para lá de delicado.

— Não pensei em temas morais ou em embutir um discurso político nos meus livros. Honestamente, a reação foi uma surpresa para mim. Eu me inspirei em minha história para imaginar a situação de Bella, que se recusa a considerar a opção do aborto. Os médicos me disseram que eu estava perdendo meu primeiro filho. O pior não aconteceu, ele tem hoje 15 anos, mas aquelas foram as semanas mais difíceis da minha vida. Essa experiência deixou uma marca permanente em mim. E minha história acabou vazando para o personagem. Era Bella quem dizia: eu quero ter esta criança. Simples assim, sem mensagem política — se defende.

Não ajuda o fato de a Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias ser uma das principais financiadoras da oposição a movimentos de cunho liberal, como a luta pelos direitos civis dos gays nos EUA. Meyer, por sua vez, diz que percebeu na crítica especializada uma tentativa de estereotipá-la por conta das especificidades de sua fé.

— Por muito tempo, fui apresentada como a escritora mórmon mãe de três crianças. Mas você não vê o Jon Stewart (comediante político, apresentador do “The Daily Show”, na TV americana) ser chamado de pai judeu de duas crianças. E eu não tenho a menor ideia de que religião J.K. Rowling professa. Aliás, ninguém parece ligar para isso, não é? — pergunta.

Foi justamente ao estabelecer uma comparação entre a autora de “Harry Potter” e a de “Crepúsculo” que o escritor Stephen King, em entrevista ao jornal “USA Today”, ofereceu uma das mais notórias críticas a Meyer, então festejada por parte da indústria editorial como uma das responsáveis pela reinvenção da literatura de fantasia adolescente nos EUA. O autor de “O iluminado” afirmou que, ao contrário de Rowling, “Meyer não é apta a escrever”.

Como o brasileiro Paulo Coelho — “tenho ‘O Alquimista’ separado em casa e só não comecei a ler porque a pessoa que me indicou foi a mesma que me deu uma dica furada”, diz —, Meyer recebeu uma saraivada de críticas negativas, intensificada após a explosão de “Crepúsculo”.

— O engraçado é que, quando lancei o primeiro livro, fui recebida com algum carinho. Depois que fui parar na lista dos mais vendidos, os mesmos críticos passaram a me destruir. Os mesmos! Percebi uma determinação maior de se encontrar falhas nos meus livros. Tudo bem, concordo com eles, há mesmo vários pecadilhos na minha produção literária. Tenho consciência de que sou uma contadora de histórias muito melhor do que escritora. Mas tenho melhorado — diz.

Continuação a caminho

“A hospedeira”, diz Meyer, que tem formação em Língua Inglesa, é seu livro mais bem-acabado, sua história favorita. Nele, a jovem Melanie é obrigada a conviver com Wanda, a forma alienígena que toma seu corpo. As duas vivem em estado de permanente tensão, com Melanie buscando proteger o que restou de sua família e Wanda inicialmente interessada em assegurar o domínio do planeta por seres mais avançados. No filme, Saoirse Ronan resolve bem a difícil tarefa de viver duas personagens dividindo um mesmo invólucro.
Mas não é possível deixar de perceber que os vilões intelectualizados criados por Meyer são também ecologicamente corretos e contrários à violência. No clímax da história, uma personagem se vê na iminência de, como Cristo, se sacrificar para salvar a Humanidade.

— Quando escrevi, não pensei nisso. Mas foi inevitável pensar que o amor da personagem era maior do que o desejo de se manter viva. Se a história de Bella era sobre um primeiro amor que a consumia, a de Melanie e Wanda é uma narrativa de sobrevivência, centrada na defesa da raça humana, diz Meyer, no momento escrevendo, “em um ritmo bem lento”, a continuação de “A hospedeira”.

Ex-catadora de caranguejo se forma bióloga com curso a distância e busca vaga no mestrado

0

Cláudia Emi Izumi, no UOL

"Pegava as apostilas no  polo do curso de biologia e esclarecia as dúvidas com os tutores durante a semana. Não sabia que gostava tanto de biologia até que comecei a estudar. Quanto mais estudo, mais gosto" Marina Barretos Silva, bióloga

“Pegava as apostilas no polo do curso de biologia e esclarecia as dúvidas com os tutores durante a semana. Não sabia que gostava tanto de biologia até que comecei a estudar. Quanto mais estudo, mais gosto” Marina Barretos Silva, bióloga

Ex-catadora de caranguejo no município fluminense de São Francisco de Itabapoana (a 322 km do Rio de Janeiro), Marina Barretos Silva, 47, se formou bióloga com graduação a distância, curso que completou em 2009. Agora tenta o mestrado.

