Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged Fuvest

USP não tem calouro preto nas três carreiras mais concorridas de 2013

0

Cristiane Capuchinho, no UOL

As três carreiras mais concorridas do vestibular 2013 da USP (Universidade de São Paulo) não têm alunos pretos matriculados no 1° ano –conforme classificação de cor do IBGE (no quadro ao lado). Juntos, os cursos de medicina, engenharia civil em São Carlos e publicidade e propaganda matricularam 369 alunos, segundo a Fuvest (Fundação Universitária para o Vestibular). Desses, 78,3% se declararam brancos, 9,5% são pardos e 11,9%, amarelos.

IBGE

As nomenclaturas “pretos”, “pardos”, “indígenas”, “amarelos” e “brancos” dizem respeito a cor e são termos utilizados pelo IBGE em suas pesquisas

Segundo o Censo do IBGE de 2010, 63,9% dos habitantes paulistas se declararam brancos, 29,1% pardos, 5,5% pretos, 1,4% amarelos e 0,1% indígenas.

Nos dez cursos mais concorridos do processo seletivo 2013, apenas 4 pretos se matricularam. O curso de ciências médicas de Ribeirão Preto, o quarto mais concorrido, teve apenas um preto entre seus 103 calouros. Em jornalismo, sexto lugar na concorrência, ingressou um de 66 alunos. No bacharelado de artes cênicas (8°), há um calouro preto. E no curso de design, matriculou-se este ano apenas um entre 43 alunos.

No momento da inscrição na Fuvest, 4,3% dos candidatos do processo seletivo para a USP se autodeclararam pretos, 15,1% pardos, 5,1% amarelos e 0,2% indígenas.

No momento da matrícula, a presença de pretos e pardos passa a ser menor. Dentre os estudantes que se matricularam em 2013, 2,4% são pretos, de acordo com informações da Fuvest. Os pardos compõem 11,3% dos calouros, os amarelos são 7,5% e os indígenas formam 0,2% dos alunos.

Escola pública
O número de alunos de escola pública a ingressarem na USP aumentou de 28%, em 2012, para 28,5% dos matriculados em 2013. O crescimento é pequeno frente ao aumento do percentual de egressos da escola pública a se inscreverem na Fuvest no mesmo período — o índice passou de 33,8% em 2012 para 35,3% em 2013.

Para melhorar os resultados, a universidade estuda aumentar o bônus oferecido a alunos de escola pública em seu vestibular. “É possível aumentar o bônus do Inclusp sem prejudicar a qualidade do aluno. Temos um vestibular muito competitivo”, afirmou a pró-reitora de Graduação da USP Telma Zorn.

Em 2012, o percentual de estudantes da educação básica na rede pública do Estado de São Paulo era de 80%, segundo o Censo da Educação Básica.

1

Programa de inclusão
No final do ano passado, o governo paulista apresentou um programa de inclusão com o objetivo de aumentar o número de alunos pretos, pardos e indígenas e de escolas públicas nas universidades paulistas, o Pimesp (Programa de Inclusão com Mérito no Ensino Público Paulista).

A meta do programa é de aumentar para 17,5% o percentual de estudantes pretos, pardos e indígenas em cada curso do ensino superior público do Estado. O programa precisa ser aprovado pelo conselho universitário da USP e da Unicamp para passar a valer, a Unesp já aprovou as metas.

O programa tem sido alvo de críticas pelos movimentos sociais por prever que o estudante que não for aprovado pelo vestibular faça um curso de até dois anos de duração, inspirado nos “colleges” norte-americanos e ministrado parcialmente a distância, para só então ter direito a uma vaga nas estaduais paulistas.

USP quer saber onde estão ex-alunos; confira famosos que estudaram na universidade

‘Inseparáveis’, gêmeos de SP vão estudar na Universidade de Michigan

0

Augusto e Henrique Labella, de 17 anos, já haviam passado na USP.
Irmãos visitaram a universidade nos EUA e se encantaram com a estrutura.

