Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged filme

‘O Irlandês’, novo filme de Scorsese com De Niro e Al Pacino, ganha trailer

0

Robert De Niro, Al Pacino e Joe Pesci protagonizam o novo drama mafioso de Scorsese
(foto: Netflix/Divulgação)

Produção da Netflix, filme ainda não tem data de estreia no streaming, mas será lançado em festival de cinema em Nova York em setembro

Isabella Moura, Correio Braziliense

A Netflix divulgou nesta quarta-feira (31) o primeiro trailer de O Irlandês, o novo drama do diretor Martin Scorsese. Robert De Niro, Al Pacino e Joe Pesci estrelam o elenco, que ainda conta com Harvey Keitel, Ray Romano e Anna Paquin.

O filme é baseado na história do livro O Irlandês: Os Crimes de Frank Sheeran a serviço da Máfia, de Steve Zaillian, e narra a misteriosa história do desaparecimento do líder sindical Jimmy Hoffa nos Estados Unidos pós-guerra.

Desafio de Scorsese

A tecnologia utilizada nesse filme tem despertado a curiosidade do público. Na trama contada ao longo de décadas, Scorsese deixa os personagens de De Niro e Al Pacino muito mais jovens com o auxílio de VFX, tecnologia oferecida pela Lucasfilm’s Industrial Light & Magic.

O custo de cerca de US$125 milhões para produção de efeitos visuais foi o motivo pelo qual a Paramount desistiu do projeto e a Netflix abraçou o desafio já de olho em concorrer ao Oscar em 2020.

Ainda sem data de estreia na plataforma de streaming, o filme abrirá o Festival de Cinema de Nova York, em 27 de setembro e deve ser lançando também em cinemas de Los Angeles (EUA).

It: Capítulo Dois tem tempo de duração revelado – e promete ser um épico

0

Pennywise (Bill Skarsgard) em cena de “It: A Coisa – Capítulo 2” Imagem: Reprodução

Mauricio Deho, no UOL

O diretor de It: Capítulo Dois, Andy Muschietti, confirmou o tempo de duração da sequência do elogiado filme de terror, e a experiência será longa: 2h45 minutos com Pennywise e o Clube dos Perdedores na tela – 30 minutos a mais do que It: A Coisa, lançado em 2017.

E Muschietti teve de trabalhar muito na sala de edição. O corte inicial teve 4 horas de duração, segundo ele contou ao site Digital Spy. “Um filme é bem diferente quando você está escrevendo o script e construindo a história em relação ao produto final. No começo, tudo parece essencial. No entanto, quando você o vê editado e ele tem 4 horas de duração, você percebe que alguns eventos podem ser retirados, deixando a essência intacta.”

O diretor afirmou que foram feitos testes, todos com sucesso.

“Você não pode entregar um filme de 4 horas, porque as pessoas se sentiriam desconfortáveis – não importa o que vejam – mas acabamos com um filme de 2 horas 45 minutos, e o ritmo ficou muito bom”, disse Muschietti. “Ninguém que viu o filme teve reclamações”.

A produtora Barbara Muschietti afirmou que haverá uma “director’s cut” (uma versão com o corte original do diretor). “Desta vez, realmente há mérito para isso. Temos cenas incríveis que não puderam ficar no longa”.

Mas não se preocupe com os cortes. O diretor prometeu: “Tudo que é assustador está no filme”.

Stephen King falou sobre a sequência de It: A Coisa – baseado em seu livro de mesmo nome – e se mostrou empolgado:

“It: Capítulo Dois: O confronto final é épico”, tuitou o escritor.

O elenco conta com Jaeden Martell como Bill, Wyatt Oleff como Stanley, Jack Dylan Grazer como Eddie, Finn Wolfhard como Richie, Sophia Lillis como Beverly, Chosen Jacobs como Mike, e Jeremy Ray Taylor como Ben. Bill Skarsgård é Pennywise. A estreia está marcada para 5 de setembro nos cinemas brasileiros.

Good Morning, Midnight : George Clooney vai dirigir e estrelar a adaptação

0

Publicado no Papo de Cinema

George Clooney assinou contrato com a Netflix para dirigir e estrelar a adaptação de Good Morning, Midnight, best-seller escrito por Lily Brooks-Dalton, apontado pelo Chicago Review of Books como um dos melhores livros de 2017. A história de ficção científica segue os cotidianos paralelos de Agustine (Clooney), cientista solitário no Ártico que se recusa a deixar a sua estação de pesquisa, e do astronauta Sullivan, a bordo da espaçonave Aether, tentando voltar para casa depois de uma missão pioneira a Júpiter. Isso tudo ocorre em meio a um evento possivelmente apocalíptico se desdobrando em vários cantos do planeta Terra.

