Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged Gerado

UFC estuda possibilidade de mudar sigla por causa de torneio de MMA

0

Segundo reitor, sigla da universidade é confundida com a do campeonato
Sites de busca trazem páginas do torneio à frente da universidade.

Publicado por G1

Universidade Federal do Ceará (Foto: Divulgação)

Universidade Federal do Ceará (Foto: Divulgação)

A Universidade Federal do Ceará, conhecida como UFC, estuda a possibilidade de mudar a sigla da instituição para UFCE. Segundo o reitor Jejualdo Farias, há um “incômodo” gerado pelas pesquisas na internet que acabam por colocar à frente da universidade o Ultimate Fighting Championship (UFC), marca de entidade mundial que organiza lutas de MMA (artes marciais mistas, na sigla em inglês). “[Esse incômodo] surgiu mais fora do que dentro da instituição”, afirma Farias.

De acordo com o reitor, a universidade tem a marca UFC registrada no Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI) até 2018. Considerando a proximidade da data, a instituição pretende abrir espaço para debater o problema com os conselhos e unidades acadêmicas. “A tendência seria até manter o nome. Mas vai continuar incomodando porque [o Ultimate Fighting Championship] é uma atividade muito distante do referencial da universidade”, explica.

Até 2018, conforme o reitor, o setor jurídico da instituição de ensino deve trabalhar resguardando a sigla da Universidade Federal do Ceará. “Quando estiver mais próximo da data, vamos perguntar à comunidade o que ela deseja”, destaca. Caso a proposta seja aceita, a UFC passará a seguir o padrão adotado pelas demais universidades federais localizadas em outros estados do país. Ou seja, o ”UF” virá seguido da sigla do estado, CE.

Sasha Grey: a ex-estrela pornô lança o seu primeiro romance

0

Entrou em mais de 200 filmes para adultos, mas nos últimos anos deu um novo rumo à sua carreira. Agora estreia-se na literatura.

1

Publicado por Público

Entrou em mais de 200 filmes para adultos, mas nos últimos anos a americana Sasha Grey, 25 anos, tem dado um novo rumo ao seu percurso.

Primeiro foi a protagonista do filme The Girlfriend Experience de Steven Soderbergh, tendo depois participado em vários projectos no universo da arte contemporânea (por exemplo, o artista plástico Julião Sarmento criou retratos dela) e lançou-se também na música com o projecto aTelecine, para além de actuar regularmente na condição de DJ pelo mundo. Faltava a literatura.

Dizemos faltava, porque acaba de lançar o seu primeiro romance, The Juliette Society, à volta de uma mulher que entra para um clube secreto, explorando os universos do sadomasoquismo. Trata-se de uma novela erótica que está a gerar enorme expectativa. Em Inglaterra diz-se mesmo que o seu livro se poderá tornar no sucessor do enorme sucesso de Cinquenta Sombras de Grey de EL James (Lua de Papel) , o livro em torno do sexo que se tornou num êxito o ano passado, vendendo pelo mundo cerca de 40 milhões de cópias.

O livro vai ter edição em mais de 40 territórios e, ao que parece, Hollywood já mostrou interesse em passar a história para o ecrã. Sasha Grey retirou-se da indústria porno há quatro anos. Agora escreve sobre Catherine, uma jovem estudante de cinema, que entra para um clube de sexo secreto. À imprensa tem dito que tentou criar qualquer coisa de muito diferente. “A maior parte das novelas desde género existem num mundo híper-fantasista, na linha das comédias românticas. Eu quis criar qualquer coisa que as pessoas pudessem sentir que lhes poderia acontecer também a elas. O meu personagem não anda à procura do par ideal.”

No livro, sexo e violência, andam a par, o que tem gerado algumas críticas junto das poucas pessoas que já leram a obra. Mas ela defende-se: “algumas coisas podem ser vistas como ofensivas por algumas pessoas, mas é preciso entender que existe uma larga comunidade de pessoas à volta do mundo que se sente ostracizada pelas suas manias sexuais e é necessário falar disso de uma forma totalmente aberta”, justificou.

‘Sick-lit’, a nova e polêmica literatura para adolescentes

0

André Miranda, no O Globo

Doenças graves, depressão, anorexia, tentativas de suicídio e outros problemas que a fantasia costumava ignorar povoam o estilo

Cavalcante

Cavalcante

Há algumas semanas, a lista dos livros infanto-juvenis mais vendidos nos EUA e na Inglaterra não é encabeçada por histórias com vampiros, princesas, hobbits, detetives ou fadinhas que soltam pó de pirlimpimpim, como vinha acontecendo nas últimas décadas. No topo dos best-sellers do jornal “The New York Times” para o gênero está “A culpa é das estrelas” (lançado no Brasil pela editora Intrínseca), de John Green, em que a protagonista é uma menina com câncer avançado. Em segundo lugar, aparece “As vantagens de ser invisível” (editora Rocco), de Stephen Chbosky, sobre um adolescente depressivo cujo melhor amigo cometeu suicídio e que, dependendo de como forem as coisas na escola, pode ir pelo mesmo caminho.