1

Augusto (jaqueta clara) e Henrique Labella (jaqueta escura) foram visitar a Universidade de Michigan; aulas começam em agosto (Foto: Arquivo pessoal)

Vanessa Fajardo, no G1

Nem a faculdade os separa. Depois de passar a vida toda estudando na mesma escola, de vez em quando até na mesma sala, os irmãos gêmeos Augusto e Henrique Labella, de 17 anos, moradores da Zona Oeste de São Paulo, vão juntos para o Estados Unidos estudar na Universidade de Michigan. O campus, no entanto, não será o mesmo. Augusto quer cursar economia e seguir carreira na área financeira do sistema bancário. Henrique pretende se dedicar à engenharia biomédica e pesquisar a área de desenvolvimento de próteses, entre outras.

Ambos já tinham passado no vestibular da Fuvest, mas sonhavam mesmo com uma vaga em uma instituição americana. A Universidade de Michigan está em 12º lugar no ranking mundial de reputação acadêmica divulgado no início do mês de março pela instituição londrina Times Higher Education (THE). No ano passado, a universidade também aceitou um brasileiro, o estudante Cauê Sciascia Borlina que cursa engenharia aeroespacial.

Os irmãos visitaram a universidade e se encantaram com a estrutura dos campi. “Adorei tudo o que eu vi até agora, tenho certeza que serão os melhores anos da minha vida. As estruturas são todas lindas, parece cena de filme, lembra Hogwarts. Além disso, a universidade toma a cidade inteira, é basicamente uma cidade universitária”, diz Henrique.

Augusto compartilha a empolgação. “É um paraíso acadêmico. São infinitas oportunidades e mais recursos do que eu preciso para me tornar um profissional de sucesso. É de deixar qualquer um boquiaberto e qualquer faculdade brasileira com inveja. Estou com a sensação de que fiz a escolha certa.”

Henrique e Augusto comemoram aprovação na Fuvest (Foto: Vanessa Fajardo/G1)

Henrique e Augusto comemoram aprovação na
Fuvest (Foto: Vanessa Fajardo/G1)

Augusto foi o primeiro a receber a carta de admissão de Michigan no mês de fevereiro. A notícia sobre a admissão de Henrique chegou quase um mês depois, mas ele estava tranquilo. “Sabia que quando um irmão gêmeo passa, o outro também consegue. Mas também sabia que existe um delay [atraso] até porque são escolas diferentes.”

Semelhanças

Apesar de não serem univitelinos, os gêmeos são muito parecidos fisicamente e sempre causaram confusão entre amigos e professores por conta das semelhanças. Atualmente ambos estão com cabeça raspada por conta do trote da Universidade de São Paulo (USP), por isso pelo menos o cabelo não tem nenhuma diferença.

Os irmãos contam que além de confundi-los, as pessoas costumam fazer sempre as mesmas piadas, coisas do tipo: “você é você ou seu irmão?”, “um já fez prova pelo outro?”, “um já ficou com a namorada do outro?”. Para ajudar a diferencia-los, há três anos eles tiveram uma ideia simples, engraçada e eficaz: Henrique passou a usar só camisetas da cor preta, e Augusto da cor branca. “Eu casualmente já usava bastante roupa preta, aí o Augusto passou a adotar o branco”, diz Henrique. “Mas de modo geral é divertido ser gêmeo, eu aprovo e recomendo”, brinca Augusto.