Mark L. Smith (O Regresso, 2015) é o roteirista responsável pela adaptação do livro. Aliás, seu trabalho foi entusiasticamente elogiado por Clooney no comunicado oficial divulgado à imprensa: “Há muito tempo admiro Mark, e o seu roteiro para esse filme é verdadeiramente assombroso. Estou animado para trabalhar com os meus amigos na Netflix, também”. O último filme dirigido pelo astro foi Suburbicon: Bem-Vindos ao Paraíso (2017). Mais recentemente ele conduziu dois episódios da série Catch-22 (2019), minissérie do Hulu (inédita no Brasil) em que também atuou como coadjuvante.

A produção de Good Morning, Midnight (embora não esteja confirmado se o título do livro será mantido) começa em outubro deste ano.

‘O Livro dos Prazeres’, de Clarice Lispector, vira filme que privilegia olhar feminino

0

Simone Spoladore interpreta Lóri no longa de Marcela Lordy que será lançado no ano que vem, centenário da escritora

Francesca Angiolillo, na Folha de S.Paulo

Rio de Janeiro

A folha avermelhada precisa descer, pousar no ombro da mocinha e, do chão, ser recolhida pelo galã e então entregue a ela. Ali começa um plano-sequência no qual que o casal vai do flerte ao desentendimento —a tônica do relacionamento entre Lóri e Ulisses.

Mas o movimento agitado à beira da lagoa Rodrigo de Freitas acrescenta novas dificuldades às dos personagens de “O Livro dos Prazeres”.

A locação para esse dia das filmagens —que vão até o fim desta semana, no Rio de Janeiro— é linda, mas o som de helicópteros decolando e pousando ao lado invade a cena.

Venta e, ao segurar o chapelão, Lóri acaba por tapar demais o rosto. Passantes curiosos sem querer entram em cena olhando para a câmera. E a folha —nem sempre ela cai do jeito certo.

No décimo take, Marcela Lordy decide simplificar o que pode. “Vou aplicar em pós-produção essa folha.” Vai cair rodopiando, “bem Hollywood”. Mas a história que Lordy escolheu para sua estreia em longas de ficção, após ter feito carreira na assistência de diretores como José Eduardo Belmonte e Walter Salles, não é hollywoodiana.

É de amor, mas um amor construído sobre falhas que só podem ser reparadas cena a cena, sem truque ou técnica.

“Uma Aprendizagem ou O Livro dos Prazeres”, de Clarice Lispector, é a base do filme. No romance, de 1969, Lóri é uma professora na casa dos 30 que não se aprofunda nas suas relações. Conhece e deseja Ulisses, professor de filosofia mais velho, que lhe ensina a viver o amor, dizendo que aguardará até que ela esteja pronta.

A obra, que se passa quase toda dentro do pensamento de Lóri, pareceria inadaptável.

Transformar o fio de trama em roteiro exigiu dez tratamentos, em seis ou sete anos, recorda Lordy, que a partir de certo ponto teve a contribuição da argentina Josefina Trotta —seu filme é uma coprodução com o país vizinho.

Produtora brasileira do filme, Deborah Osborn, da Big Bonsai, diz que “queria muito internacionalizar o filme”, mostrar para o mundo esse “imaginário que permeia a gente a vida toda”.

O imaginário de Clarice não deixou mais de ser redescoberto no exterior, sobretudo desde que o americano Benjamin Moser lançou “Clarice,”.

Na biografia, Moser descreve “Uma Aprendizagem” como “uma espécie de órfão”, depois de “A Paixão Segundo G.H.”. “Na verdade, artisticamente, superar aquela obra atordoante seria difícil para qualquer escritor”, resume.

O resultado, que traz um final feliz, fato raro na obra da escritora, foi considerado menor ou mais fácil —para os padrões claricianos, que não são exatamente a média.

Concebido há quase uma década, o filme de Lordy será lançado no ano que vem. Calhou de ser o centenário de Clarice, lançando holofotes adicionais sobre a produção, que deve ter a companhia nas telas da adaptação de “G.H.” feita pelo diretor Luiz Fernando Carvalho.

“O Livro dos Prazeres” privilegia o olhar das mulheres —e são muitas no set— sobre uma história que, já em 1969, tinha no centro o desejo feminino.

Porém, meio século depois, a relação vertical estabelecida entre Lóri e Ulisses não faria sentido. “Ele desce do pedestal, aprende com ela”, diz Marcela Lordy, a diretora.

Embora veja a relação do casal como “quase abusiva” —a determinada altura do romance, por exemplo, ele a censura por cortar os cabelos sem pedir permissão—, ela acredita que “Clarice estava discutindo gênero ao colocar Ulisses à espera de Lóri”.

O tipo melancólico de Simone Spoladore se mostra perfeito para a esquiva Lóri. Uma mulher inalcançável, diz a atriz, “que se fechou para a dor”, ecoando a conclusão do diálogo rodado minutos antes.