Esse tipo de história — voltada para adolescentes, mas trazendo personagens envoltos em doenças graves, depressão, anorexia, tentativas de suicídio e outros problemas realistas que a fantasia costumava ignorar — vem sendo chamado de sick-lit, algo como “literatura enferma” em português. É um termo que traz uma conotação negativa e muitas vezes ignora a qualidade dos livros, mas que tem gerado polêmica e pode indicar uma tendência.

De carona no fenômeno

A relação de títulos associados ao sick-lit inclui “Antes de morrer” (Agir), de Jenny Downham, uma trama que acaba de ser adaptada para o cinema sobre uma jovem doente que quer aproveitar seu pouco tempo para atividades como perder a virgindade. Inclui, ainda, “Red tears”, de Joanna Kenrick, sobre uma garota que se automutila, e “Never eighteen”, de Megan Bostic, sobre um adolescente doente que vai atrás das pessoas importantes de sua vida para se despedir, ambos ainda não lançados no Brasil. Os exemplos vão além, com livros como “Extraordinário” (Intrínseca), de R. J. Palacio, sobre um menino que nasceu com uma deformidade facial; e “Como dizer adeus em robô” (Record, previsão de publicação no Brasil para abril), de Natalie Standiford, uma história melancólica que envolve a morte de um adolescente.

— A adolescência é uma fase mais down, em que os jovens sempre se cercaram de temas como esses. Não acredito que faça algum mal específico para o leitor. E não acho que o livro seja a única forma de contato dele com o assunto — afirma Julia Schwarcz, editora dos selos infantis e juvenis da Companhia das Letras. — Mas acho que existe uma diferenciação. Há livros muito bons, como o do John Green, que trata de sofrimento, mas tem uma história de superação. Só que alguns vieram na esteira, tentando se aproveitar do sucesso dos outros, e abordam a temática de forma mais gratuita. O segmento juvenil cresceu muito nos últimos anos, e vários autores tentam seguir a onda.

O debate sobre o efeito dessa sick-lit ecoou com mais força no mês passado, quando o jornal britânico “Daily Mail” publicou uma reportagem sobre o que chamou de “fenômeno perturbador”. “Enquanto a série ‘Crepúsculo’ e seus seguidores são claramente fantasia, esses livros de sick-lit não poupam detalhes ásperos sobre a realidade de doenças terminais, depressão e morte”, dizia o texto.

Na sequência da reportagem do “Daily Mail”, a editora de infanto-juvenis do jornal “Guardian”, Michelle Pauli, escreveu um artigo intitulado: “Evidentemente a ficção jovem é muito complexa para o ‘Daily Mail’”.
— Não acredito que um livro paute as escolhas de um leitor. As pessoas já têm as tendências delas, independentemente da história que vão ler. E, além do mais, sick-lit é um termo muito ruim. Parece uma piada — diz Danielle Machado, editora da Intrínseca.

Essa discussão sobre o efeito dos livros nos leitores tem um rastro na História. No fim do século XVIII, Goethe teve seu primeiro grande sucesso literário com “Os sofrimentos do jovem Werther”, romance epistolar narrado por um artista, num tom melancólico e depressivo. As autoridades da época ficaram preocupadas com o livro, por conta de sua abordagem do suicídio.

Recentemente, outra trama de suicídio gerou debate, desta vez nos EUA, por conta do premiado “Os 13 porquês” (2007, lançado no Brasil pela editora Ática), de Jay Asher. Nele, uma menina deixa fitas cassete para os amigos explicando como cada um deles ajudou em sua decisão de se matar. A polêmica era inevitável.
— O que um livro pode fazer é antecipar um sentimento que já está dentro da pessoa. Mas o livro não é a causa de uma depressão — avalia o psicanalista Luiz Fernando Gallego. — A postura do “Daily Mail” nessa história é higienista. É a coisa de quem busca uma causa única para todos os males e tenta expurgá-la.
Gallego pondera, ainda, se a aceitação dessas tramas tem mais a ver com qualidade do que com estratégias comerciais de autores e editoras.