Augusto e Henrique Labella foram aprovados na Universidade de Michigan, nos EUA (Foto: Vanessa Fajardo/ G1)

Augusto e Henrique Labella foram aprovados na
Universidade de Michigan, nos EUA
(Foto: Vanessa Fajardo/ G1)

Gosto de estudar, mas ser chamado de ‘nerd’ não é legal. Eu sou não ‘nerd’, faço muitas coisas além de estudar. Jogo mais videogame do que me orgulho, por exemplo”
Augusto Labella, de 17 anos, aceito pela Universidade de Michigan

Livros e música

A vontade de se graduar fora do país é antiga, foi fomentada por viagens que começaram ainda na infância. No ensino fundamental, aos 13 anos, os irmãos fizeram intercâmbio de um mês nos Estados Unidos. No ensino médio, aos 15, foram para o Canadá. “Achei interessante eles terem essa vivência, apesar da pouca idade”, diz a mãe dos meninos, a psicóloga Claerte Martins, de 54 anos.

Desde criança os meninos gostam de estudar. Todos os dias, após a escola – eles concluíram o ensino médio no Colégio Etapa – eles voltavam para casa e pegavam nos cadernos. As notas sempre foram acima da média da sala. Augusto diz que era melhor aluno que o irmão até o 3° ano do ensino médio. “Mas ele [Henrique] começou a estudar mais, até porque o curso que ele quer [engenharia] é mais difícil, e fiquei para trás.” Apesar da afinidade, eles nunca estudavam juntos para as provas.

Os irmãos são bons amigos, os pais dizem que nunca brigaram. Também dividem a paixão por instrumentos musicais e boa música. Ouvem de bossa nova a rock, mas dispensam as modinhas de axé e música sertaneja e eletrônica. Chegaram a tocar juntos em uma banda para um concurso de talentos na escola. Henrique toca guitarra e saxofone, e Augusto, contrabaixo, teclado e gaita. Os instrumentos ficam pendurados em seus quartos, onde também costumar ensaiar.

Augusto toca contrabaixo em uma banda de rock progressivo que fez cover de Pink Floyd. Além de estudar, ler e tocar, os irmãos também gostam de esportes: Augusto faz natação e Henrique joga basquete, e é bom no xadrez. Os dois falam inglês e espanhol, e Henrique ainda tem domínio básico de mandarim.

Quando questionados se são bons em tudo, Augusto se adianta. “Sou péssimo no futebol, um verdadeiro cone no gol. Também não sei dançar.” Os irmãos não gostam de balada, “porque é barulhenta, apertada e tem muita gente” e preferem, por exemplo, se divertir no cinema com os amigos.

Quarto do Henrique e sua preferência pela cor preta; do lado Augusto e a cor branca (Foto: Vanessa Fajardo/ G1)

Quarto do Henrique e sua preferência pela cor preta; do lado Augusto e a cor branca (Foto: Vanessa Fajardo/ G1)

Maioridade

Na próxima quarta-feira (17), quando completam 18 anos, Augusto e Henrique não vão comemorar a possibilidade de dirigir e outros ‘privilégios’ da maioridade. Neste momento eles não pensam em adquirir a carteira de habilitação, muito menos um carro, pois vão se mudar para os Estados Unidos no próximo semestre. As aulas em Michigan começam em agosto.

Apesar das peculiaridades que os diferem de muitos adolescentes da mesma idade, os dois não se consideram ‘nerds’, aliás, têm pânico desse tipo de estereótipo. “Gosto de estudar, mas ser chamado de ‘nerd’ não é legal. Eu sou não ‘nerd’, faço muitas coisas além de estudar. Jogo mais videogame do que me orgulho, por exemplo.”

Para os pais dos meninos, a sensação agora é antagônica. “Estou muito orgulhosa pela conquista, mas triste em pensar na partida deles”, diz a mãe. “Os meninos estão realizando um grande sonho que tive, o de estudar fora. Estou feliz, mas aos mesmo tempo preocupado”, afirma o pai, o consultor Antonio Labella, de 57 anos.

Aposentada fica 31 anos sem estudar, passa na Fuvest 2013 e será caloura do próprio filho

0
Procuradora aposentada, Lindamir agora pensa em ser professora de geografia

Procuradora aposentada, Lindamir agora pensa em ser professora de geografia

Lucas Rodrigues, no UOL

Esta sexta-feira (1º) foi de comemoração para os aprovados na Fuvest (Fundação Universitária para o Vestibular) 2013, que seleciona alunos para a USP (Universidade de São Paulo) e para a Faculdade de Medicina da Santa Casa de São Paulo. A lista foi divulgada por volta das 14h.