Seu par é vivido por Javier Drolas. Conhecido no Brasil por “Medianeras”, ele atua pela primeira vez em português e suaviza a arrogância de Ulisses —apesar de no filme ele ser argentino, brinca o ator.

Mas, na visão de Drolas, “um homem já mais velho que nunca se apaixonou, algum problema tem”. Seu Ulisses é especialista em Spinoza, para quem “o fim último da filosofia é a felicidade”, e é nessa busca que, diz ele, o personagem “se torna mais humano”.

Spoladore conta ter sido ela também submissa em outras relações, mesmo se “a mulher contemporânea é diferente”. Essa diferença fundamenta o trabalho das roteiristas.

Há nove anos no Brasil, Josefina Trotta diz que Clarice foi das primeiras autoras que leu em português. Nas últimas releituras que fez de “Uma Aprendizagem”, sublinhou o que o livro tinha de ação de fato.

Era muito pouco. A saída foi desdobrar o que havia.

A mãe morta de Lóri ganha peso no filme. Está num crochê que a filha desfaz e refaz, como uma Penélope, e num diário encontrado no apartamento herdado —nele as palavras são de Clarice.

Da vida da escritora, vieram outros elementos para compor essa figura, que se torna não só autora mas ancestral de Lóri.

Os alunos se fazem mais presentes, como Otto, filho de Luciana, única amiga de Lóri. Esta, engenheira e taróloga, é a expansão da cartomante citada no livro somente em uma fala da protagonista.

Vivida por Martha Nowill —que, como Spoladore, havia atuado em curtas de Lordy, caso de “Aluga-se”, de 2012, do qual foi corroteirista—, Luciana é um contraponto a Lóri.

É, diz Trotta, “uma mãe profissional com defeitos”, que não teme se arriscar, à diferença da amiga. Nowill celebra o papel, uma coadjuvante com um destaque que ela reputa incomum no cinema.

Os personagens e situações se construíram a partir da vivência das próprias roteiristas e de mulheres ouvidas no processo.

Ulisses ganha uma sexualidade vista como ambígua; Lóri tem vários amantes —até uma amante.

Todos se tornam, enfim, mais gente, saindo da dimensão “quase sagrada” que, de início, impactou Trotta, como tantos outros, na obra de Clarice.

‘Cemitério Maldito’ completa 30 Anos! Conheça Curiosidades sobre o Clássico

0

Pablo Bazarello, no CinePop

Cemitério Maldito (1989) assombrou a infância de muita gente, como a deste que vos fala. O filme, obviamente, é baseado num livro de Stephen King, e tem direção de Mary Lambert.

A história apresenta uma típica família saída de comercial de margarina, com o pai médico (Dale Midkiff), mãe (Denise Crosby), filha (Blaze Berdahl) e filho de 3 anos (Miko Hughes, o menino do meme), se mudando para uma propriedade rural no interior, em uma cidadezinha. Apesar da tranquilidade, uma estreita estrada muito próxima traz um intenso fluxo de caminhões. Fora isso, a paz desta família será ameaçada pela presença de um cemitério de animais nas proximidades, dito trazer de volta seus entes queridos enterrados por lá. Às vezes a morte é melhor.

Como o remake está nos cinemas, resolvemos homenagear este verdadeiro clássico do gênero, que está completando 30 anos de seu lançamento. Conheça algumas curiosidades de Cemitério Maldito abaixo.

Stephen King

A ideia para a história surgiu quando o gato da filha do autor, Smuckey, foi atropelado na estrada. Como forma de homenagem ao animal, tanto no livro quanto no filme, um túmulo revela o nome do gatinho Smuckey.

Stephen King participa do filme vivendo um padre na cena do funeral. O autor também adaptou o roteiro de seu próprio livro para o cinema (o primeiro de sua carreira), e esteve presente durante quase toda a gravação do longa, já que sua casa ficava próxima ao set, no Maine.

O autor considerado mestre do terror já escreveu muitas histórias em sua vida. Mas apenas uma lhe deu medo de verdade. Se trata de Cemitério Maldito, segundo relatou o mesmo.

Elenco

Um dos momentos mais creepy do filme envolve a irmã doente de Rachel, Zelda. Para o papel, a fim de atingir o efeito esperado de estranheza, foi escalado Andrew Hubatsek, um homem.

O pequeno Miko Hughes, que interpreta o filho Gage, tinha apenas 3 anos durante as filmagens. O estúdio exigiu o uso de gêmeos, como se costuma fazer nestes casos com crianças tão pequenas. Mas a diretora Mary Lambert havia ficado tão impressionada com o desempenho do garoto, que bateu o pé por ele no elenco.

Foram utilizados sete gatos da raça British Shorthair para o “papel” de Church, o gatinho do “demo”, durante as filmagens.