— Uma questão para se debater é se esses livros são boa ou má literatura. A boa literatura pode abordar o tema que for. Mas, quando se faz proselitismo acerca de um assunto, seja nazismo, homofobia ou suicídio de jovens, aí não se está fazendo boa literatura. A culpa não é do tema, e sim do autor que faz uma literatura ruim — diz. — Minha grande dúvida é se esses livros fazem sucesso porque são bons ou se é do interesse do mercado que eles sejam feitos. Esse público é suscetível a seguir tendências e pode estar sendo levado por uma novidade.

O que está em jogo, assim, é o rumo de um mercado que, pelo menos nos últimos 15 anos, foi dominado por histórias fantásticas, de “Harry Potter” a “Crepúsculo”. Se essa sick-lit — com esse nome terrível mesmo — pegar, haverá espaço para muitas polêmicas nos próximos anos.

— Eu acredito em bons livros. E os bons livros serão lidos, seja de qual gênero forem — afirma Eduardo Spohr, sucesso junto ao público infanto-juvenil com obras como “A batalha do Apocalipse” (Verus Editora). — Já sobre a influência de um livro num jovem, eu me lembro que “Christiane F.” não formou uma geração de viciados. Quem leu costuma dizer que aprendeu muito e nunca tocou numa droga.

Livro fala dos bastidores de “O Hobbit “

1

Publicado no O Diário

 

“O Hobbit de A a Z”, da jornalista Sarah Oliver, conta os bastidores da história escrita por J.R.R. Tolkien que chega às telonas / Foto Divulgação

Os apaixonados pela obra do escritor britânico J.R.R. Tolkien terão mais um motivo para mergulhar na fantasia de Hobbit. Com a estreia do primeiro filme da trilogia na última sexta-feira a editora Universo dos Livros colocou simultâneamente nas livrarias “O Hobbit de A a Z”,  um guia completo escrito pela jornalista Sarah Oliver sobre os bastidores e segredos por trás dos filmes dirigidos por Peter Jackson.

 

Para deleite dos fãs “O Hobbit de A a Z é” é um livro indispensável para entender todas as etapas da adaptação cinematográfica. Dos detalhes do set de filmagem na Nova Zelândia, a coreografia, os testes de elenco, os treinadores de voz, as locações e os dublês usados nas cenas de batalhas.

Na história de O Hobbit, o mago Gandalf e os 13 anões que formam sua companhia contratam Bilbo Bolseiro para uma jornada até a Montanha Solitária, onde tentarão recuperar os pertences dos anões que foram roubados pelo dragão Smaug. É nessa aventura que Bilbo encontra o Anel que desencadeia a trilogia de “O Senhor dos Anéis”.

“O Hobbit de A a Z” traz ainda  em primeira mão depoimentos do diretor e dos atores que interpretam os personagens do filme, como Alfrid, Azog, Bain, Radagast, Elrond, Fili, Galadriel, Gollum e Smaug – o dragão gerado por computador, com a voz de Benedict Cumberbatch.  E, é claro, os protagonistas Bilbo Bolseiro – o ator Martin Freeman quando  jovem e Ian Holm na sua velhice – e Gandalf, o mago de barba branca vivido por Ian McKellen.

(mais…)

Programador cria algoritmo que transforma informações em livros

0

Filipe Garret no Tech Tudo

Philip M. Parker é um programador que criou o algoritmo que, simplesmente, consegue compilar informações na forma de um livro. A ferramenta se provou tão útil que, atualmente, o acervo digital da Amazon conta com 800 mil publicações compostas de forma digital – sem a necessidade de um batalhão de redatores. Já há empresas que pagam para usar a ferramenta para gerar compêndios de seus relatórios de operações.

Livro aberto (Foto: Reprodução)Livro aberto (Foto: Reprodução)

O interessante do uso do algoritmo é que, hoje, já é possível gerar livros inteiramente de forma digital. Da sua criação à sua distribuição. O processo dispensa custos de impressão, consumo de papel e reduz dramaticamente o elemento humano no desenvolvimento de conteúdos em texto.

Com o uso do recurso é possível, por exemplo, gerar um livro do zero a partir de um tópico de um fórum de Internet qualquer, em questão de minutos. Se você adicionar ao processo noções de venda de conteúdos sob demanda, onde o produto é gerado só a partir da requisição específica de um consumidor, há um modelo de negócios que pode revolucionar a indústria editorial contemporânea.

Embora a tecnologia seja muito inteligente e mesmo fascinante, ela tem suas limitações. Algoritmos são processos matemáticos e lógicos, o que significa que, em geral, resultam em textos não muito inspirados. Mas para manuais e conteúdos de referência, sem dúvida, a técnica desenvolve excelentes resultados.

Go to Top