Lindamir Monteiro da Silva é uma dos estudantes que têm muito a celebrar. Prestes a fazer 54 anos, a aposentada passou no curso de geografia após 31 anos fora das salas de aula e será caloura do próprio filho. “Consegui me aposentar em 2011 e no ano passado comecei a fazer cursinho extensivo”, contou. “Eu tive que estudar muito, porque estava longe da escola há um bom tempo”.

Acompanhada da filha de 17 anos, Inae Monteiro Negrão, que prestou arquitetura, mas não entrou na primeira chamada, a aposentada conta que o dia da matrícula será ainda mais especial. “Meu próprio filho irá fazer o meu trote. Ele é veterano do segundo ano no curso de geografia também”, disse, rindo da coincidência.

Antes procuradora do Estado e formada em direito em 1981, Lindamir agora pensa em exercer a carreira de professora. “Prestei só na Fuvest mesmo, e agora é só alegria. Talvez eu queira lecionar depois de terminar essa nova faculdade”, afirmou.

Dedicação

A estudante Beatriz Balthasar, 18, é outra aprovada da Fuvest 2013.  A agora caloura do curso de gestão ambiental também havia prestado hidráulica e saneamento ambiental na Fatec (Faculdade de Tecnologia do Estado de São Paulo) e passou em letras pela Unifesp (Universidade Federal de São Paulo).

“Eu fiquei muito feliz porque foi um ano inteiro batalhando com os meus amigos e é uma satisfação muito grande”, disse. “Lembro que quando ficava ansiosa para a prova tinha insônia e estudava a madrugada inteira”.

Beatriz não é a única. Isabeli Ariel, 19, passou no curso de psicologia e usava a mesma técnica. “Quando ia mal nos simulados, eu virava a madrugada em cima dos livros”. A estudante também conseguiu uma vaga na Uerj (Universidade Estadual do Rio de Janeiro).

Já Ramon Silva de Lima, 17, afirma que estudou com tranquilidade para as provas da Fuvest 2013. “Eu fiz Olimpíadas Científicas. Eu acho que isso me ajudou bastante”, afirma o aprovado em engenharia da computação, que conciliou o último ano do ensino médio com cursinho.

Luís Toledo, 23, que passou em engenharia química na Escola Politécnica da USP, também falou da sua superação. O estudante fez dois anos de cursinho e teve de abrir mão da vida social. “Foi muito sofrimento, mas eu só cheguei aqui com o apoio da minha família, da minha mãe, da minha irmã, e dos meus amigos próximos”, disse. “Foi fundamental para eu ter força”.

Amigos fazem ‘vaquinha’ para aluno ir do CE para SP fazer prova da Fuvest

0

O cearense José Evaldo Pereira está em SP para a segunda fase da Fuvest que ocorre neste domingo (Foto: Vanessa Fajardo/ G1)
O cearense José Evaldo Pereira posa no vão livre do Masp; ele chegou em SP no sábado e vai fazer a primeira prova da segunda fase da Fuvest neste domingo

José Evaldo Pereira, de 22 anos, tenta uma vaga no curso de medicina. Até o professor ajudou a arrecadar R$ 1.500 para despesas de viagem.

Vanessa Fajardo, no G1

Foi com a ajuda financeira de amigos e professores que o estudante José Evaldo Pereira Sousa Filho, de 22 anos, morador da cidade de Maracanaú (CE), chegou a São Paulo neste sábado (5) para prestar a segunda fase do vestibular da Fuvest. Evaldo disputa uma vaga no curso de medicina na Universidade de São Paulo (USP), o mais concorrido do vestibular. Ele foi aprovado para a fase final do processo seletivo que começa neste domingo (6) e vai até terça-feira (8).

