Posts tagged Financeiro

A Biblioteca Nacional Digital americana está no ar

0

Projeto comandado por Robert Darnton será lançado dia 18

1

Iona Teixeira Stevens, no PublishNews

Robert Darnton, velho conhecido dos analistas sobre o futuro dos livros, anunciou no New York Review of Books o lançamento da tão aguardada e polêmica Biblioteca Digital, no dia 18 de abril. Até lá, curiosos já podem acessar o site.

No artigo, o historiador de Harvard volta no tempo dos revolucionários americanos para contextualizar o projeto da Biblioteca Digital (DPLA), afirmando que ela representa “uma fé iluminista no poder da comunicação”, e é a “confluência de duas correntes que moldaram a civilização americana: a utopia e o pragmatismo”.

Passado os parágrafos patrióticos, Darnton explica como será o funcionamento da DPLA em um primeiro momento – serão entre 2 e 3 milhões de itens no dia do lançamento.

Darnton conta também a turbulenta história do projeto, afirma que a DPLA não veio para ser um substituto do Google Book Search – apesar de querer ter o Google como aliado – e alerta: “o maior impedimento para o crescimento da DPLA é jurídico, não financeiro”.

Intelectuais brasileiros explicam por que ainda é importante ler Marx

0

marx1

Publicado na Folha de S.Paulo

Questionados pela Folha, quatro intelectuais brasileiros explicam as razões pelas quais os escritos do filósofo alemão Karl Marx são importantes até os dias de hoje e, por isso, ainda merecem leitura.

Confira:

*

ROBERTO SCHWARZ, crítico literário

“Como percepção da sociedade moderna, não há nada que se compare a ‘O Capital’, ao ‘Manifesto Comunista’ e aos escritos sobre a luta de classes na França. A potência da formulação e da análise até hoje deixa boquiaberto. Dito isso, os prognósticos de Marx sobre a revolução operária não se realizaram, o que obriga a uma leitura distanciada. Outros aspectos da teoria, entretanto, ficaram de pé, mais atuais do que nunca, tais como a mercantilização da existência, a crise geral sempre pendente e a exploração do trabalho. Nossa vida intelectual seria bem mais relevante se não fechássemos os olhos para esse lado das coisas.”

*

JOSÉ ARTHUR GIANNOTTI, filósofo:

“Os textos de Marx, notadamente ‘O Capital’, fazem parte do patrimônio da humanidade. Como todos os textos, estão sujeitos às modas, que, hoje em dia, se sucedem numa velocidade assombrosa. Depois da queda do Muro de Berlim, o marxismo saiu de moda, pois ficava provada de vez a inviabilidade de uma economia exclusivamente regida por um comitê central ‘obedecendo a regras racionais’, sem as informações advindas do mercado. Mas a crise por que estamos passando recoloca a questão da especificidade do modo de produção capitalista, em particular a maneira pela qual esse sistema integra o trabalho na economia. O desemprego é uma questão crucial. As novas tecnologias tendem a suprir empregos. Na outra ponta, o dinheiro como capital, isto é, riqueza que parece produzir lucros por si mesma, chega à aberração quando o capital financeiro se desloca do funcionamento da economia e opera como se a comandasse. A crise atual nos obriga a reler os pensadores da crise. Como cumprir essa tarefa? Alguns simplesmente voltam a Marx como se nesses 150 anos nada de novo tivesse acontecido. Outros alinhavam as modas em curso com os textos de Marx, apimentados com conceitos do idealismo alemão, da psicanálise, da fenomenologia heideggeriana. Creio que a melhor coisa a fazer é reler os textos com cuidado, procurando seus pressupostos e sempre lembrando que a obra de Marx ficou inacabada e sua concepção de história, adulterada, por ter sido colada, sem os cuidados necessários, a um darwinismo respingado de religiosidade.”

*

DELFIM NETTO, economista

“Porque Marx não é moda. É eterno!”

*

LEANDRO KONDER, filósofo:

“Os grandes pensadores são grandes porque abordam problemas vastíssimos e o fazem com muita originalidade. A perspectiva burguesa, conservadora, evita discuti-los. E é isso o que caracteriza seu conservadorismo. Marx é o autor mais incômodo que surgiu até hoje na filosofia. Conceitos como materialismo histórico, ideologia, alienação, comunismo e outros são imprescindíveis ao avanço do conhecimento crítico. Por isso, mais do que nunca é preciso frequentá-los.”

caricatura: Baptistão

Go to Top