Como a mãe, hoje aposentada, Marina catou caranguejo “praticamente a vida toda”, inclusive na época em que estudava a distância. “É desumano o trabalho no manguezal. É muito puxado e ruim, mas me ajudou a sobreviver”, diz.

Dos oito filhos, somente ela tem ensino superior. “Não queria deixar minha mãe e meus irmãos e morar em outro lugar. Parei de estudar entre o ensino fundamental e o médio, que só retomei entre 2001 e 2003, quando já estava casada e tinha quatro filhos.”

Durante os estudos do ensino médio, soube da graduação a distância pelo Cederj (consórcio de instituições públicas de ensino superior do Rio de Janeiro), que oferece mais de 6 mil vagas anualmente. “Alguém me falou do curso a distância. Fui lá para conferir. Chegou na hora certa, na hora que eu precisava”, lembra.

Hoje com quatro filhos e duas netas, a bióloga tenta um mestrado na UENF (Universidade Estadual do Norte Fluminense), na área de biociência e biotecnologia. Em janeiro de 2013, presta a prova de admissão com a esperança de ser aprovada para pedir uma bolsa de estudos.

“Queria muito entrar na área de pesquisa. Gosto de trabalhar em laboratório. A única desvantagem do EAD que fiz é que não tinha um”, diz ela, que começou a trabalhar no laboratório da UENF, em Campos dos Goytacazes, em abril de 2011, como estagiária não remunerada.

Três horas por dia

Marina cursou biologia, dedicando diariamente de duas a três horas para os estudos. “Cuidava da casa, mas não tinha emprego formal. Não sabia que gostava tanto de biologia até que comecei a estudar. Quanto mais estudo, mais gosto.”

O marido, que é pescador, sempre a apoiou. “Ele foi se acostumando com a ideia e sentia a minha aptidão”, conta. “[Quando estava] no ensino médio, chegou a falar: ‘Eu já sei que você nunca vai parar de estudar’.”

“Não tinha computador e usava muito pouco esse recurso. Até hoje não gosto de usar. Pegava as apostilas no polo do curso [o Cederj mantém um polo de ensino a distância no município em São Francisco de Itabapoana] e esclarecia as dúvidas com os tutores durante a semana. Foi ótimo, estudava nas horas de folga e em casa.”

Além da mudança de vida de Marina, a familia tem outro motivo para comemorar. A filha mais velha vai se formar também pelo curso a distância do Cederj em biologia, como a mãe. .

A palavra que dói

0

As mulheres ganharam o direito duvidoso de serem chamadas de corna

Ivan Martins, na Época

Os melhores dicionários brasileiros ainda não incluem a palavra “corna”, mas acho que falta pouco para que isso aconteça. O termo está no ar. Os dicionaristas, que têm uma natureza democrática, não vão suportar a pressão. Quando uma palavra ganha a rua e cai na boca do povo, como aconteceu com corna, o pessoal dos dicionários adere e incorpora. Na profissão deles, não vale ser o último a saber.

Você acha a palavra corna detestável? Eu também. Assim como corno, ela implica uma invasão da privacidade alheia e um julgamento a respeito dela. Só poderia ter sido inventada numa cultura de fofoqueiros como a nossa, que confunde o público e o privado. Na nossa sociedade é ridículo e profundamente vergonhoso ser enganado por um parceiro, embora aconteça o tempo inteiro. Por isso a gente aponta o dedo e xinga as pessoas de corno, e agora de corna. Em algumas línguas, ser enganado é apenas triste. Em outras, não tem tanta importância. Para nós, é o fim.

Essa mentalidade tem uma longa tradição. Chegou ao Brasil com os primeiros criminosos que Portugal fez deportar para a colônia. Entre assassinos, ladrões e prostitutas, havia os “cornos mansos”. Eram homens que não haviam lavado em sangue sua honra conspurcada. A mansidão deles era crime. Dava cadeia e degredo. Desde então, maridos e namorados traídos têm sido objeto de escárnio público no Brasil. São quinhentos anos de humilhação. Um dia, quando a mentalidade machista mudar, isso também mudará. Um dia.