As provas da Fuvest são realizadas apenas no estado de São Paulo, por isso Evaldo precisou da ajuda dos amigos. A “vaquinha” reuniu cerca de R$ 1.500, dinheiro usado para pagar as passagens de avião e a hospedagem do estudante cearense. Ele chegou à capital paulista acompanhado pelo professor Ronaldo Landim Bandeira. Foi Landim quem custeou as despesas da viagem de Evaldo para a primeira fase do vestibular no dia 25 de novembro do ano passado. “Eu vejo o potencial dele, a dedicação, o entusiasmo. Resolvi fazer minha parte como professor.”

O pai de Evaldo está desempregado e a mãe trabalha como empregada doméstica. “Eles não teriam condições de bancar esses gastos. Mas minha mãe sempre me incentiva a estudar, diz para eu não desistir. Ela valoriza os estudos até porque não teve oportunidade, perdeu a mãe muito nova e teve de trabalhar”, diz Evaldo.

O jovem concluiu o ensino médio na rede pública de ensino no ano de 2007, quando foi aprovado em química na Universidade Federal do Ceará (UFC). Na ocasião, já sonhava em estudar medicina, mas não quis tentar uma vaga pois achava que era “um curso de rico”. “Estudei química um mês, mas vi que não era o que queria, que iria me arrepender. Larguei e passei a estudar para o vestibular em casa”, afirma.

Mesmo certo de que queria seguir carreira em medicina, Evaldo ainda cursou um ano de engenharia ambiental. Em 2009, conciliava as aulas da graduação com as do curso pré-vestibular do colégio Farias Brito, onde conseguiu uma bolsa de estudos. Cansado da rotina pesada, largou a engenharia e passou a se dedicar somente ao cursinho para concorrer a uma vaga em medicina. Rotina que se prolongou em 2010, 2011 e 2012.

Evaldo está matriculado no curso de medicina da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), na Paraíba, onde foi aprovado pela nota do Enem de 2011, como garantia. Ainda tem como alternativa concorrer com a nota do Enem 2012 (média geral de 774) na UFC e também está na disputa da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), cujas provas da segunda fase ocorrem entre os dias 21 e 24 de janeiro. No entanto, almeja mesmo uma vaga na USP.”Acho que tenho chances, afinal cheguei até aqui. São Paulo é uma cidade próspera, a rede de hospital é muito boa, concentra a elite da medicina no Brasil”, diz. O estudante sabe que as oportunidades profissionais em São Paulo tendem as ser melhores do que as oferecidas no Nordeste. “Duas pessoas que se dedicam igualmente aqui em São Paulo e em Fortaleza, por exemplo, têm futuros bem diferentes. Não seria fácil deixar minha família, caso consiga ser aprovado, mas não dá para não fazer as coisas por medo. É hora de enfrentar e crescer.”

Além de vencer a concorrência, Evaldo também se preocupa com a política de moradia estudantil das instituições de ensino. Vai precisar de auxílio para conseguir estudar. Foi por isso que não aceitou a bolsa de 100% da Pontifícia Universidade Católica (PUC) do Rio Grande do Sul para estudar medicina. “Eles não tem moradia, não ia conseguir me manter. Sei que terei dificuldades até para adquirir os materiais.”Mesmo na reta final das provas, o estudante não abandonou os estudos. Mantém o ritmo e todos os dias revê as matérias. Evaldo conta que na infância não gostava muito de estudar queria ser jogador de futebol, mas em 2003, quando estava na 7ª série, entendeu as dificuldades financeiras da família e percebeu que o estudo era o único caminho para mudá-las. “Nunca havia tentado o vestibular da USP por medo, não achei que fosse passar, mas tenho estudado todos os dias. No ano passado me dediquei muito, e vou fazer a minha parte.”

Foto: Vanessa Fajardo/ G1

Go to Top