Para o papel de Ellie, a filha, foram usadas as gêmeas Blaze e Beau Berdahl, embora apenas Blaze tenha sido creditada no papel. Beau recebeu crédito como Ellie II.

O ator Bruce Campbell, mais conhecido por viver Ash da franquia Evil Dead, era a primeira escolha para o papel protagonista Louis Creed, o pai da família.

Diretora

Este foi o segundo trabalho como diretora de cinema de Mary Lambert, que iniciou sua carreira no comando de videoclipes da Madonna, vide Material Girl (1985) e Like a Prayer (1989). Lambert viria a dirigir a sequência Cemitério Maldito 2 (1992) também, sem o mesmo impacto.

Antes de Mary Lambert assumir o projeto, a oferta foi feita para Tom Savini, técnico em efeitos práticos para terror, que recusou o filme. Depois, Savini viria a dirigir o remake de A Noite dos Mortos Vivos (1990).

Quando a cineasta Mary Lambert apresentou o corte final de Cemitério Maldito, os executivos da Paramount acharam o filme longo demais. Assim, ele precisou ser reeditado. Além disso, acharam o desfecho muito “triste, quieto e emotivo”, por isso um novo final mais gráfico foi filmado.

Vejam só isso! O diretor original seria ninguém menos do que George Romero, criador de A Noite dos Mortos Vivos (1968). Devido a atrasos nas filmagens, o cineasta precisou sair do projeto, dando vaga para Mary Lambert assumir. Romero partiria então para dirigir Instinto Fatal (1988), aquele filme sobre um mico de companhia assassino. Os lendários mestres do terror eram muito amigos, e haviam trabalhado juntos em Creepshow (1982), com Romero dirigindo um roteiro de King. Depois disso, voltariam a colaborar em A Metade Negra (1993), no qual Romero adapta um livro de King para o cinema.

Livro e Filme

Apesar de na época muitos terem se preocupado, não houve exposição do pequeno Miko Hughes às cenas mais violentas e assustadoras. Foi tudo criado através da mágica da edição. Para as cenas mais pesadas, foi usado um boneco. Assim, Hughes foi editado em cenas mais grotescas, sem ser de fato exposto a elas durante as filmagens. Por exemplo, o bisturi que ele usa no final do filme não era afiado.

No livro, a pequena Ellie, a filha, tem poderes psíquicos, assim como Danny em O Iluminado. Mas este fator foi cortado do filme pela diretora Lambert, que achou que não encaixava na história.

Referências

No roteiro original de King, ele utiliza um elemento presente no livro. A aparição de um Wendigo – um demônio nativo americano. A ideia foi cortada do filme. Mas em duas cenas, em que os personagens desbravam o caminho do cemitério à noite na mata, podem ser ouvidos estranhos barulhos, gritos e uivos, derivados desta criatura.

Quem conhece a fundo as obras de Stephen King, sabe que é comum em seus livros personagens fazerem referências a outras de suas obras. Em Cemitério Maldito, o personagem Judd, o vizinho, menciona que numa cidade próxima, um cachorro ficou louco e matou diversas pessoas. Esta é uma referência a Cujo, outro dos livros de King, transformado em filme em 1983, protagonizado pela atriz Dee Wallace. Fora isso, quando Victor Pascow, o estudante que volta como fantasma dando dicas ao protagonista, é levado desfalecido ao hospital, um pôster sobre raiva estampando o cão Cujo pode ser visto na cena.

Além de Cujo e O Iluminado, outra referência contida no livro é Os Vampiros de Salem. A citação ocorre quando Rachel passa por uma placa de Salem´s Lot, outro título de King.

Uma referência que não é de um livro de King ocorre quando Timmy Baterman, o rapaz que foi trazido de volta à vida durante a infância do vizinho Jud, finalmente encontra seu destino, e sua casa arde em chamas com ele dentro. Enquanto é queimado junto ao pai na casa, ele grita: “amo morto, odeio viver”. Esta frase é homenagem à “Noiva de Frankenstein” (1935), dita por Boris Karloff no papel do monstro.

Ramones

Stephen King é fã assumido da banda de punk rock da década de 1970, e faz diversas referências de suas canções ao longo do livro ‘Cemitério Maldito’. Retribuindo o favor, os Ramones gravaram a canção tema do terror, de mesmo nome – que se tornou tão conhecida ou até mesmo mais famosa que o filme em si. Fora isso, o caminhoneiro que causa o acidente chave do filme estava ouvindo outra canção do grupo, ‘Sheena is a Punk Rocker’. Esta participação se deu por conta da diretora Mary Lambert, que tinha um background vindo da música, tendo dirigido alguns clipes da Madonna. A diretora conhecia os Ramones e os convidou para gravar a trilha sonora, sabendo como King era fã deles.

Go to Top