Enquanto isso, vejo uma forma perversa de progresso na palavra corna. Ela significa que “a honra” da mulher agora vale tanto quanto a do homem. No passado, não se empregava esse adjetivo para mulheres porque não havia ultraje em ser enganada. Era como engravidar, parir e cuidar dos filhos. Estava no pacote, como parte natural da condição feminina. Muita coisa mudou deste então – para melhor.

As mulheres ganharam independência, prestígio social, poder e dinheiro. Sua força legal e econômica dentro do relacionamento impõe que a outra parte se comporte com respeito. Agora, elas têm, inclusive, o direito de serem chamadas de corna quando são enganadas – porque ninguém mais assume com naturalidade que isso vá acontecer. É considerado uma quebra de contrato. Quando ela acontece, as mulheres podem rodar a baiana, se acharem que é o caso. Seu direito à vergonha e à indignação foi conquistado.

Com a palavra corna não se inventou a humilhação feminina, claro. Ela estava lá desde sempre. Ser enganada sempre doeu, mas agora a dor ganhou legitimidade social. Virou um drama que testa o caráter da vítima. Quando a situação é pública, espera-se que a mulher enganada tome uma atitude. Parentes e amigos pressionam para que ela encha uma mala, reúna os filhos e abandone o sujeito. Ou ponha para fora o safado. O adjetivo corna é tão pesado, tão degradante, que exige reação. Mesmo que a mulher tenha vontade de apenas calar em tristeza e desapontamento. Mesmo que ela preferisse olhar para o outro lado e fingir que não está acontecendo nada. A pressão social contra as “cornas mansas” é enorme.

Os homens convivem com isso há séculos. Sempre foi inaceitável aceitar. Muitos devem ter morrido tomando satisfações por mulheres que não amavam – e a quem, provavelmente, negligenciavam. Quantos não se sacrificaram no altar da opinião pública para compensar a mancha invisível da traição? Sempre foi preciso ser mais homem que a média para deixar-se chamar de “corno manso” em vez de acabar com o casamento (ou com a mulher!) por causa de uma traição pública. Agora as mulheres têm de lidar com a mesma pressão.

Não é fácil. Quando a dor íntima vira conversa pública os sentimentos se exaltam. Todo mundo tem ego, afinal. Uma coisa é lidar com a dor entre quatro paredes. Outra é descobrir-se no centro de uma rede de piadas e comentários. Quando as pessoas envolvidas são famosas, os detalhes sórdidos vão parar na primeira página dos jornais. A celebridade não pode andar na rua sem que estranhos lhe façam perguntas. Nessas circunstâncias dolorosas, relações de décadas podem explodir – destruindo famílias, reputações e planos conjuntos de aposentadoria.

Num mundo ideal, não haveria nada disso. Homens e mulheres seriam verdadeiros o tempo inteiro. Numa bela tarde de sábado, olhariam a parceira ou o parceiro nos olhos e diriam: desculpe, mas eu estou atraído por alguém e quero que aconteça. A pessoa poderia aceitar ou mandar o outro à merda e cair fora. Ninguém seria enganado ou traído. Mas a vida não é assim nem em filmes do sueco Ingmar Bergman. A vida atropela. As pessoas fazem primeiro e contam depois. Ou fazem e não contam. Às vezes fazem sistematicamente e não contam. Ou contam sistematicamente, e o parceiro ou parceira enlouquece. A vida é difícil e nossos sentimentos são intensos.

O que ninguém precisa, de verdade, é de palavras como corna e corno. Elas transformam o ruim em péssimo. Humilham no auge da dor e da fragilidade. As palavras machucam, por isso existe pressão para que deixemos de usar algumas delas. A mentalidade muda e certas expressões deveriam desaparecer, varridas por uma visão mais generosa do mundo. Infelizmente, ainda não é o caso. As pessoas ainda são chamadas de corno, e agora de cornas. Nas ruas e, futuramente, nos dicionários. Eu só espero que não seja por muito tempo. Tomara que não demore mais 500 anos para esse velho insulto medieval português sair de circulação. Na verdade, já passou da hora.

Foto: Internet

Go to Top